Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
14Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Microsoft Word - Apostila - conhecimentos gerais - PRF 2007

Microsoft Word - Apostila - conhecimentos gerais - PRF 2007

Ratings:

4.67

(9)
|Views: 2,015 |Likes:
Published by Caroline Varela

More info:

Published by: Caroline Varela on Jul 29, 2008
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/18/2013

pdf

text

original

 
 1
APOSTILA DE CONHECIMENTOS GERAIS E ATUALIDADESPOLÍCIA RODOVIÁRIA FEDERAL - 2007
CARACTERÍSTICAS DO RELEVO E DA VEGETAÇÃOBRASILIEIRARELEVO
Relevo são as formas do terreno sua modelagem, asunidades ou compartimentos que um território apresenta: osvales, as montanhas e as serras, as depressões, os planaltose as planícies, etc. O relevo se origina e se transforma pelaação de dois tipos de agente:
 
os internos ou endógenos 
, que resultam da energia dointerior do planeta e se manifestam pela dinâmica outectônica das placas, que formam os continentes e oassoalho dos oceanos, o que origina as grandesestruturas do relevo terrestre: cadeias de montanhas;bacias sedimentares; planaltos ou depressões de áreascristalinas; etc.;
 
os externos ou exógenos 
, em geral, associados ao climada área (chuvas, rios, ventos, geleiras, etc.), que criamou dão as formas esculturais ao relevo mediante umprocesso erosivo, que pode ser resumido em três fases:erosão (desgaste das rochas superficiais do localrealizado pelos rios, pelas chuvas, pelas geleiras, pelovento, etc.); transporte (dos detritos ou sedimentosresultantes da erosão até outros locais); sedimentaçãoou acumulação (deposição dos detritos, construção denovas camadas rochosas (sedimentares) sobrecamadas anteriores).No Brasil, como o território é predominantemente tropical,com elevadas temperaturas, chuvas em geral abundantes ereduzida atividade geológica interna (vulcanismo, terremotos,dobramentos), os agentes que provocam maioresmodificações no relevo, com exceção do ser humano, são oclima (chuvas, temperatura) e a hidrografia (rios).As altitudes do relevo são, em geral, modestas. Apenas umponto do país ultrapassa os 3 mil metros: o pico da Neblina(3 014 m), perto da fronteira do Amazonas com a Venezuela.Cerca de 41% do território nacional tem, no máximo, 200 mde altitude; 78% tem até 500 m; e 92,7% até 900 m.Isso se deve à inexistência no Brasil dos dobramentosmodernos. O território que atualmente configura o país nãofoi, durante o período Terciário, atingido pelos dobramentosque se verificaram na costa oeste da América do Sul, ondeoriginaram a cordilheira dos Andes.Entretanto, esse predomínio de baixas altitudes não significaque o relevo seja basicamente de planícies, como se pensouno passado.
Na realidade, o relevo brasileiro é basicamente de planaltos com alguns chapadões e serras, além de depressões, sendo que as planícies típicas ocupam menos de um quinto do território nacional.
 É importante lembrar que a diferença entre planaltos eplanícies não está apenas nas altitudes que apresentam,mas principalmente nos processos que os constituíram.As planícies são áreas mais ou menos planas, em geral —mas nem sempre — de baixa altitude e onde predomina asedimentação.Os planaltos são áreas mais acidentadas que as planícies,embora bem menos que as montanhas; além disso, salvoraras exceções, são de altitude mais elevada que asplanícies e neles predomina a erosão.
Em resumo: as planícies são relevos em construção e os planaltos são relevos em destruição.
Assim, muitas áreas outrora consideradas planícies são, defato, depressões ou planaltos de baixas altitudes (osplanaltos sedimentares ou típicos). O maior exemplo é aplanície Amazônica. Há alguns anos costumava-seconsiderar planície toda a imensa área (mais de 1 600 000km2) que margeia o rio Amazonas e seus afluentes, cujaaltitude fica entre 0m e 200m. Mas apenas cerca de 1%dessa área é planície; os 99% restantes são depressões oubaixos platôs (áreas bastante aplainadas pela erosão, cominúmeras colinas).Existem inúmeras classificações do relevo brasileiro, feitas apartir de diversos critérios.Vamos apresentar aqui uma classificação recente feita peloDepartamento de Geografia da Universidade de São Paulo edivide o território brasileiro em três principais tipos de relevo:
os planaltos, as planícies e as depressões.
Os planaltos, que são circundados ou cercados pordepressões, podem ser de duas principais modalidades, deacordo com o terreno (a estrutura geológica) sobre o qual seencontram: os de bacias sedimentares, que são os planaltossedimentares típicos; e os que se encontram em intrusões ecoberturas residuais de plataforma (isto é, coberturassedimentares de diversos ciclos de erosão, pontilhados deserras e morros isolados associados a intrusões graníticasou derrames vulcânicos antigos, juntamente com os decinturões orogênicos (ou seja, os planaltos e serras situadosem terrenos de rochas metamórficas associadas a ígneas) eos planaltos de núcleos cristalinos, que estão em áreas dedobramentos antigos soerguidos em forma de abóbodas.As planícies constituem terrenos de deposição(sedimentação) recente, de origem fluvial, marinha oulacustre. Como se observa no mapa da página seguinte,existem algumas áreas principais de planícies no país, todasassociadas a áreas de sedimentação de rios (Amazonas,
 
