Welcome to Scribd. Sign in or start your free trial to enjoy unlimited e-books, audiobooks & documents.Find out more
Download
Standard view
Full view
of .
Look up keyword
Like this
41Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
ciclo das políticas públicas

ciclo das políticas públicas

Ratings: (0)|Views: 6,241|Likes:
Published by liliafro

More info:

Published by: liliafro on Nov 30, 2010
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

08/17/2013

pdf

text

original

 
Curso de Formação em Gestão de Políticas Públicas em Gênero e Raça | GPP-GeR
MÓDULO
1|Políticas Públicas e Promoção da Igualdade
UNIDADE
1|Políticas públicas: conceitos, objetivos e práticas de participação social
1
C  Pí Pú
O ciclo das políticas públicas estuda todo o processo
que vai da denição de agenda, elaboração da políti
-ca pública, sua efetiva implantação e avaliação.Tratando-se da formulação de políticas públicas,Easton (1953) constrói um paradigma para demons-trar o que entende por atividades políticas: a ativi-dade política é analisada em termos de um sistemaabarcando uma série de ações que devem permane-
cer em equilíbrio a m de que a atividade sobreviva.
Nestes sistemas, a vida política é pensada como umprocesso que engloba
inputs
(entradas ou pergun-tas), que vêm do ambiente externo (econômico, re-ligioso, cultural e de toda a sociedade civil), que setransformam em
outputs
(saídas ou respostas) e quesão as decisões políticas. Estas decisões políticasafetam diretamente o ambiente externo e resultamem novas questões e perguntas.Tomemos como exemplo, para compreensão des-te processo, a
. Imagine que umgrupo de mulheres moradoras da periferia passa arelatar o problema da inexistência de creches emseu bairro. Este grupo se associa a outros grupos demulheres de outros bairros que vivenciam o mesmoproblema. Forma-se um movimento pró-creche quepassa a discutir o direito das mulheres ao trabalhoe o direito à educação desde a primeira infância e,assim, passam a demandar políticas de educaçãoinfantil. Neste crescente, passa-se a pressionarpartidos políticos e vereadores/as para a soluçãodos problemas apontados. Conta-se com apoio depesquisadores/as e intelectuais que por meio depesquisas geram dados e
sobre o pro-blema. Criam-se os inputs: “quem cuidará/educaránossos/as bebês enquanto trabalhamos se não há,na região, políticas públicas destinadas à educaçãoinfantil?”. Consegue-se, assim, inserir este tema naagenda política do governo.
LUTA POR CRECHES
Hióia a a p cch m Sã Pa   Bai– Na écaa  1970, m mi à vcêcia  m- vim ciai, a a p cch paa a  ma i- viicaã cm ii a mh abahaa. Apa, aia q icipi, am aa pa áaa aiêcia cia, p v micipai  a-ai  p ama iiciaiva cmiáia, cm axpiêcia a “mã cchia”. S  pimi m-m a iviicaõ am xciva  mha ca ppa, a pc a a i aha api  mvim ppa,  miia Ch a Ciã Fmiia,  pa/a acamia   piai  pama  -caã  aiêcia cia. A a ampi-, iviica a caã iaicm m ii à caã  ciaa  a a ca-maa ciai. N p a Ambia Cii,ma baahaa aicaã acia ci ccaa Ciiã Baiia ai  à icã cch  ima ca, aai a caã ciaa  z a i a m cch  pé-ca. “Ov  Ea cm a Ecaã á iva mia- a aaia : aim m cch  pé-caà ciaa  z a i a  ia...” (Cii-ã Baiia, 1988, cap. III, a. 208, ici IV). Ficaaai  ii a ciaa à caã   pimi m  via. A Li  Diiz  Ba aEcaã (Li . 9.394/1996) ama q “ v  E-a cm a caã ca púbica á iva m-ia a aaia  [...]: IV – aim ai mcch  pé-ca à ciaa  z a i a ia” (T III, D Dii à Ecaã  D Dv Eca, a. 4). A a ã acab cm a icã a i.Vái mvim am ci, cm  MvimCch m Sã Pa,  Mvim  La p Cch Ri  Jai, MLPC – Mvim  La Pó C-
 
