Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Look up keyword
Like this
241Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Cuidados de enfermagem ao doente com AVC

Cuidados de enfermagem ao doente com AVC

Ratings:

5.0

(5)
|Views: 48,223 |Likes:
Published by enfermagemPT

More info:

Published by: enfermagemPT on Mar 28, 2008
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC or read online from Scribd
See more
See less

05/08/2014

 
Cuidados de enfermagem ao doente com AVC:
 Avaliação inicial:
Recolha de informações relativas:
o
Antecedentes clínicos,
incluindo hipertensão e respectivo controlo, história de doença daartéria coronária, diabetes, e história de AIT (sintomas, frequência, exames e tratamento, setiver sido feito
o
Medicação que esteja a ser feita, quer a de prescrição quer a de venda livre
o
Antecedentes tabágicos
o
Circunstâncias que envolvam o AVC:
Início, natureza e gravidade dos sintomas
Presença de cefaleias – natureza e localização
Visão – acuidade, diplopia, visão enevoada
Capacidade de concentração e de obedecer a ordens, memória
Resposta emocional/afectiva
 Nível de consciência, resposta a estímulos tácteis
Rede de apoio familiar e social, situação económica e seguro
o
Força motora — presença e gravidade de paresia ou paralisia
o
Coordenação – marcha, equilíbrio
o
Capacidade de comunicação (verbalização e compreensão da fala)
o
Avaliação do nervo craniano, incluindo o reflexo de deglutição, movimentos faciais e linguais,e pestanejo
o
Controlo ou incontinência intestinal e vesical
 Resultados esperados:
1.
A perfusão cerebral mantém-se, como mostra a ausência de sinais de pressão intracraniana aumentada esinais vitais estáveis
2.
a ) Passa da cama para a cadeira/cadeira de rodas, sem ajuda b) Não apresenta as complicações inerentes à síndrome de desuso, como se confirma pelo programa deexercícios de mobilização e pele íntegra
3.
Usa equipamento, adaptado, e estratégias para readquirir autonomia nas AVDs
4.
Consegue tolerar alimentos, sólidos e líquidos, sem aspiração nem engasgar-se
5.
Ingere nutrientes em quantidade suficiente pura manter o peso estável e satisfazer as necessidades doorganismo
 
6.
Usa, com eficácia, métodos alternativos de comunicação para comunicar necessidades7.Compensa deficiências visuais e de percepção espacial, sem fazer traumatismos8.Readquire continência urinária
9.Convive e participa na elaboração de planos de cuidados futuros
 Intervenções de enfermagem:
Promover ventilação e perfusão adequadas:
o
Manutenção das vias aéreas desobstruídas é fundamental para a oxigenação e perfusão cerebral
o
Posicionar o doente com a cabeceira da cama elevada a cerca de 30°, numa posição que impeça alíngua de cair e, assim, obstruir as vias aéreas
o
Avaliar oximetria de pulso e gasimetria arterial
o
Administrar oxigénio suplementar 
o
Aspirar secreções em SOS
o
Realizar entubação endotraqueal devido ao perigo de protusão da língua e ao risco de paragemcardiorespiratória
o
Em caso de dificuldade de deglutição, informar o doente que deve servir-se de doses pequenas, deglutindocom precaução, ou precisar de alimentação por sonda gástrica, até melhorar a capacidade de deglutição
o
Avaliar sinais vitais e avaliar o estado neurológico periodicamente para excluir a presença de pressãointracraniana aumentada
o
Promover uma hidratação adequada à manutenção da volemia e da pressão arterial
o
Posicionar o doente, pelo menos de 2 em 2 horas, melhora a circulação e o retorno venoso.
o
Certificar-se de que o vestuário, a roupa da cama e a posição corporal não dificultam a circulação
o
Implementar exercícios de mobilização, activos ou passivos, para facilitar o fluxo sanguíneo e restabelecer a circulação nas zonas de pressão
o
Promover o uso de meias elásticas, ou mangas de compressão intermitente, para prevenção da estasesanguínea e formação de trombos nas pernas.
o
Avaliação da temperatura corporal
o
Administrar terapêutica prescrita
Manutenção do equilíbrio hidroeléctrolítico
o
Registar balanço hídrico
o
Avaliar sinais de desidratação ou hiperhidratação
o
Avaliar sinais de desequilíbrio hidroeléctrolítico
o
Avaliara a diurese
 
o
Algaliar se existir retenção urinária
o
Avaliar sinais de obstipação
o
Administrar emolientes ou laxantes
o
Efectuar registos
Manutenção de uma nutrição adequada
o
Registar os alimentos e líquidos ingeridos pelo doente
o
Definir em colaboração com o nutricionista a dieta que melhor se adequa às necessidades do doente
o
Se o doente estiver impossibilitado de ingerir alimentos por via oral, é iniciada alimentação por sondanasogástrica, por tempo limitado
Cuidados a ter com a sonda nasogástrica:
Alimentar o doente posicionado com elevação da cabeceira
Introduzir alimentação na sonda por gravidade lentamente
Verificar estase gástrica (volume aspirado maior que 50 cc)
Alimentar 1º com chá ou soro e depois com a dieta se o doente tolerar 
Lavar a sonda no final
Mobilizar a sonda e mudar adesivos diariamente
Mudar sonda semanalmente
Avaliar o tempo de digestão
Promoção da eliminação vesical e intestinal
o
Algaliar caso seja necessário controlar débito urinário, caso contrário evitar devido ao elevado risco deinfecções
o
 Nos doentes do sexo masculino, incontinentes, podem ser utilizados dispositivos urinários – pen-rose.
o
Quando houver patologia neurológica se o doente apresentar retenção urinária pode precisar de umaalgália permanente ou de algaliação intermitente
o
Se o doente conseguir comunicar as suas necessidades, o enfermeiro deve procurar definir um programa regular de esvaziamento vesical
o
Promover 
uma ingestão diária de líquidos suficiente, embora possa ser necessário restringir oslíquidos à noite para evitar incontinência nocturna
o
Auxiliar o doente a
usar a sanita, de 2 em 2 horas, e insistir para esvaziar a bexiga
o
Incentivar verbalmente a manter-se continente, e promover a participação da família em todo este processo
o
Para prevenir obstipação usar medidas preventivas, como emolientes de fezes, adição de fibras nassondas de alimentação ou dieta, e hidratação
o
Avaliar o padrão de eliminação intestinal

Activity (241)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 thousand reads
1 hundred reads
Sonia Rocha liked this
Kenia Santos liked this
sandraviriato liked this
Jéssica Farias liked this
Catarina Soeiro added this note
Gostei, parabéns está aqui uma bom trabalho!
Felipe Shiraishi liked this
miinc17 liked this

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->