Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more ➡
Download
Standard view
Full view
of .
Add note
Save to My Library
Sync to mobile
Look up keyword
Like this
2Activity
×
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Análise da Descentralização com Base no Orçamento Geral do Estado - Moçambique

Análise da Descentralização com Base no Orçamento Geral do Estado - Moçambique

Ratings: (0)|Views: 2,039|Likes:
Published by Michael Godet Sambo
Descentralização em Moçambique, breve análise baseada no OGE. Uma aná
Descentralização em Moçambique, breve análise baseada no OGE. Uma aná

More info:

Published by: Michael Godet Sambo on Nov 24, 2010
Copyright:Traditional Copyright: All rights reserved

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF or read online from Scribd
See More
See less

11/25/2010

pdf

 
 Análise da Descentralização com Base no Orçamento Geral do Estado(OGE) - Moçambique
Por: Michael Godet Sambo
A descentralização pode ser definida como a reforma da administração pública que visa dar aos governos distritais e municipais mais poderes de decisão, recursos e possibilidades deinteragir melhor com os cidadãos nas autarquias (cidades e vilas)
i
. Isto implica que algumasdecisões importantes sobre a vida da população sejam tomadas a um nível que permite as próprias populações participarem activamente e controlarem a sua implementação.Segundo Aghón (1996), há três formas de descentralização: (i) política, que confere maior autonomia política para o estado sub-nacional [provincial, autárquico bem como distrital]; (ii)administrativa, que transfere mais competências e (iii) económica, que confere mais recursose mais autonomia na produção de bens e serviços aos governos locais. Aghón enfatiza aimportância de se evitar exclusividade, elevando a importância de articulação entre as trêsformas
ii
.A primeira lei da descentralização em Moçambique foi aprovada pouco antes das primeiraseleições gerais de 1994. Trata-se da lei 3/94, de 13 de Setembro, que cria o quadro legal einstitucional dos distritos municipais (urbanos e rurais).
iii
 Incidindo o informe sobre a descentralização administrativa, que é onde se enquadra aquestão do orçamento, correspondem os esforços para atribuição de mais autonomia aosgovernos locais ou distritais para identificação das necessidades, planificação e prestação deserviços públicos às populações com auxílio das mesmas.O Orçamento Geral do Estado é o documento de âmbito nacional que reflecte todas asdespesas a serem incursas pelo governo, no período de um ano, para a materialização do seu plano. Com vista a reflectir os esforços de descentralização, o Orçamento Geral do Estadoinclui a alocação de recursos para os distritos de acordo aos respectivos planos degovernação. No caso concreto de Moçambique, o ³Informes Orçamentais´ de Maio/2010 (sobre IVRelatório de Execução Orçamental 2009) mostra que o total de recursos em 2009 foi de87.453 milhões de MT, dos quais 44% foram executados no âmbito provincial e 66% noâmbito central. De uma forma mais desagregada, englobando os distritos e as autarcias, adistribuição dos recursos contemplou em 5% aos distritos, 1% às autarquias, e 28% às províncias contra 66% das despesas realizadas no âmbito central.
 
