Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword or section
Like this
2Activity

Table Of Contents

0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Apostila Resumos Conceitos Pedagogia

Apostila Resumos Conceitos Pedagogia

Ratings: (0)|Views: 124 |Likes:
Published by Ju Liana
Apostila para Concurso na Educação
Apostila para Concurso na Educação

More info:

Published by: Ju Liana on Dec 23, 2010
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

08/25/2012

pdf

text

original

 
 2
 
1.
 
ANTROPOLOGIA COGNITIVA
A Antropologia Cognitiva,citada por Perrenoud, é um campoteórico-conceitual com ênfase especial no entendimento daestrutura de significação que membros de uma sociedade utilizampara construir a vida cotidiana, os significados compartilhados quefazem a vida social possível, bem como os métodos válidos queauxiliam o pesquisador a descobrir essas significações e avaliar ograu em que elas são compartilhadas e distribuídas em relação afatores sociais.A antropologia cognitiva amplia o horizonte de estudos dopensamento humano de uma forma bastante peculiar. Buscaentender as variações de pensamento e manifestaçõescomportamentais em diferentes culturas.
2.
 
APRENDIZAGEM EM PIAGET
Na concepção piagetiana, a aprendizagem só ocorre mediante aconsolidação das estruturas de pensamento, desse modo, aaprendizagem sempre se dá após a consolidação do esquema que asuporta. Para que ocorra a construção de um novo conhecimento, épreciso que se estabeleça um desequilibrio nas estruturas mentais,isto é, os conceitos já assimilados necessitam passar por umprocesso de desorganização para que possam novamente, a partirdo contato com novos conceitos se reorganizarem estabelecendoum novo conhecimento. Este mecanismo pode ser denominado deequilibração das estruturas mentais, ou seja, a transformação deum conhecimento prévio em um novo.
3.
 
AUTONOMIA
Esse conceito, tem a ver com a possibilidade do educando,paulatinamente, construir as competências e habilidades paracontinuar aprendendo por conta própria, a possibilidade de tomaras suas decisões num mundo em constante transformação.As Diretrizes Curriculares Nacionais definem autonomia como umobjetivo que se inicia no Ensino Infantil, que deve ser construído deforma gradativa e concretizado no final do Ensino Básico.Segundo Paulo Freire, o professor, progressista para trabalhar coma perspectiva da autonomia, contribui positivamente para que oeducando seja artífice de sua formação, e o ajuda no empenho dabusca de investigações, de forma crítica. É indispensável à
 
 3
experiência histórica que só acontece onde há problematização dofuturo. Um futuro não determinado, mas que pode ser mudado.O papel histórico não é só o de
constatar 
o que ocorre, mastambém o de
intervir 
como sujeito de ocorrências, não para se
adaptar,
mas para
mudar 
a realidade.Quando se trata da escola, a autonomia se refere à efetivaresponsabilidade e poder de decisão atribuídos a unidade escolar eas condições para que ela realize essa responsabilidade; tais comosuporte técnico, financeiro, recursos humanos, mecanismos deavaliação de resultados e organização da participação dos pais.
4.
 
AVALIAÇÃO
A avaliação, na educação tradicional, está restrita a uma prova, naqual os alunos sentados separadamente, em silêncio, de cabeçasbaixas realizam questões preparadas pelo professor. A estasquestões depois de corrigidas, são atribuídas notas de acordo como desempenho de cada um, a partir da perspectiva do professor.Este procedimento tenta avaliar o desempenho do aprendizado doaluno, porém, não necessariamente leva o professor a avaliar seupróprio desempenho.Na perspectiva abordada, deve levar em conta que, se a média daclasse foi satisfatória, e apenas alguns alunos não apresentaram odesempenho esperado, é possível concluir que os conteúdos foramassimilados pela maioria dos alunos e que esses modificaramatitudes e valores dos educandos. Certamente a metodologia detrabalho do professor foi bem sucedida, embora um trabalho maisindividual deva ser realizado com os alunos que não obtiveram bomdesempenho.Porém, se a média da classe foi baixa, pode-se supor que odesempenho do professor não está sendo satisfatório, que o ensinonão está sendo significativo para os alunos e que, provavelmente, ametodologia de trabalho adotada precisa de alterações.A avaliação precisa se entendida como instrumento decompreensão do nível de aprendizagem dos alunos em relação aosconceitos estudados e às habilidades desenvolvidas. Ação quenecessita ser contínua, pois o processo de construção deconhecimentos pode oferecer muitos subsídios ao educador para
 
 4
perceber os avanços e dificuldades dos educandos e, assim rever asua prática e redirecionar suas ações, se preciso.Não lugar para a avaliação autoritária ou classificatória, mas seabre um longo espaço para outros tipos de avaliação: diagnóstica,mediadora, integradora, ou por competências, dependendo daconcepção de educação, sendo com certeza, uma forma demelhorar o trabalho e acompanhar cada aluno, melhorando seudesempenho escolar e o trabalho do próprio professor.Segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais, "a avaliaçãosubsidia o professor com elementos para uma reflexão contínuasobre sua prática, sobre a criação de novos instrumentos detrabalho e a retomada de aspectos que devem ser revistos,ajustados ou reconhecidos como adequados para o processo deaprendizagem individual ou de todo o grupo. Para o aluno, é oinstrumento de tomada de consciência de suas conquistas,dificuldades e possibilidades para reorganização de seuinvestimento na tarefa de aprender. Para a escola, possibilitadefinir prioridades e localizar quais aspectos das ações educacionaisdemandam maior apoio."A avaliação é imprescindível dentro da instituição educacional,porém quando é utilizada apenas como uma forma de obtenção denúmeros pode tornar-se um instrumento de segregação do alunocom dificuldades de aprendizagem. Pode igualmente levar ataxação dos alunos de uma maneira geral, sem proporcionar aoprofessor uma visão do seu próprio trabalho e do aluno comoindivíduo, ou seja, a avaliação quando realizada desta maneira,nivela os alunos como iguais sem que haja a oportunidade deserem enxergados como indivíduos únicos.
5.
 
AVALIAÇÃO DE SISTEMAS
A avaliação de sistemas educacionais tem por objetivo olevantamento de informações relevantes, principalmente sobreacesso e qualidade educacionais de determinado sistema de ensino,de modo a subsidiar os elaboradores de políticas públicas etomadores de decisão em geral a planejar e implementar ações quevisem à melhoria do sistema avaliado.Para a avaliação de sistemas educacionais são construídosinstrumentos de avaliação, que podem ser testes de larga escala,

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->