Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
16Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Contabilidade - Analise Contabil Balancos

Contabilidade - Analise Contabil Balancos

Ratings:

4.5

(2)
|Views: 10,220|Likes:
Published by credito

More info:

Published by: credito on May 16, 2008
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

04/16/2013

pdf

text

original

 
Aulas de Contabilidade Básica e Análise de Balanços – NOÇÕESPRELIMINARES –
IESAM – 16/abr/01
ANÁLISE CONTÁBIL E FINANCEIRA DE NEGÓCIOS
Prof. Dr. Ivandi Silva Teixeira
1- Objetivos
A análise contábil e financeira de negócios se reveste na atualidade, da maior importância para oentendimento das organizações no que diz respeito à abrangência da responsabilidade civil de seus gestores quantoà manutenção de suas continuidades em respeito a toda cadeia de valores na qual possam estar inseridas. Destaforma apresentam-se neste módulo sem a pretensão de esgotar o assunto, os principais conceitos pertinentes àcontabilidade quanto ciência e a respectiva materialização através da técnica de lançamentos contábeis e deestruturação dos relatórios, em atendimento a Lei 6.404 de 15 de dezembro de 1976 (Lei das AS) direcionando paraa melhor compreensão da capacidade de solvência das entidades, em respeito aos preceitos do Decreto-Lei 7.661de 21 de junho de 1945 (Lei das falências) com vistas à consecução dos objetivos do Curso, na forma como estemódulo o compõe.
2- Estrutura Conceitual da Contabilidade
A contabilidade, ao longo dos tempos, tem evoluído como ciência patrimonialista capaz de fornecerinformações úteis aos diferentes tipos usuários, no que diz respeito à abrangência da atuação das entidades, quantoà relação entre financiamentos, investimentos e gestão patrimonial, na forma se apresenta nesta contextualização:
2.1- Conceito 
A contabilidade pode e deve ser entendida conforme os pressupostos que Franco[1995] preconizam, emsua compreensão mais abrangente:“É a ciência que estuda e pratica, controla e interpreta os fatos ocorridos no patrimônio das entidades,mediante o registro, a demonstração expositiva e a revelação desses fatos, com o fim de oferecerinformações sobre a composição do patrimônio, nas suas variações e o resultado econômicodecorrente da gestão da riqueza patrimonial”.É importante salientar a necessidade maior de se fazer reflexões analíticas a respeito de toda e qualquerconceituação, que se respeitando os referenciais teóricos do estudioso, deve ser trabalhado em função dosreferenciais próprios e oportunos ‘a entidade na qual deverá ser exercitada e aplicada tal conceituação.
 
Aulas de Contabilidade Básica e Análise de Balanços – NOÇÕESPRELIMINARES - Prof. Dr. Ivandi Teixeira
2
2.2- Funções 
Tomando-se por base a conceituação supramencionada, as funções da contabilidade devem sercompreendidas, no âmbito das organizações plurais, independentes de suas constituições, objetivos sociais eatividades operacionais, com base na consecução das seguintes ações inerentes ao processo decisório:
organizar:A contabilidade deve estar constituída, com vistas à materialização de suas atividades, em um sistemade informações capazes de propiciar o acompanhamento eficaz das atividades da empresa que busca,na contabilidade, um instrumento útil para fazer manutenção dos seus processos de gerenciamentocom vistas ao mercado competitivo no qual possa se encontrar inserida.
registrar:Deve ainda, a contabilidade, ser capaz de elaborar
registros ótimos 
1
 dos atos e fatos administrativosque incorrerão em fatos contábeis. Resgatando desta maneira a capacidade preditiva da informaçãocontábil, tão questionado atualmente nos meios gerenciais, até porque somente os fatos já ocorridos nopassado não garantem projeções confiáveis.
 
demonstrar:Com base nos registros realizados, a contabilidade deve demonstrar periodicamente de formasistematizada, fundamentada nos preceitos conceituais, a situação econômica e financeira daorganização, seja no período corrente, ou projeções em bases reais, de exercícios futuros.
 
