Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more ➡
Download
Standard view
Full view
of .
Add note
Save to My Library
Sync to mobile
Look up keyword
Like this
36Activity
×
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
A Psicologia Industrial e Organizacional

A Psicologia Industrial e Organizacional

Ratings: (0)|Views: 11,656|Likes:
Published by andreia_arceles863

More info:

Published by: andreia_arceles863 on Dec 10, 2009
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, DOC, TXT or read online from Scribd
See More
See less

07/22/2013

pdf

text

original

 
A Psicologia Industrial e Organizacional:um exemplo de sofisticação discursiva
Alexandre Magno Teixeira de Carvalho
*
Elizabeth Moreira dos Santos
**
“(...) inquietação diante do que é o discurso em sua realidade materialde coisa pronunciada ou escrita; inquietação diante dessa existênciatransitória destinada a se apagar sem dúvida, mas segundo umaduração que o nos pertence; inquietação de sentir sob essaatividade, todavia cotidiana e cinzenta, poderes e perigos que mal seimagina; inquietação de supor lutas, vitórias, ferimentos, dominações,servidões, através de tantas palavras cujo uso há tanto tempo reduziuas asperidades.”Michel Foucault,
 A ordem do discurso
Resumo
 Neste trabalho, apresenta-se uma visão histórico-crítica de como se constituiu edesenvolveu, no Brasil, a referência discursiva que aqui é denominada PsicologiaIndustrial e Organizacional.A associação entre as dimensões conceitual, histórica e política, com ênfase nasestratégias de legitimação do discurso e
 pelo
discurso, é o principal recursometodológico. Momento histórico de surgimento, objeto, objetivo, finalidade social, principais agentes no campo, clientela, alvo das ações, bases teóricas e principaiselementos conceituais foram os critérios referenciais de análise.Dessa forma, buscou-se definir a especificidade da Psicologia Industrial eOrganizacional em nosso país, o que se manteve e o que se transformou no tempo.Com o objetivo de facilitar o trabalho de pesquisa, são apresentadas algumas“dicas bibliográficas” e pistas sobre bibliotecas do Rio de Janeiro.
Introdução
O debate sobre as questões que envolvem a Saúde Mental e a Psicologia noâmbito do processo de produção torna-se estratégico em um momento de mudanças profundas e rápidas nas formas de organização da economia e, conseqüentemente, nasformas de embate entre Capital e Trabalho em nosso país (CARLEIAL & VALLE,1997).
*
Sanitarista/Educação e Saúde (SES/RJ); Doutorando em Saúde Pública (DENSP / ENSP / FIOCRUZ).
**
Pesquisador Associado III (DENSP / ENSP / FIOCRUZ).
 
Vive-se um contexto de “globalização” econômica (leia-se mundialização docapital), de fragmentação do mundo do trabalho e de subordinação dos EstadosPeriféricos
1
a políticas de ajuste econômico impostas por conglomerados econômicos degestão “internacional”. A lógica e as estratégias do mercado globalizado impuseram aosEstados Nacionais a “quebra de soberania” (IANNI, 1997; SANTOS, 1997).Há um incremento paroxístico da concentração de renda e da crise social, sendoo aumento do desemprego, da “informalização” e da violência, associado aoinvestimento político na quebra de garantias trabalhísticas historicamente conquistadase no enfraquecimento dos espaços de representação dos trabalhadores, algumas de suasfaces mais visíveis.As grandes empresas, as grandes corporações, estão se tornando espaços decirculação e de acumulação de Capital mais importantes do que as próprias fábricas. Jáé muito difícil contar o número de empresas “virtuais” que se abrigam na Internet. Vive-se, segundo Santos (1997), a “época dos signos”. Nesse contexto, pode-se tambémdiscutir, como fazem vários autores (CODO & SAMPAIO, 1995; SELIGMANN-SILVA, 1994
a
; SILVA
et al 
., 1995; ANTUNES, 1995), a emergência de tecnologiassofisticadas de dominação, controle e alienação
tais como automação, círculos decontrole de qualidade, terceirização, etc. e suas relações com a dimensão dasubjetividade.Exclusão, vulnerabilidade e desfiliação (CASTEL, 1995, 1999) são conceitos erealidades; são discurso-materialidade. Para Foucault (1996: 9), “a produção dodiscurso é ao mesmo tempo controlada, selecionada, organizada e redistribuída por certo número de procedimentos que têm por função conjurar seus poderes e perigos,dominar seu acontecimento aleatório, esquivar sua pesada e temível materialidade”. Nesse sentido, e considerando que o discurso não é apenas
representação
de lutas ou dedominações mas também
algo
porque e através do que se luta,
 
