Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
14Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Comentários à Lei nº 12015

Comentários à Lei nº 12015

Ratings: (0)|Views: 2,554 |Likes:
Published by marco guerra

More info:

Categories:Types, School Work
Published by: marco guerra on Sep 15, 2010
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

04/03/2013

pdf

text

original

 
 
Comentários à Lei nº 12.015/09
 
Texto extraído do
Ju
s Navigandi
 http://jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=13629
 
 Y
ordan Moreira Delgado
 
Procurador da República e professor universitário
 
Apresentação
Começamos a escrever nossas primeiras impressões sobre à L. 12.015/09, publicada em10.8.2009, com o intuito de publicar um livro. Porém, desistimos do nosso intento inicial,resolvendo então, simplesmente escrever um artigo que comentasse com objetividade toda a lei.Acrescentamos aos comentários, quadros comparativos da legislação, seguindo sistemáticasemelhante a que adotamos quando publicamos em co-autoria, um livro sobre à Reforma doCPP e Lei de Trânsito (editora Juspodivm, 2009).Consultamos diversos doutrinadores que comentam a parte geral do Código Penal e oscrimes contra os costumes, agora, nominados de crimes contra a dignidade sexual, bem como,dois autores renomados que já se debruçaram sobre esta nova lei ± Guilherme de Souza Nucci eRogério Greco. Sem embargo da objetividade do nosso trabalho, fizemos questão de externar nossa opinião de forma fundamentada. E mais, no item 4 do crime de estupro de vulnerável,abordamos um tema inédito (ao menos em pesquisa realizada não encontramos qualquer  precedente na doutrina nacional ou estrangeira), buscando assim, contribuir para o debate nomeio acadêmico.O autor, além de ter enorme experiência profissional na área penal, por ter exercidodurante mais de cinco anos o cargo de Promotor de Justiça do Estado da Paraíba, e por estar háquase uma década como membro do Ministério Público Federal, sempre foi um apaixonado pelo estudo do direito penal e processual penal, tanto que exerceu a catédra de direito penal(parte geral, especial e leis penais extravagantes) na Faculdade de Direito de Campos ± RJ,onde também defendeu dissertação de mestrado nessa área, e atualmente leciona Penal noCentro Universitário de João Pessoa (Unipê) ± PB. Já lecionou também na Escola Superior doMinistério Público da Paraíba e do Rio Grande do Norte. Tem diversos artigos publicados naárea penal e processual penal, além da obra já mencionada.Em função de alguns tipos penais terem sofrido mudanças mais significativas do queoutros, os comentários não seguiram a um mesmo padrão em todos os artigos. Assim, algunsartigos possuem mais sub-itens que outros, e alguns sequer possuem. De qualquer forma, todosos pontos principais foram abordados, tendo se priorizado comentar as novidades, emdetrimento de repetir o que todos os manuais de direito penal já trazem e que não sofrerãoalterações com a nova lei. Esperamos assim, com este modesto trabalho, estar contribuindo para as discussões que serão travadas na doutrina e jurisprudência acerca da nova L. 12.015/09.
 
I
ntrodução
A preocupação internacional com a exploração sexual de crianças e adolescentes, levou oCongresso Nacional a criar uma CPMI, que em agosto de 2004 encerrou seu trabalho, cujoresultado foi o PL 253/04, que durante o processo legislativo sofreu algumas alteraçõesculminando com a promulgação e publicação da recente L. 12.015/09.A L. 12.015 alterou de forma significativa o título que cuidava dos crimes contra oscostumes, agora nominado crimes contra a dignidade sexual. O novo vocábulo que designa otítulo é mais adequado ao texto constitucional e a nova realidade social, afinal, é de se entendeque a dignidade sexual integra a dignidade humana. A nova lei, além de alterar diversos artigosdo mencionado título da parte especial do Código Penal, igualmente modificou de forma pontual a lei dos crimes hediondos e o ECA e revogou a lei 2.252/54.
Estupro (art. 213)
O novo art. 213 do Código Penal que cuida do estupro passou a ter a seguinte redação:
COM A LE
I
12.015/09
 ANTES DA LEI
EstuproArt. 213. Constranger alguém,mediante violência ou grave ameaça, a terconjunção carnal ou a praticar ou permitirque com ele se pratique outro atoibidinoso:Pena - reclusão, de 6 (seis) a 10 (dez)anos.§ 1o Se da conduta resulta lesãocorporal de natureza grave ou se a vítima émenor de 18 (dezoito) ou maior de 14(catorze) anos:Pena - reclusão, de 8 (oito) a 12 (doze)anos.§ 2o Se da conduta resulta morte:Pena - reclusão, de 12 (doze) a 30
 Estupro Art. 213 - Constranger mulher àconjunção carnal, mediante violência ou graveameaça: Pena - reclusão, de 6 (seis) a 10 (dez)anos. Atentado violento ao pudor  Art. 214 - Constranger alguém, medianteviolência ou grave ameaça, a praticar ou permitir que com ele se pratique ato libidinosodiverso da conjunção carnal: Pena - reclusão, de 6 (seis) a 10 (dez)anos. Formas qualificadas
 
