Welcome to Scribd. Sign in or start your free trial to enjoy unlimited e-books, audiobooks & documents.Find out more
Download
Standard view
Full view
of .
Look up keyword
Like this
1Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Os Preceitos Budistas

Os Preceitos Budistas

Ratings: (0)|Views: 11|Likes:

More info:

Published by: Walker Barros Dantas on May 31, 2010
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

05/31/2010

pdf

text

original

 
Código de Ética do
 
Centro Zen de Rochester
 
(Tradução de Francisco Scherer; Revisão de Giovanni Kakugen)
 
I. Os Preceitos Budistas
 
A. Introdução
 
Como membros do Centro Zen de Rochester, nós estamos intrinsecamente ligados unsaos outros, e as formas pelas quais nós interagimos podem ter um profundo efeito na nossa prática.Por esta razão, uma força tarefa de Diretores do Centro Zen trabalhou durante os anos 2000 e 2001para articular um Código de Ética para a Sangha diretrizes que, nós esperamos, irão ajudar a criarum ambiente seguro, harmonioso e seguro. A força tarefa começou revisando os dezesseis preceitos
budistas e estudando as maneiras pelas quais estes preceitos modelam a nossa vida comunitária.
 
Os dezesseis preceitos são uma parte tão íntima da prática Zen que eles tem sido descritos
como sendo a veia da linhagem ancestral. Os preceitos podem ser entendidos em muitos níveis:como apoio para a prática do despertar, como ambiente para esta prática, e como expressão dodespertar propriamente dito. Embora os preceitos possam ser entendidos de diferentes pontos de
vista
por exemplo, que nós não podemos seguir de forma perfeita os preceitos, ou que nós já somos
completos da maneira como nós já somos nós não acreditamos que a prática Zen pode existir na
ausência dos mesmos.
 Nós oferecemos quatro observações sobre o seguinte texto. Em primeiro lugar, enquantoos preceitos sobreviveram ao teste de muitas gerações, a maneira pela qual eles são explicados epraticados pode evoluir. Como Diretores do Centro Zen em um momento específico no tempo, nóspercebemos que nossas interpretações estão sujeitas a mudanças. Em segundo lugar, estasinterpretações não tem a pretensão de limitar o entendimento de ninguém ou de ser uma leituradefinitiva dos preceitos. Em terceiro lugar, este documento não tenta abordar quaisquer questões deconduta pessoal que não tenham uma relação direta com a comunidade do Centro Zen. E, em quartolugar, estes princípios éticos não tem a intenção de se sobrepor a outras diretrizes específicas do
Centro Zen, mas sim complementar e viabilizar a aplicação das mesmas.
 
B. Os Três Refúgios
 
Os três refúgios representam a fundação e a orientação de nossas vidas como seguidores
do Caminho de Buda.
 
1. Eu tomo refúgio no Buda.
Ao tomar refúgio no Buda, nós reconhecemos a NaturezaBúdica de todos os seres. Embora haja diferentes níveis de autoridade administrativa e religiosa no
Centro Zen, nós reconhecemos que todos nós somos, igualmente, a expressão da Natureza Búdica.
 
2. Eu tomo refúgio no Dharma.
Ao tomar refúgio no Dharma, nós reconhecemos asabedoria e a compaixão do modo de vida Budista. É através do Dharma que nós exprimimos etornamos acessíveis os ensinamentos de Buda tal como nos foram transmitidos através da linhagemde nossos professores. O termo Dharma é freqüentemente traduzido como Lei, e nestaperspectiva nós podemos ver os ensinamentos de Buda como diretrizes para nosso comportamento
em todas as áreas de nossas vidas.
 
3.
 Eu tomo refúgio na Sangha.
Ao tomar refúgio na Sangha, nós reconhecemos o
importante papel que a vida comunitária do Centro Zen desempenha na nossa prática. A fim de que a
 
Sangha seja um refúgio, nós aspiramos criar um ambiente inclusivo, com espaço para compreensãoe aceitação de nossas diferenças. Ao mesmo tempo, nós trabalhamos para implementar a percepçãode que a Sangha e seus membros não são entidades separadas. Uma comunicação aberta epermanente dentro da Sangha é essencial para que seja criado este refúgio. Quaisquer preocupações
ou conflitos éticos devem ser integralmente ouvidos e apropriadamente discutidos.
 
C. As Três Resoluções Gerais
 
As Três Resoluções Gerais são inseparáveis da prática budista ensinada no Centro Zen.
Eles representam a aspiração de qualquer seguidor do Caminho de Buda.
 
1.
 
 Eu decido evitar o mal.
Evitar o mal significa abster-se de dano a si mesmo e aos
demais
ou a animais, plantas ou à Terra
por meio de nossos pensamentos, palavras e ações.
 
2.
 
 Eu decido fazer o bem.
Fazer o bem significa agir com base na compaixão e
equ
animidade de nossa natureza desperta. Como parte de nosso esforço para viver eticamente, nós
abraçamos as práticas Mahayanas da confissão, do arrependimento, reparação e reconciliação.
 
3.
 
 Eu decido libertar todos os seres sencientes.
Libertar todos os sencientes significamanifestar a nossa Natureza Búdica para o benefício de todos. Quando nós expressamos a nossa
natureza desperta, nós damos aos demais a oportunidade descobrir a sua própria Mente Verdadeira.
 
D. Os Dez Preceitos Cardinais
 
Os Dez Preceitos Cardinais são inseparáveis da Natureza Búdica e de nossos
relacionamentos.
 
