Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Look up keyword
Like this
68Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Apostila Saberes Física Dinâmica

Apostila Saberes Física Dinâmica

Ratings:

4.25

(4)
|Views: 8,964 |Likes:
Published by Concurso Vestibular

More info:

Published by: Concurso Vestibular on May 15, 2008
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

05/13/2013

pdf

text

original

 
PPPPPPPPRRRRRRRROOOOOOOOJJJJJJJJEEEEEEEETTOOOOOOOOCCCCCCCCOOOOOOOONNNNNNNNEEEEEEEEXXXXXXXXÕÕÕÕÕÕÕÕEEEEEEEESSSSSSSSDDDDDDDDEEEEEEEESSSSSSSS A AA A A AA ABBBBBBBBEEEEEEEERRRRRRRREEEEEEEESSSSSSSS 
CCCCCCCCUUUUUUUURRRRRRRRSSSSSSSSIIIIIIIINNNNNNNNHHHHHHHHOOOOOOOOPPPPPPPPRRRRRRRRÉÉÉÉÉÉÉÉ--------VVEEEEEEEESSSSSSSSTTIIIIIIIIBBBBBBBBUUUUUUUULLLLLLLL A AA A A AA ARRRRRRRRGGGGGGGGRRRRRRRR A AA A A AA ATTUUUUUUUUIIIIIIIITTOOOOOOOO 
DDááoo g goo s seenneeaauunnee s saaeeeeaa s soommuunnaaee s sp poo p puuaaee s sA AOO I  I OO:: / / A ADD / /BB / /RR A A 150 
 F FF F F FF FÍÍÍÍÍÍÍÍSSSSSSSSIIIIIIIICCCCCCCC A  A A  A  A A   P PP P P PP P r  r r  r  r r oooooooo f ff f f ff fºººººººº Z Z  Z  Z Z aa f ff f f ff fiiiiiiii 
 
m
 
DDIINNÂÂMMIICCAA 
Até então, estudamos o movimento dos corpos sem, noentanto, considerar as causas que produzem esse movimento.Assim, nesta unidade, passaremos a estudar essas causas ecompreender, portanto, o porquê de diversos acontecimentosexistente em nosso dia-a-dia.
11..PPRRIINNCCÍÍPPIIOOSSFFUUNNDDAAMMEENNTTAAIISS 1.1 CONCEITO DE FORÇA
Forças são interações entre corpos, causando variaçõesna velocidade desses, deformações, ou até mesmo, ambos osfenômenos.Existe vários tipos de força, mas em geral, elas estãoclassificadas de dois modos:- força de contanto: quando as superfícies dos corpos queinteragem se tocam. Ex.: ao chutarmos uma bola.- força de campo: quando a interação ocorre com os doiscorpos a distância. Ex.: força gravitacional e força elétrica.Assim como a aceleração, a força também é uma grandezavetorial e, portanto, para ser caracterizada é necessáriosabermos a intensidade, a direção e o sentido.A unidade de força no SI é o Newton (N) e no CGS é o dina(dyn). A relação entre os dois é:
 
1 N = 10
5
dyn
 
1.2 FORÇA RESULTANTE
Quando há várias forças agindo em uma partícula, éconveniente encontrar uma força equivalente, e esta é a forçaresultante.
 Ex.:
Duas forças concorrentes,
1
e
2
, de intensidade 4N e3N atuam num mesmo ponto material, formando um ângulo
α
 entre si. Determinar a intensidade da força resultante para osseguintes valores de
α
:a) 0°; b) 60°; c) 180°.
1.3. LEIS DE NEWTONa) Princípio da inércia ou 1ª lei de Newton
O referente princípio é enunciado da seguinte maneira: se umcorpo não está submetido à ação de nenhuma força(resultante), então esse corpo não sofre variação de velocidade.Isto significa que, se ele está parado, permanece parado e, seestá em movimento, permanece em movimento e suavelocidade se mantém constante.Quanto à palavra inércia, podemos dizer que ela é algoassociado à massa de um corpo, ou seja, a massa de um corpoé a medida numérica de sua inércia.
b) Princípio fundamental da Dinâmica ou 2ª leide
 
