Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
110Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Lei_39.2010; 02.Set - Estatuto Do Aluno

Lei_39.2010; 02.Set - Estatuto Do Aluno

Ratings: (0)|Views: 2,824 |Likes:
Published by ad duo

More info:

Published by: ad duo on Sep 02, 2010
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/06/2013

pdf

text

original

 
3860
 Diário da República, 1.ª série N.º 171 2 de Setembro de 2010
Lei n.º 38/2010
de 2 de Setembro
Altera o regime do controle público da riqueza dos titularesdos cargos políticos (quinta alteraçãoà Lei n.º 4/83, de 2 de Abril)
A Assembleia da República decreta, nos termos da
alínea
c
) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:Artigo 1.º
Alteração à Lei n.º 4/83, de 2 de Abril
Os artigos 1º, 2.º e 4.º da Lei n.º 4/83, de 2 de Abril,
com as alterações introduzidas pelas Leis
 
n.
os
38/83, de
25 de Outubro, 25/95, de 18 de Agosto, 19/2008, de 21 deAbril, e 30/2008, de 10 de Julho, passam a ter a seguinteredacção:«Artigo 1.º
[...]
Os titulares de cargos políticos e equiparados e os
titulares de altos cargos públicos apresentam no Tribunal
Constitucional, no prazo de 60 dias contado da data deinício do exercício das respectivas funções, declaraçãodos seus rendimentos, bem como do seu património ecargos sociais, da qual constem:
a
) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
b
) A descrição dos elementos do seu activo patrimo-
nial, existentes no País ou no estrangeiro, ordenados por grandes rubricas, designadamente do património
imobiliário, de quotas, acções ou outras partes sociais
do capital de sociedades civis ou comerciais, de direitos
sobre barcos, aeronaves ou veículos automóveis, bemcomo de carteiras de títulos, contas bancárias a prazo,aplicações financeiras equivalentes e desde que supe-rior a 50 salários mínimos, contas bancárias à ordem edireitos de crédito;
c
) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Artigo 2.º
[...]
1 — . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2 — . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
3 — Sempre que no decurso do exercício de funções
se verifique um acréscimo patrimonial efectivo que
altere o valor declarado referente a alguma das alíneasdo artigo anterior em montante superior a 50 saláriosmínimos mensais, deve o titular actualizar a respectivadeclaração.4 — 
(Anterior n.º 5.)
Artigo 4.º
[...]
1 — . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
a
) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
b
) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
c
) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
e
) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
 f 
) Representante da República nas Regiões Autó-
nomas;
 g 
) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
h
) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
i
)
[Anterior alínea
 
 j
)
.] j
) Os membros dos órgãos constitucionais;
)
[Anterior alínea
 
m
)
.]m
)
[Anterior alínea
 
n
)
.]
2 — . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
3 — Para efeitos da presente lei, são considerados
titulares de altos cargos públicos:
a
) Gestores públicos;
b
) Titulares de órgão de gestão de empresa partici- pada pelo Estado, quando designados por este;
c
) Membros de órgãos executivos das empresas queintegram o sector empresarial local;
) Membros dos órgãos directivos dos institutos pú- blicos;
e
) Membros das entidades públicas independentes
 previstas na Constituição ou na lei;
 f 
) Titulares de cargos de direcção superior do 1.º grau
e equiparados.»Artigo 2.º
Norma transitória
Os titulares de altos cargos públicos que, por força das
alterações introduzidas pela presente lei, passam a ficar 
obrigados à entrega de declaração de património e de ren-
dimentos no Tribunal Constitucional deverão apresentá-la
no prazo de 90 dias a contar da data da entrada em vigor da presente lei.Artigo 3.º
Entrada em vigor
A presente lei entra em vigor 60 dias após a data da sua publicação no
 Diário da República.
Aprovada em 22 de Julho de 2010.
O Presidente da Assembleia da República,
 Jaime Gama.
Promulgada em 21 de Agosto de 2010.Publique-se.O Presidente da República, A
 NÍBAL
C
AVACO
S
ILVA
.Referendada em 24 de Agosto de 2010.
O Primeiro-Ministro,
 José Sócrates Carvalho Pinto
de Sousa.
Lei n.º 39/2010
de 2 de Setembro
Segunda alteração ao Estatuto do Aluno dos Ensinos Básicoe Secundário, aprovado pela Lei n.º 30/2002,de 20 de Dezembro, e alterado pela Lei n.º 3/2008, de 18 de Janeiro
A Assembleia da República decreta, nos termos da alí-nea
c
) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:Artigo 1.º
Alteração à Lei n.º 30/2002, de 20 de Dezembro
Os artigos 2.º, 3.º, 4.º, 5.º, 6.º, 7.º, 8.º, 9.º, 10.º, 12.º, 13.º,
14.º, 15.º, 16.º, 17.º, 18.º, 19.º, 20.º, 21.º, 22.º, 24.º, 25.º,
 
