Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
71Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Física - CASD - Capítulo 05 - Termodinâmica

Física - CASD - Capítulo 05 - Termodinâmica

Ratings:

5.0

(2)
|Views: 11,021 |Likes:

More info:

Published by: Física Caderno de Resoluções on Jul 20, 2008
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/27/2013

pdf

text

original

 
 __________________________________________________________________________________________________________________ CASD Vestibulares Termodinãmica 31
Física
FFrreenntteeIIIIII 
CCAAPPÍ Í TTUULLOO55--TTEERRMMOODDIINNÂÂMMIICCAA
 
AULAS 12 À 16Introdução
A
Termodinâmica 
é parte da física que estuda aquantificação efetiva das transformações entre calor etrabalho.Todo estudo na termodinâmica toma como referên-cia um
Sistema Termodinâmico,
que é um conjuntoconstituído de um fluido (na maioria dos casos, um gásperfeito) contido em um recipiente, podendo estar ounão em contato direto com o ambiente. Os sistemaspodem ser classificados da seguinte maneira:
Sistema Aberto: 
 Através da fronteira, pode-se trocar com o meio externo energia e matéria.
Sistema Fechado: 
Pode-se trocar energia, mas não matéria.
Sistema Isolado: 
 A fronteira do sistema impede trocas de energia e matéria.
Estudaremos nesse curso os conceitos envolvidos naTermodinâmica dos Gases Perfeitos. Sob esse aspecto,podemos afirmar que os Gases Perfeitos:
 Recebem (ou cedem) energia do meio sob aforma de 
Calor (Q)
.
Convenção: 
Q > 0 se o gás recebe calor 
Q < 0 se o gás cede calor 
 Armazenam (ou perdem) parte dessa energia,variando sua
Energia Interna (U)
,aquecendo-se ouresfriando-se.A Energia Interna de um Gás Perfeito monoatômicopode ser obtida por:
 
3 U nRT P2
 
A variação da energia interna é dada por:
U nR
 
Assim, numa transformação termodinâmi-ca temos que:
U 0 T 0 Aqueciment
 
U 0 T 0 Resfriament
 
U 0 T 0 T constant
 
 Transferem a energia restante ao meio, sob aforma
Trabalho
. 
Cálculo do Trabalho (
) em uma Expansão GasosaIsobárica
Considere um gás contido num cilindro cujo êmbolopode-se movimentar livremente e sobre o qual há umpeso de massa
. Durante qualquer transformaçãosofrida pelo gás, a pressão mantém-se constante, pois opeso colocado sobre o êmbolo não varia. Sejam
1
apressão,
1
 
o volume e
1
a temperatura do gás na situ-ação inicial.Fornecendo calor
ao sistema, por meio de umafonte térmica, o gás expande-se, deslocando o êmbolode uma distância
.
Na situação final, o volume do gás é
e a temperatura é
,
mantendo-se a pressão cons-tante
= P 
1
.O gás exerceu uma força
 F 
sobre o êm-bolo, deslocando-o de
e realizando um trabalho
 
 
dadopor:
F.
 
Mas,
F P.A
sendo
a pressão do gás e
A
aárea do êmbolo. Então:
P.A.x 
 
O produto
Ax = 
∆V = V 
1
- V 
 
é a variação de volumeocorrida. Assim, o trabalho realizado pelo gás sobre omeio exterior, numa expansão isobárica, é dado por:
2 1
P. V P.(V V
 
Obs:
Numa compressão, a variação de volume é nega-tiva, e o trabalho realizado é negativo. Assim, quandoum gás é comprimido, está recebendo energia do meioexterior.
2 12 11
V V V 0 P. V P.(V V V V V 0

 Se o volume é constante temos
= 0
.Ao plotarmos em um diagrama PxV os dados da curvada transformação P(V) temos que o trabalho é numeri-camente igual à área embaixo da curva.
 
 
 __________________________________________________________________________________________________________________ 32 Termodinâmica CASD Vestibulares
1ª Lei da Termodinâmica
 A 1ª Lei da Termodinâmica é, nada mais nada me-nos, do que a Lei da Conservação da Energia. Assim,em uma transformação termodinâmica, o balanço ener-gético entre as quantidades de energia Assim, em umatransformação termodinâmica, o balanço energéticoentre as quantidades de energia interna (U) e externa(calor e trabalho) deve satisfazer essa lei. Analiticamen-te, temos:
U
 Essa expressão é válida para qualquer sistematermodinâmico.
AplicaçõesTransformação Isocórica
Como nesse tipo de transformação não há varia-ção de volume, então o trabalho é zero:
V 0
. Assim:
U
 
é o calor trocado a volume constante
Transformação Isobárica
Neste tipo de transformação gasosa, a 1ª Lei daTermodinâmica deve ser aplicada com todos os seustermos, pois nenhum deles se anula. Então:
U
 
é o calor trocado a pressão constante
Transformação Isotérmica
A temperatura não varia em uma transformaçãodesse tipo. Assim temos que:
U
, pois a varia-ção da energia interna é função apenas da variação datemperatura. Assim, aplicando a 1ª Lei da Termodinâ-mica temos:
 Assim, à medida que o gás recebe calor de umafonte, ele deve-se se expandir a fim de realizar umtrabalho de igual módulo de energia.
Transformação Adiabática
Numa transformação adiabática não há troca decalor com o meio externo. Assim, desde que
Q
,temos:
 
