Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Look up keyword
Like this
47Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
teorias progrEssistas

teorias progrEssistas

Ratings:

2.0

(2)
|Views: 9,948 |Likes:
Published by PEDAGOGA JESSICA

More info:

Published by: PEDAGOGA JESSICA on Dec 13, 2009
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/20/2013

pdf

text

original

 
Teorias progressistas
O termo progressista advém de George Snyders, que resulta da morte de uma velhaestrutura educacional e na construção de uma nova, usado aqui para designar astendências que partindo de uma analise critica das realidades sociais sustentamimplicitamente as finalidades sociopolíticas da educação. Na Teorias progressistas a educação é imaginada à semelhança de um processo dehumanização dos homens, ao considerar de caráter fundamental a ambiência social ondese encontram. Essas teorias são caracterizadas pelo sentido crítico como concebem aeducação, onde as funções sócio-políticas da escola são organizadas segundo asnecessidades dos segmentos populares. Entendida como um processo social dependedas determinões advindas dos interesses de classe. Este é um dos pontos dediferenciação diante da pedagogia liberal, na qual o educando é “moldado” para ocupar  posões preestabelecidas na estrutura da sociedade. Ainda podemos destacar ocomponente político que impregna as pedagogias progressistas; essa visão da escolacomo espaço político, é que possibilita sua vinculação com a luta concreta dos setores populares com vistas à emancipação alunos e escolas.A pedagogia progressista tem-se manifestado em três tendências: libertadora, libertariae critico social dos conteúdos. As versões libertadoras e libertaria tem em comum oanti-autoritarismo a valorização da experiência vivida como base da relação educativa ea idéia de autogestão pedagógica. Em função disso, dão mais valor do processo, deaprendizagem grupal de discussões e participações como: assembléias, votações do queaos conteúdos de ensino, como decorrência, a pratica educativa somente faz sentidonuma pratica social junto ao povo, razão pela qual preferem as modalidades deeducação popular "não formal".A tendência da pedagogia critica social de conteúdos propõe uma síntese superadora da pedagogia tradicional e renovada valorizando a ação pedagógica enquanto inserida na pratica social concreta. Entende a escola como mediação entre o individual e o socialexercendo ai a articulação entre a transmissão dos conteúdos e da assimilação ativa por  parte de um aluno concreto (inserido num contexto de relações sociais); dessaarticulação resulta o saber criticamente reelaborado.
Tendência progressista libertadora
[...] a educação é uma atividade onde professores ealunos mediatizados pela realidade que apreendem e da qual extraemo conteúdo da aprendizagem, atingem um nível de consciência dessa
 
mesma realidade, a fim de nela atuarem, num sentido detransformação social [...]
A citação de Libâneo está relacionada à tendência libertadora da Pedagogia Progressistainiciada por Paulo Freire no início dos anos 60, a tendência libertadora nasce emoposão aos todos da época que o eram capazes ou o se preocupavam prioritariamente em formar cidadãos.Para Paulo Freire, cidadão é o indivíduo capaz de, na relação com a realidade, atuar num sentido de transformação social, faz com que professor e aluno tenham totalseguraa do seu direito de aprofundar e aperfeoar mais com as tendências pedagógicas dentro da pratica escolar dentro das teorias progressista libertadora.O papel da escola progressista libertadora era visar e levar professores e alunos aatingir um nível de consciência da realidade em que vivem na buscada transformaçãosocial. A relação do professor e aluno e de igual, horizontalmente com aprendizagem problemática onde propõe uma educação libertadora, na qual o professor e aluno seeducam mediados pelo mundo. A dialética progressista pedagógica libertadora tem sidoempregada com êxito em vários setores dos movimentos sociais (sindicatos, associaçõesde bairro, alfabetização de adultos, etc).A realidade exerce papel fundamental, uma vez que ela é ao mesmo tempo mediador e próprio conteúdo a ser apreendido. Através da percepção do mundo constroem-seconceitos e atribuem-se significados a cerca da realidade que, em um ciclo,influenciarão posteriormente leituras e ressignificações. Assim, o mundo que cerca oeducador e o educando, tem papel fundamental na tendência libertadora, uma vez que oobjetivo e o direcionamento da pedagogia de Paulo Freire, como explicitado por Libâneo, é atingir um
nível de consciência
da realidade. Mas é importante observar queeste direcionamento não perde de vista as diferenças entre homens e crianças, comorelata o Paulo Freire falando de sua experiência de leitura do mundo:
“Mas, é importante dizer, a “leitura” do meu mundo, que me foi sempre fundamental, não fez de mim um menino antecipado emhomem, um racionalista de calças curtas. A curiosidade do meninonão iria distorcer-se pelo simples fato de ser exercida, no que fui maisajudado do que desajudado por meus pais.
5
Desta forma, Paulo Freire opõe-se à Pedagogia Tradicional uma vez que ele nãoconsidera a criança como um adulto em miniatura, mas como ser portador de suas próprias especificidades.
[...] a educação é uma atividade onde professores
e
alunos [...]
atingem
um nível de consciência [...] [da realidade], a fim de [...]
atuarem
 , num sentido de transformação social - (grifo nosso).
Assim, o professor acompanha o aluno na busca constante desde nível de consciência.Tento a realidade como mediador e objeto de aprendizado, a tendência libertadorafunciona como abertura para uma sociedade democrática, preocupando-se também como que está fora da escola em busca da emancipação do homem. É uma perspectivatransformadora da educação onde o foco sai do conteúdo e se dirige para a relação eonde o aluno desloca-se do papel passivo e passa para o ativo.Papel da Escola: Atuação não formal. Consciência da realidade para transformaçãosocial. Questionar a realidade. Educação crítica.
 
