Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more ➡
Download
Standard view
Full view
of .
Add note
Save to My Library
Sync to mobile
Look up keyword
Like this
153Activity
×
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Lei de Execução Penal Resumo Da Aula

Lei de Execução Penal Resumo Da Aula

Ratings: (0)|Views: 32,519|Likes:
Published by angelopassos_13

More info:

Published by: angelopassos_13 on Feb 12, 2010
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See More
See less

06/06/2013

pdf

text

original

 
Lei de execução PenalResumo da aula
finalidades da pena. Depende do momento:
1.
Enquanto abstratamente prevista no preceito secundário - prevenção geral que visa àsociedade
2.
Pena em concreto (aplicação da pena) - Prevenção especial que visa o delinqüente.Entretanto, alem da prevenção (geral ou especial) tem também a finalidade de retribuir o malcausado - RETRIBUICAO - art. 59 CP "in fine".
Art. 59 - O juiz, atendendo à culpabilidade, aos antecedentes, à conduta social, à personalidade do agente, aos motivos, às circunstâncias e conseqüências do crime, bem como ao comportamento da vítima, estabelecerá, conforme seja necessário e suficiente para 
reprovação 
prevenção 
do crime: ( 
as finalidades da pena)
Execução da pena
Art. 1º da LEP
A execução penal tem por objetivo efetivar as disposições de sentença ou decisão criminal e proporcionar condições para a harmônica integração social do condenado e do internado.
Súmula nº 611 - STF:
Transitada em julgado a sentença condenatória, compete ao juízo das execuções a aplicação de lei mais benigna.
 - Prevenção especial- Retribuição- RESSOCIALIZAÇÃOA execução penal é
predominantemente
jurisdicional (o juiz decide os conflitos daexecução, salvo quando conflito de menor abrangência, v. g. horário de sol, dia de visita, queserão decididas pela autoridade administrativa).Mas mesmo quando decidido pela autoridade administrativa o juiz pode ser provocadopara corrigir a decisão administrativa.
Princípios
 
1. Principio da legalidade
Art. 3º Ao condenado e ao internado serão assegurados todos os direitos não atingidos pela sentença ou pela lei.
2. Principio da igualdade
Art. 3º Parágrafo único. Não haverá qualquer distinção de natureza racial, social,religiosa ou política.
3. Principio da personalidade da pena
Art. 5º Os condenados serão classificados, segundo os seus antecedentes e personalidade, para orientar a individualização da execução penal.
A Classificação é feita pela comissão técnica de classificação (CTC) que somente possuicomo finalidade, após a lei 10.792/03,
individualizar a execução da pena privativa deliberdade.
OBS
: O preso tem o direito de ser chamado pelo nome. Portanto, esta classificaçãoserve para individualizar a pena e não numerar ou rotular ninguém.
4) principio da jurisdicionalidade5) Principio da ressocialização
 
Art. 11. A assistência será: I - material; II - à saúde; III -jurídica; IV - educacional; V - social; VI - religiosa.Art. 23. Incumbe ao serviço de assistência social: VII - orientar e amparar, quando necessário, a família do preso, do internado e da 
vítima 
.
(único art da LEP que se preocupa com a vitima)
 
 
6) principio da Devido Processo Legal7) Principio da Humanidade ou humanização das penas
Competência de execução penal
A competência do juiz da execução penal inicia-se com o transito em julgado. Nãoconfundir:1. o inicio da execução penal (que se da com a prisão e a conseqüente expedição deguia de recolhimento) com2. o inicio da competência do juiz da execução (que se dá com o trânsito em julgado)
Execução provisória
Art. 2º, Parágrafo único. Esta Lei aplicar-se-á igualmente ao 
preso provisório 
e ao condenado pela Justiça Eleitoral ou Militar, quando recolhido a estabelecimento sujeito à  jurisdição ordinária.
Questão: cabe progressão de regime em execução provisória?
Súmula nº 716 - STF
-
Admite-se a progressão de regime de cumprimento da pena ou aplicação imediata de regime menos severo nela determinada, antes do trânsito em julgado da sentença condenatória. ( 
com um porem
):
 
A maioria da doutrina entende que, para haver a progressão de regime na execuçãoprovisória da pena
deve ter havido pelo menos o trânsito em julgado para a acusação
. (ouseja, a pena não pode mais ser majorada)
 
Súmula nº 717 - STF
-
Não impede a progressão de regime de execução da pena,fixada em sentença não transitada em julgado, o fato de o réu se encontrar em prisão especial.
Competência
A competência é do juiz da execução onde ele estiver preso
 
"aonde o preso vai, aexecução penal vai atrás".
 

Activity (153)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 hundred reads
1 thousand reads
Marciano15 liked this
Rejane Silva liked this
RebeccaRamos91 liked this
Thiago Gerber liked this
Felipe Augudto liked this

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->