Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Look up keyword
Like this
1Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Sobre Socialismo e Fé Cristã

Sobre Socialismo e Fé Cristã

Ratings: (0)|Views: 50|Likes:
Published by Eliel Vieira
Norma Braga – tradutora, doutora em língua francesa e, de acordo com o sítio eletrônico da revista Ultimato, “missionária de idéias” – escreveu um pequeno ensaio chamado “Por que não sou de esquerda” , ao qual pretendo dar uma singela resposta nos parágrafos a seguir.
Norma Braga – tradutora, doutora em língua francesa e, de acordo com o sítio eletrônico da revista Ultimato, “missionária de idéias” – escreveu um pequeno ensaio chamado “Por que não sou de esquerda” , ao qual pretendo dar uma singela resposta nos parágrafos a seguir.

More info:

Published by: Eliel Vieira on May 01, 2010
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF or read online from Scribd
See more
See less

05/02/2010

pdf

P\u00e1gina | 1
- www.ElielVieira.org -
RESPOSTA A NORMA BRAGA: SOBRE
SOCIALISMO E F\u00c9 CRIST\u00c3
Por Eliel Vieira

Norma Braga \u2013 tradutora, doutora em l\u00edngua francesa e, de acordo com o s\u00edtio eletr\u00f4nico da revista Ultimato, \u201cmission\u00e1ria de id\u00e9ias\u201d \u2013 escreveu um pequeno ensaio chamado \u201cPor que n\u00e3o sou de esquerda\u201d1, ao qual pretendo dar uma singela resposta nos par\u00e1grafos a seguir.

Antes de qualquer coisa eu sinceramente gostaria de saber da autora se seu ensaio caracteriza- se como uma pergunta ou uma afirma\u00e7\u00e3o. Pois, se o t\u00edtulo do ensaio \u00e9 uma pergunta, obviamente falta a ele o famoso e mui importante \u201c?\u201d; por outro lado, se se trata de uma afirma\u00e7\u00e3o, o \u201cPor que\u201d n\u00e3o poderia ser usado de forma \u201cseparada\u201d \u2013 deveria ser \u201cPorque\u201d, como aprendemos nos primeiros anos de educa\u00e7\u00e3o escolar.

A corre\u00e7\u00e3o acima pode soar como implic\u00e2ncia injustificada sobre fatores relativamente insignificantes em rela\u00e7\u00e3o ao texto como um todo, mas sinceramente este n\u00e3o \u00e9 este o caso. O texto da autora constitui uma reflex\u00e3o (a partir de uma pergunta) ou uma afirma\u00e7\u00e3o? Se for uma reflex\u00e3o, algumas n\u00e3o-rigorosidades l\u00f3gicas de seu ensaio podem ser relevadas, todavia o mesmo n\u00e3o pode ser feito caso o ensaio de Norma se trate de uma afirma\u00e7\u00e3o.

Antes de come\u00e7ar, tamb\u00e9m gostaria de deixar claro algo muito importante aqui. Eu n\u00e3o sou comunista. Para n\u00e3o haver confus\u00e3o, vou repetir: eu n\u00e3o sou comunista. A verdade \u00e9 que, na maior das controv\u00e9rsias sociais, eu n\u00e3o sou esquerdista nem direitista. Prefiro denominar-me progressista. Eu sou algu\u00e9m que, observando a controv\u00e9rsia do \u201clado de fora\u201d, busca analisar os pontos-chave da mesma, refletindo sobre algumas conclus\u00f5es \u00e0 luz de alguns fatos que podemos observar na sociedade. Eu tamb\u00e9m n\u00e3o gostaria que considerassem minha neutralidade aqui como uma posi\u00e7\u00e3o \u201cem cima do muro\u201d \u2013 eu n\u00e3o me decidi ainda (como o fiz quando abandonei o calvinismo), pois acho que n\u00e3o li e refleti ainda o suficiente para tomar uma decis\u00e3o equilibrada e que abranja todas suas implica\u00e7\u00f5es.