1. Eu decido não matar, e sim cuidar de toda forma de vida.
Este preceito expressa a intenção de viver de forma compassiva e inofensiva, e deriva doreconhecimento da unidade intrínseca de toda existência. Quando compreendido em seu contexto
mais amplo, não matar também pode ser entendido como não causar dano, especialmente não
causar dano ao corpo ou a psique de outro. Violência física e comportamento abusivo (o que inclui
ame
aças física e demonstrações extremas de raiva e malícia) são vistos como uma forma de matar.Conseqüentemente todas as armas de fogo e outras armas projetadas principalmente paratirar a vida não são permitidas dentro dos locais de prática do Centro Zen, e carnes não deverão serconsumidos dentro dos locais de prática do Centro Zen, a menos que tal seja permitido pelo Abadeem circunstâncias especiais. Nós também reconhecemos nosso papel, seja diretamente ou em
cumplicidade com outros, no aniquilamento de outras formas de vida. Como nós somos uma Sangha,
quando questões que incluem o aniquilamento de animais e plantas são levantadas, nós precisamoscuidadosamente considerar as nossas necessidades reais e nossas responsabilidades, para que seja
possível trabalhar para o benefício de todos os seres.
2. Eu decido não tomar o que não é dado, e sim respeitar a propriedade alheia.
Este preceito expressa o comprometimento de viver com base em um coração generoso,ao invés de viver com base em uma mente ávida. Este comprometimento está baseado na percepçãode que, tal como nós somos, nada nos falta. Em um nível pessoal, o comportamento gananciosoprejudica a pessoa que rouba tanto quanto prejudica a pessoa que é vítima do roubo. Em nívelcomunitário, roubar pode comprometer ou mesmo destruir o ambiente de confiança mútua para aprática Zen. Aqueles que administram os fundos da Sangha ou outros recursos tem a
 
responsabilidade especial de zelar pelos mesmos e impedir o mal-uso deliberado ou a apropriaçãoindébita destes recursos e fundos, uma vez que o mal uso deliberado e a apropriação indébita são,ambos, formas institucionais de roubo (Favor consultar Seções V, Conflitos de Interesse, e VI,
Política Financeira, Proibição de Benefício Privado, no texto infra).
 
Em ad
ição, nós reconhecemos que o mal
-
uso de autoridade e status é uma forma de tomar aquilo quenão é dado. Dentro da complexa vida da Sangha, vários níveis hierárquicos de autoridade eanterioridade desempenham uma função em determinadas situações. É particularmente importanteque indivíduos em posições de confiança não utilizem a sua autoridade como uma forma de obterprivilégios especiais, ou como uma forma de controlar ou influenciar os demais de maneirainapropriada.
 
3.
 Eu decido não utilizar mal a minha sexualidade, e sim ser cuidadoso e responsável.
Nós reconhecemos que a sexualidade faz parte da nossa prática tanto quanto qualqueroutro aspecto das nossas vidas diárias. Reconhecer e honrar a nossa sexualidade é uma forma de
criar um ambiente onde relacionamentos conscientes e compassivos podem ser cultivados.
 Deve ser tomado um cuidado especial quando pessoas de status desiguais ou níveisdesiguais de autoridade iniciam uma relação sexual. Em especial, existem duas formas derelacionamento que podem levar a grande dano e confusão. Cada uma destas formas é considerada
uma violação deste preceito.
 Em primeiro lugar, todo adulto que se envolver sexualmente com um menor estáincorrendo em comportamento sexual inadequado. Evitar relacionamentos desta natureza é uma
responsabilidade exclusiva do indivíduo adulto.
 
Em segundo lugar, é considerado um mal abuso de autoridade, responsabilidade esexualidade o envolvimento sexual de um professor do Centro Zen com o seu ou sua estudante. Seum professor e/ou estudante sentir
-
se em risco de violar esta diretriz, ela ou ela deve suspender orelacionamento professor
-
aluno e procurar aconselhamento com o Abade do Centro Zen e/ou com oComitê de Aconselhamento.
 
Antes de formar um relacionamento sexual com qualquer um que é
ou recentemente
tenha sido um estudante, qualquer Instrutor, o Responsável pelo Zendo, qualquer Líder Afiliado, ouqualquer outra pessoa em uma posição formal que possa acarretar claras vantagens ou influênciasobre outros, deverá discutir com o abade se este potencial relacionamento é adequado e correto. OAbade, antes de formar um relacionamento desta natureza, deverá discutir com o Comitê deAconselhamento se este é adequado e correto. É também considerado um mal uso da sexualidade oenvolvimento sexual de um professor do Centro Zen com um ex
-
estudante antes do término do prazode um ano, contado a partir do término do relacionamento professor
-
estudante.
Um cuidado especial deve ser tomado com novos membros do Centro Zen. Nós
acreditamos que um novo membro demora aproximadamente seis meses para estabelecer osfundamentos da sua prática e começar a entender a complexa natureza dos relacionamentos internosda Sangha. A fim de proteger a oportunidade de prática que todo novo membro tem, nós esperamosque qualquer membro com mais de seis meses de prática aja com especial cuidado antes de formarum potencial relacionamento com qualquer pessoa durante os primeiros seis meses da suaparticipação, como membro, das atividades do Centro Zen.
 
Qualquer pessoa que vier
ao Centro Zen, em qualquer condição, tem o direito de não serassediado sexualmente. Continuar expressando interesse sexual, após ser informado de que tal

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->