 2
Paraguai e afluentes, Madeira), lagoas (dos Patos e Mirim) edo mar (planícies litorâneas).As depressões existem em grande quantidade no país,sendo todas, com exceção da Amazônia ocidental, resultadode intensos processos erosivos nas bordas das baciassedimentares. A depressão da Amazônia ocidental é umaárea de baixas altitudes (ao redor dos 200 m) que margeia aplanície amazônica e, no passado, era identificada com ela.Mas essa depressão não é uma área de planícies e sim deuma forma de relevo aplainada onde predominam as baixascolinas.
VEGETAÇÃO
Vários fatores como luz, calor e tipo de solo contribuem parao desenvolvimento da vegetação de um dado local. Avegetação natural ou original de uma área constitui,geralmente, o primeiro elemento da paisagem que o serhumano modifica. Assim, um estudo (e um mapa) sobre avegetação original do Brasil será sempre relativo a algo quequase não existe mais ou que está em franco processo detransformação. Dessa forma, podemos reconhecer oito tiposprincipais de vegetação natural no território brasileiro:1.
Floresta Amazônica ou floresta latifoliada 
(refere-se aoformato das folhas, muito largas, que predominam nessavegetação) equatorial: abrange (ou abrangia) cerca de45% da área total do país, pois vem sendo intensamentederrubada nos últimos anos. É uma mata heterogênea,com milhares de espécimes vegetais (muitos ainda semclassificação científica), e perene, ou seja, sempre verde — não perde as folhas no outono/inverno, como asárvores de climas temperados e frios. É uma florestadensa e intrincada, as plantas crescem muito próximasumas das outras (além da ocorrência comum de plantasparasitas). Costuma ser dividida em três tipos de matas,de acordo com sua proximidade em relação aos rios:
 
mata de igapó 
, ao longo dos rios e permanente- menteinundada pelas cheias fluviais. Suas plantas, de menorporte, são higrófilas (adaptadas à umidade), possuindocomo espécies comuns a vitória-régia, as orquídeas, asbromélias e outras;
 
mata de várzea 
, sujeita às inundações periódicas aolongo dos rios; destacam-se a seringueira, a sumaúma eoutras;
 
mata de terra firme ou caaetê 
, que recobre os baixosplanaltos sedimentares, áreas não afetadas pelasinundações fluviais. Esse tipo de mata abrange a maiorparte da floresta Amazônica e possui plantas de maiorporte em relação aos dois anteriores, como acastanheira, o caucho, a quaruba (que chega a atingir 60m de altura), o guaraná e outras espécies.2.
Mata Atlântica ou floresta latifoliada tropical 
:correspondia, mais ou menos, ao domínio do climatropical úmido. Na atualidade, esse tipo de vegetação,onde aparecia o pau-brasil e plantas de madeira nobre(cedro, peroba e jacarandá), quase não existe; restamapenas alguns trechos esparsos em encostasmontanhosas (como na serra do Mar).3.
Caatinga 
: típica do clima semi-árido do sertãonordestino, constitui um tipo de vegetação pobre, complantas xerófilas (adaptadas à aridez), principalmentecactáceas (xiquexique, mandacaru, faveiro). Aparecemtambém arbustos e pequenas árvores, como o juazeiro,a aroeira e a braúna.4.
Mata de araucária ou floresta aciculifoliada (refere-se ao formato das folhas, finas e pontiagudas)
: corresponderia,mais ou menos, às áreas de clima subtropical.Predominam aí os pinheiros, embora apareçam tambéma erva-mate, a imbuia, diversos tipos de canela, cedros eipês. Foi, até há alguns anos, a vegetação brasileiramais aproveitada para a fabricação de móveis(especialmente no Paraná) e encontra-se quasetotalmente desmatada.5. Cerrados: próprios do clima tropical típico ou semi-úmido, são uma vegetação arbustiva e herbácea.Normalmente, o cerrado típico apresenta dois estratosde plantas: um arbóreo, com árvores de pequeno porte(a lixeira, o pau-santo, o pequi), e outro herbáceo, degramíneas ou vegetação rasteira.6.
Complexo do Pantanal 
: vegetação extremamenteheterogênea, que abrange a planície ou depressão doPantanal Mato-Grossense, onde se encontram desdeplantas higróflias (nas áreas alagadas pelo rio) até asxerófilas (nas áreas altas e secas), além de diversos
 