 
Fonte: Informes Orçamentais3 (Maio 2010)
Segundo o ³Informes Orçamen
t
a
i
s 4´, referen
t
e ao Orçamen
t
o do Es
t
ado de 2010, o
t
o
t
a
l
derecursos d
i
spon
í
e
i
s para es
t
e ano é de 117.977 m
il
es de
M
e
ti
ca
i
s, cu
 j
a prev
i
são de gas
t
oscom as despesas púb
li
ca fo
i
propos
t
a da segu
i
n
t
e mane
i
ra
:
72% ao n
í
ve
l
cen
t
ra
l
, 22% ao n
í
ve
l
  prov
i
nc
i
a
l
e aos n
í
ve
i
s d
i
s
t
it
a
l
e au
t
rqu
i
co em
i
gua
l
proporção re
l
a
ti
vamen
t
e a 2009 (5% e1%) como mos
t
ra a f 
i
gura a segu
i
r.
Fontes: Informes Orçamentais 3 e 4
Os dados demons
t
ram um aumen
t
o na percen
t
agem dos gas
t
os a n
í
ve
l
cen
t
ra
l
em de
t
i
men
t
odos gas
t
os em despesas púb
li
cas das prov
í
nc
i
as. Porém, o ³
i
nformes´
l
embr a que mu
it
asac
ti
v
i
dades e programas são con
t
ab
ili
ados ao n
í
ve
l
cen
t
ra
l
(nomeadamen
t
e as despesas de
i
nves
ti
men
t
o) pe
l
o fac
t
o de as capac
i
dades e conhec
i
men
t
os
t
écn
i
cos nas prov
í
nc
i
as ed
i
s
t
it
os a
i
nda não es
t
arem a n
í
ve
i
s dese
 j
ados. No en
t
an
t
o, es
t
a s
it
uação da concen
t
ração dos fundos do Orçamen
t
o do Es
t
ado
l
evan
t
aques
ti
onamen
t
os quan
t
o a ex
i
s
t
nc
i
a ou não de
i
n
t
eresses de descen
t
ra
li
ação bem como
Âmbito
C
en
tral66%Âmbito Distrital5%
Âmbito Autárqui
c
o
1%ÂmbitoProvi
nc
ial28%
D
espesas Totais 2009 por Âmbito Geográfico
(milhões de Meticais)
 
0%20%40%60%80%
C
en
tralProvi
nc
ialDistritalAutárqui
c
o
Comparação da
D
istribuição das
D
espesas
Públicas por Níveis Governativos (2009 & 2010)
2009
2010
 
sobre o d
i
scurso po
líti
co do ³
distrito como pólo de desenvolvimento
´. Sobre
t
udo quando seno
t
a que o orçamen
t
o méd
i
o por d
i
s
t
it
o, dos 128 d
i
s
t
it
os segundo o padrão decon
t
ab
ili
ação, corresponde a 0,05% do OGE e por mun
i
c
í
 p
i
o, dos 43 mun
i
c
í
 p
i
os,corresponde a 0,02% que são va
l
ores equ
i
 paráve
i
s aos fundos des
ti
nados ao func
i
onamen
t
odo gab
i
ne
t
e do an
t
er 
i
or chefe de es
t
ado corresponden
t
e a 0.04%.
Fonte: cálculos com base em dados de: Informes Orçamentais 4, cip, macua.blog
C
omparados os va
l
ores méd
i
os orçados por d
i
s
t
it
o e mun
i
c
í
 p
i
o são
i
nfer 
i
ores aos va
l
oresorçados para cada órgão do governo cen
t
ra
l
como sepode ver pe
l
a f 
i
gura ac
i
ma. As ques
t
esa
l
evan
t
ar são
:
³em que cons
i
s
t
e a descen
t
ra
li
ação em
M
oçamb
i
que? Que es
t
ra
t
ég
i
as asOrgan
i
ações da Soc
i
edade
Ci
v
il
OS
C
(represen
t
ando a popu
l
ação) podem adop
t
ar para suama
i
or par 
ti
c
i
 pação na governação a n
í
ve
l
 
l
oca
l
e nac
i
ona
l
? A verdade é que as necess
i
dadesd
i
rec
t
as da soc
i
edade são sa
ti
sfe
it
as aos n
í
ve
i
s d
i
s
t
it
a
l
e mun
i
c
i
 pa
l
, e para
i
sso as OS
C
s
t
ma
l
gum pape
l
a desempenhar.
R
eferências
i
 
Fernanda Faria e Ana Chichava, Outubro de 1999
ii
 
San
ti
ago,
C
h
il
e, (2000) Desenvo
l
v
i
men
t
o Loca
l
e Descen
t
ra
li
ação na Amér 
i
ca La
ti
na
:
O
C
aso do Es
t
ado do
C
eará, Bras
il
.

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->