Newton
 Este princípio estabelece uma relação entre causa (força) eefeito (aceleração).Quando um corpo de massa
m
é submetido a ação de umaforça resultante
 R
, o mesmo adquiri uma aceleração
a
 
namesma direção e sentido da força, tal que:Essa expressão, é universal, e serve para calcular qualquer
força resultante
, atuante sobre um corpo. Mas apenasresultante. Assim, é necessário estar ciente de alguns casosparticulares de força, tais como:
Força gravitacional e peso de um corpo
Peso é a força de atração gravitacional que a terra exerce sobreum corpo. Sendo m a massa do corpo e g a aceleração dagravidade, podemos aplicar a 2ª lei de Newton e obter o peso
P
do corpo.Assim como a gravidade, o peso é uma grandeza vetorial quetem direção orientada para o centro da terra.
Força elástica
Robert Hooke, enunciou aseguinte lei, válida para asdeformações elásticas:“A intensidade da forçadeformadora éproporcional àdeformação”.A expressão matemá-tica dessa lei é:
c) Princípio da ação e reação ou 3ª lei de Newton
Quando dois corpos interagem aparece um par de forças comoresultado da ação que um corpo exerce sobre o outro. Essasforças são as chamadas de ação e reação. Em outras palavras,podemos dizer que: “A toda ação corresponde uma reação,com a mesma intensidade, mesma direção e sentido contrário”.Este princípio pode ser visto em diversas situações do nossocotidiano, tais como:
 Força de tração em fio
:
quando esticamos um fio ideal nassuas extremidades, aparecem forças de mesma intensidadechamadas forças de tração.
 Força de reação Normal 
:
Um corpo em repouso, apoiadonuma superfície horizontal, aplica sobre esta uma forçacorrespondente ao seu peso. A superfície, por sua vez, exerceno corpo uma força
 N 
de reação, chamada força de reaçãonormal. Assim, o Peso de um corpo com a normal se anulam,numa superfície horizontal.
 Ex.1:
Uma locomotiva, desenvolvendo uma aceleração de2
m/s
2
, puxa três vagões ao longo de uma ferrovia retilínea,conforme a figura.Se o vagão 3 pesa 2
×
10
4
 N 
, qual é a força exercida sobre elepelo vagão 2?
 Ex.2:
Conforme a figura abaixo, um barco, puxado por doistratores, navega contra a corrente de um trecho retilíneo de umrio. Os tratores exercem, sobre o barco, forças de mesmomódulo (
1
=
2
), enquanto a corrente atua com umaforçaF
c
cujo módulo é
1,92
×
10
4
 N 
. Sabendo-se que o barco e
s
 
istema de forças força resultante
F = k . x
 N  R
+++=
...
21
 R
a
a.
ρ
m
 R
=
g.
ρ
mP
=
 
PPPPPPPPRRRRRRRROOOOOOOOJJJJJJJJEEEEEEEETTOOOOOOOOCCCCCCCCOOOOOOOONNNNNNNNEEEEEEEEXXXXXXXXÕÕÕÕÕÕÕÕEEEEEEEESSSSSSSSDDDDDDDDEEEEEEEESSSSSSSS A AA A A AA ABBBBBBBBEEEEEEEERRRRRRRREEEEEEEESSSSSSSS 
CCCCCCCCUUUUUUUURRRRRRRRSSSSSSSSIIIIIIIINNNNNNNNHHHHHHHHOOOOOOOOPPPPPPPPRRRRRRRRÉÉÉÉÉÉÉÉ--------VVEEEEEEEESSSSSSSSTTIIIIIIIIBBBBBBBBUUUUUUUULLLLLLLL A AA A A AA ARRRRRRRRGGGGGGGGRRRRRRRR A AA A A AA ATTUUUUUUUUIIIIIIIITTOOOOOOOO 
DDááoo g goo s seenneeaauunnee s saaeeeeaa s soommuunnaaee s sp poo p puuaaee s sA AOO I  I OO:: / / A ADD / /BB / /RR A A 151 
 F FF F F FF FÍÍÍÍÍÍÍÍSSSSSSSSIIIIIIIICCCCCCCC A  A A  A  A A   P PP P P PP P r  r r  r  r r oooooooo f ff f f ff fºººººººº Z Z  Z  Z Z aa f ff f f ff fiiiiiiii 
θθ
1
2
c
 
os tratores movem-se com velocidades constantes, que
sen
θ 
=
0,80
e
cos
θ 
=
0,60
, então o valor de
1
 
