Welcome to Scribd. Sign in or start your free trial to enjoy unlimited e-books, audiobooks & documents.Find out more
Download
Standard view
Full view
of .
Look up keyword
Like this
2Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
O DRAGÃO VERMELHO

O DRAGÃO VERMELHO

Ratings: (0)|Views: 67|Likes:
Published by seanbascar

More info:

Published by: seanbascar on Mar 20, 2010
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

09/21/2010

pdf

text

original

 
O DRAGÃO VERMELHO
Sebastião Carvalho
Coincidência?Não!“O acaso não existe!” — já é para muitos uma verdade indiscutível. Portanto, a leiturado Tao-Te-King que fiz de manhã e, agora, a escolha do I-King para este exercício decriatividade, tem fortíssima conexão entre si... E acredito que o fato encerre algumpropósito oculto!...Estes pensamentos povoavam minha imaginação, ao tentar expressar o que pensava deuma carta do Oráculo Chinês, quando, numa pausa, olhei de soslaio para umacompanheira de turma. Ela também, após alguns momentos contemplando a suapequena carta, deixava a caneta deslizar sobre a brancura imaculada do papel. Suasletras azuis iam formando as palavras que os pensamentos faziam brotar... Mas eisque, de repente, ela pára!... Fita mais uma vez a carta colorida e, voltando-se para mim,pergunta:
 
Por que demorou tanto, KUNG-CHI?
 
Não respondi. Limitei-me a fitá-la com um ar entre inquiridor e surpreso. Fazia-me de desentendido para não quebrar o encanto do momento! Resolvi deixar a coisafluir...Na verdade, eu tinha uma tarefa pela frente: interpretar a carta cujo simbolismoera MONTANHA SOBRE FOGO, que escolhi dentre tantas outras.O ambiente era propício. Todos concentrados em objetivos análogos; músicaapropriada, composta por artistas que se inspiraram no Oráculo para produzi-la;silencio e tranqüilidade.Concentrei-me na estampa: a Montanha Azul avultava, imponente, sobre umaPlanície Extensa, iluminada por uma Fogueira Crepitante. Ouvi a Montanha. Ela medisse que não estava ali para sufocar mas sim para ocultar o Fogo Interior, de modoque se revele apenas no momento certo. Disse ainda que, para nela penetrar e chegaraos tesouros recônditos de seu interior, antes é preciso subir aos seus píncaros e, lá decima vislumbrando horizontes mais largos, dar asas à incontida ânsia de Perfeição!...Voltei-me para a Fogueira Crepitante, que iluminava a Planície Extensa comsuas ardentes labaredas, e ela me disse: “Eu Sou a chama que arde no coração de cadahomem e na essência de cada estrela. Eu Sou Vida, e o que dá a Vida. Eu Sou todoprazer e êxtase e embriagues do mais oculto sentido. Sou a Serpente que dáconhecimento e prazer e glória, e anima os corações dos homens. Portanto, animai-vos,festejai, rejubilai!”.Os dias que se seguiram foram de meditação sobre o significado profundo dasduas mensagens, que na verdade se concentram numa só. Tentei chegar a um resumo,mas achei grande dificuldade! Em tudo que escrevia parecia que faltava ou sobravaalguma coisa!...Na tarde anterior ao próximo encontro, lembrei-me da mulher que me fezaquela insólita indagação sobre haver demorado a aparecer... ou reaparecer! Resolviinvestigar. Seria uma pesquisa metafísica, com certeza!...Acomodando-me numa confortável poltrona, iniciei os procedimentosnecessários. Relaxando o corpo físico e os demais veículos, concentrei o pensamentonaquele episódio e no nome por ela pronunciado:
KUNG-CHI... KUNG-CHI... KUNG-CHI…
A mente redemoinhou numa espiral vertiginosa!... Imagens desencontradasperpassaram por minha memória... até que tudo se fixou numa imagem nítida e vívidacomo a mais palpável realidade: estava eu na China, caminhando numa estreita emovimentada rua, cheia de gente, carroças e animais, em direção a uma construção altae imponente: um belo templo oriental, com um poderoso Dragão Vermelho na entrada!Penetrei no templo com um forte sentimento devocional. Caminhavaresolutamente, como alguém que sabia o que devia fazer! Logo uma voz se fez ouvir:“Venha, Kung-Chi, está na hora da celebração! Depressa!”Era um dos sacerdotes do templo. Observei que usávamos roupas exatamenteiguais!Entrando com o sacerdote por uma passagem ao lado do altar, encontrei-menuma sala ampla, cheia de utensílios ritualísticos e de pessoas diferentemente trajadas.Uma bela sacerdotisa, toda paramentada, veio ao meu encontro, pressurosa. Ao fitá-la,me assustei: era a mesma pessoa que me havia reconhecido há uma semana!Sempre me emociono ao relembrar essa visão maravilhosa que, como um filme,contou a história dessa encarnação na longínqua China. Emociono-me ao reviver a

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->