Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more ➡
Download
Standard view
Full view
of .
Add note
Save to My Library
Sync to mobile
Look up keyword
Like this
14Activity
×
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Geografia - Pré-Vestibular Dom Bosco - Logaritmos e Terremotos Aplicação da escala logarítmica nos abalos sísmicos

Geografia - Pré-Vestibular Dom Bosco - Logaritmos e Terremotos Aplicação da escala logarítmica nos abalos sísmicos

Ratings:

4.4

(5)
|Views: 11,673|Likes:
Published by Geografia Geoclasy

More info:

Published by: Geografia Geoclasy on Jul 19, 2008
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See More
See less

11/28/2012

pdf

text

original

 
Logaritmos e Terremotos: Aplicação da escala logarítmica nos abalos sísmicos
Cynthia Adeline Pinheiro HenriqueUNIMESP – Centro Universitário Metropolitano de São Paulo
Novembro/2006
Sinopse:
Através do contexto histórico de como surgiram os logaritmos fazer com que oleitor reflita sobre sua importância para a humanidade. Através de exemplos de aplicação,mostrar que utilizamos muito seus conceitos em nosso dia-a-dia.
Introdução:
De acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais, notamos que a forma como étrabalhado um tema é essencial para o aprendizado.Quando utilizamos certos recursos de aprendizagem como associar aplicações aoassunto que vamos trabalhar, podemos como a forma de ensinar e também a forma de comoo aluno irá aprender pode ficar mais interessante. Fazendo-se o aluno compreende a relaçãode um assunto com situações reais.Quando o aluno consegue perceber onde ele irá aplicar o conceito que ele estáestudando, com certeza irá ter mais interesse em aprender.A forma como é apresentado um assunto é muito importante, pois desperta acuriosidade e um maior incentivo, principalmente quando o assunto parece ser sem muitaimportância em seu dia-a-dia.Saber utilizar vários recursos como, por exemplo, relacionar o tema com a realidadedo aluno(onde na maioria das vezes nas escolas não é o que acontece), irá fazer com que oaprendizado fique mais prazeroso para eles como recomenda os Parâmetros CurricularesNacionais.Por esse motivo no interior desse trabalho vamos relacionar o estudo da matemáticacom outros conhecimentos, como as ciências da natureza, que será a aplicaçãodesenvolvida, fazendo com que o educando possa usar maneiras diferentes de pensamentoatravés de situações-problema, que os levem a refletir que a matemática está presente emdiferentes áreas do conhecimento.Vamos estudar sobre escalas de medidas de intensidade dos abalos sísmicos e paraisso precisamos entender um pouco sobre alguns fenômenos geológicos.O Brasil era considerado um pais que não tinha alôs sísmicos até pouco tempo atrás,por não se conhecerem registros de sismos destrutivos, e os poucos abalos sentidos eraminterpretados como simples acomodações das camadas. Estudos sismológicos a partir dadécada de 70 mostrara que a atividade sísmica no Brasil, apesar de baixa, não pode serdesprezada e é resultado de forças geológicas que atuam em toda placa que contém ocontinente Sul-americano.
Contexto Histórico do Logaritmo:
O aparecimento dos logaritmos ocorreu no começo do século XVII, quando já erapremente a necessidade de facilitar os trabalhosos cálculos trigonométricos da Astronomia eda Navegação. A idéia básica era substituir operações muito complicadas, comomultiplicação e divisão, por operações mais simples, como adição e subtração. Os principais
 
inventores dos logaritmos foram o suíço Joost Biirgi(1552-1632) e o escocês John Napier(1550-1617), cujos trabalhos foram produzidos independentemente um do outro.As primeiras tábuas de logaritmos de Napier apareceram em 1614, em Edimburgo,ao passo que as de Biirgi só apareceram em 1620, em Praga, onde ele trabalhou comoassistente de Kepler. Portanto quando Biirgi publicou sus tábuas, as de Napier já eramconhecidas em toda a Europa. No entanto, é provável que Biirgi tivesse concebido oslogaritmos antes mesmo de Napier.Os logaritmos foram reconhecidos como uma invenção realmente extraordinária logoapós a publicação de Napier em 1614.Convém mencionar que esses primeiros logaritmosneperianos tinham sérios inconvenientes e foram logo modificados por ele mesmo e porHenry Briggs (1561-1631), um dos primeiros e mais ardentes entusiastas do trabalho deNapier. O resultado foi o aparecimento dos logaritmos de Briggs, ou logaritmos decimais.Briggs publicou sus primeira tábua em 1617; depois, em versão bem mais ampliada,1624.
Definição dos logaritmos:
Sendo a e b números reais positivos, com b
1, chamamos de logaritmos de a nabase b o expoente real x ao qual se eleva b para obter a:log
b
a = x
b
 x
= a, com a > 0, b > 0 e b
1Exemplos:
log
2
8 = 3, pois 2
3
= 8
log
10
100 = 2, pois 10
2
= 100Observação: Quando a base é 10, por convenção, omitimos a base, ou seja, log
10
x =logx.Para que log
b
a = x tenha significado, para todo x real, precisamos impor b > 0, b
1e a > 0. A essas restrições chamamos condições de existência dos logaritmos:1
b > 0
b
 x
> 0
a > 0Assim, não existem, por exemplo:
log
2
(-8), pois não existe x tal que 2
 x
= -8
log
1
3, pois não existe x tal que 1
 x
= 3Vejamos algumas propriedades que vamos utilizar no interior do trabalho:
Logaritmo do produto:
Sendo a, b e c números reais positivos, a
1, temos:log
a
(b x c) = log
a
b + log
b
cVeja a demonstração:Sejam x, y e z números reais tais que:log
a
b = x
a
 x
= b (1) log
a
c = y
a
y
= c (2) log
a
(b x c) = z
 a
 z
= bc (3)Substituindo (1) e (2) e (3), temos:a
 z
= a
 x
x a
y
 
a
 z
= a
y x
+
 
z = x + y
log
a
(b x c) = log
a
b + log
a
c
 
Exemplos:
log
3
(81 x 9) = log
3
81 + log
3
9= 4 + 2 = 6
log
2
2
+ log
2
8
= log
2
(
2
x
8
) = log
2
16
= log
2
4 = 2
Logaritmo do quociente:
Sendo a, b e c números reais positivos, a
1, temos:log
a
    
cb
= log
a
b - log
a
cVamos demonstrar:Sejam x, y e z números reais tal que:log
a
b = x
a
 x
= b (1) log
a
c = y
a
y
= c (2) log
a
    
cb
= z
a
 z
=
cb
(3)Substituindo (1) e (2) em (3), temos:a
 z
=
 y x
aa
 
a
 z
= a
 x
: a
y
 
a
 z
= a
y x
 
z = x – y
log
a
    
cb
= log
a
b - log
a
cExemplos:
log
3
8127
= log
3
27 - log
3
81 = 3 – 4 = -1
log
3
15 - log
3
5 = log
3
515
= log
3
3 = 1
O Terremoto:
Figura 1:Mapa-Mundi com as divisões das placas tectônicas. Fonte:http://domingos.home.sapo.pt/sismos_2.htmlAcesso em: 18/11/2006.

Activity (14)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 hundred reads
1 thousand reads
Daniela Ferreira liked this
Daniela Ferreira liked this
Herbert Souza liked this
a_rosahelena9269 liked this
ebritomd liked this

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->