é
 Ex.3:
 
Uma caminhonete de 2 t tentaresgatar um operário a p
 
artir de umprecipício, usando um caboinextensível que liga o veículo aoinfortunado trabalhador, de massa80kg. Despreze o atrito na polia.Se o homem sobe com aceleração de1 m/s
2
, responda:
a)
Qual a força que movimenta a caminhonete?
b)
O cabo suporta no máximo uma tração de 2000N. Serápossível o resgate com essa aceleração sem que ele arrebente?Dado: aceleração da gravidade local g = 10 m/s
2
.
1.4 PLANO INCLINADO
Quando um corpo está apoiado sobre um plano inclinado queforma um ângulo
α
com ahorizontal, há a atuação deduas forças sobre ele: o peso
P
, vertical para baixo, e areação normal do apoio
 N 
,
 perpendicular ao plano inclinado
. Decompondo o peso
P
emduas componentes, uma
 x
P
, paralela ao plano, e outra
 y
P
,perpendicular ao plano, temos:A componente
 y
P
anula a reação normal do apoio
 N 
ea componente
 x
P
é a resultante que faz o corpo descer.A partir do triângulo retângulo da figura, obtemos asintensidades das componentes
 x
P
e
 y
P
.
 Ex.1:
No esquema a seguir, os corpos têm massas m
A
= 3 kge m
B
= 2 kg. O plano inclinado é Perfeitamente liso. O fio éinextensível e passa sem atrito pela polia. Sendo g = 10 m/s
2
,determine:a) a aceleração do conjunto;b) a tração no fio.
1.5 FORÇA DE ATRITO
É uma força existente entre as superfícies de contato, e que seopõe ao movimento, ou então, impede que um corpo se mova.A força de atrito ocorre devido às asperezas das superfícies emcontato e diminui com o polimento ou com o uso delubrificantes.A força de atrito entre um par qualquer de superfícies éaproximadamente proporcional à intensidade da força normal.
Onde
:
µ
:
 
é o coeficiente de atrito, que depende do material doscorpos em contato e do polimento das superfícies.
 N 
:
é a normal à superfície que, como já vimos, é igual aopeso numa superfície horizontal.
 Ex.1:
Na figura ao lado, obloco de
2kg
desloca-se emlinha reta na mesa horizontal,com velocidade constantede
6m
 / 
s
, sob a ação da força
paralela à mesa. Sabendo-seque é de
10
a força de atrito entre o bloco e a mesa, quantovale o módulo de
?P
x
= P sen
α
 F
at
=
µ
. NP
y
= P cos
α
 
at 
 N P
 
PPPPPPPPRRRRRRRROOOOOOOOJJJJJJJJEEEEEEEETTOOOOOOOOCCCCCCCCOOOOOOOONNNNNNNNEEEEEEEEXXXXXXXXÕÕÕÕÕÕÕÕEEEEEEEESSSSSSSSDDDDDDDDEEEEEEEESSSSSSSS A AA A A AA ABBBBBBBBEEEEEEEERRRRRRRREEEEEEEESSSSSSSS 
CCCCCCCCUUUUUUUURRRRRRRRSSSSSSSSIIIIIIIINNNNNNNNHHHHHHHHOOOOOOOOPPPPPPPPRRRRRRRRÉÉÉÉÉÉÉÉ--------VVEEEEEEEESSSSSSSSTTIIIIIIIIBBBBBBBBUUUUUUUULLLLLLLL A AA A A AA ARRRRRRRRGGGGGGGGRRRRRRRR A AA A A AA ATTUUUUUUUUIIIIIIIITTOOOOOOOO 
DDááoo g goo s seenneeaauunnee s saaeeeeaa s soommuunnaaee s sp poo p puuaaee s sA AOO I  I OO:: / / A ADD / /BB / /RR A A 152 
 F FF F F FF FÍÍÍÍÍÍÍÍSSSSSSSSIIIIIIIICCCCCCCC A  A A  A  A A   P PP P P PP P r  r r  r  r r oooooooo f ff f f ff fºººººººº Z Z  Z  Z Z aa f ff f f ff fiiiiiiii 
 
