Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
62Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
O CONTEXTO HISTÓRICO DO SURGIMENTO DA SOCIOLOGIA

O CONTEXTO HISTÓRICO DO SURGIMENTO DA SOCIOLOGIA

Ratings:

5.0

(1)
|Views: 27,158 |Likes:
Published by nellessen

More info:

Published by: nellessen on Sep 07, 2010
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

10/28/2013

pdf

text

original

 
O CONTEXTO HISTÓRICO DO SURGIMENTO DA SOCIOLOGIA.
A formação das Ciências Sociais e a contextualidade histórica do aparecimento daSociologia.Ao promover um retrocesso histórico, podemos notar que o homem na suacapacidade cultural de criação sempre processou formas de compreender ouinterpretar sua forma de “estar no mundo”. É claro que as várias interpretações eexplicações sobre ele mesmo, homem, nem sempre foram pautadas numa atividaderacional e científica, ela foi utópica na Idade Antiga, espiritual na Idade Média, eposteriormente racional com os Iluministas e Enciclopedistas que tratavam os temasmedievais com tal claridade racional, que transformaram a epistemologia e o tratometodológico das Ciências Sociais num corpo estruturado sobre a razão, a razãodos modernos, assentada num conhecimento experimental e no cientificismo dasciências naturais e exatas.É assim que surge a Sociologia, não só do apoio filosófico do “raciocínio das luzes”é o responsável pela elevação dessa nova ciência, existe um envolvimento históricoque a modernidade cria, demandando formas interpretativas a respeito daquela novaordem social nascente, totalmente distinta do passado medieval e antigo, portanto aSociologia surge de uma combinação histórica e temporal entre os problemas epontos críticos da modernidade, e a formação de um corpo teórico e metodológicoestruturado numa forma de conhecer a realidade de modo racional e experimental,herança transplantada das ciências físicas e naturais para as ciências naturais.b) Objetos centrais da análise sociológica no seu período de formação histórica.Existe um período de pré-produção sociológica, onde a sociologia ainda não seautonomizou da filosofia social, por exemplo, as reflexões intelectuais de Saint-Simon e Comte são acusadas de análises filosóficas, utópicas e moralistas, bemdistante de ser uma ciência fundada numa análise sociológica. Então, ao afirmar edescrever os objetos centrais que marca a inauguração da ciência sociológica,partimos do pressuposto que a Sociologia como uma ciência moderna, nasce dasreflexões dos pensadores clássicos que captaram de forma mais objetiva e racionalos problemas e dilemas da modernidade. Ao caminhar de forma sintética, no interior da consagrada tríade formadora da Sociologia, Durkheim-Weber-Marx, podemosnotar que a modernidade como uma nova forma societal, inaugura paradigmas esintomas que estão rapidamente expostos abaixo:Crescimento das desigualdades e contrastes sociais implementados pelaconsolidação do capitalismo industrial, inaugurando a problemática e o tema da“questão social”, que é apresentado nos aglomerados urbanos como Londres eParis no século XIX.Formação de um modo-de-produção (capitalismo) que subsiste através de umarelação contrastiva entre as classes, marcada pela expropriação “legítima” da forçade trabalho do proletariado, ocasionando crises de pré-rompimento na relaçãocapital x trabalho.
 
