Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Look up keyword
Like this
2Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Prosperidade em 42 dias

Prosperidade em 42 dias

Ratings:

4.0

(1)
|Views: 45|Likes:
Published by gemoreirajorge

More info:

Published by: gemoreirajorge on May 09, 2008
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/03/2010

pdf

text

original

 
Prosperidade em 42 Dias
Humberto C. Pazian – Letras & Textos Editora
 Prefácio
Crise: você sabe onde ela reside? Na sua conta bancária? No seu trabalho? Na sua casa? Nos seus projetos? No seu país? No mundo?Talvez você a veja em um desses lugares, mas na realidade, ela não se encontra emnenhum deles; ela só pode viver em um local no qual se lhe alimente constantemente, no qual tenhaabrigo, onde se sinta à vontade; e esse local, acredite, FICA NA SUA MENTE!Se você anda descontente com sua vida ou está acomodado com ela, mas sente que poderiaviver bem melhor, com mais saúde, com mais alegria, com mais felicidade, enfim, com mais prosperidade, saiba que a partir de agora, tudo isso poderá ser alcançado, basta apenas que vocêDESEJE, E ACREDITE.Se você quiser, pode prosperar e muito, basta começar a mudar alguns hábitos mentais eexpulsar a crise e a negatividade de uma vez por todas de sua vida.Milhares de pessoas já se utilizaram destas técnicas e conseguiram realizar seus sonhos,mudando radicalmente sua forma de pensar e viver, trazendo paz e harmonia para suas vidas.O exercício proposto neste trabalho tem sido um manual de prosperidade a muita gente eagora, finalmente, chegou a sua vez! Acredite e vá em frente.
 Explicações sobre o livro
Se você resolveu fazer ler esta obra, conclui-se que deseja melhorar sua vida em algunsaspectos. Fato importante este, pois muitas pessoas, embora descontentes com tudo que asenvolvem ou insatisfeitas com a forma que estão vivendo, nada fazem, acomodam-se e deixam aexistência passar, relegando momentos preciosos e felizes que poderiam ter, se acrescentassem um pouco de entusiasmo e motivação em seus dias.Muitos livros têm sido editados no decorrer dos anos tentando mostrar fórmulas que nosajudem a bem viver. Acreditamos que a leitura de um grande número deles fará com que cada vezmais tenhamos opções de decidirmos nossos caminhos mas, o que acontece muitas vezes é que,lemos e conhecemos muito porém, praticamos quase nada. Daí, nos referirmos ao nosso trabalhocomo “prática” da prosperidade. Nesta obra, você encontrará, na primeira parte, explicações a respeito da prosperidade, paradesde já, meditar, ponderar e ir mudando seus hábitos mentais. Na segunda parte, você terá umexercício, ou a prática, a ser realizado em quarenta e dois dias, nos quais sentirá, imediatamente,fatos muito positivos e prósperos lhe ocorrendo. Não comece o exercício antes de ter lido e refletido sobre os conceitos apresentados na primeira parte. Não tenha pressa, tenha apenas a certeza de que a prosperidade, desta vez, veio paraficar.PARTE I
 A Prosperidade
Muitas pessoas confundem pobreza com virtude, e se analisarmos friamente o assunto,observaremos que, onde há falta de dinheiro, provavelmente, existirá uma grande dificuldade para
 
ter-se boa educação, cultura, vida saudável, condições de higiene e de lazer, e de muitas outrascoisas.Desejarmos e termos a prosperidade em nossas vidas, não é errado, muito menos "pecado"como erroneamente, muitas vezes, concluímos. Somos parte da Natureza e se a ela observarmos,verificaremos que, se não houver abusos ou negligência humana, haverá abundância em tudo.Semeando na hora, e de uma forma correta, colheremos sempre muitos e bons frutos.Se a pobreza e a falta de recursos fossem um caminho para a felicidade, como acreditammuitos, como ficaria o progresso, sem as verbas necessárias para estudos e pesquisas e suasconseqüentes inovações tecnológicas, voltadas para o bem estar e progresso geral do ser humano ede nosso planeta?E a nossa família? Você não gostaria de pagar uma boa universidade para seus filhos, ou poder viajar e descansar junto com os seus, sem preocuparse com as despesas que terá ou as dívidasquando do seu regresso?Muitos místicos, filósofos, religiosos e mestres do passado viveram sem muitos recursos, isso éuma verdade. Mas como será que viveriam hoje, com toda a tecnologia existente no planeta?Fariam grandes viagens pelos continentes, a pé, como antes, ou aproveitariam o concurso demodernas e rápidas máquinas voadoras? Fariam palestras em praças públicas a reduzidos númerosde ouvintes ou utilizariam os modernos meios de comunicação, ampliando o poder de suasmensagens?E para isso, não seria necessária alguma soma em dinheiro? E mesmo que esses trabalhosfossem patrocinados por grupos filantrópicos, também estes não necessitariam de recursos para talempreendimento?Os tempos mudaram, o mundo mudou e está mudando constantemente; mas, e os seus padrõese conceitos, também estão?
O
 Dinheiro
 No começo da nossa civilização, os indivíduos faziam trocas de mercadorias para adquiriremos bens ou produtos de que necessitavam. Com o tempo, essa forma de comércio, foi se tornandocada vez menos praticável, pois, imaginem alguém que criasse camelos, os levassem a um mercado,onde eram realizadas essas barganhas, e tentasse trocá-los por agulhas. Qual seria o parâmetro dessanegociação, ou quantas agulhas valeriam um camelo e vice-versa?De uma maneira bem simples, estamos tentando demonstrar como se tornou necessário, no passado, a criação de algo que representasse, ou possuísse algum valor, tornando mais fáceis àstrocas ou aquisições de mercadorias.Por isso, alguém, no passado muito remoto, inventou a moeda. As moedas possuíam um valor intrínseco, ou seja, eram de ouro, bronze e prata, e passaram a ser o meio pelo qual as pessoasadquiriam os bens ou serviços de que necessitavam.Grandes quantidades de moedas eram acumuladas pelas pessoas que, ou as escondiam, ou ascarregavam consigo, em suas viagens.Com o passar do tempo, começou a tornar-se perigoso andar com esses tesouros, pois, naquelaépoca, também havia roubos e furtos, além do que, as viagens aos povoados ou aos mercados eramfeitas a pé, ou com a ajuda de rudes animais, necessários para carregar o peso excessivo dasmoedas, o que facilitava em muito o assédio de salteadores.Surgiu então, devido a essa necessidade, o papel-moeda ou dinheiro, como o conhecemos e as primeiras Instituições Financeiras.O papel-moeda passou a ser, então, um meio de pagamento ou de trocas, e, dotado de um valor nominal, através de cunhagem, estava em condições de servir aos indivíduos.
 
