Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Look up keyword
Like this
35Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
O Novo Ateísmo e Os Argumentos Para a Existência de Deus - William Lane Craig

O Novo Ateísmo e Os Argumentos Para a Existência de Deus - William Lane Craig

Ratings: (0)|Views: 5,561|Likes:
Published by Eliel Vieira
Neste presente artigo, o Dr. William Lane Craig comenta sobre a análise feita por Richard Dawkins dos argumentos para a existência de Deus, em seu mais famoso livro, "Deus, um delírio"
Neste presente artigo, o Dr. William Lane Craig comenta sobre a análise feita por Richard Dawkins dos argumentos para a existência de Deus, em seu mais famoso livro, "Deus, um delírio"

More info:

Published by: Eliel Vieira on Aug 21, 2010
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF or read online from Scribd
See more
See less

11/01/2013

pdf

 
Página | 1
O NOVO ATEÍSMO E CINCO ARGUMENTOSPARA A EXISTÊNCIA DE DEUS
Por: William Lane CraigTradução, Revisão e Edição: Eliel VieiraCopyright © 2010 by Christ on Campus Initiative (CCI)
Pode parecer surpresa o fato de que praticamente nenhum dos chamados “novos ateus”tenha alguma coisa para dizer sobre os argumentos para a existência de Deus. Ao invés disto elestendem a se focar nos efeitos sociais da religião e na questão se a fé religiosa é boa para a socieda-de. Qualquer pessoa pode justificadamente duvidar que o impacto social de uma idéia, para o bemou para o mal, seja uma método adequada para medir sua veracidade, especialmente quanto existemrazões sendo oferecidas para pensar que a idéia em questão seja verdadeira. O darwinismo, porexemplo, certamente teve no mínimo alguns impactos sociais negativos, mas isto dificilmente dásustentação para pensarmos que a teoria seja falsa e simplesmente ignorarmos as evidênciasbiológicas ao seu favor.Talvez os novos ateus pensem que os argumentos tradicionais para a existência de Deusestão agora fora de moda e que não precisam mais de refutação. Se eles pensam assim estão equivo-cados. Durante a última geração tivemos um renascimento do interesse entre filósofos profissionais,cujo trabalho é refletir sobre difíceis questões metafísicas, sobre os argumentos para a existência deDeus. O ressurgimento deste interesse não escapou do olhar até mesmo da cultura popular. Em1980 a revista
Time
soltou uma matéria intitulada
 Modernizing the Case for God 
1
, que descreveu omovimento entre filósofos contemporâneos para renovar os tradicionais argumentos para aexistência de Deus. Surpresa,
Time
escreveu,
Em uma quieta revolução no pensamento e na argumentação que dificilmente alguémpoderia ter previsto há apenas duas décadas, Deus está voltando. E o mais intrigante, istoestá acontecendo não apenas entre teólogos ou simples crentes, mas na nata dos círculos
1
“Modernizando a Defesa de Deus”, em português.
 
Página | 2
intelectuais de filósofos acadêmicos, onde o consenso havia a muito banido o Todo Poderosoda discussão intelectual produtiva.
2
 