Estas bases reais devem estar configuradas pelas variáveis de contexto que deverão influenciar nosresultados da organização, tais como: diferencial tecnológico, estratégia de produção e vendas, entre outras. E jamais pelas projeções inflacionárias elaboradas de forma simplista, (através de índices intuitivos) como é freqüentese observar em relatórios equivocados, voltados mais para a ficção do que para a realidade empresarial.
 
Cabe o destaque, de que a manutenção deste equívoco operacional na elaboração dos relatórios, poderáestar comprometendo a expectativa inflacionaria na política de elaboração / composição dos preços das empresas,o que sem dúvida poder vir a comprometer a sua performance competitiva em uma realidade de globalização daeconomia, em um ambiente que se postula de livre mercado.
 
analisar:Os relatórios elaborados nessas bases deverão ser analisados com base nos recursos técnicos que ametodologia contábil dispõe, evidenciando nas suas diferentes abordagens de natureza econômica,financeira e social, a apuração dos resultados obtidos em um determinado período, pela empresa.
 
Cabe o destaque de que, nesta análise não é suficiente apenas o estabelecimento e os confrontos deíndices, uma vez que a linguagem numérica-quantitativa torna-se bastante inexpressiva, em termos de avaliação decontexto. Afinal de contas, incrementar em 50% a capacidade produtiva instalada de uma organização, nesteexercício, até que ponto é bom para a sua saúde financeira? Ter um acréscimo de 50% em sua lucratividade atéque ponto pode garantir a continuidade da organização.
 
Portanto, as análises dos relatórios contábeis devem ser trabalhadas em conjunto com os diferentes“postos hierárquicos” da organização, de modo a propiciar uma leitura abrangente dos relatórios, onde o aspectoquantitativo sirva tão somente para fundamentar a abordagem qualitativa, razão de ser dos relatórios.
 
Até porque, já se conhecem inúmeros fatos bastante desagradáveis, capazes de comprometer aseriedade dos relatórios contábeis, em nossa realidade brasileira, neste início do século 21.
 
acompanhar:A contabilidade deve procurar fazer o acompanhamento do orçamento e execução dos planos daorganização, em sua configuração estratégica, tática e operacional
2
, em seu sentido mais global. AAbordagem sistêmica das atividades das organizações deve ser uma preocupação constante para umcompetente departamento de contabilidade, que deve priorizar os efeitos sinérgicos dos planos epolíticas das organizações e não se postular restrito tão somente aos planos econômicos da empresa,limitados a prever tão somente os pagamentos a serem efetuados, e as quantias a serem recebidas deterceiros, reduzindo a sua atuação à insignificante ação de “alertar para eventuais problemas”.
2.3- Finalidade da contabilidade 
A contabilidade deve ser entendida ainda na condição de elemento indispensável ao processo decisório detoda e qualquer organização, independente da estrutura de capital, conotação jurídica e objetivos sociais. Deve,
 
1
 Devem tomar por base os preceitos da fundamentação científica da contabilidade - princípios fundamentais
2
 Deve ficar claro o entendimento de que nas organização devem existir tão somente atividades operacionais
 
