Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Look up keyword or section
Like this
5Activity

Table Of Contents

0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Segunda Parte

Segunda Parte

Ratings: (0)|Views: 202 |Likes:
Published by NaziraRosas

More info:

Published by: NaziraRosas on Feb 25, 2010
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

01/19/2013

pdf

text

original

 
SEGUNDAPARTE
O COMPORTAMENTO E ASFORCAS QUE ATUAMSOBRE ELE
Ê exatamente a busca de objetivos que faz do comportamento um ato integrado.
O
organismo como um todo só se dirige para um objetivo quando sente que o valor deste é superior ao 
gasto para alcançá-lo.
(David Birch)
 
Comportamento humano,objeto da Psicologia
Uma das maneiras de encarar o comporta mento é considerá-lo produzido por forças que
 atuam
dentro
do indivíduo e forças
exteriores
 ao indivíduo.
(L. Lindgren)
O que acontece quando o indivíduo "age" — quando se moveou executa uma seqüência de ações?Às vezes, o indivíduo é literalmente empurrado para agir de determinada maneira. Outras, existe nele um sentimento que o leva àexecução do ato, mas, o mais provável é que seu modo de agir sejao resultado da interação de várias forças, tanto internas como externas.Por forças "internas" designamos nossas necessidades, desejos, ansiedades, interesses, sentimentos de culpa etc. Por forças "externas" compreendemos as exigências da sociedade, recompensas, perigos, ameaçase as expectativas de outras pessoas. Muitas vezes é difícil dizer ondetermina a pressão interna e onde começa a externa, e a distinção entreforças internas e externas não é muito clara ou precisa. Todas asforças são, até certo ponto, tanto externas como internas.Por exemplo, dona Alice pede à pequena Marilene que presteatenção à aula, advertindo-a de que as crianças não devem conversarquando a professora está falando. Marilene pára de falar e prestaatenção à professora. Em parte, ela o faz devido à atuação de forçasexternas: o pedido da professora, o fato de a professora esperar que72ela obedeça, a circunstância de que todos os alunos da classe estãoolhando em sua direção, a atmosfera da sala de aula etc. Mas a conduta de Marilene também depende de forças internas: o respeito queela sente pela autoridade, seu desejo de agradar à professora, de seruma criança bem comportada, e também sua aversão a ser o focode atenção de toda a classe.Embora a tentativa de distinguir forças internas e externas pareçaintroduzir uma nota artificial na nossa análise do comportamento humano, ela nos auxilia no sentido de obtermos uma melhor compreensãodo mesmo.
QUE VEM A SER COMPORTAMENTO?
Comportamento é uma ação empreendida por um organismo emresposta a um objetivo do meio interno ou externo. Se alguém estásentado e de repente lhe vem à cabeça: "Preciso falar urgentementecom o Dr. Silva" e levanta-se e sai, realiza, assim, um comportamento.Podemos, também, definir comportamento como
uma reação globalou um conjunto de reações do organismo que podem ser observadasobjetivamente.
Diz-se "observadas objetivamente" por se tratar de um objeto depesquisa ao alcance do método científico, empregado pela Psicologia.Por "reação global", queremos significar aquela em que entra o organismo como um todo. Se for aplicada uma ligeira alfinetada numapessoa que está dormindo ou distraída, ela poderá recolher o pé, semperceber que o está fazendo. Essa reação reflexa não atinge o organismo como um todo, é mais um fragmento de comportamento ou umaresposta reflexa. »Um comportamento, normalmente, implica uma seqüência de atividades orientadas para um objetivo.
Todo comportamento ou atividadetem uma causa atual que o produz.
Uma pessoa está caminhando deforma vagarosa. A causa pode ser um estado de depressão, uma perturbação de natureza física ou psíquica, como pode ser simplesmenteseu modo habitual de andar. Quando se observa alguém mudar seupadrão de ação, pode-se levantar a hipótese de que houve algumacausa responsável por tal mudança, pois todo comportamento possuicausa.73
 
