Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
2Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
The Ice Age to Come - The True History Of Global Warming

The Ice Age to Come - The True History Of Global Warming

Ratings: (0)|Views: 26 |Likes:

More info:

Published by: Jose Augusto Freire, M.D. on Feb 26, 2010
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

05/27/2010

pdf

text

original

 
Gelio FregapaniAnexo 4 de livro ainda por publicar 
 A
 Idade Glacial Vindoura - A verdadeira História do Aquecimento Global 
Condensado de artigo de Betty Friedan,
Harper’s Magazin , 1959
Dois cientistas começaram há alguns anos a puxar a meada de um dos grandesmistérios da Geologia: a causa das eras glaciais da antiguidade. O geofísico
 Maurice Ewing 
e o geólogo-meteorologista
William Donn
r encontraram por fim a explicaçãodas gigantescas geleiras que quatro vezes durante o último milhão de anos avançaram erecuaram sobre a Terra. Se estiverem certos, o mundo caminha agora para outra idadeglacial — inevitável desfecho de um processo que já se iniciou nos mares do norte.As geleiras que hoje estão paradas no Ártico, em tempos idos cobriam mais demetade da América do Norte com uma parede de gelo de até três quilômetros deespessura, cujos limites ao sul se estendiam de Long Island a Nova York e até ao RioMissouri, com extensões pela região montanhosa do oeste; que cobriam a Inglaterra evastos trechos da França e da Alemanha; que criaram os Grandes Lagos e os riosHudson e S. Lourenço; que deslocaram bilhões de toneladas de pedra e terra,esmagaram florestas e destruíram espécies animais e vegetais inteiras.
Indagações e constatações
Sabemos que o Ártico é congelado, mas quase não tem caído neve ali nos temposmodernos. Qual a causa das neves que formaram as geleiras das eras glaciais que periodicamente invadiam o hemisfério norte? Qual a causa de seus recuos? Por que vema Terra se alternando há um milhão de anos entre idades glaciais e um clima como oatual?Donn, diretor do Observatório Geológico de Lamont da Universidade deColúmbia, e Ewing diretor pesquisas sobre sismologia, geologia e biologia marinha eoceanografia estudaram esse mistério. Em meados de 1953, a escuna
Vema
, (que oObservatório de Lamont emprega em exploração científica) utilizava o seu recémaperfeiçoado equipamento
 
de alto mar para investigar o fundo do oceano, do Atlânticoao Mar das Antilhas. Esse equipamento recolhe sedimentos no estado em que foramdepositados há minios. Na lama profunda do Mar das Antilhas e do Atlânticoequatorial, a expedição achava sempre uma estranha e nítida linha divisória de cor.
Cerca de 30 centímetros abaixo do fundo do mar, o sedimento de repente passava derosa-avermelhado a cinzento
, diz Ewing. S
ubmetemos a lama a exames delaboratório e descobrimos que em determinado tempo, o oceano de repente mudarade frio para quente. O sedimento rosa, que estava em cima, continha conchas deminúsculos animais de água quente; o cinzento, conchas de animais de água fria.
” Oscientistas mediram o carbono radioativo de uma amostra de lama do fundo do mar e precisar há quanto tempo ela ali está. Essas medições revelam que o súbito aquecimentose processou em todo o vasto Oceano Atlântico há 11.000 anos. “
Que foi que aconteceude maneira tão abrupta há 11.000 anos para aquecer o oceano”
O pequeno Oceano Ártico, que é quase inteiramente cercado de terra Isto os fez pensar que,
estando baixo o nível do mar, ficaria interrompido o intercâmbio da águasentre o Atlântico e o Ártico, e isto aqueceria o primeiro enquanto o Ártico congelaria
.
“Se o nível do mar se elevasse haveria um maior intercambio entre as águas frias dooceano Ártico e as águas quentes do Atlântico. Claro que o Ártico ficaria mais quente porque a água correria mais livremente entre ele e o Atlântico, dissipando o frio. E oOceano Atlântico, logicamente ficaria mais frio”.
 