Importante
: numa expansão adiabática, temperatura epressão diminuem, enquanto que numa compressãoadiabática, temperatura e pressão aumentam. Bastaanalisar a expressão acima junto com a Lei Geral dosGases Perfeitos. Veja abaixo o gráfico de uma expan-são adiabática (1-2):
Transformação Cíclica
Transformação Cíclica ou apenas ciclo deuma certa massa gasosa é um conjunto de transforma-ções em que, após seu término, a massa gasosa encon-tra-se exatamente no mesmo estado em que se encon-trava inicialmente.Assim em toda transformação cíclica temos:
U
, pois
F
T
 Logo, para qualquer ciclo temos:
 Um diagrama
PxV
comum para este tipo de trans-formação é dado na figura abaixo:Nesta transformação ABCD horária, temos 4 trans-formações:
AB
 
 Expansão Isobárica
BC
 
Isocórica com diminuição da pressão
CD
 
Contração Isobárica
DA
 
 Isocórica com aumento de pressãoO trabalho total é a soma dos trabalhos realizadosnas 4 transformações:
ciclo AB BC CD DA

 Para o ciclo da figura acima, temos que:
BC DA
(pois não há variação de volume) eportanto o trabalho total no ciclo é dado por
ciclo AB C
que é numericamente igual à áreadelimitada pelo ciclo, pois somamos a área embaixo deAB (expansão) e diminuímos a área embaixo de CD(compressão).Assim, num ciclo horário, temos
ciclo 
. Nessecaso o sistema recebe calor e transforma o em trabalho.Analogamente, num ciclo anti-horário temos
ciclo 
. Desse modo, o trabalho é realizado sobreo sistema e é convertido em calor.
 
 
 __________________________________________________________________________________________________________________ CASD Vestibulares Termodinâmica 33
Rendimento de um ciclo 
É a razão entre o trabalho útil e a quantidade decalor fornecida ao sistema.
util fornecido 
 
* 2ª Lei da Termodinâmica
Processo irreversível:  
Transformação na qual um sistema, uma vez atingido o estado final de equilíbrio,não retorna ao estado inicial ou a quaisquer estados intermediários, sem a ação de agentes que modifi- quem o meio externo (trabalho).
Processo reversível:  
Transformação que pode ocor- rer em ambos os sentidos, passando por todas as eta- pas intermediárias, sem que isso cause modificações definitivas ao meio externo.
Entropia (S)
É uma grandeza que mede a degradação da e-nergia organizada (trabalho) para uma energia desor-ganizada (térmica). É fundamental para se determinara reversibilidade dos processos.Nos processos naturais, irreversíveis (como umapedra caindo no chão), a entropia aumenta, pois aenergia potencial gravitacional da pedra (energia orga-nizada) é degradada em calor.
S
 Para processos isotérmicos reversíveis temos:
Enunciados da 2ª Lei1.
 
“A entropia do Universo sempre aumenta”
 
2.
“É impossível construir um
dispositivo que, operandoem um ciclo termodinâmico converta totalmente calor e
trabalho”.
 
3.
 
“É impossível a construção de um dispositivo, que
sem a intervenção do meio exterior, consiga transferircalor de um corpo (fonte) para outro a temperatura mais
elevada”.
 O 1º enunciado condiz com o fato, já apresentado,de que a entropia, em processos naturais, irreversíveis,sempre aumenta. O 2º, devido a Kelvin-Planck nega aexistência de um motor ideal. Já o 3º, devido a Clausius,nega a existência de um refrigerador ideal.
Máquinas Térmicas
Máquinas Térmicas são dispositivos que, traba-lhando com duas fontes térmicas, fazem a conversãoentre calor e energia mecânica (trabalho). Veja o es-quema abaixo:
Q
1
 
Calor fornecido pela Fonte Quente
Q
2
 
Calor rejeitado à Fonte Fria
 
Trabalho útil fornecidoDa 1ª Lei obtemos que:
1
Q
 
Rendimento de uma Máquina Térmica
Como uma máquina térmica opera em ciclos, entãoseu rendimento é igual ao trabalho útil dividido pelocalor fornecido:
1 2 1 1
Q Q 1Q
 
Máquinas Frigoríficas
São máquinas térmicas que transferem calor deuma fonte térmica fria para uma outra mais quente. Paraisso, é claro, é necessária a realização de um trabalhoexterno. Veja esquema:A fonte fria deve se localizar no espaço onde se desejarefrigerar, retirando calor. Enquanto isso, a fonte quentedeverá rejeitar o calor para o meio externo. Desse mo-do, ao contrário das máqui
nas térmicas “normais”, as
máquinas frigoríficas convertem trabalho em calor.
Ciclo de Carnot 
Sadi Carnot, engenheiro francês, estabeleceu umciclo termodinâmico cujo rendimento seria máximo. Vejao diagrama PxV do Ciclo de Carnot abaixo:
 

Activity (71)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 hundred reads
1 thousand reads
Igor Mendes liked this
Mauna Maximino liked this
Messias Junior liked this
Marina Oliveira liked this
Beatriz Barreto liked this
Luana Oliveira liked this

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->