Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
28Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Recozimento de Materiais Metálicos

Recozimento de Materiais Metálicos

Ratings: (0)|Views: 1,614 |Likes:
Published by Ausier
Introdução, Recuperação e Recristalização Estáticas,Recuperação e Recristalização Dinâmicas,
Introdução, Recuperação e Recristalização Estáticas,Recuperação e Recristalização Dinâmicas,

More info:

Published by: Ausier on Feb 25, 2010
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

12/04/2012

pdf

text

original

 
24
5 Recozimento de Materiais Metálicos
Este item foi baseado nos textos de
,capítulo 7, 
,item 6.15
 e
.
 5.1 Introdução
Foi definido anteriormente que
recozimento
é qualquer tratamento térmico realizado com oobjetivo de reduzir ou eliminar os efeitos da deformação plástica sobre a estrutura de ummaterial metálico.O processo de recozimento envolve normalmente três etapas:
recuperação
,
recristalização
e
crescimento de grão
, que estarão presentes em maior ou menor intensidadedependendo de alguns fatores que serão discutidos posteriormente.Na etapa de
recuperação
ocorrem todas as mudanças que não envolvem a varredurada estrutura deformada pela migração de contornos de grão de alto ângulo. A estruturadeformada não é modificada, apenas a densidade e a distribuição dos defeitos presentes sãoalteradas.Já na
recristalização
, a orientação cristalina de qualquer região no materialdeformado é modificada pela passagem de contornos de grão de alto ângulo através domaterial.Na
recristalização primária
ocorre a
nucleação
de novos grãos, principalmente noscontornos de grãos deformados. Devido à elevada energia interna presente no material geradana deformação, os novos grãos crescem às custas da estrutura deformada, até eliminá-lacompletamente.A continuidade do recozimento leva ao
crescimento de grão
, etapa na qual a estrutura já recristalizada passa a apresentar crescimento anormal de alguns grãos pela continuação doprocesso de migração dos contornos de grão.Essa etapa é também denominada
recristalização secundária
e é ativada pela reduçãode energia superficial dos contornos de grão, diferenciando-se assim da recristalizaçãoprimária.A
 extraída de
, apresenta o comportamento da resistividadeelétrica e da dureza, bem como a energia liberada durante o recozimento do níquel encruado.Observa-se que a resistividade elétrica é quase que completamente recuperada antes da etapade recristalização, enquanto que a queda acentuada de dureza ocorre simultaneamente comessa etapa.Também a energia liberada durante o recozimento, exemplifica a ocorrência dasetapas de recuperação (baixa energia liberada) e recristalização (liberação total da energiainterna). Curvas semelhantes são obtidas para outros materiais metálicos.Um conceito importante refere-se às diferenças entre o recozimento posterior àdeformação a frio, que tem como objetivo fornecer ao material deformado as melhorescaracterísticas de ductilidade e resistência para continuidade do processo de conformação e, orecozimento que ocorre simultaneamente à deformação, como nos processos realizados aquente.No primeiro caso (recozimento posterior) as etapas de recuperação e recristalizaçãosão definidas como
estáticas
e são ativadas apenas termicamente. Já no trabalho a quente,recuperação e recristalização são denominadas
dinâmicas
, são concorrentes à deformação eativadas tanto térmica quanto mecanicamente.A ocorrência estática ou dinâmica das etapas de recuperação e recristalizaçãodepende de fatores como o grau e a taxa de deformação, a temperatura e principalmente daenergia de falha de empilhamento.
 
25
Figura 5.1 - Variação da resistividade, da dureza e da energia interna durante o recozimento.
A
extraída de
 mostra que processos em que adeformação é baixa (como na laminação), o amolecimento dá-se por recuperação dinâmica.Nesse caso, durante o resfriamento, materiais com alta EDE (a) apresentam recuperaçãoestática e materiais com baixa EDE (b), recristalização estática.
Figura 5.2 - Comparação dos processos envolvidos no recozimento estático e dinâmico.
Laminação a quente50% de reduçãoPlacaTiraRolosRecuperaçãodinâmicaRecuperaçãoestáticaRecristalizaçãoestáticaRecipienteÊmboloTarugoMatrizRecuperaçãodinâmicaLaminação a quente50% de reduçãoExtrusão a quente99% de reduçãoRecristalizaçãoestáticaRecristalizaçãodinâmicaExtrusão a quente99% de reduçãoRecristalizaçãoestática
a)b)c)d)
 
26
Já processos em que a deformação é elevada (como na extrusão), os materiais comalta EDE (c) apresentam amolecimento por recuperação dinâmica, seguida por recuperação erecristalização estáticas durante o resfriamento. Nesse tipo de processo, materiais com baixaEDE (d) apresentam amolecimento por recuperação e recristalização dinâmicas, seguidas porrecristalização estática.Faz-se a seguir a descrição dos mecanismos que levam à recuperação erecristalização de materiais metálicos, distinguindo-se processos estáticos e dinâmicos.
 5.2 Recuperação e Recristalização Estáticas
a) Recuperação estática após o trabalho a frio
Para metais com alta EDE, ocorre a formação de uma estrutura celular durante adeformação, com acúmulo de discordâncias nas paredes das células.Interrompido o processo de conformação, o aquecimento leva à recuperação estáticacom considerável amolecimento e caso o grau de deformação prévio esteja abaixo de umvalor mínimo para recristalização, a recuperação será o único processo presente.Como praticamente não há movimentação de contornos de grão, a microestrutura degrãos alongados não é alterada.Já materiais com baixa EDE, apresentam após a deformação, discordânciasempilhadas em arranjos planares de elevada energia, assim a recristalização estáticapredomina, observando-se pequeno efeito da etapa de recuperação.A
 apresenta a seqüência de mudanças na estrutura celular, comparando adeformação a frio, a recuperação estática e o trabalho a quente.
Figura 5.3 - Modificações na estrutura celular de discordâncias.
Deformaçãoa frio
Discordâncias individuaissem deformação
ε
= 0,1Estrutura celular
ε
= 0,5Células menores
ε
= 2,0Paredes espessas
RecuperaçãoFluência outrabalho a uente
ε
= 0,1Contornos debaixo ângulo
ε
= 0,5Sub-grãos formados
ε
= 2,0Sub-grãos persistemApós curtorecozimentoApós longorecozimentoApós prolongadorecozimentoDiscordâncias individuaissem deformaçãoComodeformado

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->