Rompimento com os modos de vida tradicionais e com as instituições moraispertencentes à tradão, eliminão gradual das relações cooperativas ecomunitárias e inauguração de relações sociais dissociativas, intensificando adiferenciação dos indivíduos e provocando um processo de individualização.Racionalização estrutural das sociedades economicamente avançadas, na esferaeconômica; inauguração de relões despojadas de valores afetivos eparticularismos, na esfera política; burocratização do aparelho estatal, na esferafilosófica; laicização e secularização das instituições e condutas.A Modernidade e a Sociologia.Segundo Octávio Ianni, a “sociologia é filha da modernidade” , isto é, ela nascecomo um produto consequente da consolidação do mundo moderno, entendemosaqui, é claro, a modernidade como um processo constitutivo que inicia sua formaçãoatravés de quatro grandes movimentos históricos por volta dos séculos XV-XVI: noplano econômico, o capitalismo comercial impulsionado pelas grandes descobertasterritoriais; no plano político, o absolutismo, nascido de uma necessidade decentralização política e unificação territorial do Estado; no plano religioso, a reformaprotestante, preparando o comportamento religioso do homem moderno e no planofilosófico, o racionalismo moderno, abrindo campo para interpretações de caráter objetivista e cientificista. Por certo, a formação da Sociologia é o resultado históricode uma necessidade urgente de dar respostas racionais aos problemas sociaisinaugurados pela estrutura social moderna, consolidada através da dupla revoluçãoliberal-burguesa, e é essa situação histórica que a Sociologia enfrenta no seu trajetode formação.A formação das Ciências Sociais e os elementos histórico-sociais de contribuição nasua constituição.As Ciências Sociais como um agregado teórico composto pela Sociologia,Antropologia e Ciência Potica, é o resultado de um processo múltiplo deformulações teóricas que transitam por temas e objetos diferenciados, por exemplo,a Sociologia é uma ciência voltada para a compreensão da gênese e dos processosde funcionamento das estruturas sociais, enquanto a Antropologia é uma ciência doreconhecimento cultural do “outro” como sujeito histórico e cultural distinto, já aCiência Política, é iniciada pela ruptura maquiavélica nas formas de compreender apolítica como um processo decisório instrumentalizado por instiuições e “príncipes”,ou seja, sujeitos políticos. É claro que o aparecimento das Ciências Sociais não sedá de forma conjugada historicamente, o aparecimento da Sociologia depende daconstituição de um corpo teórico e metodológico que só estrutura-se através dodesenvolvimento e disseminão do racionalismo moderno e da filosofia dailustração do século XVIII, além de depender é claro, de fatores históricos especiais,como a consolidação histórica do modo-de-produção capitalista, o nascimento daAntropologia depende historicamente do aparecimento do “outro” como um sujeitoda alteridade, distinto e diferente, e isso so se no momento s-grandesnavegações, e por fim a Ciência Política nasce de uma necessidade histórica decompreensão dos processos de centralização política do Estado Moderno, tentando
 
compreender a política como atividade instrumental de conquista e manutenção dopoder. Portanto, a nascença das Ciências Sociais depende de situações históricasdivergentes mas que possuem uma esteira histórica comum, a modernidade, epassamos então a perceber as primeiras manifestações intelectuais por meio dopositivismo, historicismo, marxismo, funcionalismo, comparativismo, o estruturalismoe outras manifestações do pensamento social.E) Secularização e Racionalização e “desencantamento” nas sociedades modernas.Um dos pontos de impulsão do processo constitutivo da ciência sociológica,certamente, é o desenvolvimento da ciência como ponto explicativo centrado embases empíricas e racionais, bases estruturadas sobre a capacidade humana decompreender a realidade atras da atividade racional, o que provocou umrompimento com os modos de pensar das instituições eclesiásticas, formando umperíodo de conflitos filosóficos e ideológicos, e aos poucos foi de delineando umaabertura e expansão da ciência sobre o fenômeno religioso, esse processo foidenominado por alguns teóricos, como Weber, por “secularizão”. O termo“secularização” é utilizado nas guerras ideológicas entre a religião e a ciência, indicaum processo pelo qual setores da sociedade e da cultura o subtraídos àdominação das instituições e símbolos religiosos, a “secularização” manifesta-se naretirada das Igrejas cristãs de áreas que antes estavam sob o seu controle ouinfluência: separação da Igreja e do Estado, expropriação das terras da igreja eemancipão da educão frente o poder religioso. Assim, como umasecularização das instituições sociais e da cultura, as consciências passam tambémpor esse processo de libertação das concepções mágicas de mundo, correndo umprocesso de racionalização da mentalidade do homem moderno, causando umrompimento com as concepções abstratas e sobrenaturais, produzindo uma aberturado ponto de vista filofico, onde surge o racionalismo e a ciência, comocomponentes essenciais do mundo moderno, esse processo onde o religioso é“dessacralizado”, e o científico se “sacraliza”, ou se centraliza como esteio dereferência da realidade humana, é chamado por Weber de : o “desencantamento domundo”, onde Weber afirma a marca central da modernidade que é a tendência àeliminação do sobrenatural e do mágico como instrumentos de compreender arealidade social.F) As revoluções liberais-burguesas e a fixação histórica das desigualdades,diferenças sócio-econômicas, diferenciação e desintegração social como categoriasinaugurais e formadoras da Sociologia.A consolidação do modo de produção capitalista por meio das revoluções liberais,que adotaram o eixo do laisse-faire no relacionamento entre o Estado e o mercado,possibilitou uma transformação estrutural nas formas de produção, distribuição econsumo nunca antes vista, inaugurando relações de comércio mais extensivas eagravando a polarização progressiva entre as classes, intensificando asdesigualdades e os contrastes sociais, a marca histórica desse problema é visível naformação dos grandes aglomerados urbanos como Londres, Paris, Glasgow eLiverpool, que sofrem de um acréscimo exagerado de contigentes populacionaisiniciados por meio da expulsão dos camponeses no processo dos “cercamentos” de

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->