Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
239Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Contabilidade Geral - Exercícios - Aula08 Fluxo de Caixa

Contabilidade Geral - Exercícios - Aula08 Fluxo de Caixa

Ratings:

4.75

(8)
|Views: 36,989 |Likes:
Published by Debiticia

More info:

Published by: Debiticia on May 16, 2008
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

08/01/2014

pdf

text

original

 
CURSOS ON-LINE – CONTABILIDADE GERAL EM EXERCÍCIOSPROFESSOR ANTONIO CÉSARwww.pontodosconcursos.com.br
1
AULA 8: FLUXO DE CAIXA
E os estudos, na reta final? A pedidos estou colocando a aula de Demonstração doFluxo de Caixa. Como é uma matéria nova em Contabilidade Geral, estou fazendouma introdução teórica grande e depois os exercícios. Nesta aula estou corrigindoapenas 05. Os demais estou deixando para vocês tentarem resolver sozinhos. Na Aula09 (a seguinte) farei a correção.É uma técnica minha para que vocês tentem desenvolver o raciocínio. Estudar,somente, com questões já resolvidas não permite que vocês consigam assimilar bem amatéria.Bons estudos.1.
 
DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC)1.1.IINTRODUÇÃO
A Demonstração dos Fluxos de Caixa (DFC) ainda não é obrigatória no Brasil. Sendoassim, e acompanhando o entendimento adotado pelos autores do livro Manual deContabilidade das Sociedades por Ações, autores Sérgio de Iudícibus, Eliseu Martins eErnesto Rubens Gelbcke, editora Atlas, sexta edição, o presente capítulo adotarádeterminadas orientações do (Fasb),
Financial Accounting Standards Board,
e do (lasc),
 International Accounting Standards Committee,
órgão que estabelece normasinternacionais de contabilidade, uma vez que, de acordo com aqueles autores é bemprovável que a norma que tornar obrigatória no futuro a elaboração da DFC deverá serinfluenciada por aqueles dispositivos internacionais.
1.2.FINALIDADE
As demonstrações financeiras elaboradas de acordo com a legislação brasileira(Balanço Patrimonial, Demonstração do Resultado do Exercício, Demonstração de Origense Aplicações de Recursos e Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados) traduzem,para os leitores, a posição patrimonial da empresa, o resultado apurado pela sociedade e adestinação dos lucros apurados. Tudo pelo regime de competência. Acontece que umaempresa necessita de recursos para sobreviver e estas demonstrações não costumamdetalhar como esta posição da empresa, ou seja, como se comportou seu fluxo de caixa(passado), como está no presente e tampouco a sua projeção futura.Para suprir esta falta de informações é que surge a necessidade de se elaborar aDemonstração do Fluxo de Caixa (DFC).As informações da DFC, analisadas em conjunto com as demais demonstraçõesfinanceiras, auxiliam os leitores a identificar:
 
CURSOS ON-LINE – CONTABILIDADE GERAL EM EXERCÍCIOSPROFESSOR ANTONIO CÉSARwww.pontodosconcursos.com.br
21.
 
a conversão do lucro contábil (apurado pelo regime de competência) em caixa;2.
 
a capacidade de geração futura de caixa, principalmente de seus resultadosoperacionais;3.
 
a probabilidade da empresa honrar seus compromissos, pagar dividendos eretornar empréstimos obtidos;4.
 
a confirmação ou não de projeções passadas de fluxos futuros de caixa, etc.
1.3.CONCEITOS1.3.1.
 
DISPONIBILIDADES E EQUIVALENTE-CAIXA
Para fins da elaboração da Demonstração dos Fluxos de Caixa, o conceito de caixa éampliado e inclui-se também o chamado
equivalente-caixa.
 Equivalente-caixa é o investimento de alta liquidez, com total facilidade de conversãoem dinheiro, ou equivalente e de pouca ou rara possibilidade de diminuição de valor.Assim, as disponibilidades compreendem o caixa propriamente dito, os valoresdepositados em conta corrente bancária e as aplicações em equivalente-caixa.
1.4.ATIVIDADES
Para se elaborar a DFC podemos traçar um paralelo com a elaboração daDemonstração de Origens e Aplicações de Recursos (DOAR). Quando estamos elaborandoesta demonstração (DOAR), os recursos são apresentados na forma de origens e aplicações(Artigo 188, incisos I e II, da Lei número 6.404/76). .Já na elaboração da DFC, classificam-se as alterações de caixa por grupos de atividades. Estas são divididas emOPERACIONAIS, INVESTIMENTOS e FINANCIAMENTOS.
1.4.1.
 