 Diário da República, 1.ª série N.º 171 2 de Setembro de 2010
3861
26.º, 27.º, 28.º, 43.º, 47.º, 48.º, 50.º, 52.º, 53.º, 54.º, 55.º e57.º da Lei n.º 30/2002, de 20 de Dezembro, alterada pelaLei n.º 3/2008, de 18 de Janeiro, passam a ter a seguinteredacção:«Artigo 2.º
[...]
O Estatuto prossegue os princípios gerais e orga-nizativos do sistema educativo português, conforme
se encontram estatuídos nos artigos 2.º e 3.º da Lei de
Bases do Sistema Educativo, promovendo, em especial,
a assiduidade, o mérito, a disciplina e a integração dos
alunos na comunidade educativa e na escola, o cum-
 primento da escolaridade obrigatória, a sua formaçãocívica, o sucesso escolar e educativo e a efectiva aqui-sição de saberes e competências.Artigo 3.º
[...]
1 — . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2 — . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
3 — O Estatuto aplica-se aos agrupamentos de esco-
las e escolas não agrupadas da rede pública.
4 — Os princípios que enformam o Estatuto aplicam-
-se ainda aos estabelecimentos de ensino das redes pri-vada e cooperativa, que devem adaptar os respectivosregulamentos internos aos mesmos.Artigo 4.º
[...]
1 — A autonomia dos agrupamentos de escolas eescolas não agrupadas pressupõe a responsabilidade
de todos os membros da comunidade educativa pela
salvaguarda efectiva do direito à educação, à igualdade
de oportunidades no acesso à escola e na promoção
de medidas que visem o empenho e o sucesso escolar, pela prossecução integral dos objectivos dos referidos projectos educativos, incluindo os de integração sócio--cultural e desenvolvimento de uma cultura de cidada-
nia capaz de fomentar os valores da pessoa humana,de democracia no exercício responsável da liberdade
individual e no cumprimento dos direitos e deveres que
lhe estão associados.
2 — A escola é o espaço colectivo de salvaguarda
efectiva do direito à educação, devendo o seu funcio-namento garantir plenamente aquele direito.3 — . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Artigo 5.º
[...]
1 — Os professores, enquanto principais responsáveis
 pela condução do processo de ensino e aprendizagem,
devem promover medidas de carácter pedagógico que
estimulem o harmonioso desenvolvimento da educação,em ambiente de ordem e disciplina, nas actividades nasala de aula e nas demais actividades da escola.2 — . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Artigo 6.º
Responsabilidade dos pais e encarregados de educação
1 — Aos pais e encarregados de educação incumbe,
 para além das suas obrigações legais, uma especial res- ponsabilidade, inerente ao seu poder -dever de dirigirem
a educação dos seus filhos e educandos, no interesse des-
tes, e de promoverem activamente o desenvolvimentofísico, intelectual e cívico dos mesmos.2 — . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
a
) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
b
) Promover a articulação entre a educação na família
e o ensino na escola;
c
) Diligenciar para que o seu educando beneficie,
efectivamente, dos seus direitos e cumpra rigorosamente
os deveres que lhe incumbem, nos termos do presenteEstatuto, procedendo com correcção no seu comporta-mento e empenho no processo de aprendizagem;
) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
e
) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
 f 
) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
 g 
) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
h
) Contribuir para a preservação da segurança e inte-
gridade física e psicológica de todos os que participamna vida da escola;
i
) Integrar activamente a comunidade educativa no de-sempenho das demais responsabilidades desta, em espe-cial informando-se e informando sobre todas as matérias
relevantes no processo educativo dos seus educandos;
 j
) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
) Conhecer o estatuto do aluno, bem como o regula-
mento interno da escola e subscrever declaração anual
de aceitação do mesmo e de compromisso activo quanto
ao seu cumprimento integral.
3 — Os pais e encarregados de educação são respon-
sáveis pelos deveres de assiduidade e disciplina dos seus
filhos e educandos.Artigo 7.º
[...]
1 — Os alunos são responsáveis, em termos adequa-
dos à sua idade e capacidade de discernimento, pelosdireitos e deveres que lhe são conferidos pelo presenteEstatuto, pelo regulamento interno da escola e demaislegislação aplicável.
2 — A responsabilidade disciplinar dos alunos implica
o respeito integral do presente Estatuto, do regulamentointerno da escola, do património da mesma, dos demais
alunos, funcionários e em especial dos professores.
3 — Os alunos não podem prejudicar o direito à edu-
cação dos restantes alunos.Artigo 8.º
[...]
1 — . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
2 — Aos técnicos de serviços de psicologia e orienta-
ção, integrados ou não em equipa multidisciplinar, com
formação para o efeito, incumbe ainda o papel especialde colaborar na identificação e prevenção de situações problemáticas de alunos e fenómenos de violência, naelaboração de planos de acompanhamento para estes,envolvendo a comunidade educativa.
 
