Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more ➡
Download
Standard view
Full view
of .
Add note
Save to My Library
Sync to mobile
Look up keyword
Like this
138Activity
×
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Tratamento de esgoto (saneamento)

Tratamento de esgoto (saneamento)

Ratings:

4.6

(5)
|Views: 34,111|Likes:
CURSO DE TRATAMENTO DE ESGOTO
CURSO DE TRATAMENTO DE ESGOTO

More info:

Published by: Gustavo Henrique Wanderley on Jul 28, 2008
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See More
See less

12/16/2013

pdf

text

original

 
EEA Empresa de Engenharia Ambiental Ltda. eea@eea.eng.brCurso de Tratamento de Esgoto – texto oferecido gratuitamente pela Empresa de Engenharia Ambiental - EEA
Divulgação neste site (www.comitepcj.sp.gov.br) por iniciativa da Câmara Técnica de Saneamento (CT-SA) dos Comitês PCJ
92
Capítulo 2: Tratamento Preliminar:2.1 Introdução.
A despoluição dos córregos acontece através de vários mecanismos, sendo que osprincipais são: o tratamento do esgoto, o reuso da água e a mudança de hábito.O tratamento de esgoto pode ser definido, como a retirada de poluentes da água,através de processos biológicos, químicos ou por meio de operações físicas.O reuso da água, refere-se a seu reaproveitamento para usos menos restritivos;Como exemplo, pode ser citada a utilização da água da pia do lavatório, sendo estaretornada para água do vaso sanitário. É importante perceber que a água do vaso sanitárionão requer a presença de flúor.A mudança de hábito por parte da população podeocorrer em residências, através da diminuição da descarga dedejetos, tanto pelo vaso sanitário (papel higiênico, fios decabelo e produtos de limpeza), como pelo lavatório (restos decomida e produtos de limpeza). Nas indústrias seriamnecessárias mudanças na forma de produção, ou seja, estudara maneira de produção que forme o menor número deresíduos possível.Neste curso estaremos dando ênfase, principalmente para o tratamento de esgoto:Entretanto cabe lembramos, que a mudança de hábito e o reuso são quase sempre maiseficazes e de menor custo de implantação e operação.Ter coragem de projetar e questionar “verdades absolutas” é muito importante;infelizmente vemos que os livros editados na década de 1990 apresentam poucasmudanças tecnológicas em relação aos publicados na década de 1970.Esta apostila tentará mostrar possibilidades diferentes das convencionais, dando-se ênfase ao lado prático do Tratamento de Esgoto.É prioridade, o entendimento dos principais conceitos para que o leitor consigaassimilar com facilidade, as diferenças entre os vários tipos de unidades existentes, parase tratar águas residuárias.
 
“Questionarverdadesabsolutas émuitoimportante nosprojetos deengenharia”
 
EEA Empresa de Engenharia Ambiental Ltda. eea@eea.eng.brCurso de Tratamento de Esgoto – texto oferecido gratuitamente pela Empresa de Engenharia Ambiental - EEA
Divulgação neste site (www.comitepcj.sp.gov.br) por iniciativa da Câmara Técnica de Saneamento (CT-SA) dos Comitês PCJ
93
O tratamento de águas residuárias pode incluir várias técnicas e pode serrealizado, de maneira a garantir um grau de tratamento compatível com as condiçõesdesejadas pelo rio.As diversas fases ou graus de tratamento convencional costumam ser classificadoscomo:a)
 
Tratamento Preliminar: Destina-se à preparação das águas de esgoto para umadisposição ou tratamento subsequente. As unidades preliminares podem compreender:-
 
Grades ou desintegradores;-
 
Caixas de areia ou desarenadores;-
 
Tanques de remoção de óleos e graxas;-
 
Aeração preliminar;-
 
Tratamento dos gases.b)
 
Tratamento Primário: Além das operações preliminares poderá incluir:-
 
Decantação primária;-
 
Precipitação química;-
 
Digestão dos lodos;-
 
Disposição sobre o terreno, incineração ou afastamento dos lodos resultantes;-
 
Desinfecção;-
 
Filtros grosseiros.c)
 
Tratamento Secundário: São aqueles que apresentam tratamento biológico:-
 
Filtração biológica aeróbia;-
 
Filtração biológica anaeróbia;-
 
Lodos ativados;-
 
Reatores anaeróbios.d)
 
Tratamento Terciário: São aqueles que objetivam a remoção de nutrientes:-
 
Tratamento avançado;-
 
Tratamento combinado.
 
EEA Empresa de Engenharia Ambiental Ltda. eea@eea.eng.brCurso de Tratamento de Esgoto – texto oferecido gratuitamente pela Empresa de Engenharia Ambiental - EEA
Divulgação neste site (www.comitepcj.sp.gov.br) por iniciativa da Câmara Técnica de Saneamento (CT-SA) dos Comitês PCJ
94
2.2 Separação sólido/líquido.2.2.1 - Separação de Sólidos Grosseiros em Suspensão.
A separação de sólidos grosseiros em suspensão, presentes em efluentes líquidos podeser feita, através das operações de gradeamento e peneiramento.
a)
 
Gradeamento:
São dispositivos constituídos por barras paralelas e igualmente espaçadas quedestinam-se a reter sólidos grosseiros em suspensão e corpos flutuantes.O gradeamento é a primeira unidade de uma estação de tratamento de esgoto, sendoque essa unidade, só não deve ser prevista, na ausência total de sólidos grosseiros noefluente a ser tratado.
Tabela 1. Aberturas ou espaçamentos e dimensões das barras :Tipo de grade:Espaçamento(mm):Espessuras mais usuais(mm):
4010 e 136010 e138010 e 13
Grosseira
10010 e13208 e 10308 e10
Média
408 e 10106, 8 e 10156, 8 e 10
Fina
206, 8 e 10
Tabela 2. Eficiência do sistema de gradeamento (E):ta = 20 mma = 25 mma = 30 mm6 mm
75 %80 %83,4 %
8 mm
73 %76,8 %80,3 %
10 mm
67,7 %72,8 %77 %
13 mm
60 %66,7 %71,5 %
a: espaço entre as barras;t: espessura das barras;

Activity (138)

You've already reviewed this. Edit your review.
Beto Vieira liked this
1 thousand reads
1 hundred reads
Thiago Garbugio liked this
Petala Santos liked this
Petala Santos liked this
Raphael Gatti liked this
Marcos Vinícius liked this

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->