1 <http://normabraga.blogspot.com/2010/03/por-que-nao-sou-de-esquerda.html>.
P\u00e1gina | 2
Pois bem, vamos \u00e0 an\u00e1lise do texto de Norma Braga.

Primeiramente ela parece defender a exist\u00eancia do comunismo, que ela considera algo mal, \u00e0 luz do chamado \u201cProblema do Mal\u201d. Ela argumenta que, como Cristo \u201csatisfez essa urg\u00eancia\u201d que temos de encontrar uma resposta para a exist\u00eancia de sofrimento no mundo, ent\u00e3o quem n\u00e3o est\u00e1 em Cristo necessariamente precisa externalizar esta crise existencial e \u00e9 da\u00ed que come\u00e7amos a presenciar os grandes males da humanidade. A autora diz,

Isso se verifica facilmente entre n\u00f3s, ocidentais, quando lembramos os assassinatos em massa do s\u00e9culo 20. Judeus, ciganos, crist\u00e3os dissidentes e povos n\u00e3o-alem\u00e3es foram os bodes expiat\u00f3rios da Alemanha hitlerista: quarenta milh\u00f5es de mortos. Da mesma forma, nos pa\u00edses comunistas o vago conceito de \u201cclasse dominante\u201d tem justificado a condena\u00e7\u00e3o \u00e0 morte de mais de cem milh\u00f5es. Trata-se um ciclo diab\u00f3lico, pois n\u00e3o h\u00e1 sacrif\u00edcios que cheguem para a sanha dos que pensam combater o mal dessa maneira. Assim, a viol\u00eancia aumenta na mesma propor\u00e7\u00e3o do secularismo.

Bem, vamos por partes. Em primeiro lugar, o \u201cProblema do Mal\u201d para o crist\u00e3o est\u00e1 longe de ser resolvido. (A n\u00e3o ser, \u00e9 claro, que se pretenda trabalhar apenas com \u201crespostinhas prontas\u201d e superficiais.) O \u201cProblema do Mal\u201d n\u00e3o \u00e9 problema at\u00e9 quando o sofrimento est\u00e1 atingindo somente o visinho, mas quando \u00e9 voc\u00ea mesmo quem o sofre o quadro muda. Que o diga C. S. Lewis, n\u00e3o \u00e9? O mesmo autor que disse friamente em um dos seus livros que \u201ca dor \u00e9 o megafone de Deus para despertar um mundo surdo\u201d2 chamou-O de \u201cS\u00e1dico C\u00f3smico\u201d3 ap\u00f3s a morte de sua amada Joy. Em certo sentido o \u201cProblema do Mal\u201d \u00e9 mais problema para um crist\u00e3o do que, digamos, para um ateu. Um ateu pode simplesmente ser indiferente \u00e0s mazelas sociais e adotar um estilo niilista de vida, no qual nada realmente seja importante. Ou, mesmo se n\u00e3o o ateu for niilista e de fato se compadecer com o sofrimento no mundo, ainda assim isto n\u00e3o necessariamente se caracteriza problema a ele, pois em sua vis\u00e3o de mundo, tudo o que existe nada mais \u00e9 do que a maneira totalmente sem l\u00f3gica e sem sentido na qual a exist\u00eancia veio a ser atrav\u00e9s do cego processo evolutivo da Sele\u00e7\u00e3o Natural. Portanto, quando pensamos um pouco, fica dif\u00edcil n\u00e3o concordar com o fato de que o \u201cProblema do Mal\u201d \u00e9 problema mesmo para os crist\u00e3os e para os outros que adotam uma vis\u00e3o teleol\u00f3gica de mundo.

