Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
12Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Caio Fabio - LUTERO E A REFORMA

Caio Fabio - LUTERO E A REFORMA

Ratings:

4.8

(5)
|Views: 2,875 |Likes:
Published by djair
LUTERO E A REFORMA
LUTERO E A REFORMA

More info:

Published by: djair on Jun 23, 2008
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

11/10/2012

pdf

text

original

 
----- Original Message -----From:VI “LUTERO” E PENSEI NO QUE VOCÊ PROPÕE!To:contato@caiofabio.com Sent: Sunday, August 19, 2007 15:29
 
Subject: A RELIGIÃO ACHA JESUS LOUCO - sempre achou!Caro Caio:Espero que seu pai esteja bem, em franca recuperação.Li seu texto “A RELIGIÃO ACHA JESUS LOUCO – sempre achou”, logo após terassistido o filme “LUTERO”, sobre o seu chamado e a sua vida. De fato éimpossível não encontrar similaridades entre o contexto onde Lutero – semque tivesse intenção, acaba por provocar o maior cisma religioso da históriaaté hoje-e os dias de hoje.Naquele filme vi o esforço de Lutero, movido pelo amor a Deus e pela força darevelação do Evangelho, em restaurar o verdadeiro propósito da igreja, dedentro para fora, e também ver a destruição que seus algozes promoveram emretaliação a sua posição. Ele foi taxado de louco e de demônio pelos seuspares.Não pude deixar de ver traços similares a desta caminhada de Lutero em sua jornada, até hoje. Durante 30 anos você tentou –assim como Lutero- mudar acabeça da “igreja”. De dentro para fora. Mas os fariseus e a vida te obrigaram afazer seu cisma pessoal, e através disso, muitos tem podido receber e muitosoutros recuperar o verdadeiro Evangelho de Jesus.Seu esforço em despertar consciências para o Evangelho foi por mim lembradono filme quando Lutero, diante do imperador da Alemanha e dosrepresentantes do papa, mencionou:
... porque fazer algo contra a consciência não é seguro nem saudável.” 
, em especial para não transformarem, nos diasvoláteis de hoje, a Graça em “graxa”.Enfim, querido amigo, quando te chamam de louco, demônio, herege ou de “elogios” similares comparam-te, contextualmente, a quem historicamente éreverenciado por eles mesmos. O grande medo destes é perder o controle das “massas”, e é que a consiência do Evangelho faz: liberta as pessoas colocando-as em posição de poder tomar suas próprias decisões caminhando na suaexperiência com Deus. Isto suas pregações e textos do
site 
tem promovido emgrande escala.Que o Senhor continue usando sua vida como uma pedra de tropeço paraaqueles que nada tem do Evangelho em si mesmos e de uma pedra de esquinapara ajustar o coração de cada um no caminho.Eliézer.
 
