Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Look up keyword
Like this
21Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Manual Nova Ortografia

Manual Nova Ortografia

Ratings: (0)|Views: 655 |Likes:
Published by Mauricio R Souza
Manual nova ortografia da lingua portuguesa,
www.primeiroelemento.com
Manual nova ortografia da lingua portuguesa,
www.primeiroelemento.com

More info:

Published by: Mauricio R Souza on Jan 31, 2010
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

11/19/2014

pdf

text

original

 
Presidente:
 
Roberto Civita
Diretor Executivo:
 
David Saad
Conselheiros:
Roberto Civita, Giancarlo Francesco Civita, Victor Civita,Roberta Anamaria Civita, Maria Antonia Magalhães Civita,Claudia Costin, Claudio de Moura Castro, José Augusto PintoMoreira, Marcos Magalhães e Jorge Gerdau Johannpeter
Diretor de Redação:
 
Gabriel Pillar Grossi
Diretora de Arte:
 
Manuela Novais
Designer:
 
Fernanda Vidal
 
Colaboraram nesta edição:
Mariana Sgarioni (textos e edição),Miguel Sanches Neto (texto), Ana Maria Herrera, AndreaDamasco, Carlos Rosa, Helia Gonsaga, Lavínia Fávero,Miriam Aboes, Roberta Martins, Roberta Vaiano, SueliCampopiano, Teresa Porto (equipe Abril Educação)e Rosângela Ducati (revisão)
manual da nova ortografia
edição especial
IMPRESSA NA DIVISÃO GRÁFICA DA EDITORA ABRIL S.A.
Av. Otaviano Alves de Lima, 4400, CEP 02909-900,Freguesia do Ó, São Paulo, SP
NOVA ESCOLA
edição especial
Manual da Nova Ortografia
(EAN789-3614-05169/7) é uma publicação da Fundação VictorCivita. Distribuída em todo o país pela Distribuidora Nacionalde Publicações (Dinap S.A.), São Paulo.
NOVA ESCOLA
nãoadmite publicidade redacional.
 Acordo ortográfco
4
 Apresentação
8
O que muda
14
 Artigo
Carta ao leitor
Para consultar sm modração
Escrever bem é cada vez mais importante, tanto nas re-lações de trabalho quanto nos contatos com os amigos.Quem domina corretamente as palavras tem mais chancesde crescer prossionalmente e merece o reconhecimentode todos à sua volta. E, porque não é ácil dominar todasas regras, cada proposta de reorma na língua preocupa (eàs vezes assusta) tanta gente. É o que vai ocorrer mais umavez nos próximos meses, com a entrada em vigor de umacordo ortográco echado entre os oito países que têm noportuguês seu idioma ocial.Para ajudar você a entender melhor essas mudanças,NOVA ESCOLA e as editoras Ática e Scipione uniram-se naprodução deste
Manual da Nova Ortografa,
o primeiro dogênero no Brasil. Aqui você encontra um breve histórico dastransormações pelas quais a língua portuguesa passou, ospróximos passos do tratado que muda o jeito de escreveras palavras, as principais alterações previstas pelo acordo eum artigo exclusivo sobre o impacto desses ajustes na vidade todos nós. Tenho certeza de que você vai querer guardaresta edição especial para ler e consultar sem moderação.Boa leitura e um grande abraço,
Gabriel Pillar Grossi
Diretor de Redação
AGOSTO, 2008
COMERCIAL
Gerente de Publicidade:
 
Sandra Moskovich
Publicidade:
 
Fernanda Sant’Anna Rocha
Gerente de Publicações:
 
Mirian Di Nizo
Gerente de Assinaturas:
 
Rosana Berbel
Assistente de Circulação e Marketing:
 
Elizabeth Sachetti
Pacotes de Assinaturas:
 
Cynthia Vasconcellos
Processos Gráficos:
 
Vanildo Carvalho
Analista de Planejamento e Controle Operacional:
Kátia Gimenes
Diretor Geral:
 
Mauro Calliari
Diretor de Marketing:
 
Marcelo Luciano Martins
Diretor Editorial:
 
Aurelio Gonçalves Filh
o
Diretor de Redação:
 
Gabriel Pillar Grossi
Redatora-chefe:
 
Denise Pellegrini
Diretora de Arte:
 
Manuela Novais
Consultora Pedagógica:
 
Regina Scarpa
Editores:
 
Paola Gentile, Ricardo Falzetta (on-line),Rodrigo Ratier e Ronaldo Nunes (projetos especiais)
Editores-assistentes:
 
Arthur Guimarães (on-line) e Beatriz Vichessi
Repórteres:
 
Amanda Polato (estagiária), Ana Rita Martins,Anderson Moço, Beatriz Santomauro, Gustavo Heidrich (on-line)e Thais Gurgel (projetos especiais)
Editores de Arte:
 
Sonia Schwartz (projetos especiais) e Vilmar Oliveira
Designers:
 
Fernanda Vidal e Julia Browne
Desenvolvedores Web:
 
Leonardo Lima e Thiago Barbosa de Mour
a
Atendimento ao Leitor:
 