(trinta) anos." (NR)
 Art. 223 - Se da violência resulta lesãocorporal de natureza grave: Pena - reclusão, de 8 (oito) a 12 (doze)anos. Parágrafo único - Se do fato resulta amorte: Pena - reclusão, de 12 (doze) a 25 (vinte ecinco) anos.
 
1. Considerações iniciais sobre as alterações do tipo
As principais alterações que se percebe ao comparar a redação nova com a anterior, é asubstiuição da palavra mulher por alguém, bem como, a inclusão das elementares que eram previstas no crime de atentado violento ao pudor. Portanto, o crime de estupro teve sua redaçãoampliada para incorporar no seu tipo as elementares do atentado violento ao pudor. O art. 214foi revogado, e agora, tudo é tratado no art. 213 do Código Penal. Em decorrência destaunificação, o sujeito passivo do estupro poderá ser uma pessoa do sexo masculino ou feminino.A pena do caput, entretanto, não foi alterada.
2. Tipicidade objetiva e subjetiva
A ação nuclear do tipo, consubstancia-se no verbo constranger, que significa, forçar,compelir. O constrangimento pode se dar mediante violência (coação física) ou grave ameaça(violência moral). A vítima será assim, forçada à conjunção carnal, ou seja, a cópula normal ± introdução completa ou incompleta do pênis na vagina, ou a praticar ou permitir que com ela se pratique outro ato libidinoso. Na última hipótese, a vítima tem uma postura passiva, permitindoque o agente do constrangimento ou terceiro pratique com ela um ato libidinoso.Ato libidinoso é aquele destinado ao prazer sexual. Trata-se de um conceito abrangenteque exige uma valoração por parte do magistrado. Há precedente jurisprudencial, no sentido deque o beijo lascivo configura ato libidinoso. A felação (sexo oral), coito anal, toques íntimos,são exemplos mais comuns de atos libidinosos diversos da conjunção carnal.De fato, o ato que configura à conjunção carnal não gera qualquer discussão, pois, comoá dito trata-se da cópula vagínica. No entanto, não há um conceito preciso de ato libidinoso, desorte a abranger uma enormidade de atos, o que gera uma inquietação tanto na doutrina comona jurisprudência. Nesse sentido, afirma Luiz Regis Prado
[01]
"Assim, se é correta aclassificação do beijo lascivo ou com fim erótico como ato libidinoso, não é menos corretoafirmar que a aplicação ao agente da pena mínima de seis anos, nesses casos, ofendesubstancialmente o princípio da proporcionalidade das penas."Entretanto, muitos casos podem ser resolvidos pela análise do elemento subjetivo. O beijo, por exemplo, mesmo que contra a vontade da vítima, não constituirá em um atolibidinoso, se o intuito é a manifestação de um sentimento, e não, a satisfação de um prazer sexual. Contudo, sempre é difícil no caso concreto só pela análise do ato em si, saber qual foi o

Activity (14)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 hundred reads
1 thousand reads
Daniel Calich liked this
Edlene Cruz liked this
Sonayra Araujo liked this
tacitoalves5590 liked this
Camila Libânio liked this
Vinicius Cirilo liked this

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->