Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more ➡
Download
Standard view
Full view
of .
Add note
Save to My Library
Sync to mobile
Look up keyword
Like this
28Activity
×
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Pós-Graduação em Agronegócios no Brasil: situação atual e perspectivas

Pós-Graduação em Agronegócios no Brasil: situação atual e perspectivas

Ratings:

4.25

(4)
|Views: 16,169|Likes:
Published by sofiaiba

More info:

Published by: sofiaiba on Jul 10, 2008
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See More
See less

12/31/2012

pdf

text

original

 
141
R B P G, Brasília, v. 4, n. 7, p. 141-158, julho de 2007.
debates
 Pós-Graduação em Agronegóciosno Brasil: situação atual e perspectivas
 Rúbia Nara Rinaldi
1
 Mário Otávio Batalha
2
Thaís Lacava de Moura
3
 Resumo
As transformações ocorridas na economia nacional e mundial têmcolocado novas e importantes questões às empresas participantes dosistema agroindustrial. Entre estas se destaca a necessidade de contar comprofissionais qualificados e familiarizados com a problemática que envolveo funcionamento do sistema agroindustrial. Parece consenso entre osestudiosos da área que recursos humanos qualificados estão entre osfatores críticos de sucesso deste setor. Buscando atender a essa demandado agronegócio nacional, as instituições de ensino superior brasileirastêm multiplicado o número de cursos de graduação e pós-graduaçãoque objetivam a formação desses profissionais. Este artigo tem comoobjetivo realizar uma reflexão crítica sobre o ensino superior no Brasilna área de Agronegócios, mais especificamente sobre as questões queenvolvem a pós-graduação
stricto sensu
e a característica multidisciplinarque caracteriza esta área.
 Palavras-chave:
Agronegócios. Recursos Humanos. Pós-Graduação.
Graduate study in Agribusiness in Brazil: the current situationand perspectivesAbstract
The transformations in the national and worldwide economy haveadded new and important issues with which agri-food companies mustdeal. In this respect, it is important to have qualified professionals, familiar with the problems associated with the operation of the agri-industrialsystem. Specialists in the area seem to concur that qualified humanresources are among the factors that are critical for the success of thissector
.
In an effort to meet the demand, Brazilian higher educationinstitutions have been expanding the number of programs that aim to
1
 Doutoranda em Engenharia de Produção pela Universidade Federalde São Carlos (UFSCar). ProfessoraAdjunta da Universidade Estadualdo Oeste do Paraná (Unioeste),Centro de Ciências Sociais Apli-cadas, Campus Toledo. Pesquisadorado Grupo de Estudos e PesquisasAgroindustriais (Gepai). Rua General Daltro Filho, 1.548, Vila Industrial– Toledo-PR. CEP: 85904-240.rubia@dep.ufscar.br
2
 Doutor em Engenharia deSistemas Industriais pelo Institut National Polythechnique de Lorraine, França. Professor Adjunto da UFSCar,Centro de Ciências Exatas e de Tecno-logia, Departamento de Engenhariade Produção (DEP), . Coordenadordo Gepai. dmob@power.ufscar.br
3
 Mestra em Engenharia de Produção pela UFSCar . Pesquisadorado Gepai (DEP). thalmoura@gmail.com
 
Rinaldi et al./Agronegócios no Brasil 
142
R B P G, Brasília, v. 4, n. 7, p. 141-158, julho de 2007.
debates
graduate these professionals. This article critically reflects on Brazilianhigher education in the agribusiness area and, more specifically, on issuesinvolving the graduate programs and the multidisciplinary character of this field.
 Keywords:
Agribusiness. Human Resources. Post Graduation.
 Introdução
A importância do agronegócio para a economia nacional e as mudançasque ele vem atravessando, nos âmbitos nacional e internacional, têmalimentado uma demanda por profissionais diferenciados dos habitual-mente formados pelos cursos tradicionais da área de Ciências Agrárias. AsInstituições de Ensino Superior (IES), especialmente as de capital privado,têm se mostrado muito ágeis para identificar essas demandas da sociedadee criar cursos que as supram. Esse movimento, embora mais recente no Brasil, também pode ser observado em outros países.O aumento no número de cursos de graduação e pós-graduação voltados para a problemática rural e agroindustrial está sendo acompa-nhado do surgimento de várias formações que fogem da classificaçãotradicional dos cursos da área de Ciências Agrárias (Agronomia, Veterinária,Zootecnia etc.). Entre esses novos cursos, destacam-se aqueles da áreade Agronegócios. No ensino de graduação, o aumento da oferta decursos foi muito grande. Existem atualmente cerca de cem cursos degraduação com ênfase em Agronegócios registrados no Instituto Nacionalde Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep, 2006). Entreoutras conseqüências, esse aumento dos cursos de graduação criou umconsiderável mercado profissional para professores e pesquisadores queatuam na área. O aumento expressivo no número de instituições deensino, públicas e privadas, que têm investido no ensino de graduaçãoem Agronegócios faz com que elas encontrem dificuldades para atrair ereter professores e pesquisadores formados em Agronegócios e que sejamcapazes de ministrar cursos na área. De forma menos intensa, o movimento ocorrido na graduação tambémfoi observado na pós-graduação (
lato e 
 