Conteúdos: Geradores são extraídos da prática, da vida dos educandos. Caráter político.Método: Predomina o diálogo entre professor e aluno. O professor é um animador que por princípio deve descer ao nível dos alunos.Professor x Aluno: Relação horizontal. Ambos são sujeitos do ato do conhecimento.Sem relação de autoridade.Pressupostos: Educação problematizadora. Educação se dá a partir da codificação dasituação problema. Conhecimento da realidade. Processo de reflexão e crítica.Prática Escolar: A pedagogia libertadora tem como inspirador Paulo Freire.Movimentos populares: sindicatos, formações teóricas indicam educação para adultos,muitos professores vêm tentando colocar em prática todos os graus de ensino forma
Tendência progressista libertaria
Pode-se dizer que um dos principais objetivos da pedagogia libertária é preparar osindivíduos para a vivência plena da liberdade. Para isso, desenvolve a autonomia, aresponsabilidade, o respeito, a solidariedade, a cooperação e a criatividade noseducandos. Assim, além de estabelecer novas formas de relações interpessoais, étambém um instrumento de luta para a superação das condições de exploração quesustentam nossa sociedade. Segundo Gallo (1995a.), o historiador do anarquismo Edgar Rodrigues, diz que educar, na perspectiva libertária, é acima de tudo a preparação dohomem para a liberdade, para a criatividade e para a solidariedade.Educar é contribuir para formar caracteres retos, despertar o amor pela humanidade econverter o homem em amigo do homem, responsável por si e pelo grupo. Assim, oobjetivo primordial da educação anarquista é formar homens livres e conscientes quelutem pela liberdade de todos, e como a liberdade só adquire sentido quando expressãoda coletividade, um indivíduo só pode ser livre quando todos aqueles que compõem ocoletivo social também o forem.Partindo sempre em busca deste objetivo, os escritos anarquistas sobre educação são, por um lado, propostas sobre novas bases e objetivos para a educação, e por outro, umacrítica ao sistema de ensino praticado no capitalismo, que sempre existiu para adaptar osindivíduos à sociedade, educando-os para que sejam como devem ser, padronizandosuas consciências e suas personalidades:
“Essa educação sempre procurou formar as pessoas de acordo com asnecessidades da sociedade, servindo operários conformados para otrabalho braçal e formando os filhos da burguesia para as funções de gestão da sociedade, mas ainda assim para gerir de acordo com osdesejos da sociedade, e não deles próprios. A educação tradicional capitalista é, ao mesmo tempo, reflexo e fonte da desigualdade social, gerando uma visão de mundo que garante a acomodação, e ensinandoricos e pobres a se conformarem com a estrutura social, que deve ser  percebida como inevitável e imutável (GALLO, 1995a., p. 35).”
Já o objetivo da educação libertária é educar para que a pessoa seja o que ela realmenteé, consciente de si mesma e de sua singularidade, de suas diferenças e da importância deseu relacionamento com o grupo social para a construção coletiva da liberdade.
“Por um lado, a integralidade faz referência em parte ao que jáacabamos de expor: o ensino tem como objetivo desenvolver todas as possibilidades da criança, tirar tudo o que ela traz dentro de si sem

Activity (47)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 hundred reads
1 thousand reads
Maristela Midlej liked this
Valéria Paes liked this
Louise Clemente liked this
Susy Miranda liked this
Iago Torres liked this
Elen Zaghetti liked this

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->