Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more ➡
Download
Standard view
Full view
of .
Add note
Save to My Library
Sync to mobile
Look up keyword or section
Like this
49Activity
×

Table Of Contents

Diagrama tensão-deformação:
Limite elástico
Módulo de elasticidade:
Limite de proporcionalidade:
Escoamento:
Limite de resistência:
Limite de ruptura:
Estricção:
Confiabilidade dos ensaios:
Normas técnicas voltadas para ensaios de tração:
Equipamento para o ensaio de tração:
Corpos de prova:
O que a compressão e a tração têm em comum:
Limitações do ensaio de compressão:
Ensaio de compressão em materiais dúcteis:
Ensaio de compressão em materiais frágeis:
Ensaio de compressão em produtos acabados
A força que produz o cisalhamento
Como é feito o ensaio de cisalhamento
Tensão de cisalhamento
Da flexão ao dobramento
2.2.4.1-O ensaio de dobramento
Como é feito o ensaio de dobramento
Processos de dobramento
Ensaio de dobramento em barras para construção civil
Ensaio de dobramento em corpos de provas soldados
2.2.4.2- O ensaio de flexão
Ductilidade de chapas
Descrição do ensaio
Ensaio Erichsen
Ensaio Olsen
Rotação e torção
Momento torsor
Propriedades avaliadas no ensaio de torção
Corpo de prova para ensaio de torção
Equipamento para o ensaio de torção
Fraturas típicas
2.2.7.1- DUREZA BRINELL
Ensaio de dureza Brinell
Escolha das condições de ensaio
Exemplificando:
Vantagens e limitações do ensaio Brinell
Equipamento para ensaio de dureza Rockwell
Representação da dureza Rockwell
Utilizando as escalas de dureza Rockwell
Profundidade de penetração
2.2.7.3- DUREZA VICKERS
Representação do resultado do ensaio
Cargas usadas no ensaio Vickers
Comparando Brinell e Vickers
Defeitos de impressão
Equipamento para ensaio de fluência
Preparação do ensaio
Ensaio de fluência propriamente dito
Ensaio de relaxação
Tensões cíclicas
Tipos de ensaio de fadiga
Corpo de prova
Curva S-N
Fatores que influenciam a resistencia à fadiga
Fatores que influenciam o comportamento frágil dos materiais dúcteis
Corpos de prova
Principal ferramenta do ensaio visual
Limpeza da superfície
Acabamento da superfície
Nível de iluminação e seu posicionamento
Importante
Ajudando os nossos olhos
Lupas e microscópios
Espelhos e tuboscópios
Câmeras de tevê em circuito fechado
Viscosidade
Inércia Química
Ponto de Fulgor
Habilidade de Dissolução
Toxidez
Etapas do Ensaio
1) Preparação da superfície – Limpeza Inicial
Temperatura da superfície e do líquido penetrante:
Iluminação
1. Aplicação do líquido penetrante
3. Revelação
Quanto as Indicações
Indicações Falsas
Indicações não relevantes
Como escolher a técnica de aplicação do Líquido Penetrante
Aplicação por imersão
Aplicação por pincelamento
Aplicação por pulverização
Reveladores
Reveladores Secos
Reveladores Úmidos
Reveladores Úmidos Não-Aquosos
Vantagens
Desvantagens
Em anexo encontra-se um Procedimento de Ensaio por Líquidos
Origem do Ensaio
Partículas por via seca
Partículas por via úmida
Técnicas de Magnetização
Por condutor central
Por eletrodos
Por contato direto
Magnetização Circular
Indução/passagem de corrente (método multidirecional)
Corrente alternada retificada de meia onda: usada para detecção de
Corrente alternada retificada de onda completa: usada para detecção
Técnicas de ensaio
Indicações Produzidas
Desmagnetização
Interferência nos processos de Usinagem
Interferência nos processos de Soldagem
Interferência com Instrumentos de Medição
Indicador de Campo magnético
Vantagens e Desvantagens – Via seca e Via úmida
Aplicações
Penetrantes para consulta
O ensaio
Ondas Mecânicas
Ondas longitudinais (Ondas de compressão)
Ondas transversais (ou ondas de cisalhamento)
Ondas superficiais ou Ondas de Rayleigh
Freqüência, Velocidade e Comprimento da onda
Relações entre velocidade, comprimento de onda e freqüência
Propagação das Ondas Acústicas no Material
Geração das ondas ultra-sônicas
Tipos de Cristais
Diagramas AVG ou DGS
Técnicas de inspeção
Aparelhagem
Descrição dos aparelhos medidores de espessura por ultra-som
Medidor de Espessura Digital Ultra-sônico
Descrição do Aparelho Básico de ultra-som
Vantagens do ensaio por Ultra-som
Limitações
Histórico
Propriedades Importantes
Estrutura da matéria
Variações e composição dos átomos Radioisótopos
Unidade geradora, painel de comando
Acessórios do equipamento gerador de radiação (RAIOS X)
Raios Gama
Equipamento de Raios Gama
Características Físicas dos Irradiadores Gama
Registro Radiográfico
Classificação dos Filmes Industriais
Controle da temperatura e do tempo: os banhos de processamento e a
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Trabalho Completo So Para Imprimir

Trabalho Completo So Para Imprimir

Ratings: (0)|Views: 25,345|Likes:
Published by estevaomiranda

More info:

Published by: estevaomiranda on Sep 02, 2010
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See More
See less

07/10/2013

pdf

text

original

You're Reading a Free Preview
Pages 4 to 62 are not shown in this preview.
You're Reading a Free Preview
Pages 67 to 73 are not shown in this preview.
You're Reading a Free Preview
Pages 77 to 142 are not shown in this preview.
You're Reading a Free Preview
Pages 146 to 152 are not shown in this preview.

Activity (49)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 hundred reads
1 thousand reads
Giovane Maia liked this
Fabiana Caires liked this
Rodney Nogueira liked this
Leandro Almeida liked this
Rejane Mota liked this

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->