Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
1Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Avaliação Externa da Escola Secundária de Carvalhos - Relatório da IGE

Avaliação Externa da Escola Secundária de Carvalhos - Relatório da IGE

Ratings: (0)|Views: 15 |Likes:
Published by Pedro Nunes
O presente relatório expressa os resultados da avaliação externa da Escola Secundária de Carvalhos (Vila Nova de Gaia) realizada pela equipa de avaliação, na sequência da visita efectuada entre 8 e 9 de Março de 2010.
O presente relatório expressa os resultados da avaliação externa da Escola Secundária de Carvalhos (Vila Nova de Gaia) realizada pela equipa de avaliação, na sequência da visita efectuada entre 8 e 9 de Março de 2010.

More info:

Published by: Pedro Nunes on Apr 24, 2010
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

05/12/2014

pdf

text

original

Avalia\u00e7\u00e3o Externa das Escolas
Relat\u00f3rio de escola
Escola Secund\u00e1ria de
Carvalhos
Vila Nova de Gaia
INSPEC\u00c7\u00c3O-GERAL DA EDUCA\u00c7\u00c3O
Delega\u00e7\u00e3o Regional do Norte da IGE
Datas da visita: 8 a 9 de Mar\u00e7o de 2010
Escola Secund\u00e1ria de Carvalhos \u2013 Vila Nova de Gaia
I \u2013 INTRODU\u00c7\u00c3O

A Lei n.\u00ba 31/2002, de 20 de Dezembro, aprovou o sistema de avalia\u00e7\u00e3o dos estabelecimentos de educa\u00e7\u00e3o pr\u00e9-escolar e dos ensinos b\u00e1sico e secund\u00e1rio, definindo orienta\u00e7\u00f5es gerais para a auto-avalia\u00e7\u00e3o e para a avalia\u00e7\u00e3o externa.

Ap\u00f3s a realiza\u00e7\u00e3o de uma fase-piloto, da responsabilidade de um Grupo de Trabalho (Despacho Conjunto n.\u00ba 370/2006, de 3 de Maio), a Senhora Ministra da Educa\u00e7\u00e3o incumbiu a Inspec\u00e7\u00e3o-Geral da Educa\u00e7\u00e3o (IGE) de acolher e dar continuidade ao programa nacional de avalia\u00e7\u00e3o externa das escolas. Neste sentido, apoiando-se no modelo constru\u00eddo e na experi\u00eancia adquirida durante a fase-piloto, a IGE est\u00e1 a desenvolver esta actividade, entretanto consignada como sua compet\u00eancia no Decreto Regulamentar n.\u00ba 81-B/2007, de 31 de Julho.

O presente relat\u00f3rio expressa os resultados da avalia\u00e7\u00e3o externa da
Escola Secund\u00e1ria de Carvalhos (Vila Nova de Gaia) realizada pela
equipa de avalia\u00e7\u00e3o, na sequ\u00eancia da visita efectuada entre 8 e 9 de
Mar\u00e7o de 2010.
Os cap\u00edtulos do relat\u00f3rio\u2015 Caracteriza\u00e7\u00e3o da Escola, Conclus\u00f5es da
Avalia\u00e7\u00e3o por Dom\u00ednio, Avalia\u00e7\u00e3o por Factor e Considera\u00e7\u00f5es Finais \u2015
decorrem da an\u00e1lise dos documentos fundamentais da Escola, da sua
apresenta\u00e7\u00e3o e da realiza\u00e7\u00e3o de entrevistas em painel.

Espera-se que o processo de avalia\u00e7\u00e3o externa fomente a auto- avalia\u00e7\u00e3o e resulte numa oportunidade de melhoria para a Escola, constituindo este relat\u00f3rio um instrumento de reflex\u00e3o e de debate. De facto, ao identificar pontos fortes e pontos fracos, bem como oportunidades e constrangimentos, a avalia\u00e7\u00e3o externa oferece elementos para a constru\u00e7\u00e3o ou o aperfei\u00e7oamento de planos de melhoria e de desenvolvimento de cada escola, em articula\u00e7\u00e3o com a administra\u00e7\u00e3o educativa e com a comunidade em que se insere.

A equipa de avalia\u00e7\u00e3o externa congratula-se com a atitude de colabora\u00e7\u00e3o demonstrada pelas pessoas com quem interagiu na prepara\u00e7\u00e3o e no decurso da avalia\u00e7\u00e3o.