entender as diferentesgicas discursivas em dimensão histórica e potica (RODRIGUES, 1997) éfundamental para aqueles que pretendam pensar e resolver – seja em que nível for - osmais diversos problemas que se apresentam quando o que esem jogo o ascomplexas relações entre sofrimento, prazer e trabalho na sociedade contemporânea.
1
Não acreditamos que seria contradição falar em Estados “Periféricosno atual contexto demundialização da Economia. As desigualdades persistem; os países pobres continuam pobres e ocupando posições desfavoráveis no diagrama global que representa as relações políticas e econômicasinternacionais no mundo contemporâneo.2
 
A Psicologia Industrial e Organizacional: um exemplo de sofisticação discursiva
O que estamos chamando, genericamente, de Psicologia Industrial eOrganizacional (PIO) engloba toda uma produção de discurso que, apesar de poder aparecer sob diferentes denominações (Psicologia do Trabalho, Psiquiatria Ocupacional,Relações Humanas no Trabalho e na Empresa etc.) e de apresentar pequenas variaçõesno que diz respeito ao “objeto” construído, conserva uma certa regularidade discursiva econvergência no que tange ao objetivo, finalidade social, compromisso ético, alvo dasações, bases teóricas e elementos discursivos.Para Mendes e Dias (1991), o modelo da Saúde Ocupacional evoluiu daMedicina do Trabalho, sem dela se separar nos planos epistemológico, ético e político.Segundo essa concepção, o surgimento da Saúde Ocupacional, no contexto do pós-guerra, atendia a uma necessidade histórica de desenvolvimento acelerado dastecnologias médicas de intervenção no mundo do trabalho. Esse desenvolvimentotrouxe novas preocupações e levou à ampliação da noção de objeto de que dispunha aMedicina do Trabalho. Surgia a concepção de multidisciplinaridade e de atuaçãomultiprofissional. Com a construção da noção de ambiente, não mais seria possível agir somente sobre o corpo do indivíduo trabalhador, nem agir isoladamente: diferentesdisciplinas (engenharia, ergonomia, medicina, psiquiatria, psicologia etc.) investiram oseu olhar (cada qual com seu arsenal espefico de saberes e práticas) sobre otrabalhador e sobre o ambiente de trabalho. É nesse contexto que vai emergir e sedesenvolver a PIO
2
. O “progresso industrial” foi o grande
leitmotiv
 para o desenvolvimento daciência psicológica em nosso país (CARVALHO, 1999). O texto de Lourenço Filho(1971a), “Orientação em um país latino-americano em rápida industrialização: Brasil”
3
, é ilustrativo desse processo. A partir da convergência de objetivos e interesses quedefinira a união entre psiquiatria e elite econômica nos aspectos relativos ao mundo dotrabalho, a psicologia foi se afirmando como ciência e passou a produzir dispositivosdiscursivos e práticos que incrementavam a sua afirmação e legitimação científica.Segundo Bergamini (1972: 17), “é notável
o
crescente interesse das empresas brasileirasna procura de novas técnicas especializadas em avaliação, desenvolvimento, adaptaçãoe compensação de seus recursos humanos (...). Essas aspirações dos homens de
2
Pode-se dizer que a PIO está para a Saúde Ocupacional assim como a Higiene Mental do Trabalho está para a Medicina do Trabalho. Considerando a dimensão
 psi
no âmbito da Saúde, podemos afirmar que aPIO pertence ao conjunto maior da Saúde Ocupacional.
3
Publicado inicialmente em Londres, no
The year book of education,
em 1955.3

Activity (36)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 hundred reads
1 thousand reads
Andresa Menezes liked this
Nice Miranda liked this
Sérgio Lima liked this
Jan Darioush liked this
Gislaine Rezer liked this
Eduh Batista liked this

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->