Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
62Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Rousseau - Vontade Geral

Rousseau - Vontade Geral

Ratings: (0)|Views: 11,438 |Likes:
Published by Caius Brandão
Vontade Geral
Vontade Geral

More info:

Published by: Caius Brandão on Jan 02, 2010
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/07/2013

pdf

text

original

 
VONTADE GERAL
Análise de TextoCom base no texto de Michel Debrun,
 Algumas observações sobre a noçãode “vontade geral” no “Contrato Social” 
, bem como nas leituras e análisesdesenvolvidas em aula das obras de Rousseau.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÀSDEPARTAMENTO DE FILOSOFIADisciplina: Filosofia PolíticaProfª. Drª. Helena Esse dos ReisPor Caius Brandão
 
Introdução
O conceito de “vontade geral” é um elemento axial do sistema políticoproposto por Jean-Jacques Rousseau no
Contrato Social.
A doutrina deRousseau pretende radicalizar a defesa da liberdade de cada indivíduo no estadocivil. Considerando “os homens como são e as leis como podem ser”, antes de sepreocupar com a aplicabilidade do seu sistema político, Rousseau oferece umcritério de medida para legitimar o poder civil enquanto principal mantenedor dacondição natural de liberdade dos indivíduos que o compõem. Para Rousseau, avontade geral exerce o papel de fundadora da soberania popular, a únicadetentora de um poder civil legítimo.Ao teorizar sobre a passagem do estado de natureza para o estado civil,Rousseau concebe um modelo de associão (pacto social) pelo qual osindivíduos defendem e protegem seus bens e a si próprios com toda a força dasociedade, ao mesmo tempo em que obedecem apenas a si mesmos,conservando assim, a liberdade que gozavam no estado de natureza. Em suaspróprias palavras, “unindo-se a todos, só obedece a si mesmo, permanecendoassim tão livre quanto antes”. Portanto, é justamente a universalidade dosinteresses por proteção e segurança e do desejo de permanecer livre de cada um,que constitui a vontade geral instituidora do corpo social que visa apenas o bemcomum.Vontade geral é, portanto, a reunião das vontades e interesses comuns emcada indivíduo no pacto social. Rousseau refuta tanto a noção de consciênciacoletiva, como a de interesse coletivo, porque tudo que é útil a todos é útil tambéma cada um. Por conseguinte, seria equivocado supor que o corpo social pudessese constituir numa totalidade orgânica. Para Rousseau, o Estado não passa deum corpo artificial instituído por convenção, incapaz, portanto, de sobrepujar legitimamente a vontade de seus convenentes.
2
 
I.A Vontade Geral e sua Relão com os Indivíduos Particulares e comos Grupos e Facções;
Antes de estabelecermos as relações enunciadas, faz-se necesrioexplicitar os conceitos de vontade particular e vontade corporativa (facções).Enquanto que a vontade geral quer o bem comum, a vontade particular quer obem de si, ou seja, busca satisfazer interesses particulares, sem levar emconsideração o bem público. Já a vontade corporativa se refere aos interesses defacções, ou seja, aos interesses específicos e comuns a um grupo de pessoasdentro do Estado. Em suma, na vontade individual identificamos dois aspectos, ogeral e o particular. Este, por sua vez, (o aspecto particular da vontade individual)se desdobra nas vontades rigorosamente pessoais e naquelas que ocorporativas.Conclui-se que no estado civil, um homem tanto é indivíduo, com interessespróprios voltados para si, quanto cidadão, quando atende a interesses quetambém lhe são próprios, mas visam o bem comum. Rousseau reconhece que avontade particular de um indivíduo pode entrar em conflito com a vontade geralque o mesmo tem enquanto cidadão, ou seja, que o interesse privado pode ser contrio ao interesse comum. Mas este é superior àquele. Uma dasconseqüências de se viver em sociedade é o desenvolvimento da razão e damoral. São elas que orientam o indivíduo a superar tais conflitos em prol do bemcomum, ou seja, da vontade geral. Quando deixa o estado de natureza, o homemse torna um ser social, racional e moral. Exatamente por isso, o total dosinteresses comuns tem, para o próprio indivíduo, um peso maior do que o total dosseus interesses particulares.Rousseau desaprova veementemente as facções, ligas e associaçõesparciais por deturparem a vontade geral, já que: (i) A vontade corporativa é geralem relação aos seus membros, mas particular em relação ao Estado. Via de regra,os interesses comuns aos membros de uma facção ou grupo são colocados em
3

Activity (62)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 hundred reads
1 thousand reads
Benefrancis liked this
Vannuza Rochelle liked this
Aline Nery liked this
Glenn Dmg liked this
rubenssiqueira liked this
Stefane Rabelo liked this
Rodrigo Maluf liked this

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->