ATIVIDADE OPERACIONAL
Referem-se as atividades fins da empresa, ou seja, aquelas que fazem parte de seuobjeto social e todo o esforço para a sua obtenção. Normalmente aparecem naDemonstração do Resultado, excluindo os resultados não operacionais. Também sãodefinidos como operacionais aqueles eventos que não sejam classificados como atividadesde investimento e financiamento. Podem ser agrupadas da seguinte forma:
 
Ingressos de Recursos ou Entradas de Recursos:a)
 
recebimentos, à vista, de mercadorias, serviços e produtos, bem como dorecebimento das duplicatas das vendas a prazo;b)
 
recebimentos de juros sobre empréstimos concedidos e sobre aplicaçõesfinanceiras em outras entidades, bem como dos dividendos de participações emoutras sociedades;
 
CURSOS ON-LINE – CONTABILIDADE GERAL EM EXERCÍCIOSPROFESSOR ANTONIO CÉSARwww.pontodosconcursos.com.br
3c)
 
recebimentos que não se originem de transações definidas como atividades deinvestimento ou financiamento.Saídas de Recursos ou Alocações de Recursos:a)
 
pagamentos, à vista, a fornecedores de bens objeto de sua atividade fim, bem comodo pagamento dos fornecedores de compras originalmente a prazo;b)
 
pagamento de despesas da atividade fim da empresa, tais como, salários, aluguéis,com vendas, financeiras (juros), etc;c)
 
pagamentos de impostos e contribuições aos diversos governos, bem como aospagamentos acessórios, tais como multas;, etc.
1.4.2.
 
ATIVIDADE DE INVESTIMENTO
Relaciona-se normalmente com operações envolvendo os ativos de longo prazo que aempresa utiliza para produzir bens e serviços, incluindo a aquisição e alienação de ativopermanente investimento, imobilizado, bem como a concessão de empréstimos.Ingressos de Recursos ou Entradas de Recursos:a)
 
recebimento do principal dos empréstimos concedidos (os juros recebidos destesempréstimos são classificados como atividade operacional);b)
 
recebimento pela venda de participações em outras empresas;c)
 
recebimento pela venda de ativo permanente imobilizado.Saídas de Recursos ou Alocações de Recursos:a)
 
concessão (desembolso) de empréstimos a outras empresasb)
 
aquisição (pagamento) de títulos patrimoniais de outras empresas;c)
 
aquisição (pagamento) de ativo permanente imobilizado.
1.4.3.
 
ATIVIDADE DE FINANCIAMENTO
Refere-se aos financiamentos concedidos à sociedade por terceiros e/ou pelos sócios.Basicamente são os valores constantes do passivo exigível de curto e longo prazo que sejamoriundos de empréstimos (financeiros) e capital socialIngressos de Recursos ou Entradas de Recursos:a)
 
recebimento decorrente da realização do capital social;b)
 
recebimento decorrente de empréstimo (financeiro) obtido no mercado de curto oulongo prazo;Saídas de Recursos ou Alocações de Recursos:a)
 
pagamento de dividendo;b)
 
pagamento pelo resgate de ações da própria empresa;c)
 
pagamento do principal dos empréstimos obtidos (os juros são classificados comoatividade operacional).
1.5.TÉCNICAS DE ELABORAÇÃO

Activity (239)

You've already reviewed this. Edit your review.
Debora Carvalho liked this
1 thousand reads
1 hundred reads
Flávia Martins liked this
Ivy Costa liked this
Luís Frizon liked this
Hellen Freire liked this
Vanessa Oliveira liked this
Edna Melo liked this
franciscoap liked this

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->