A B
d
A B
d
xforça
22..FFOORRÇÇAASSNNOOMMOOVVIIMMEENNTTOOCCIIRRCCUULLAARR 2.1 ACELERAÇÃO CENTRÍPETA
Como já vimos, a aceleração é umagrandeza que modifica a velocidadede alguma forma. No caso daaceleração centrípeta, vimos que amesma é responsável pela mudança dedireção da velocidade numa trajetóriacircular e é sempre direcionada para ocentro da curva. Sua intensidade écalculada através da expressão:
2.2 FORÇA CENTRÍPETA
 No movimento circular uniforme a
 força resultante
que produza aceleração centrípeta é a chamada
 força centrípeta
 
cp
,responsável pela manutenção da trajetória circular do corpo.
cp
= m.
a
 
 Ex.1:
Após a ocorrência de um pequeno acidente, umastronauta necessita fazer um reparo na parte externa de suaespaçonave, que possui um formato cilíndrico com um raiode 10
m
. Ressalte-se que a nave espacial está girando emtorno de seu próprio eixo, dando uma volta completa a cada20segundos, e o astronauta precisa se segurar na mesma pararealizar o conserto e não ser lançado no espaço. Qual será aforça mínima, em newtons, para que o astronauta de 70
kg
semantenha preso à espaçonave?
 Ex.2:
Um engenheiro, aoprojetar uma estrada, decideque uma determinada curva,de raio
100m
, deve serconstruída inclinada, demodo que um carro sedeslocando com velocidadede
20m/s
fosse capaz de percorrê-la, mesmo se o atrito com osolo fosse nulo e não contribuísse para a força centrípeta.Nesse caso, a tangente do menor ângulo
θ
que a pista devefazer com a horizontal é
a)
5
 
b)
2,5
c)
2,0
d)
0,5
 
e)
0,4
 
33..TTRRAABBAALLHHOOEEEENNEERRGGIIAA 
Trabalho e energia estão estreitamente relacionados entre si,uma vez que, um corpo só realizará algum trabalho se esomente se possuir alguma energia. Por outro lado, namecânica podemos considerar o trabalho como uma forma detransferir energia de corpo ao outro. Assim, neste item,estudaremos estas duas grandezas de forma a está sempre asrelacionando.
3.1 TRABALHO DE UMA FORÇA
 Na física, só haverá realização de trabalho se houver uma forçae um deslocamento do corpo que recebeu essa força. No estudodo trabalho, temos que examinar dois casos.
1º caso:
A força tem a mesma direção do deslocamento.O trabalho de F no deslocamento AB é dado por:* Unidade de trabalho: J* Quando que um trabalho é positivo e quando que ele énegativo?______________________________
 2º caso:
A força não tem a mesma direção do deslocamento.Como o deslocamento foi horizontal,
 y
é nulo, logo só
 X 
 realiza trabalho, que é dado por:
A,B
= F
x
. dComo F
x
= F cos
α
, temos:
Propriedade:
Podemos calcular o trabalho de uma força F,constante, utilizando o gráfico:A área A é numericamente igual ao módulo do trabalhoda força F no deslocamento de A para B. Desse modo, temos:
3.2 TRABALHO DA FORÇA PESO
 O trabalho realizado ao lançar um corpo até certa altura h édado por:
 
a
cp
= v
2
 /ROnde:
v
é a velocidade escalarsobre a curva, e
R
é o raio datrajetória circular.Em módulo:F
cp
= mv
2
 R
A,B
= F . d
A,B
= F . d .
cos
A
posiçãoA B
d0
A =
A,B
 
= - mh = mh
cp
va
 y
 X 

Activity (68)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 hundred reads
1 thousand reads
Marcia Cristina liked this
Selson Pereira liked this
Sofiaa Óliveer liked this
Andressa Silva liked this
Rachel Gomes liked this
Roberta Costa liked this

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->