 
 ___________________________________________________________Resposta:Querido irmão Eliézer: Graça e Paz!Lutero foi um homem; e nada além de apenas um homem. Ele não era o homemmoralmente mais ilibado de sua sociedade [longe disso]; nem o mais culto;nem o mais inteligente; nem o mais sábio [a sabedoria andou muito longe delemuitas vezes], nem o mais influente; e menos ainda o mais “adequado”; pois,psicologicamente era um homem com muitos tormentos; e, depois de conhecera Graça, ainda assim sofreu algumas seqüelas de outros tempos.De fato, Lutero era um homem muito doente de alma e coração; e sofria demales psicológicos que hoje o poriam sob forte indicação para ajudapsiquiátrica e psicológica; sem falar que é obvio que, hoje, ele deveria viversob medicação e assistência médica.Tudo o que não havia em Lutero era equilíbrio psicológico; nem antes, nemdurante e nem depois do advento da Reforma.De fato, para mim, Lutero foi o pivô, o elemento histórico e fenomenológico deuma força Inconsciente Coletiva que estava pronta para derramar-se sobre aEuropa já fazia alguns séculos; embora nos últimos cem anos antes de Lutero atal força tivesse ganhado muito mais intensidade com os pré-reformadores;todos eles pessoas bem mais equilibradas que o Reformador alemão.Assim, Lutero não é um Paulo; ele está mais para um Gideão; para um homemapanhado pelas circunstancias e que teve seu papel beneficamentesuperlativizado pelas perseguições que sofreu; de modo que um Lutero “deixado”, não perseguido, teria sido um Lutero sem significado histórico.Quando sua angustia de alma foi aplacada um pouco pelo entendimento dotexto de Paulo aos Romanos (e depois aos Gálatas), sua insurgência contraRoma veio misturada com muitos elementos convergentes — a saber: o clamordas ruas, a insatisfação de muitos clérigos, a necessidade que algunsprincipados europeus tinham de ter um motivo religioso que os permitisseromper com o papado por uma causa nobre (e a “Reforma” lhes pareceu ideal);e, sobretudo, pela perseguição romana, a qual deu a ele [Lutero] o imediatostatus de inimigo qualificado do maior poder da terra: a Igreja de Roma.De fato foi Roma quem promoveu a Reforma, e não Lutero.Eu disse que a consciência dele foi aplacada pela informação do texto, e elecreu no que estava dito; e, pelo texto ele foi adiante sem retroceder. Noentanto, não foram a paz, a experiência do sossego de alma, o derramar deamor e Graça, e a alegria da boa liberdade — os elementos motivacionais deLutero. Não! O texto havia dado a ele as razões de base teológica para rompercom Roma, mas o fruto não era de excelência espiritual, mas, sobretudo, denatureza apologética; e historicamente capaz de receber o influxo de muitasforças e poderes hostis a Roma presentes naqueles dias de trevas.
 
 
Quanto mais leio sobre Lutero (ou, sobretudo, leio Lutero mesmo: suas cartas,sua correspondência com amigos, príncipes e reis), mas me convenço doseguinte:
 
1.
 
Ele era um homem em busca de libertação para suas pulsões sexuaisdescomunais;2.
 
Ele revoltava-se com a opressão da Igreja sobre o povo;3.
 
Ele foi impactado intelectualmente pela certeza de que se Paulo estavacerto, a Igreja de Roma estava errada;4.
 
Ele não hesitou (tanto por convicção como também por revolta) emenfrentar Roma com a verdade do Evangelho;5.
 
Uma vez que isso foi feito o próprio Lutero se tornou símbolo de algomaior do que ele;6.
 
O amparo que teve para traduzir a Escritura para o alemão populardeu ao que iniciara o poder revolucionário que o movimento ganhou;7.
 
A alquimia do movimento misturava piedade pessoal do povo, muitarevolta popular, uma grande dose de interesse político numa eventualruptura com Roma, e o grito libertário de Lutero, o qual sefundamentava na Escritura, e, nela, sobretudo, em Paulo.Entretanto, tudo o que aconteceu [com a perseguição sofrida em razão daopressão de Roma], incitou os ânimos de Lutero também de modo errado,pessoal, briguento, provocativo, e, por vezes, para além de toda medida desabedoria e bom senso.Mesmo assim, quando é a hora, até o louco e de fato descontrolado pode ser oinstrumento do momento. Ninguém nunca sabe!O que sei é que Lutero se fosse meu contemporâneo, eu mesmo, como irmão eamigo, recomendaria a ele que se tratasse com urgência.Num artigo aqui do site, meu filho Ciro [autor do artigo] disse, e eu concordocom ele, que Lutero é uma das pessoas mais difíceis de se “precisarnahistória. Isto porque quase todos os fatos de sua vida são sempreinterpretados doutrinariamente, de um lado ou de outro.Está na hora de se salvar Lutero da Reforma e a Reforma de Lutero;historicamente falando.Entretanto, a inadequação humana dele para com o que de fato aconteceuexclusivamente pela Graça Soberana, é a melhor expressão da liberdade deDeus usando até Lutero, até qualquer um; dependo de Seu desígnio. 

Activity (12)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 hundred reads
1 thousand reads
423991 liked this
torresgalins liked this
torresgalins liked this
hfak liked this
John Paul Rock liked this
Luciano Marins liked this

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->