PARA COMPREENDER O COMPORTAMENTO
Há dois tipos básicos de comportamento: o
consumatório
e o
instrumental.Comportamento consumatório
é aquele em que a ação se realizana execução e na consumação do próprio objetivo. O ato de jantare de tomar banho, por exemplo, se constitui numa série de atividadesque se sucedem para a consecução desses objetivos.
Comportamento instrumental
é uma série de atividades em proldo objetivo que deverá ser conseguido.Jogar na loteria esportiva, isto é, preparar o jogo, ir à loja, marcaro cartão, pagar, receber o troco é um comportamento instrumental ouconsumatório?Ganhar o "bolão", acertar os treze pontos ou, mais precisamente,receber o dinheiro e começar a gastá-lo, é um comportamento consumatório ou instrumental?Para a primeira interrogação a resposta é
instrumental
e para asegunda,
consumatório.
Os comportamentos instrumental e consumatório são interdependentes. Depois da atividade instrumental, segue normalmente a consu-matória.A atividade
instrumental
é dirigida para o objetivo e a
consuma-tória
é a execução e a consumação do objetivo visado pela primeira.A intensidade da atividade instrumental aumenta à medida queesta se aproxima do objetivo. Imagine a intensidade da busca de água(o objetivo) por alguém com muita sede. Avistando o bar ou o bebedouro, não se contenta em caminhar, corre. Na atividade consumatóriadá-se o contrário, a intensidade decai à medida que ocorre o consumo.Na consumação de um chocolate desejado, por exemplo, a intensidadesobe até um ponto máximo e depois começa a cair à medida queocorre a saciedade ou a redução da necessidade. Há um efeito enfra-quecedor na atividade consumatória. Sua curva aproxima-se da formade um U virado (
D
) representando a ascensão rápida das energias,o ponto culminante e o declínio. Talvez esta característica do'comportamento consumatório explique a fugacidade da moda. A princípio,o consumo da novidade é intenso, atinge um máximo. Se é música,passa a ser tocada com grande freqüência, e com a saciedade ou anulação do estímulo vem a fase descendente do comportamento consumatório, chegando a ponto morto.74
O COMPORTAMENTO INSTRUMENTAL
O comportamento instrumental apresenta vários elementos.Cronbach, psicólogo contemporâneo, apresenta sete elementos fundamentais:Objetivo.Nível de amadurecimento.Situação.Interpretação.Resposta.Conseqüência.Reação ao obstáculo.Expliquemos cada um destes elementos:
Objetivo.
Qual seria o objetivo do comportamento daquela jovemque, de repente, levanta-se e diz: "Preciso falar urgentemente com oDr. Silva"? Todo comportamento dirige-se para um objetivo, um alvo,uma finalidade qualquer. A função do objetivo, no comportamento,é dirigir a ação.Qual o objetivo deste comportamento que se chama "estudar"? Oudesta série de comportamentos que se chama "fazer o curso secundário, fazer o curso superior"? Haveria neles um só objetivo, ou vários?
 Nível de amadurecimento.
Qualquer comportamento tem umacondição
sine qua non:
o amadurecimento para fazê-lo. Sônia, a moçaque procura o Dr. Silva, é capaz de se dirigir ao consultório de ummédico porque já tem 23 anos. Aos quatro, seis, oito anos não ia,sozinha, ao centro da cidade consultar um médico.Montar a cavalo, dirigir automóvel, escrever à máquina, cada umadessas atividades exige amadurecimento. O nível de amadurecimentoconsiste, pois, na soma total de padrões de respostas e habilidades quepossui o indivíduo em determinada fase do seu desenvolvimento.
Situação.
Consiste no conjunto de elementos, tais como coisas,pessoas, símbolos, qualidades, tudo, enfim, que possibilite a consecuçãodo objetivo. Para Sônia alcançar o Dr. Silva, tinha necessidade deum conjunto de elementos, sem os quais seria difícil chegar até lá:um sistema de transportes, dinheiro, certos preparativos indispensáveisetc. Outro exemplo: os romanos e os gregos desenvolveram pouco aAritmética, por não possuírem símbolos apropriados. Tente fazer umapequena conta de divisão com algarismos romanos.75

Activity (5)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 thousand reads
1 hundred reads
Fernando Dizeró liked this
sherbini28 liked this
Michelle Pfaff liked this

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->