 3
tipos de palmeiras (buriti, carandá), gramíneas (como ocapim-mimoso) e trechos de bosques dominados peloquebracho, árvore da qual se extrai o tanino, utilizado naindústria do couro.7.
Campos 
: vegetação rasteira (herbácea) localizadaprincipalmente no sul do Brasil, onde predominamdiversos tipos de capins: barba-de-bode, gordura,mimoso, jaraguá, etc.8.
Vegetação litorânea 
: característica das terras baixas eplanícies do litoral, constitui, na realidade, vários tipos devegetação diferentes, englobadas como vegetaçãolitorânea pela proximidade do litoral. Aí aparecem osmangues ou manguezais (áreas de solos pantanosos), avegetação de praias, a das dunas e a das restingas.
HIDROGRAFIA
A rede hidrográfica brasileira reflete as elevadas condiçõesde umidade da maior parte do território nacional, podendoser considerada a mais densa do globo.Suas principais características podem ser resumidas assim:
É rica em rios, mas pobre em lagos. Por causa da suaestrutura geológica e do seu relevo, o território brasileironão possui grandes lagos, que, normalmente, são deorigem tectônica ou glaciária, mas apenas lagos debarragem marinha, como a lagoa dos Fatos e a Mirim,originados pelo acúmulo de sedimentos pelo mar (asrestingas) em áreas litorâneas. Há ainda alguns lagos oulagoas de barragem fluvial e de erosão pluvial, mas semgrande importância no conjunto da hidrografia brasileira.No tocante aos cursos de água, porém, a situação éinversa: por causa dos elevados índices pluviométricosna maior parte do país, há uma densa e importante redefluvial, com rios volumosos em grande quantidade,formando a mais rica bacia hidrográfica do globo, aamazônica, tanto pela área total que ocupa como,principalmente, pela quantidade de água que para elaconverge.
O regime de alimentação dos rios brasileiros ébasicamente pluvial (dependente de chuvas), não seregistrando a ocorrência de regimes nival (neves) ouglacial (de geleiras). Apenas o rio Amazonas depende,em parte, do derretimento da neve na cordilheira dosAndes, onde nasce, mas o grosso de sua alimentaçãoprovém mesmo das chuvas, O período de maiorescheias dos rios brasileiros é sempre o verão, com rarasexceções de alguns rios do litoral do Nordeste.
A maioria dos rios é perene, ou seja, nunca secatotalmente. Apenas alguns que nascem no sertãonordestino são intermitentes, secam totalmente emalguns meses durante o ano.
Com relação ao destino das águas fluviais, o padrão dedrenagem dos rios brasileiros é exorréico, ou seja, elesdeságuam no mar. Não há aqui drenagem endorréica(rios que deságuam em depressões no interior docontinente), nem drenagem arréica (rios que se infiltramno subsolo e aí terminam). Por causa das elevadasaltitudes na porção ocidental da América do Sul (acordilheira dos Andes), os rios brasileiros deságuam nooceano Atlântico. Mesmo aqueles que correm paraoeste, acabam fazendo uma curva ou então deságuamem outro rio que, inevitavelmente, vai para o Atlântico.
Bacias Hidrográficas
Denomina-se bacia hidrográfica a área abrangida por um rioprincipal e sua rede de afluentes (e subafluentes).Existem cinco bacias hidrográficas principais no Brasil:amazônica, do Tocantins, do São Francisco, do Paraná (ouPlatina) e do Uruguai. Alguns autores incluem a do rioTocantins na amazônica e a do Uruguai na do Paraná. Osrios que não pertencem a nenhuma dessas cinco costumamser agrupados em outras três secundárias: as baciasisoladas do Norte-Nordeste, as do Leste e as do Sudeste-Sul.
BIOMAS
 
No Brasil, com a disseminação do conceito da biodiversidadee visando ressaltar a riqueza biológica e genética, o biomatem estado sempre associado ao conceito de conservação esua visualização vem sendo buscada através da agregaçãodos ecossistemas por proximidade e regionalização.Bioma, ou formação planta - animal, deve ser entendidocomo a unidade biótica de maior extensão geográfica,compreendendo varias comunidades em diferentes estágiosde evolução, porém denominada de acordo com o tipo devegetação dominante.
A Mata Atlântica 
é o mais importante dos 6 biomasbrasileiros e um dos
hotspots 
mais valiosos da Terra. Devidoà riqueza excepcional da biodiversidade dos seusecossistemas, sua beleza natural e seu valor universal para ahumanidade, as áreas remanescentes foram declaradasReserva da Biosfera pela Unesco em 1992 e inscritas comoPatrimônio Mundial da Humanidade em 1999.
Cerrado 
é o nome regional dado à savana brasileira e selocaliza no grande platô que ocupa o planalto centralbrasileiro. Por fazer fronteira com os biomas Mata Atlântica,Caatinga, Amazônia e Pantanal, a fauna e flora do cerradosão extremamente ricas. O clima do cerrado é quente, semi-úmido, com verão chuvoso e inverno seco. O cerrado é osegundo maior bioma. Os Parques Nacionais Chapada dosVeadeiros e Emas foram declarados Patrimônio Mundial pelaUNESCO em 2001.

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->