Foi aí que surgiu a explicação: Com a água do Ártico aquecida pelo Atlântico, emais quente do que a terra que a cercava, a água se evaporaria e cairia como neve maisao sul, formando geleiras onde hoje estão as terras temperadas do hemisfério norte. OOceano Ártico era aberto e livre de gelo durante a idade glacial e se congelou há 11.000anos isolando-se do Atlântico. Sem o intercambio das águas, o Atlântico se aquece, pondo termo ao que chamamos idade glacial. A “Era do Gelo” seria portanto restrita aohemisfério norte, e não um fenômeno mundial, ainda que influenciasse o clima em todoo Globo.
 Essa constatação explicou muitas coisas. Pudemos reconstituir um perfil meteorológico confiável. Vimos os oceanos funcionando como termostato alternandoentre idades glaciais e períodos interglaciais como o atual 
”.
O Oceano Ártico é quase completamente cercado de terras, exceto numa aberturarasa entre a Noruega e a Groenlândia, que se comunica com o Atlântico, e noinsignificante Estreito de Bering. Se as águas do Ártico seintercambiassem livremente por essa abertura com a água quente do Atlântico, oOceano Ártico não se congelaria. Nesse caso, a sua evaporação formaria geleiras. Àmedida que as geleiras aumentassem, o vel do mar baixaria bloqueando ointercambio
”.
Sabemos que o nível do mar caiu entre 90 e 120 metros no auge da última idade glacial, e que a maior parte da abertura entre a Noruega e a Groenlândia tem menosde 90 metros de profundidade. Em determinado ponto, a água acumulada nas geleirasbaixariam tanto o nível do mar que o Oceano Ártico ficou praticamente separado do Atlântico mais quente. Então congelou. As geleiras, não mais alimentadas pela neve, se fundiriam ao sol, devolvendo sua água aos oceanos. Então, o nível do mar se eleva até permitir que a quente água do Atlântico flua pela abertura, em quantidade suficiente para derreter o lençol de gelo ártico e iniciar outro ciclo glacial 
.” Na ocasião em que Donn e Ewing formularam a hipótese, ainda não havia provasque o Ártico houvesse sido um mar livre de gelos. Alguns meses depois, Albert Crary,agora vice-chefe das pesquisas científicas do Programa Antártico dos Estados Unidos,voltou do Oceano Ártico com algumas amostras da lama do fundo do mar. Examinadasas amostras indicaram ter havido no Oceano Ártico, durante milhares de anos, vida soba forma de animais marinhos, a qual cessou de súbito há 11 milênios. A pista seguinteveio de um ramo diferente da ciência. Donn e Ewing e obtiveram confirmação deantropólogos que realmente havia fortes indícios da existência de comunidadeshumanas estáveis em volta do Ártico há muitos milhares de anos. De fato, os maisantigos sílex que acusam a presença do homem na América, foram encontrados numafaixa em torno do Círculo Ártico. Os antropólogos estavam intrigados com o fato de ohomem ter escolhido esses locais para viver, mas tinham certeza de que há cerca de11.000 anos o homem começara de repente uma migração de lá para o sul, numa ondaexplosiva.Donn e Ewing examinaram as observações de antigos exploradores árticos. Outroscientistas investigavam outros indícios. A datação pelo carbono radiativo mostrou queo congelamento do Ártico deve ter sido há 11.000 anos aproximadamente Assim, a datafoi definitivamente conhecida: há cerca de 11.000 anos terminou a última idade glacial.A gente que vivia nas praias árticas do norte da América evidentemente viera daSiria quando as geleiras haviam retirado bastante água do mar para deixar adescoberto a ponte terrestre do estreito de Behring. Ali ficou alguns séculos em torno dotépido Ártico até porque as geleiras a impedia de descer para o sul. Por fim, há 11.000anos, toda essa gente fugiu.
 
