Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
39Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Os acidentes industriais e suas consequências

Os acidentes industriais e suas consequências

Ratings: (0)|Views: 4,641 |Likes:
Aborda-se no artigo a relação entre os grandes acidentes ocorridos em atividades envolvendo a
indústria de Óleo e Gás, sob vários aspectos e os impactos causados ao Meio Ambiente. Trata-se
também da questão da recorrência dos mesmos e a repercussão causada às questões de
sustentabilidade sócio ambiental. Por fim, analisa-se a legislação pertinente e o que essa pode
representar na redução dos acidentes caso venham a ser corretamente seguidas, com recorte especial
à Diretiva de Seveso (Diretiva 82/501/ECC) e a Convenção nº 174 da OIT (Organização
Internacional do Trabalho).
Aborda-se no artigo a relação entre os grandes acidentes ocorridos em atividades envolvendo a
indústria de Óleo e Gás, sob vários aspectos e os impactos causados ao Meio Ambiente. Trata-se
também da questão da recorrência dos mesmos e a repercussão causada às questões de
sustentabilidade sócio ambiental. Por fim, analisa-se a legislação pertinente e o que essa pode
representar na redução dos acidentes caso venham a ser corretamente seguidas, com recorte especial
à Diretiva de Seveso (Diretiva 82/501/ECC) e a Convenção nº 174 da OIT (Organização
Internacional do Trabalho).

More info:

Categories:Types, Research, Science
Published by: Antonio Fernando Navarro on Aug 06, 2010
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

07/19/2013

pdf

text

original

 
 
1
de
36
 
Os acidentes industriais e suas conseqüências
 
Antonio Fernando de A. Navarro Pereira –navarro@vm.uff.br
1
 
RESUMO:
Aborda-se no artigo a relação entre os grandes acidentes ocorridos em atividades envolvendo aindústria de Óleo e Gás, sob vários aspectos e os impactos causados ao Meio Ambiente. Trata-setambém da questão da recorrência dos mesmos e a repercussão causada às questões desustentabilidade sócio ambiental. Por fim, analisa-se a legislação pertinente e o que essa poderepresentar na redução dos acidentes caso venham a ser corretamente seguidas, com recorte especialà Diretiva de Seveso (Diretiva 82/501/ECC) e a Convenção nº 174 da OIT (OrganizaçãoInternacional do Trabalho).Não se discute aqui os efeitos desses mesmos acidentes sobre a vida humana e nem se analisam asfalhas de processos que eventualmente tenham conduzido à ocorrência dos acidentes, pois se sabeque requerem uma análise mais aprofundada do tema e que podem divergir de acidente paraacidente. Aqui generalizam-se os acidentes, considerando-os simplesmente “acidentes”.Como há uma enorme gama de acidentes envolvendo atividades industriais buscou-se neste artigoabranger aqueles que têm maior potencial de causar danos ao meio ambiente, notadamente asindústrias que trabalham com hidrocarbonetos e seus derivados, com destaque especial a umacidente que causou enorme repercussão internacional, ocorrido nas proximidades da cidade deBhopal, na região central da Índia.Analisa-se de modo sumarizado o acidente ocorrido em Bhopal e os reflexos que esse trouxe aomundo, inclusive quanto à revisão da literatura e das Diretrizes de Segurança como a que recebeu onome de Diretiva de Seveso, em homenagem à cidade italiana que foi “vítima” de um grandeacidente industrial e Procedimentos da Organização Internacional do Trabalho (OIT).Palavras-Chave: Acidentes ambientais; Legislação ambiental; acidentes maiores; impactosambientais, segurança operacional.
1
Antonio Fernando Navarro é físico, engenheiro civil, engenheiro de segurança do trabalho, mestre em saúde e meioambiente e doutorando em engenharia civil, atuando na área de gestão de riscos industriais a 30 anos.
 