Marina Simeoni
 
 A adopção de uma única ortograa entre países de línguaportuguesa pode ser óptima.” Se este texto osse escrito em Por-tugal, a rase anterior estaria corretíssima. Já no Brasil, a letra
p
(naspalavras
adopção
 
e
 
óptima
)
está sobrando e parece um erro dedigitação – apesar de todos sabermos que se trata do mesmo idio-ma. Do ponto de vista da ortograa, existem dierenças bastanterelevantes na língua portuguesa. E não apenas entre os dois países.Nas outras seis nações que alam e escrevem o português (Angola,Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste) ocorre o mesmo.Para acabar com essas dierenças, oi criado, em 1990, um acor-do ortográco – que deve vigorar no Brasil a partir do ano que vem
(saiba mais sobre os próximos passos da implementação do acor-do no quadro da página 7)
. “A existência de duas graas ociaisacarreta problemas na redação de documentos em tratados inter-nacionais e na publicação de obras de interesse público”, deendiao lólogo Antônio Houaiss, o principal responsável pelo processode unicação aqui no Brasil.Originalmente, o combinado era que todos os membros da Co-munidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) deveriam rati-car o acordo para que ele tivesse valor. Em 2004, porém, os cheesde Estado da CPLP decidiram que bastava a aprovação de trêsnações para a reorma ortográca entrar em vigor. O Brasil, no en-tanto, deniu que mudaria o jeito de escrever somente se Portugaltambém o zesse (e o “sim” de Lisboa às novas normas só veio noano passado). É importante ressaltar que a pronúncia, o vocabulá-
 Acordo ortográfco – Apresentação
Um novo jeito de escrever
rio e a sintaxe permanecem exatamente como estão. A novidadeé a unicação da graa de algumas palavras.
Língua internacional
Daqui para a rente, a língua portuguesa (comum aos países lusó-onos) tem tudo para ganhar espaço – até mesmo em óruns inter-nacionais –, pois o intercâmbio de inormações e textos cará maisácil. Unicar a graa também visa aproximar as oito nações daCPLP, reduzir custos de produção e adaptação de livros e acilitara diusão bibliográca de novas tecnologias, bem como simplicaralgumas regras (que suscitam dúvidas até entre especialistas).Do ponto de vista prático, ganha orça o idioma alado no Brasil.Isso porque os portugueses terão de promover mais mudanças naescrita do que nós, adaptando várias palavras à graa brasileira.Por exemplo,
 
acção
 
passa a ser
 
ação
. E cai também o
h
inicial de
herva
 
e
 
húmido
 
(confra as alterações a partir da página 8)
.O português é a única língua com dois cânones ociais ortográ-cos, um europeu e outro brasileiro, e isso não só diculta nossavida lá ora como também a dos estrangeiros que querem aprendê-lo. “Inscreve-se, nalmente, a língua portuguesa no rol daquelasque conseguiram beneciar-se há mais tempo da unicação de seusistema de graar, numa demonstração de consciência da políticado idioma e de maturidade na deesa, na diusão e na ilustração dalíngua da lusoonia”, arma Cícero Sandroni, presidente da Acade-mia Brasileira de Letras (ABL). Além da unicação da graa, o acordo propõe simplicar o idio-ma, no mesmo espírito do que ocorreu na década de 1910, quan-do uma reorma semelhante alterou o modo de escrever palavrascomo
 
pharmacia
 
e
 
christallino
 
(para
 
farmácia
e
cristalino
, semo
ph
, o
ch
 
e o
 
ll
). Na época, porém, as mudanças oram encabe-çadas por Portugal, que não consultou o Brasil e acabou aproun-dando algumas dierenças ortográcas.
1500
Os cerca de 5 milhões deindígenas que aqui viviam,distribuídOs em mais de1 500 pOvOs, falavam emtOrnO de mil línguas deváriOs grupOs lingüísticOs
1580
cOmeça a ser registradaa língua geral paulista,difundida pOr padresjesuítas e bandeirantes.“tucuriuri” significava“gafanhOtOs verdes”
1700
surgem registrOs da línguageral amazônica, de basetupinambá, e dO dialetO deminas, mistO de pOrtuguêscOm O evé-fOn, trazidO pOrescravOs africanOs
1759
O marquês de pOmbalprOmulga lei impOndOO usO da língua pOrtuguesa,mas ainda cOexistemnO país diversOs idiOmasindígenas e africanOs
Acordo vem para unifcar a ortografa ofcial dos paísesde língua portuguesa e aproximar nações
POR MARIANA SGARIONI
A hóa da líga oga o Bal
Dd  o og chgaa a lado do Alâco, há cco éclo, acoa do o jo d ala
5
vo
    K   u   w   a    i   t
km
utoestrada
idei
exat
       c       o        l       e        ti       v       o
        t       r       a       n       q       u         i        l       o
eiura
njoo
pera
sagui
ela
       a       n        t         i       r       r       e        l         i       g         i       o       s       o

Activity (21)

You've already reviewed this. Edit your review.
XOSE RAMON liked this
1 thousand reads
1 hundred reads
fraga54 liked this
Alsone Guambe liked this
wemersonlucindo liked this
Maria Oliveira liked this
mthereza4626 liked this
sgtdiniz liked this

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->