Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Look up keyword
Like this
6Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
HSM Cultura 04-2009

HSM Cultura 04-2009

Ratings: (0)|Views: 93|Likes:
Published by JeanBartoli

More info:

Published by: JeanBartoli on Jul 01, 2010
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

11/09/2012

pdf

text

original

 
HSM Mngmn
73 mç-bi 2009
30
 
O imperativOda culturaOrganizaciOnalsadia édesenvOlver umasensibilidade euma cOnsciênciaque permitamenxergar ascOnsequênciasde lOngO prazOda açãO dO hOmemsObre a natureza,cOmO afirmaJean bartOli,prOfessOr da fiae da fgv-eaesp,em um artigOprOvOcadOr
Pensamento nacional
acadêmico
Cultura
devalor
nas
 
empresas
no momento que nos contentamos
com elas.”
Mais do que uma exposição,esse texto será uma ruminação,metáora usada para o exercício
da meditação em muitas tradições
espirituais, para que, por meio do
sabor das palavras, possamos en-
contrar um pouco de saber e de
sabedoria. Pretendo também dei-
xar algumas perguntas e algumas
trilhas para que cada um possa
continuar o exercício de reexão e
transormar as próprias descobertas
em atitudes concretas.
Cultura
Os substantivos originam-se,
requentemente, de um verbo deação. É o caso da palavra cultura,
 vindo do verbo latim
colere 
que tem
 vários signifcados articulados aoredor das palavras cuidar, habitar
e cultivar.
Segundo Jean François Mattei
(em seu livro
A Barbárie Interior 
), Cí-cero usa a expressão:
excolere animos 
doctrina 
(cultivar os espíritos pela
instrução). O homem culto sabecuidar da própria alma, como o
camponês cuida do próprio campo,
F
alar de cultura empresa-
rial é um desafo depois detudo o que oi escrito sobre
esse assunto. Contudo, oque me anima a escreveré que as empresas hoje,
como todas as instituições
que adquirem certa hegemonia na
sociedade de seu tempo, correm
o risco de considerar o mundo o
palco de suas realizações sem avaliar
com sufciente sabedoria sua subor-
dinação ao mundo nem as conse-quências sobre este das ações porelas conduzidas. Por isso, prefrocolocar esse tema em perspectiva:
uma reexão sobre cultura de valor
nas empresas deve desenrolar-se
simultaneamente em três planos:o do mundo, o da empresa e o da
pessoa que interage com a empresacomo cliente, como executivo, comoornecedor ou como acionista e, ao
mesmo tempo, como cidadão do
mundo. Gostaria também de consul-tar a etimologia das palavras cultura
e valor para reencontrar sua vida eseu vigor, lembrando a advertênciado flósoo rancês Alain: “ não de- vemos nos contentar de idéias que,
mesmo verdadeiras tornam-se alsas
 
31
 
   a     e  x   l  u   t   k  u  s
HSM Mngmn
72 jni-fi 2009
 
HSM Mngmn
73 mç-bi 2009
32
milde da nossa capacidade de pen-
sar ou que ela seja um instrumento
de manipulação que transorme as
pessoas em sujeitos abstratos, pla-nilhados e intercambiáveis que só
possam produzir discursos e com-
portamentos massifcados?
BarBárie
Quando alamos de cultura,
existe um tema que não podemos
deixar de mencionar porque, ine-
lizmente, ele se convida em todas as
tentativas civilizatórias e culturais
que o humano tenta construir. Des-de a Grécia e Roma, a humanidade
civilizada pensou-se como huma-
nismo somente elevando o homem
acima da própria barbárie, pelaconversão da sua violência surda
numa obra de criação, ou, como diz
Goethe, numa obra de excelência.
 A palavra
barbarophonos 
aparece naIlíade de Homero, e designa a pes-
soa que hesita, articula mal e, por-
tanto, massacra o próprio idiomaantes de massacrar os outros idio-
mas e as outras culturas. A primeira
linha de ratura entre a barbárie e
a civilização passa no meio dos que
conseguem dominar o discurso e
dos que não conseguem. Aquele que
domina a palavra e as orça caóticas
presentes na linguagem humanaé civilizado na guerra ou na paz. Aquele que ala de modo conuso
e desarticulado, deixando-se envol- ver pela própria violência interior, é
bárbaro na guerra e na paz.
Na flosofa grega, Heráclito já
dizia que quem confava nos senti-
dos em vez de confar na própriarazão devia ser considerado como
“alma bárbara”. Ele chama de escra-
 vos os que estão echados na
idiotia 
 
(seu mundo particular), permane-
cendo cegos e surdos para a razão
para poder habitar o mundo como
um ser humano e não como um ani-
mal. A cultura está articulada com
a natureza, o espírito com a terra eo homem com o mundo num traba-
lho íntimo no qual a alma abre em
si mesma o próprio sulco até colher
os rutos. A partir do século 18, o
século das Luzes, a palavra “cultu-
ra” designa também tanto o saberdominado num sistema quanto otrabalho de educação do espíritoque elabora este sistema na emer-
gência da civilização. É esta culturaherdada dos princípios humanistasda Antiguidade que a Europa tenta-
rá impor ao mundo inteiro.
 Vem depois a “cultura de massa”.
Escrevia Edgar Allan Poe, em
The man in the crowd 
: “minhas observa-
ções tomaram primeiro um jeitoabstrato e generalizado. Olhava
para os transeuntes por massas, e
meu pensamento os considerava tãosomente nos seus laços coletivos”. Oolhar sobre o homem das multidões
é abstrato e genérico porque este
homem, que vai dominar a cena
social, é um homem de
massas 
que
só pode ser considerado nas suas
interaces coletivas. É o olhar “pro-cessador” que transorma as pessoas
reais, consideradas nas suas rela-ções coletivas, em sujeitos abstra-
tos impossíveis de ser distinguidos
uns dos outros. A massifcação do
olhar produz a massifcação dos
comportamentos e a massifcação
do pensamento.
Duas perguntas : Será que, nas
empresas, não vivemos um processode massifcação semelhante quandotransormamos as pessoas em perfs
disso ou daquilo? Queremos que a
cultura das nossas empresas privi-
legie a busca de um conhecimento
real, de um exercício honesto e hu-
a linguagem aparentemente alinhada nãoesconde uma conFusão mental? há consciÊnciada barbárie presente nas empresas?

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->