 
2
de
36
 
INTRODUÇÃO:
Os acidentes industriais têm sido discutidos sob várias óticas em razão do impacto causado àsociedade incluindo-se o meio ambiente e, principalmente, os reflexos desses nas questões deresponsabilidade civil e imagem das empresas que os causaram. Em função desses impactos muitasforam as ações tomadas não só pelas organizações como também pelos organismos legisladores,essas, a princípio, de cunho mais preventivo do que corretivo.Não há uma clara associação que possa relacionar a aplicação das medidas tomadas, movidas pelamudança de legislação ou a adoção de normas mais restritivas e a redução dos acidentes, e muitomenos correlacionar ações com resultados. Sabe-se que as ações tomadas pelas empresas no rumodas certificações em normas de gestão foram um grande avanço nessa área, através daimplementação de ações visando a detecção de desvios, sejam operacionais, humanos, de matéria ise equipamentos, de projeto ou de construção, entre outros.O que se evidencia é que esse tipo de acidente, também denominado acidentes maiores, temprovocado severos danos ao meio ambiente muitos dos quais podem ser considerados irreversíveisem períodos relativamente curtos, de 100 a 300 anos, ou seja, provocam danos sentidos por váriasgerações.Já se tentou por várias vezes entender a sistemática de ocorrência de acidentes, buscando encontrar-se a “causa raiz” do problema. Isso porque atuando-se nesse nível reduzir-se-iam os impactos ouconseqüências das ocorrências a custos menores. Todavia, a maior dificuldade, talvez, é que nãohaja uma simples causa e sim um conjunto de causas, associadas ou em cadeia, daí a dificuldade deprecisar-se a “causa raiz”. O que de comum pode ser percebido é que a ação humana aparece empraticamente todas as ocorrências, da mesma forma que o projeto ou o planejamento das ações.Dizem que é mais fácil visualizar-se o dedo apontado do que para onde ele aponta. Ou seja, há umagrande propensão não de se buscar as causas básicas, mas sim as causas intermediárias ou asconseqüências. Se fôssemos analisar a questão pura e simplesmente sob a ótica da participaçãohumana no processo, o que melhor poderia representar a sucessão de problemas que terminam porculminar na ocorrência de um acidente seria o seguinte fluxo:Há uma enorme tendência das ocorrências de acidentes virem acompanhados de custos. Quandonão, pelo menos diretamente, o custo pode ser a paralisação das atividades para os ajustes
 
 
3
de
36
 necessários ou a perda de matéria prima em processamento. Simplificadamente os custos podem serdivididos em:a)
 
Custos diretosb)
 
Custos indiretosComo custos diretos têm-se:1. Despesas com a reparação das perdas;2. Despesas com reposição da “coisa em sí” em condições de funcionamento, da mesma maneiraque se encontrava anteriormente à ocorrência do acidente.Os custos indiretos são todos aqueles havidos para que a reparação seja mais rápida e as perdas nãosejam ampliadas. Por exemplo, quando o superpetroleiro da Exxon atingiu os rochedos no canal deValdez no Alasca, após haver sido carregado, do enorme rasgo em seu casco vazou grandequantidade de óleo espalhando-se pela superfície do mar. Naquela ocasião providenciou-se acontenção do óleo através de barreiras de contenção específicas, para evitar o alastramento do óleo.Isso não foi o suficiente para evitar que o que já havia sido espalhado pelas correntes marinhas epelo vento e que não foram contidos pelas barreiras atingisse as praias. Nesse caso, foramcontratadas várias equipes para a remoção do óleo no mar, sobre as areias, sobre as rochas elimpeza dos animais marinhos que sobreviveram à catástrofe. Pois bem, todas essas despesasincluindo-se as de manutenção das equipes no local foram as despesas diretas. Além disso, aempresa recebeu multas e punições dos órgãos ambientais e dos tribunais. Também teve suaimagem prejudicada o que em última análise prejudicou-a inclusive reduzindo o valor de suasações. Esse grupamento de despesas são as indiretas.Através do exemplo acima se percebe que as despesas diretas são aquelas aplicadas diretamente nocontrole do acidente ou na reparação direta das perdas e danos e as indiretas as provocadas porterceiros como as promovidas pelos tribunais em busca de ressarcimento por danos.O que há de comum em todos os acidentes é o de que as causas não podem ser imputadas a umúnico fato em si. Assim, quais podem ser as causas? As causas podem ser devido à falta ou falha desistemas, componentes, processos, etc. como citados a seguir, entre outros:
·
 
Projeto das instalações;
·
 
Engenharia do processo;
·
 
Equipamentos ou sistemas;
·
 
Construção ou montagem;
·
 
Procedimentos de manutenção, reparos ou substituição;
·
 
Supervisão física e ou operacional;
·
 
Operação e Controle;
·
 
Capacitação de pessoal, etc..

Activity (39)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 hundred reads
1 thousand reads
Vitor Moreira liked this
Rafaele Araujo liked this
NAYNNEE liked this
Bete Martins liked this
Emidio Trigo liked this
Nice Costa liked this

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->