3862
 Diário da República, 1.ª série N.º 171 2 de Setembro de 2010
Artigo 9.º
[...]
O regulamento interno, para além dos seus efeitos
 próprios, deve proporcionar a assunção, por todos osque integram a vida da escola, de regras de convivên-
cia que assegurem o cumprimento dos objectivos do
 projecto educativo, a harmonia das relações interpes-
soais e a integração social, o pleno desenvolvimentofísico, intelectual e cívico dos alunos, a preservaçãoda segurança destes e do património da escola e dos
restantes membros da comunidade educativa, assim
como a realização profissional e pessoal dos docentese não docentes.Artigo 10.º
[...]
1 — Perante situação de perigo para a segurança,saúde ou educação do aluno, designadamente por 
ameaça à sua integridade física ou psicológica, deveo director do agrupamento de escolas ou escola nãoagrupada diligenciar para lhe pôr termo, pelos meios
estritamente adequados e necessários e sempre com
 preservação da vida privada do aluno e da sua família,
actuando de modo articulado com os pais, representante
legal ou quem tenha a guarda de facto do aluno.
2 — Para efeitos do disposto no número anterior, deveo director do agrupamento de escolas ou escola não agru- pada, quando necessário, solicitar a cooperação das enti-
dades competentes do sector público, privado ou social.
3 — Quando se verifique a oposição dos pais, re-
 presentante legal ou quem tenha a guarda de facto do
aluno, à intervenção da escola no âmbito da compe-tência referida nos números anteriores, o director do
agrupamento de escolas ou escola não agrupada deve
comunicar imediatamente a situação à comissão de protecção de crianças e jovens com competência na
área de residência do aluno ou, no caso de esta não se
encontrar instalada, ao magistrado do Ministério Público
 junto do tribunal competente.4 — Se a escola, no exercício da competência refe-rida nos n.
os
1 e 2, não conseguir assegurar, em tempoadequado, a protecção suficiente que as circunstânciasdo caso exijam, cumpre ao director do agrupamento de
escolas ou escola não agrupada comunicar a situação às
entidades referidas no número anterior.Artigo 12.º
Direitos e deveres de cidadania
 No desenvolvimento dos princípios do Estado de
direito democrático e de uma cultura de cidadania capazde fomentar os valores da dignidade da pessoa humana,
da democracia, do exercício responsável, da liberdade
individual e da identidade nacional, o aluno tem o direito
e o dever de conhecer e respeitar activamente os valores
e os princípios fundamentais inscritos na Constituição
da República Portuguesa, a Bandeira e o Hino, enquanto
símbolos nacionais, a Declaração Universal dos Direi-tos do Homem, a Convenção Europeia dos Direitos doHomem, a Convenção sobre os Direitos da Criança ea Carta dos Direitos Fundamentais da União Europeia,
enquanto matrizes de valores e princípios de afirmação
da humanidade.Artigo 13.º
[...]
O aluno tem direito a:
a
) Ser tratado com respeito e correcção por qualquer 
membro da comunidade educativa;
b
)
[Anterior alínea
 