O artigo cita o notável filósofo americano Roderick Chisholm, que disse que o motivo doateísmo ter sido tão influente na geração anterior era o fato dos mais brilhantes filósofos terem sidoateus; mas hoje, ele observa, muitos dos mais brilhantes filósofos são teístas, que usam o própriointelectualismo na defesa desta crença.Os novos ateus estão cegamente ignorantes sobre a atual revolução na filosofia anglo-americana
3
. Em geral eles estão longe do trabalho de ponta neste campo. O único novo ateu ainteragir com os argumentos para a existência de Deus é Richard Dawkins. Em seu livro
 Deus, um Delírio
, que se tornou
best-seller 
internacional, Dawkins examina e oferece refutações a muitosargumentos importantes para a existência de Deus
4
. Ele merece crédito por abordar os argumentosseriamente. Mas as suas refutações são convincentes? Dawkins desferiu realmente um golpe fatal aestes argumentos a favor da existência de Deus?Bem, vamos dar uma olhada nestes argumentos e verificar. Mas antes de fazermos isto,vamos deixar claro o que torna um argumento “bom”. Um argumento é uma série de declarações(chamadas “premissas”) que conduzem a uma conclusão. Duas condições são necessárias para queidentifiquemos um argumento sólido: (1) ser logicamente válido (isto é, sua conclusão deve seguirdas premissas pelas leis da lógica), e (2) suas premissas serem verdadeiras. Se um argumento ésólido, então a verdade de sua conclusão necessariamente segue das premissas apresentadas. Maspara ser um bom argumento, não basta a um argumento ser apenas sólido. Nós também precisamoster algumas boas
razões
para acreditarmos que as premissas são verdadeiras. Um argumento lógica-mente válido que tiver premissas verdadeiras à parte do nosso conhecimento não é um bom argu-mento para sua conclusão. As premissas devem ter algum grau de justificação ou garantia a nós afim de que um argumento sólido seja também um argumento bom. Mas quanta garantia? Certamen-te as premissas não precisam ser conhecidas com certeza para serem verdadeiras (nós não conhece-mos praticamente nada com certeza!). Talvez devêssemos dizer que para um argumento serconsiderado bom suas premissas devem ser provavelmente verdadeiras à luz das evidências quetemos. Eu acho isto justo, embora algumas vezes seja difícil quantificar uma probabilidade. Outraforma de colocar isto é que um bom argumento é aquele em que as premissas são mais plausíveis do
2
“Modernizing the Case for God,”
 
Time
(April 7, 1980), 65–66.
3
A revolução é evidente com o surgimento no último ano, por exemplo, do
The
 
Blackwell Companion to Natural Theology 
(ed. William Lane Craig e J. P. Moreland; Oxford: Wiley-Blackwell, 2009). Um compêndio com artigosacadêmicos defendendo uma grande variedade de argumentos teístas.
4
Richard Dawkis,
Deus, um delírio
, Companhia das Letras, 2005.
 
Página | 3
que suas negações à luz das evidências disponíveis. Você deve comparar a premissa e sua negação eacreditar naquela que for mais plausivelmente verdadeira à luz das evidências que temos. Assim,um bom argumento será um argumento sólido cujas premissas são mais plausíveis do que suasnegações.Dada esta definição, a questão é: Existem bons argumentos para a existência de Deus?Dawkins, em particular, nos mostrou que os argumentos para a existência de Deus não são bons?Para descobrir as respostas, vamos olhar cinco argumentos para a existência de Deus.
1. O Argumento Cosmológico da Contingência
O argumento cosmológico possui várias formas. Aqui está uma versão simples da famosaversão do argumento cosmológico da contingência:1.
 
Tudo que existe possui uma explicação para sua existência, seja na necessidade de suaprópria existência, seja em uma causa externa.2.
 
Se o universo possui uma explicação para sua existência, esta explicação é Deus.3.
 
O universo existe.4.
 
Portanto, o universo possui uma explicação para sua existência (de 1 e 3).5.
 
Portanto, a explicação para a existência do universo é Deus (de 2 e 4).Agora, logicamente este é um argumento sem falhas. Isto é, se as premissas são verdadeiras,então sua conclusão é inevitável. Não importa se você não
gosta
da conclusão. Não importa se nóstemos
outras
objeções para a existência de Deus. Se as três premissas forem justificadas, nós temosque aceitar a conclusão do argumento. Então a questão é: o que é mais plausível, que estaspremissas sejam verdadeiras ou que elas sejam falsas?
1.1. Premissa 1
Considere inicialmente a premissa 1. De acordo com ela, existem dois tipos de coisas:aquelas que existem necessariamente e aquelas que são produzidas por causas externas. Permitam-me explicar melhor isto.

Activity (35)

You've already reviewed this. Edit your review.
Celso Marin added this note
Além dos argumentos apresentados tem uma considerável bibliografia!!
Celso Marin liked this

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->