As pessoas depositavam seus tesouros em instituições, devidamente legalizadas pelos órgãosoficiais, e recebiam em troca, o papel-moeda, no seu valor correspondente.Essa história daria um livro a parte, mas esse simples resumo é só para concluirmos que, odinheiro, portanto, já que não foi criado por nenhum anjo ou demônio, e sim, pelo próprio homem, para satisfazer a suas necessidades evolutivas, não é bom, nem mau; é apenas dinheiro, e o quefizermos dele, ou o que fizermos para tê-lo, é que o fará ser um bom ou mau instrumento na nossaou na vida dos outros, é esse o receio das religiões: que o homem se perca pela má utilização dodinheiro e da sua valorização acima dos bens espirituais, mas desejamos que não seja esse seu casoe que o dinheiro seja uma benção em suas mãos.
Corrente positiva do dinheiro
Com o grande avanço tecnológico e, atualmente, com o surgimento da Internet, o "mercado"tornou-se global e muito mais cômodo. Podemos adquirir qualquer bem que estiver dentro denossas possibilidades financeiras em qualquer parte do planeta.Quando compramos algo, seja através de um computador, de um telefone, ou simplesmenteindo a uma loja ou a um mercado, desencadeamos um processo, no qual muitas pessoas sãoenvolvidas.Usemos um exemplo bem simples: quando compramos uma caixa de fósforos, através dequalquer meio de comércio, estamos adquirindo o produto final do trabalho de uma série de pessoas.Vejamos: alguém plantou uma árvore, que foi cortada e transportada por uma máquina até umamadeireira, que a vendeu a uma fábrica, que a cortou em diversos palitos, montou cada um com o produto que através da fricção o faça acender, montou as embalagens e coloco a cargo de umaempresa, fazer a distribuição ao estabelecimentos que atendam ao público em geral.Agora, pare e pense. Desde o início do processo, quantas pessoas foram envolvidas até chegar à caixa de fósforos em nossas mãos? Se pensarmos que cada trabalhador envolvido neste processotem família, multiplicamos ainda mais os envolvidos.Só citamos um produto, e quantos não existem que utilizamos diariamente? Se visualizarmos acada nova aquisição que fizermos, que estamos colaborando com o trabalho e a manutenção de umgrande número de pessoas, estaremos pensando no dinheiro com muito mais carinho e libertando aenergia poderosa que nele existe.Da mesma forma, quando somos avarentos, ou seja, acumulamos o dinheiro apenas por acumular, não permitindo que essa energia positiva circule, ai sim, estaremos transformando odinheiro em nosso senhor, e essa energia estagnada, com certeza, não nos fará bem. Não queremos dizer que não devemos poupar ou termos nossas reservas, mas você deve saber muito bem a diferença entre poupar e ser avarento. Não precisamos também, comprarmos tudo o que virmos a nossa frente. Que apenas, quandoadquirimos algo, não o façamos com dó do que estamos gastando, mas sim, com alegria edesprendimento, na certeza que, através do nosso ato, estaremos circulando a energia positiva dodinheiro, auxiliando direta e indiretamente a muitas pessoas.
Onde quer chegar 
Embora todos desejamos tê-la, a idéia de prosperidade pode, às vezes, ficar vaga em nossamente.Antes de começarmos este nosso novo processo, que é o de sermos prósperos de uma vez por todas, é importante fixarmos objetivos e metas que queiramos alcançar.

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->