a
)
.]c
) Usufruir do ambiente e do projecto educativo que proporcionem as condições para o seu pleno desenvol-
vimento físico, intelectual, moral, cultural e cívico, para
a formação da sua personalidade;
) Ver reconhecidos e valorizados o mérito, a dedica-
ção, a assiduidade e o esforço no trabalho e no desem- penho escolar e ser estimulado nesse sentido;
e
)
[Anterior alínea
 
)
.] f 
) Usufruir de um horário escolar adequado ao ano
frequentado, bem como de uma planificação equilibrada
das actividades curriculares e extracurriculares, nome-adamente as que contribuem para o desenvolvimentoda comunidade;
 g 
) Beneficiar, no âmbito dos serviços de acção social
escolar, de um sistema de apoios que lhe permitam su-
 perar ou compensar as carências do tipo sócio-familiar,
económico ou cultural que dificultam o acesso à escolaou o processo de aprendizagem;
h
) Poder usufruir de prémios que distingam o mérito;
i
)
[Anterior alínea
 
 g 
)
.] j
)
[Anterior alínea
 
i
)
.]
)
[Anterior alínea
 
 j
)
.]
)
[Anterior alínea
 
)
.]m
)
[Anterior alínea
 
)
.]n
)
[Anterior alínea
 
m
)
.]o
)
[Anterior alínea
 
n
)
.] p
)
[Anterior alínea
 
o
)
.]
q
) Ser informado sobre o regulamento interno da
escola e, por meios a definir por esta e em termos ade-
quados à sua idade e ao ano frequentado, sobre todos os
assuntos que justificadamente sejam do seu interesse,nomeadamente sobre o modo de organização do plano
de estudos ou curso, o programa e objectivos essenciais
de cada disciplina ou área disciplinar, os processos e
critérios de avaliação, bem como sobre matrícula, abono
de família e apoios sócio-educativos, normas de utili-zação e de segurança dos materiais e equipamentos e
das instalações, incluindo o plano de emergência, e, em
geral, sobre todas as actividades e iniciativas relativasao projecto educativo da escola;
)
[Anterior alínea
 
q
)
.] s
) Participar no processo de avaliação, através dosmecanismos de auto e hetero-avaliação.Artigo 14.º
[...]
1 — . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
2 — A associação de estudantes tem o direito de soli-citar ao director da escola ou do agrupamento de escolas
a realização de reuniões para apreciação de matérias
relacionadas com o funcionamento da escola.
3 — O delegado e o subdelegado de turma têm odireito de solicitar a realização de reuniões da turma para apreciação de matérias relacionadas com o fun-cionamento da turma, sem prejuízo do cumprimento
das actividades lectivas.4 — 
(Anterior n.º 3.)

Activity (110)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 thousand reads
1 hundred reads
Sandro Santos liked this
Leonor Baião liked this
acacio7475 liked this
wallacemota liked this

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->