Em segundo lugar, a afirma\u00e7\u00e3o de Norma de que \u201ca viol\u00eancia aumenta na mesma propor\u00e7\u00e3o do secularismo\u201d, no m\u00ednimo carece de fontes que a sustentem, e \u00e9 vergonhoso fazer isto. Eu disse \u201cno m\u00ednimo carece de fontes\u201d, pois os dados mais recentes aparentemente apontam para uma realidade

2 LEWIS, C. S. O Problema do Sofrimento. S\u00e3o Paulo: Editora Vida, 2006. p. 106.
3 LEWIS, C. S. A Anatomia de uma Dor. S\u00e3o Paulo: Editora Vida, 2006. p. 52.
P\u00e1gina | 3

completamente vergonhosa para n\u00f3s, crist\u00e3os, e que contradizem sua afirma\u00e7\u00e3o. De acordo um estudo estat\u00edstico realizado pela ONG Vision of Humanity, por exemplo, quanto menos influenciado pela religi\u00e3o for um pa\u00eds, mais pac\u00edfico ele \u00e94. Vergonhosamente admito que eu conhe\u00e7o mais n\u00e3o-crist\u00e3os militantes em quest\u00f5es s\u00f3cio-ambientais e \u00e9ticas do que crist\u00e3os engajados nas mesmas frentes.

Estou eu defendendo o ate\u00edsmo? N\u00e3o! Apenas estou sendo fiel aos fatos.

Em terceiro lugar, Norma cita alguns dados sobre a quantidade de mortos realizadas pelos regimes nazista e comunista, como se tais mortes testificassem assim a injustificada afirmativa de Norma de que \u201ca viol\u00eancia aumenta na mesma propor\u00e7\u00e3o do secularismo\u201d. Ora, se assim for o que dizer ent\u00e3o do pr\u00f3prio Cristianismo? Quantos foram mortos nas Cruzadas? Quantos foram mortos na Idade M\u00e9dia por serem \u201chereges\u201d? Quantos foram mortos durante a Reforma? Ser\u00e1 que Serveto, ordenado \u00e0 morte pelo amigo de Norma Jo\u00e3o Calvino, sentiria alguma diferen\u00e7a entre os reformadores e aqueles que ela critica?

E o que dizer sobre os crimes atribu\u00eddos a Deus na B\u00edblia? Afinal de contas, chacina \u00e9 chacina n\u00e3o importa em qual contexto ela aconte\u00e7a. Se formos contabilizar apenas as mortes atribu\u00eddas a Deus na B\u00edblia (especialmente no AT), temos o n\u00famero de 2.391.421 mortes5. Mas se quisermos podemos contabilizar tamb\u00e9m todas as 75 mil mortes causadas pelo terremoto no Haiti, j\u00e1 que o para grande amigo dos anti-esquerdistas Julio Severo (e eu devo levar em conta o que ele diz, pois os de direita s\u00e3o \u201cmais crist\u00e3os\u201d que os de esquerda) o terremoto no Haiti foi causado efetiva e soberanamente por Deus6.

Novamente, n\u00e3o gostaria que me atribu\u00edssem nomenclaturas. O rigor l\u00f3gico me impulsiona a analisar ambos os lados da quest\u00e3o sob os mesmos padr\u00f5es. Se o comunismo \u00e9 mal porque milh\u00f5es morreram, por que o tratamento deveria ser diferente quando quem mata \u00e9 a Igreja de Deus, ou o pr\u00f3prio Deus? Agir de forma diferente \u00e9 desonestidade intelectual, e n\u00e3o vou incorrer neste erro em nome de uma coisa t\u00e3o pobre intelectualmente como o \u201canticomunismo\u201d.

Ali\u00e1s, permitindo-me compartilhar algo pessoal aqui, a falta de crit\u00e9rio, a desonestidade intelectual e os argumentos \u201cataque o espantalho\u201d s\u00e3o um repelente muito forte a mim para que eu adote a posi\u00e7\u00e3o \u201cdireita\u201d no que se refere \u00e0 controv\u00e9rsia social. A pr\u00f3pria Norma, neste doloroso ensaio, chama o conceito de \u201cclasse dominante\u201d de vago. Mas por que \u00e9 vago? O que falta a ele? Em

4 <http://virgula.uol.com.br/ver/noticia/news/2009/06/24/209003-ranking-mostra-que-paises-ateus-sao-os-mais-
pacificos>.
5 <http://dwindlinginunbelief.blogspot.com/2006/08/how-many-has-god-killed.html>.
6 <http://juliosevero.blogspot.com/2010/01/sera-necessario-um-terremoto.html>.

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->