MUITO BOM \u2013 Predominam os

pontos fortes, evidenciando uma regula\u00e7\u00e3o sistem\u00e1tica, com base em

procedimentos expl\u00edcitos, generalizados e eficazes. Apesar de alguns aspectos menos conseguidos, a organiza\u00e7\u00e3o mobiliza-se para o aperfei\u00e7oa- mento cont\u00ednuo e a sua ac\u00e7\u00e3o tem proporcionado um impacto muito forte na melhoria dos resultados dos alunos.

BOM\u2013 A escola revela bastantes

pontos fortes decorrentes de uma ac\u00e7\u00e3o intencional e frequente, com base em procedimentos expl\u00edcitos e eficazes. As actua\u00e7\u00f5es positivas s\u00e3o a norma, mas decorrem muitas vezes do empenho e da iniciativa indi- viduais. As ac\u00e7\u00f5es desenvolvidas t\u00eam proporcionado um impacto forte na melhoria dos resultados dos alunos.

SUFICIENTE\u2013Os pontos fortes e os

pontos fracos equilibram-se, revelando uma ac\u00e7\u00e3o com alguns aspectos positivos, mas pouco expl\u00edcita e sistem\u00e1tica. As ac\u00e7\u00f5es de aperfei\u00e7oamento s\u00e3o pouco consistentes ao longo do tempo e envolvem \u00e1reas limitadas da escola. No entanto, essas ac\u00e7\u00f5es t\u00eam um impacto positivo na melhoria dos resultados dos alunos.

INSUFICIENTE\u2013Os pontos fracos

sobrep\u00f5em-se aos pontos fortes. A escola n\u00e3o demonstra uma pr\u00e1tica coerente e n\u00e3o desenvolve suficientes ac\u00e7\u00f5es positivas e coesas. A capacidade interna de melhoria \u00e9 reduzida, podendo existir alguns aspectos positivos, mas pouco relevantes para o desempenho global. As ac\u00e7\u00f5es desenvolvidas t\u00eam proporcionado um impacto limitado na melhoria

dos resultados dos alunos.

O texto integral deste relat\u00f3rio, bem como um eventual
contradit\u00f3rio apresentado pela Escola, ser\u00e1 oportunamente
disponibilizado no s\u00edtio da IGE na \u00e1rea

Avalia\u00e7\u00e3o Externa das Escolas 2009-2010
ESCALA DE AVALIA\u00c7\u00c3O
N\u00edveis de classifica\u00e7\u00e3o dos
cinco dom\u00ednios
2
Escola Secund\u00e1ria de Carvalhos \u2013 Vila Nova de Gaia
II \u2013 CARACTERIZA\u00c7\u00c3O DA ESCOLA

A Escola Secund\u00e1ria de Carvalhos localiza-se na vila de Carvalhos, freguesia de Pedroso, no concelho de Vila Nova de Gaia, numa zona em expans\u00e3o demogr\u00e1fica e bem servida por importantes vias rodovi\u00e1rias. A Escola, constitu\u00edda por cinco blocos de salas de aula e outros servi\u00e7os, pavilh\u00e3o gimnodesportivo, oficina de artes, parque desportivo e parque de estacionamento, foi reconstru\u00edda entre 2001 e 2004, sendo o estado de conserva\u00e7\u00e3o das instala\u00e7\u00f5es e dos equipamentos considerado bom.

Segundo dados fornecidos pela Escola, no ano lectivo de 2009/2010, frequentam este estabelecimento de ensino 1155 alunos: 372 no 3\u00ba ciclo do ensino b\u00e1sico regular (14 turmas); 20 no curso de educa\u00e7\u00e3o e forma\u00e7\u00e3o, tipo 2, de Servi\u00e7o de Mesa (1 turma) e 14 no curso de educa\u00e7\u00e3o e forma\u00e7\u00e3o de adultos, tipo B3 (1 turma); 365 no ensino secund\u00e1rio regular (16 turmas); 266 no ensino secund\u00e1rio profissional (14 turmas); 11 no ensino secund\u00e1rio recorrente, tipo 3 (1 turma); 107 nos cursos de educa\u00e7\u00e3o e forma\u00e7\u00e3o de adultos, tipo 3 (7 turmas). Os aux\u00edlios econ\u00f3micos no \u00e2mbito da Ac\u00e7\u00e3o Social Escolar abrangem 223 alunos do 3\u00ba ciclo e 318 do ensino secund\u00e1rio, num total de 540 (46,8%), dos quais 258 (47,8%) est\u00e3o integrados no escal\u00e3o A. Relativamente \u00e0 disponibilidade de computador e internet em casa, 64,1% dos alunos n\u00e3o possuem nenhum destes recursos, 25,9% t\u00eam acesso \u00e0 internet, e 10,0% t\u00eam computador sem acesso \u00e0 internet. A Escola \u00e9 frequentada por 13 alunos de outras nacionalidades: Brasil (quatro); Angola (tr\u00eas); Fran\u00e7a (dois); Su\u00ed\u00e7a (um); Venezuela (um); Cabo Verde (um) e Ucr\u00e2nia (um).

