Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
67Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
aulas

aulas

Ratings:

4.7

(10)
|Views: 12,273 |Likes:
Published by anon-228214

More info:

Published by: anon-228214 on Aug 04, 2008
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

08/07/2013

pdf

text

original

 
Plano de aula 03Períodos: 02Data:09/ 09/ 2005 1) Objetivos:
- Ler, compreender e interpretar texto.- Exercitar a leitura, observando a expressão oral.- Perceber idéias implícitas no texto.- Identificar o sujeito e o predicado nas orações, classificando o sujeito em simples oucomposto.
2) Conteúdos:
- Leitura e análise textual- Revisão de sujeito e predicado- Revisão de sujeito simples, composto.
3) Desenvolvimento:
Iniciarei a aula comentando que hoje trabalharemos com a fábula “O escorpião e a rã”,de autoria de Esopo. Direi que Esopo é um fabulista que viveu há 2500 anos na GréciaAntiga e provavelmente foi um escravo. E, que naquela época, narrando histórias simplesde bichos, criticava as más atitudes e o mau comportamento das pessoas.Entregarei o texto para os alunos em folha xerografada. A leitura do mesmo será feitainicialmente de forma silenciosa e, posteriormente, dois alunos escolhidos aleatoriamentefarão o papel dos personagens, enquanto outro fará o narrador. Logo após, perguntarei aosalunos o que significa “hesitou”, “ponderou”, “torpor” e “tolo” e se eles têm dúvida quantoa outras palavras do texto.O escorpião e a rãParado ao sol, o escorpião olhava ao redor da montanha onde morava.“Positivamente, tenho de mudar daqui” – pensou.Esperou a madrugada chegar, lançou-se por caminhos empoeirados até atingir afloresta. Escalou rochedos, cruzou bosques e, finalmente, chegou às margens do rio largo ecauteloso.“Que imensidão de águas! A outra margem parece tão convidativa... Se eu soubessenadar...”Subiu longo trecho da margem, desceu novamente, olhou para trás. Aquele riocertamente não teria medo de escorpião. A travessia era impossível.“Não vai dar. Tenho de reconsiderar minha decisão” – lamentou.Estava quase desistindo quando viu a rã sobre a relva, bem próxima à correnteza. Osolhos do escorpião brilharam:“Ora, ora... Acho que encontrei a solução!” – pensou rápido.- Olá rãzinha! Me diga uma coisa: você é capaz de atravessar este rio?- Ih, já fiz essa travessia muitas vezes até a outra margem. Mas por que você pergunta? – disse a rã, desconfiada.
 
-Ah, deve ser tão agradável do outro lado – disse. Pena eu não saber nadar.A rã já estava com os olhos arregalados:“Será que ele vai me pedir...?”- Se eu pedisse um favor, você me faria? – disse o escorpião mansamente.-Que favor? - murmurou a rã.- Bem – o tom da voz era mais brando ainda -, bem, você me carregaria nas costas atéa outra margem?A rã hesitou:- Como é que eu vou ter certeza de que você não vai me matar?- Ora, o tenha medo. Evidentemente, se eu matar vo, também morrerei – argumentou o escorpião.- Mas... e se quando estivermos saindo daqui você me matar e pular de volta para amargem?- Nesse caso eu não cruzaria o rio nem atingiria meu destino – replicou o escorpião.- E como vou saber se você não vai me matar quando atingirmos a outra margem? –  perguntou a rã.- Ora, ora... quando ao outro lado eu estarei tão agradecido pela sua ajuda que não vou pagar essa gentileza com a morte.Os argumentos do escorpião eram muito lógicos. A rã ponderou, ponderou e, afinal,convenceu-se.O escorpião acomodou-se nas costas macias da agora companheira de viagem ecomeçaram a travessia. A rã nadava suavemente e o escorpião quase chegou a cochilar.Perdeu-se em pensamentos e planos futuros, olhando a extensão enorme do rio. De repentese deu conta de que estava dependendo de alguém, de que ficaria devendo um favor para arãzinha. Reagiu, ergueu o ferrão.“Antes a morte que tal sorte” –pensou.A rã sentiu uma violenta dor nas costas e, com o rabo do olho, viu o escorpiãorecolher o ferrão.Um torpor cada vez mais acentuado começava a invadir-lhe o corpo.- Seu tolo! - gritou a rã. – Agora nós dois vamos morrer! Por que fez isso?O escorpião deu uma risadinha sarcástica e sacudiu o corpo.- Desculpe, mas eu não pude evitar. Essa é a minha natureza.EsopoLogo após, através de perguntas, farei a leitura parafrástica do texto:* Quais são os personagens da fábula?
Os personagens da fábula são o escorpião e a rã.
* Qual é o ambiente que a narrativa da fábula desenrola-se?
 A narrativa da fábula desenrola-se num rio.*
O escorpião queria que a rã o ajudasse em quê?
O escorpião queria que a rã o ajudasse a atravessar o rio para chegar a outra margem.
Em seguida, distribuirei aos alunos em folha xerografada os exercícios do texto.
 
→ Responda às questões com base na leitura do texto:O texto lido é uma fábula. As fábulas são narrativas que apresentam narrativas curtas emque se atribuem fala e comportamentos humanos a animais ou coisas inanimadas. Asatitudes dessas personagens servem como exemplo de comportamentos humanos que oautor deseja criticar. As fábulas carregam sempre uma lição de ordem moral.1-Qual foi o principal argumento utilizado pelo escorpião para convencer a rã atransportá-lo?
O escorpião convenceu a rã de que não poderia picá-la, pois se ela morresse ele seafogaria, visto que estava em cima dela.
2-Que sentimento dominou o escorpo quando ele decidiu dar na rã a ferroadafatal?
Orgulho, vaidade, já que não queria dever favor a ninguém.
3-Esta fábula trata principalmente de dois sentimentos humanos. Quais são?
Orgulho e ingratidão.O orgulho do escorpião levou-o a ser ingrato com a rã e a matá-la, ainda que isso lhe custasse a própria vida.
4-Na frase “... disse o escorpião mansamente”, percebe-se uma atitude de hipocrisiado escorpião. Por quê?
 Não sendo de natureza mansa, o escorpião assumiu essa atitude apenas paraconvencer a rã.
5-Explique a seguinte afirmação do texto: “Aquele rio certamente não teria medo deescorpião”.
 A afirmação acima quer dizer que somente o rio não tem medo de escorpião, pois todomundo teme escorpião.
6-Nesta fábula, tanto o escorpião quanto a rã apresentam alguns comportamentoshumanos. Quais são?
 Falam, pensam, têm sentimentos, emoções, etc.
Observação: na última questão conversarei com os alunos que se fizéssemos umatransposição da fábula para o mundo real, o escorpião representaria as pessoas que sãoorgulhosas, ingratas, já a rã aquelas que tem interesse em ajudar os outros, ou quemuitas vezes sentem-se obrigadas a tomar tal atitude.Assim que os alunos terminarem os exercícios, farei a correção. Após, colocarei noquadro algumas frases relacionadas a este texto e pedirei para os alunos quem é osujeito e o predicado.

Activity (67)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 hundred reads
1 thousand reads
Francisco Silva liked this
Fabiana S. Dias liked this
Larice Nayla liked this
Nanda Braz liked this
Michele Stumpf liked this
Quintino Braga added this note
Esse plano era tudo que eu estava precisado..
Everton Santos liked this
Maria Do Carmo Moreira added this note
ESSE PLANO CONTRIBUIU BASTANTE PARA MINHAS ATIVIDADES EM SALA DE AULA. MUITO DINÂMICA A METODOLOGIA...

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->