Aulas de Contabilidade Básica e Análise de Balanços – NOÇÕESPRELIMINARES - Prof. Dr. Ivandi Teixeira
3
porém, estar claro entendimento de que a utilidade da contabilidade tem se desgastado de forma assustadora aolongo dos tempos por questões bastante compreensíveis, tais como:
O fato de se propor a satisfazer tão somente as exigências dos órgãos de fiscalização nas diferentes esferas,federal, estadual e municipal. Deve ser, portanto melhor interpretado o fato de que a contabilidade deve sepostular “a serviço” da instituição que lhe contrata os serviços, ou a mantém em departamento específico. E nãodos órgãos governamentais que mantém uma estrutura bastante onerosa, para executar o serviço rotineiro,inexpressivo e de competência profissional duvidosa da fiscalização, ao invés de treinar competentesprofissionais para a elaboração de relatórios próprios e específicos para as suas finalidades precípuas e damaior importância para a manutenção das funções de estados e municípios , que é a arrecadação.
As funções da contabilidade não estão claras nos planos das organizações. Na maioria das vezes, esta seencontra na condição de função pseudoterceirizada, tratando tão somente de atividades-meio, tais como aelaboração dos relatórios fiscais, de contribuição duvidosa para o contexto gerencial.
Existe uma avantajada carência de dados técnicos à disposição da contabilidade para a leitura dos seusrelatórios. É notório o fato de que os dados que fundamentam a elaboração dos relatórios são baseados emdados com base em determinismos fiscais, e jamais em dados com base de natureza técnico-científica. Porexemplo: com que habitualidade as empresas elaboram estudos técnicos em manuais dos fabricantes de suasmáquinas e equipamentos para determinar, em função da potencialidade do uso em atividades específicas, assuas vidas útil, os seus consumos médio de energia, a taxa de retorno dos investimentos?
Ao longo dos tempos a contabilidade se ressente de uma efetiva participação nos planos organizacionais. Épouco comum se ter conhecimento do departamento de contabilidade participando dos planos de produção,capacidade instalada, potencialidade de mercados, entre outros.
Não se tem conhecimento de que a contabilidade esteja preocupada de qualquer forma em procurar averiguar aforça competitiva da empresa no mercado, através da característica de seus principais fornecedores e clientesem potencial, e desta forma trabalhar no perfil técnico da organização e poder estabelecer entre outros, o nívelde endividamento futuro, e comprometimento inflacionário da organização, mesmo em situações onde estastaxas não se encontrem a nível alarmantes.Com este entendimento torna-se oportuno o esclarecimento de que a contabilidade pode guardar umaestreita relação com o controle e o planejamento das organizações, na forma como se lê:Controle: Configura-se no processo segundo o qual a administração se assegura, tanto quanto possível de que aorganização segue os planos e as políticas conforme estabelecidos. Nesta abordagem, a informaçãocontábil poderá ser efetivamente útil neste controle, assumindo para si a grande responsabilidade dacomunicação, que certamente auferirá respaldo técnico para os predicados da motivação e da avaliaçãode desempenho, conforme se perceba nos planos estratégicos da organização .A contabilidade não deve, portanto ser entendida na condição simplória de instrumento que sepredisponha a exercer de qualquer maneira, algum tipo de controle das atividades e/ou funçõesinerentes aos objetivos da organização.Planejamento: Consiste no processo de decidir sobre que ação deverá ser tomada no futuro. A área coberta porum planejamento pode ser um minúsculo setor da empresa, ou pode ser toda a empresa.
3 - A Estrutura Patrimonial das Entidades
É de fundamental importância o entendimento da estrutura na qual deve repousar a base de toda a gestão.Até porque, definir a base quantitativa deve ser prioridade para o profissional que almeja tomar decisão sobre o geriroperacional de qualquer empresa, independente de seus objetivos sócio-políticos e econômicos.A estrutura patrimonial das
entidades 
3
pode ser entendida com base na teoria patrimonialista que define adivisão do patrimônio em três partes distintas: Ativo; Passivo e Situação Líquida (Patrimônio Líquido).
Ativo
: corresponde ao conjunto de bens e direitos da entidade, que devem possuir as características abaixo,podendo ser entendido sob a denominação de Patrimônio Bruto.a - serem propriedade da entidade;b - possibilidade de avaliação e mensuração monetária;c - apresentarem potencialidade de gerar benefícios futuros.
Passivo Exigível
: representa o conjunto de obrigações assumidas pela entidade, perante terceiros.
 
3
 
Denominação técnica e genérica com a qual se trata toda e qualquer empresa.

Activity (16)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 hundred reads
1 thousand reads
Mayara Garcia liked this
Silvan Cruz liked this
Raquieli Cavejon liked this
Tamires Alves liked this
Nando Pinheiro liked this
Nando Pinheiro liked this
Tamires Alves liked this

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->