Entre as habilita\u00e7\u00f5es liter\u00e1rias conhecidas dos pais/encarregados de educa\u00e7\u00e3o (67,3%), predomina o 1\u00ba ciclo do ensino b\u00e1sico (29%), registando-se, progressivamente, valores inferiores com o 2\u00ba e o 3\u00ba ciclos, (ambos com 23,5%), o ensino secund\u00e1rio (16%) e com habilita\u00e7\u00f5es superiores (8%). As profiss\u00f5es conhecidas dos pais/encarregados de educa\u00e7\u00e3o (54,2%) enquadram-se nos seguintes grupos de refer\u00eancia: Oper\u00e1rios, art\u00edfices e trabalhadores da ind\u00fastria (43,3%); Servi\u00e7os e com\u00e9rcio (24,0%); Trabalhadores n\u00e3o qualificados (13,4%); Quadros superiores, dirigentes e profiss\u00f5es intelectuais (11,0%); T\u00e9cnicos e profiss\u00f5es de n\u00edvel interm\u00e9dio (6,3%); Agricultura e trabalho qualificado da agricultura e pescas (2,0%).

O pessoal docente \u00e9 composto por 149 elementos, que se repartem equilibradamente pelos escal\u00f5es et\u00e1rios entre os 30 e os 60 anos (88,6%): 103 do Quadro de Escola; 10 do Quadro de Zona Pedag\u00f3gica; 20 contratados; e 16 em outras situa\u00e7\u00f5es. O pessoal n\u00e3o docente, predominantemente, entre os 40 e os 60 anos (84,8%), integra 33 trabalhadores: 11 assistentes t\u00e9cnicos, 21 assistentes operacionais e um t\u00e9cnico superior (psic\u00f3loga). Neste grupo profissional, 94% t\u00eam contrato de trabalho em fun\u00e7\u00f5es p\u00fablicas por tempo indeterminado e 6% contrato a termo resolutivo certo. Existem, ainda, cinco trabalhadores ocasionais colocados pelo Centro de Emprego.

III \u2013 CONCLUS\u00d5ES DA AVALIA\u00c7\u00c3O POR DOM\u00cdNIO
1. Resultados
BOM

Nos \u00faltimos tr\u00eas anos, no 3\u00ba ciclo do ensino b\u00e1sico, verificou-se uma evolu\u00e7\u00e3o positiva das taxas de sucesso, ainda que, de forma n\u00e3o linear, situando-se, no \u00faltimo ano, abaixo da taxa nacional. No ensino secund\u00e1rio regular, os resultados evolu\u00edram de forma id\u00eantica, registando-se, igualmente, no \u00faltimo ano, um valor inferior \u00e0 taxa nacional. No entanto, se compararmos isoladamente o ensino tecnol\u00f3gico, a taxa de sucesso, no \u00faltimo ano, \u00e9 superior \u00e0 nacional. Nos exames nacionais do 3\u00ba ciclo e do ensino secund\u00e1rio, o desempenho da Escola n\u00e3o se afasta significativamente dos resultados nacionais. O facto mais relevante \u00e9 a discrep\u00e2ncia entre as classifica\u00e7\u00f5es internas e as de exame, na disciplina de Hist\u00f3ria, do ensino secund\u00e1rio, sendo estas \u00faltimas bastante inferiores.

Os alunos n\u00e3o participam na elabora\u00e7\u00e3o dos documentos estruturantes e orientadores da Escola, revelam algum desconhecimento dos mesmos, \u00e0 excep\u00e7\u00e3o do Regulamento Interno, que conhecem particularmente bem, apesar da sua divulga\u00e7\u00e3o junto da comunidade escolar. S\u00e3o respons\u00e1veis pela organiza\u00e7\u00e3o de certas actividades e participam activamente em campanhas de solidariedade. A Escola estimula e valoriza as dimens\u00f5es da participa\u00e7\u00e3o e da forma\u00e7\u00e3o c\u00edvica, tendo institu\u00eddo o Quadro de Valor que distingue os alunos que se revelaram mais activos e empreendedores nestas dimens\u00f5es.

3

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->