Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Look up keyword
Like this
3Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Poliamorismo Entre o Sonho e a Realidade

Poliamorismo Entre o Sonho e a Realidade

Ratings: (0)|Views: 535|Likes:
Published by Janus Sw
Considerações acerca do poliamorismo, as idéias e a prática
Considerações acerca do poliamorismo, as idéias e a prática

More info:

Published by: Janus Sw on Jun 13, 2010
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

10/19/2012

pdf

text

original

 
  ESCRITOS DO MUNDO DE JANUS 
 Poliamorismo: entre o sonho e a realidade
Janus SW 
 –
Publicado originalmente em http://janussw.blogspot.com
 As relações, e isso é perceptível, não são entes neutros ditados pela vontade ou pela conveniência dos envolvidos. Na realidade, no campo social, as relaçõese sua dinâmica são firmemente formulados e sancionados por instrumentoscomo a religião (seja ela qual for) , pelo direito e , principalmente, peloscostumes ou moral.Sem querer tornar esse artigo um tratado sociológico, convém, à titulo deexemplo, a questão da infidelidade conjugal ou adultério. Esse elemento quehoje em di encontra-se circunscrito no âmbito social em sua reprovação, já foi, e não faz muito tempo, um crime sancionado no Código Penal de vários países, inclusive no Brasil.Era de se esperar, no entanto, que os diversos grupos não apenasquestionassem essa rigidez e intolerância buscando alternativas mais oumenos viáveis para esse ambiente opressivo. Contribuíram também para essequestionamento a percepção clara de que o casamento e as uniõesmonogâmicas visavam, em um primeiro momento, a vinculação unívoca deseus contratantes e também a segurança que o patrimônio do casal seriatransferido à sua prole legítima. A questão da poligamia não é recente, ao contrário, é habitual emdeterminados grupos e sancionados em outros desde os primórdios. Noentanto, dentro da voga libertária, criou-se uma alternativa mais ou menosviável de arranjos de relação entre eles o poliamorismo. Dependendo do ponto de vista , pode-se dizer que essa relação poliamorista propõe ser uma construção não apenas aceita mas admitida de um ou ambos
 
os parceiros estabelecerem relações fora do arranjo original tirando o caráterclandestino e subterrâneo de tais relações. Algumas questões estão colocadas no caminho que nos fazem pensar se essesarranjos são viáveis tanto no âmbito social como no individual, até porqueno aspecto legal ela não é sequer aceita, podendo ser classificado, facilmentecomo poligamia. A primeira questão a ser colocada é a questão de qual relação está sendoconstruída e em quais bases? Aqui coloco uma questão aparentementeinadequada mas que é real e , em muitos casos, tristemente real: a questãoda posse do parceiro, geradora de questões de poder e do ciúme. Comosuperá-lo? Como transformá-lo?Eventualmente alguém me contestará: quem ama de verdade não mata!  Ainda permito-me a dúvida, apesar de uma amiga querida me dizer que, naverdade, o que se criou foi um laço de dependência afetiva que conduz à posseà partir da consciência que aquele outro ser e´ a fonte primordial desatisfação e plenitude. Nossos relacionamentos são saudáveis a ponto derenunciar à isso sem dor?Cada um sabe a resposta para si.Outro fator que acredito ser relevante e que não deveria causar espécie aomenos à nós, BDSMistas: a questão do poder. Mais ou menos (mesmo queseja quase nada), exercemos um poder maior ou menor um sobre os outros à ponto de alguns e algumas simplesmente abrirem mão de sua iniciativa etransformarem-se em escravas ou escravos. A consciência desse poder que prende, ata e muitas vezes manipula, torna-se , em minha visão, um fatorque não apenas impede o poliamor mas faz com que, menos tempo, maistempo, possa levar à uma decisão de colocar os parceiros outros em disputa pela convivência que os membros da trinca, quadra ou qualquer outro acerto, possam ter desenvolvido.O fato de algo ser libertário não significa apenas conformar a atual situaçãoà um novo patamar mas sim erodir definitivamente as bases da ditadura damoral e dos costumes (geralmente bons costumes) em nome de uma novamoral e um novo código de ética na qual tanto o poliamorismo como outrascorrentes de pensamento transformador venham a se assentar. Desculpe-me se é pessimista mas , sinceramente, não vejo uma capacidade ouvontade intelectual para estatuir esse novo código, para fazer crescer, nemmesmo em meio aos que postulam essas teses, uma nova realidade ditada

Activity (3)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 hundred reads
1 thousand reads
Alice Mello liked this

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->