Com o Oceano Ártico congelando eles não teriam o que comer. Não poderiamvoltar para a Sibéria porque a grande elevação do nível do mar no fim da idade glacialmais uma vez cobriria, a ponte terrestre. E nesse exato momento, as geleiras em fusão permitiram afinal ao homem tomar o caminho do sul. E o fizeram numa vaga tão rápidaque a extremidade meridional da América do Sul foi atingida em poucos milhares deanos.Finalmente, Ewing e Donn descobriram testemunhos nos desertos meridionais.Haviam deduzido que o Oceano Ártico, estando aquecido, teria causado chuvas efertilidade em regiões que agora são desertos. Os arqueólogos descobriram novas provas de que o Deserto do Saara era coberto de vegetação e tinha florescentecivilização quando as geleiras congelavam a vida na América e na Europa. Nas cavernasdo Saara foram encontrados desenhos feitos pelo homem dos animais que caçavanaquela região outrora coberta de relva.Foram assinaladas as seguintes glaciações em período (geologicamente) recentes.de 80.000 a 60.000 aCde 50.000 a 40.000de 30.000 a 11.000
Pode-se ver pelo quadro geológico que a regra é a GLACIAÇÃO. Os períodosinterglaciais são pequenos lapsos de tempo entre as glaciações. Estamos naINTERGLACIAÇÃO APÓS O ÚLTIMO PERÍODO GLACIAL.
Restava responder urna pergunta: como se iniciou o primeiro ciclo glacial?
Sabemos que durante o último milhão de anos o mundo tem alternado entre idades glaciais e condições meteorológicas semelhantes às atuais
”, disseram Ewing e Donn.
 Antes disso, não havia zonas de extremo calor nem de extremo frio; palmeiras emagnólias viçavam na Groenlândia e havia coral em torno da Islândia; plantas subtropicais cresciam a 11 graus do Pólo Norte. Por que não funcionou então otermostato do Oceano Ártico? E o que foi que subitamente ligou esse termostato há ummilhão de anos?”
A explicação é que, até há um milhão de anos, o Pólo Norte não estava naqueleOceano Ártico cercado de terras, mas no meio do Pacífico, onde não havia terra em quese pudessem acumular neve e gelo e onde as correntes oceânicas dissipavam o frio. Aidéia de que os pólos mudassem de lugar pode parecer fantástica, mas evidênciasmagnéticas recentemente descobertas levam à inferência de que a crosta terrestre podedeslizar sobre o interior. Na ocorrência desse processo varia a posição dos pólos.
O abrupto deslizamento da crosta terrestre, que transportou o Ártico para o Pólo Norte colocou o Pólo Sul no Continente Antártico, onde o frio polar não podia ser dissipado pelas correntes marítimas livres. Isso deu início às zonas climáticas que hojeconhecemos e à concentração do frio que congelou o Oceano Ártico, criando condições para provocar os ciclos glaciais. Enquanto os pólos permanecerem onde estão osciclos glaciais continuarão
”.Vários cientistas têm procurado refutar a teoria de Ewing e Donn, sem resultado.E há sinais de que a Terra está entrando em outra idade glacial. A água quente dooceano correndo para o norte já expulsou o bacalhau para a Terra Nova; a temperaturaanual já subiu cinco graus e meio na Islândia e na Groenlândia os invernos são maisquentes e é evidente o derretimento do gelo ártico, enquanto se fazem sentir o aumentodas nevascas na zona temperada, desmentindo a paranóia política que prega estar havendo um aquecimento global.As medições das marés e do nível do mar, feitas no mundo inteiro pelo ServiçoCosteiro e Geodésico dos Estados Unidos e por outras organizações, mostram que onível do mar se elevou no século passado e que essa elevação continua. Isso significa

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->