Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
4Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Obrigacao de Meio e Resultado

Obrigacao de Meio e Resultado

Ratings: (0)|Views: 374 |Likes:
Published by rmedicidm

More info:

Published by: rmedicidm on Apr 22, 2010
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

11/05/2012

pdf

text

original

 
Dentre todas as modalidades da matéria de obrigações, podem-se citar duas que tem sua definição muito clara e objetiva, são as obrigações de meio ede resultado. A
obrigação de resultado
é aquela que tem o resultado previsto por quem o praticou. Tem indenização certa, caso não haja comprimento doprometido. O exemplo clássico é a cirurgia plástica com finalidade estética,onde o resultado do procedimento cirúrgico deve ser exatamente como for aacordado antes mesmo da internação.Nas palavras da conceituadíssima doutrinadora Maria Helena Diniz,
obrigação de meio
é:"É aquela em que o devedor se obriga tão-somente a usar de prudênciae diligência normais na prestação de certo serviço para atingir um resultado,sem, contudo, se vincular a obtê-lo. Infere-se daí que sua prestação nãoconsiste num resultado certo e determinado a ser conseguido pelo obrigado,mas tão-somente numa atividade prudente e diligente deste em benefício docredor. Seu conteúdo é a própria atividade do devedor em tomar certasprecauções, sem se cogitar do resultado final
 
(C
urso de Direito
C
ivil Brasileiro,saraiva, 2º vol., pág. 161)O
advogado
tem extrema importância na manutenção do Estado e temisso atestado em lei de diversas formas. Seja pelo estatuto da Ordem dos Advogados do Brasil
(
lei nº 8.906, de 04 de julho de 1994), único regimento declasse expresso por lei em nosso país. Também está presente na
C
onstituiçãoFederal a relevância do advogado, através do art. 133 que diz que ³o advogadoé indispensável à administração da justiça, sendo inviolável por seus atos emanifestações no exercício da profissão, nos limites da lei.´Geralmente, a relação com o advogado é contratual e acontece por meiodo mandato. Portanto, há desde o início da relação uma definição do que é
 pretendido
e do que se
 pode
conseguir.É dever do advogado é encontrar soluções adequadas para osproblemas do cliente, também deve informar. Não pode nunca perder prazosou cometer erros que venham a prejudicar o cliente.De acordo com Silvio Venosa:
³[...] A responsabilidade do advogado, na área litigiosa, é uma obrigaçãode meio. Nesse diapasão, assemelha-se à responsabilidade do médico emgeral. O advogado está obrigado a usar de sua diligencia e capacidade profissional na defesa da causa, mas não se obriga pelo resultado, que sempreé falível e sujeito às vicissitudes intrínsecas ao processo [«]´ (Direito Civil, Atlas, 3º vol., p. 258).
Os
 j
uízes
são membros do Poder Judiciário que tem como funções, emsentido amplo, julgar e sentenciar. Ele deve primar pela manutenção dasegurança jurídica, sempre
tentando
dar um fim justo a relações conflituosas ede solução nebulosa, com base nas leis vigentes.
 
 A responsabilidade de julgar é pessoal e intransferível. Deve ser feito demodo imparcial e sempre em busca da verdade real, através das provasproduzidas durante o processo.Muitas vezes, contudo, a sentença obtida não é consoante ao pedido por uma parte. Isso acontece, porque o Poder Judiciário não é uma máquina queprevê resultados. Dessa forma, fica claro que o juiz tem
obrigação de meio
,pois é através das provas e de seu conhecimento que declara o que deveráacontecer, mesmo que isso desagrade quem o procurou. Se a sentençaemanar coisa julgada, nada pode fazer a parte insatisfeita, porquanto, docontrário, estaria criando um novo litígio.Nessa linha de pensamento, Mario Guimarães diz que:³
Os juízes não são responsáveis pelos danos que suas decisões possam causar´. (O Juiz e a Função Jurisdicional, p. 239).
 A figura do Ministério Público ± e, claro, o
p
romotor de
 j
ustiça
± estápresente em diversos artigos da
C
arta Política de 1988. O art. 127 exprime anecessidade da sua existência
(
defesa da ordem jurídica, do regimedemocrático, e dos interesses sociais e individuais indisponíveis); já o art. 128,delega ao promotor suas funções.Não pertence a nenhum poder da soberania nacional e tem comoprincípios institucionais a unidade, a indivisibilidade e a independênciafuncional.Sua obrigação é de meio, pois quando é invocado não é
certo
que ademanda será sentenciada pelo juiz em seu favor. O promotor, assim como oadvogado, deve ³usar de sua diligencia e capacidade profissional na defesa dacausa´. Nem sempre, entretanto, o que é pedido pelo Ministério Público éprovado e fundamentado ao ponto de se conseguir uma sentença favorável.

Activity (4)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 hundred reads
1 thousand reads
Marta Reis added this note
mmmmmmmmmmmmmmmm

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->