Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more ➡
Download
Standard view
Full view
of .
Add note
Save to My Library
Sync to mobile
Look up keyword
Like this
254Activity
×
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Relatório Final - Psicologia Experimental

Relatório Final - Psicologia Experimental

Ratings: (0)|Views: 61,152|Likes:
Published by Isabela

More info:

Published by: Isabela on Jan 05, 2010
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, DOC, TXT or read online from Scribd
See More
See less

09/29/2013

pdf

text

original

 
 Na época em que a fisiologia tentava provar que os movimentos do corpoeram provenientes de uma organização sincronizada de músculos, articulações e ossos,o filósofo grego Sócrates não encontrou explicações para determinados comportamentosdiante destas descobertas.Aristóteles referiu-se a “qualidades” (razão, vontade, apetite, percepção dossentidos, etc.) como sendo causas dos comportamentos de uma forma geral.Passados séculos, na Idade Média, as causas do comportamento foram dadasa eventos como posicionamento dos astros, movimentos dos mares ou até atribuiçõesdivinas.O filósofo e matemático Descartes rompeu, parcialmente, com a visãometafísica do comportamento. De acordo com ele, existem duas substâncias:
“(...) mente e matéria, substância pensante e a extensa (...) Descartes foi, na realidade, um completo mecanicista em referência a todo omundo material. Acreditava que todas as ações do corpo humano – osmovimentos dos músculos e tendões, as atividades da respiração,mesmo os processos da sensação – podem ser explicadas de acordocom os princípios mecânicos. Foi Descartes, de fato, que introduziu oconceito de ação reflexa, tão largamente usado desde então nasexplanões mecanicistas dos processos corporais. Todavia, Descartes se absteve de considerar os seres humanos como merosautômatos; acreditava que em cada pessoa havia uma alma providade razão, uma substância pensante, que tinha o poder de dirigir ealterar o rumo mecânico dos acontecimentos.” (Heidbreder, 1981, pág. 40-41)
Com Watson, no começo do século XX, o objeto da psicologia científicatornou-se o próprio comportamento e suas interações com o ambiente. Enquanto ométodo utilizado é o mesmo de qualquer ciência: observação e experimentação. No ano de 1898, Thorndike obteve alguns resultados nos seus experimentossobre o comportamento “voluntário”. Suas pesquisas realizadas com gatos – comhistórias semelhantes, sendo observado em vários animais fatores como espécie,desempenho nos experimentos - consistiam no estudo do comportamento de fuga de um1
 
ambiente fechado e através de ações, tais como, puxar um cordão, mover um trinco, pressionar uma barra, etc. Seu objetivo era estudar a aprendizagem animal.Para isso, utilizou uma caixa quebra- cabeças, na qual gatos privados dealimento eram colocados, de forma que, se conseguissem sair através de uma das açõescitadas acima, receberiam um pouco de alimento. Nesses experimentos, Thorndike observou que o animal, à princípio, ao ser colocado na caixa apresentava respostas difusas de debater-se. Isso poderia ocasionar oacionamento do mecanismo de fuga, permitindo a saída do animal. À medida que, oanimal fosse submetido repetidas vezes à essa situação, suas respostas mal- sucedidassofriam grande redução.Thorndike, através disso, criou a “lei do efeito”, que seria a importância queos comportamentos bem- sucedidos no passado teriam de modificar os padrões docomportamento do animal. Essa lei baseia-se no princípio adaptativo que caracteriza o processo de aprendizagem (Millenson, 1975).Outra contribuição para a psicologia é encontrada nos estudos do fisiólogorusso Ivan Pavlov com cães.Ele, atentando para atividade digestiva desses animais, percebeu quealimentos ou ácidos diluídos provocavam nos mesmos salivação – esta já era um reflexoconhecido na época. Além disso, Pavlov notou que não era necessário o contato dacomida com a boca do animal para eliciar-lhe a salivação: o cão começava a salivar diante da visão da comida ou da pessoa que o alimentava sempre.A partir disso, Pavlov criou a hipótese de que a resposta de salivação queocorria antes do contato da comida com a boca do animal era resultado de experiênciassemelhantes vivenciadas por cada indivíduo (Galvão, 1998, Funções de estímulos I).Através do método experimental, Pavlov testou sua hipótese ao emparelhar um estímulo neutro (som) com um estímulo incondicionado (comida). Isolou, então, umo numa sala, onde o contato com o experimentador foi reduzido ao nimo,controlando as variáveis estranhas para evitar interferências nos resultados.Colocou, pois, o cão, sucessivas vezes, exposto ao emparelhamento dos doisestímulos (som e comida) em intervalos fixos, por rios dias. Ao final desses,apresentou o som (antes um estímulo neutro) ao animal sem associá-lo à comida, e percebeu a salivação do sujeito.2
 
Pavlov chamou o som de estímulo condicionado, que é um estímulo neutroque passa a eliciar a resposta reflexa do estímulo primário associado a ele repetidasvezes. (Galvão, 1998, Funções de estímulos I)Com Watson, a Psicologia é definida como ciência do comportamento. A partir disso, excluiu- se desse ramo da psicologia (chamado
 Behaviorismo
) o conceitode mente. “Se a psicologia dever algum dia tornar-se uma ciência, precisará seguir oexemplo das ciências naturais: tornar-se materialista, mecanicista, determinista eobjetiva. Pressupor o mental é abrir caminho para o místico (...).” (Heidbreder, Edna,1981, pág.208)Essa concepção favoreceu a aplicação dos métodos experimentais e o pontode vista da psicologia animal à humana.O comportamentalismo watsoniano interessava-se exclusivamente pelocomportamento (humano e não- humano) observável, com o objetivo muito prático de prevê-lo e controlá-lo de maneira eficaz.De acordo com a Psicologia comportamental, existem dois tipos decomportamentos: reflexo incondicionado, primário ou respondente e condicionado ousecundário.O primeiro trata-se de reações imediatas (respostas incondicionadas) doorganismo diante de um estímulo (incondicionado), não havendo necessidade de umaaprendizagem (condicionamento) por parte deste organismo. São exemplo de reflexoincondicionado contração da pupila diante de uma luminosidade abrupta.Já o segundo é também chamado de estímulo condicionado por necessitar deuma associão com um esmulo primário para eliciar uma reão (respostacondicionada). Exemplo: o experimento de Pavlov com os cães.Em contraposição ao método de pesquisa behaviorista, Skinner sustentouuma ciência do comportamento descritiva ou funcional, ou seja, poderia limitar-se adescobertas de relões entre variáveis mensuráveis, com estudos sisteticos.(Millenson, 1975) Nos seus experimentos, Skinner utilizou o rato branco e uma aparelhagemque era constituída por uma caixa que continha uma pequena barra; esta, ao ser  pressionada pelo sujeito experimental, liberava uma porção de alimento.3

Activity (254)

You've already reviewed this. Edit your review.
Kelly Lima liked this
1 thousand reads
1 hundred reads
Wilson Nazareth liked this
Igor Dias liked this
bruno_marioto_1 liked this
Jussara Dantas liked this
Gisele Harano liked this
Andréia Sousa liked this

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->