stricto sensu
), com vários cursosque foram e estão sendo criados no Brasil. As peculiaridades que caracte-rizam esses cursos têm feito com que a Coordenação de Aperfeiçoamentode Pessoal de Nível Superior (Capes) os classifique na área multidisciplinar.Como esses cursos são relativamente novos no cenário da pós-graduaçãobrasileira, é oportuno discutir suas características.Assim, este artigo tem como objetivo fazer reflexões sobre como oscursos de Agronegócios estão evoluindo e, principalmente, como elesdeveriam ser enquadrados dentro da estrutura de avaliação e classificaçãoda Capes.
 
Rinaldi et al./Agronegócios no Brasil 
143
R B P G, Brasília, v. 4, n. 7, p. 141-158, julho de 2007.
debates
2 O Agronegócio e a demanda por novos profissionais
O novo cenário mundial, no qual se sobressai a diversificação demercado e a diferenciação de produtos, com os objetivos de atender aoconsumidor e gerar vantagens competitivas para as empresas, levam-nasa procurarem profissionais com novas habilidades e competências paragerir os seus negócios.As propostas para a obtenção de vantagem competitiva sustentávelparecem caminhar em uma mesma direção: gestão estratégica de recursoshumanos, gestão de competências, acumulação do saber e gestão docapital intelectual. Percebe-se, nessas proposições, a ênfase nas pessoas como recursodeterminante do sucesso organizacional, uma vez que a busca pelacompetitividade impõe às empresas a necessidade de contar com profis-sionais capacitados, aptos a fazerem frente às ameaças e oportunidadesdo mercado (BRANDÃO; GUIMARÃES, 2001). As pessoas com capacidadede aprendizado e que conseguem transferi-lo a outras pessoas são cada vez mais valorizadas como profissionais. Na definição das características relevantes a um profissional apto a atuardentro do atual mercado de trabalho, competências, habilidades, atitudes,atributos, dentre outras nomenclaturas, são questões críticas, apontadaspor diversos autores que objetivam definir tais características.As habilidades são vistas como a capacidade de saber fazer ou desem-penhar funções, e estão intimamente ligadas às atitudes e competências. Para Batalha et al. (2000), o termo
habilidade 
pode ser interpretado comoa capacitação para efetuar determinada tarefa, referindo-se ao domíniode conhecimento sobre determinado assunto. Já para Whetten e Cameron (2002), as habilidades formam um veículo por meio do qual estratégias, práticas administrativas, técnicas,atributos pessoais e estilo de trabalhar produzem resultados efetivos nasorganizações. Para eles, existem três conjuntos de habilidades: 1)
pessoais 
 (desenvolvimento de autoconsciência, lidar com o estresse e resoluçãocriativa de problemas); 2)
interpessoais 
(habilidade de comunicação,influência, gestão de conflitos e motivação dos empregados); e 3)
de grupos 
(habilidade de trabalhar em grupos, delegar funções e construirrelacionamentos).Com relação ao conceito de competência, numa definição geral, elapode ser entendida como sendo a soma dos conhecimentos, habilidadese atitudes dos indivíduos adequados aos fins organizacionais. Man, Lau eChan (2002) afirmam que competência é construída pelos conhecimentosnecessários, habilidades e atributos pessoais necessários para o trabalho. Definição parecida tem Ruas (1999), ao observar que a competênciaé uma forma de repensar as interações entre pessoas, seus saberes ecapacidades, e organizações e suas demandas.

Activity (28)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 hundred reads
1 thousand reads
edith_reis liked this
GuiMari Zaqueu E Braz added this note|
muito bom!!
Eraldo liked this
Eraldo liked this

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->