Curso de Formação em Gestão de Políticas Públicas em Gênero e Raça | GPP-GeR
MÓDULO
1|Políticas Públicas e Promoção da Igualdade
UNIDADE
1|Políticas públicas: conceitos, objetivos e práticas de participação social
2
A partir do momento em que se dá a inserção destademanda na agenda política do governo, considera-se que se iniciou o ciclo das políticas públicas, quepode ser assim esquematizado:
1) Denição da agenda;2) Formulação de políticas, com identicação
de alternativas, avaliação das opções e
seleção das opções;3) Implementação da política pública;
4) Avaliação.Mary Biancamano apresenta uma síntese deste pro-cesso:
  í -    à  ç.Vê  x  í ú   õ á   ç? Q í ú? Q ,     ? Q ,      á? Q      ? E () ()    ç í? Q  é   ,       í ú  ?
ch m Mia Gai,  , q ivam m pa-p mi impa a icã  FUNDEB – FNacia  Dvvim  Ecaã Báica q,ci p MEC, m cm ma  a aéiaavc a icã piva  a a ciaa mc  caã iai, vaiza a/ ca-a/  m. Em 2007,  ia 12  b iii cm Dia Nacia  La p Cch.Pqi  cha  pc  a  cqia i  pica púbica, cm a Dacia a Mh,a Li Maia a Pha,  Ea a Iaa Racia, aScaia  Pica paa a Mh  a Scaia Pica  Pmã a Iaa Racia. Im-b a aai iviicaõ  mvim ciaim aã a a pica púbica.
CICLO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS
I. A AGENDA (u “ r”)
É  pa  ã ci  pbma, a  maa q  “az” chm  ã cmpia ch. Pai a iaaõ - p q a pbma  a ã aa   ã?
II. A FORMULAÇÃO DE POLÍTICAS (“  r”)
a) maa  a ama- m imaõ impa;b) va, iai, picpi  iia cmbiam- cm imaõ áica pzi chcim b aã;c)  chcim mpic  maiv  ama m aõ púbica, aqi  aa.
III. A Implementação de políticas públicas
 A Impmaã cmp a a:a) iã  pbma m  apc maiv  caai;b) cmpiã  pbma;c) maã  aam  pbma  iicaã  ã aaiva;) imaiva ba;) iã  aéia  impmaã.
 
Curso de Formação em Gestão de Políticas Públicas em Gênero e Raça | GPP-GeR
MÓDULO
1|Políticas Públicas e Promoção da Igualdade
UNIDADE
1|Políticas públicas: conceitos, objetivos e práticas de participação social
3
Avaliação e Monitoramentoé um tema que será aprofun-dado no Módulo 5 - Gestão dePolíticas Públicas. No entanto,neste texto, queremos destacá-lo como etapa essencial desteciclo. É a avaliação e o monito-
ramento das políticas públicas que permitem vericar quem, defato, se beneciou da implementação de certa política pública ese ela, efetivamente, atingiu o m para o qual foi desenhada. No
momento da avaliação é que é possível responder com mais pre-cisão “que diferença fez” a implementação de determinada polí-tica. No nosso exemplo de demanda por creches, se a política fos-
se implementada, caberia vericar se os resultados atingiram as
metas previstas (números de crianças, qualidade do atendimentoetc), ou seja, se responderam, adequadamente, às questões en-dereçadas ao governo. Diante dos resultados, seriam feitos ajus-tes ou implementadas novas políticas.O que temos notado é que, embora seja possível criticar a baixautilização da avaliação de políticas públicas no Brasil, enquanto
, cada vez mais tem se percebido o seupotencial na correção do curso das políticas públicas. Têm semultiplicado seminários, congressos, ferramentas e
produzidos por institutosde pesquisas do Estado ou por organizações da sociedade civil.A avaliação tem virado parceira inseparável do planejamento, da
denição de diretrizes, objetivos e metas da administração pú
-blica. O Plano Plurianual (PPA), instituído pela Constituição de
1988, é um bom exemplo. Por meio dele são denidas as prin
-cipais ações da administração pública federal, por quatro anos,buscando responder a questões tais:
• Quais as melhores políticas para gerar mais e melhores
empregos?
• Quais são as ações para reduzir as desigualdades?• Quais são os projetos de infra-estrutura que vão receber
mais atenção e recursos?
SISTEMAS DE AVALIAÇÃODE POLÍTICAS PÚBLICAS
S vcê qi chc mai b ava-iaã  pj  pica púbica,há iv, ai, aói q vama  mia.www.i..b;www.ipa.v.b;www.ii..b;www.aapa..b;www.cpc..bOutros endereços:www.picia.v.b/a_p-icia/ppiwww.picia.v.b/a_p-icia/pm Alguns títulos: ADULIS, D. Cm paja a avaiaã m pj cia? I: Api à G-ã. Si a RITS, Ri  Jai, 2002. ARMANI, D. Cm aba pj? –Gia Páic paa Eabaã  Gã Pj Sciai. P A: Tm,2001.CHIANCA, T. Dvv a ca avaiaã m aizaõ a ci-a civi. Sã Pa: Gba, 2001.MARINO, E. Maa  Avaiaã Pj Sciai. 2. . Sã Pa: IAS –Paia Scia, 2003.MATTAR, F. N. Pqia  Maki.2. . Sã Pa: Aa S.A., 1994.REIS, L. C. Avaiaã  pj cmim  ã. I: Api à G-ã. Si a RITS, Ri  Jai, 1999. VALARELLI, L. Iica  a-  pj ciai. I: Api à G-ã. Si a RITS, Ri  Jai, 1999.
N mma avaiaã é q é pvp cm maipciã “q iaz” a impmaã miaa pica.

Activity (41)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 hundred reads
1 thousand reads
Angela Batista liked this
João Marcos liked this
Tânia liked this
Amanda Romera liked this
Marcelo Lima liked this

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->