Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
6Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Tiago Oliveira - A cientificidade das explicações dos fenômenos humanos

Tiago Oliveira - A cientificidade das explicações dos fenômenos humanos

Ratings: (0)|Views: 1,211 |Likes:
Investigação Φ Filosófica: vol. 1, n. 1, artigo digital 4, 2010.

A Cientificidade das Explicações de Fenômenos Humanos

Tiago Luís Teixeira de Oliveira PPGF / Universidade Federal de Minas Gerais

Resumo: Este trabalho propõe, em caráter ensaístico, algumas possibilidades de resposta à questão sobre ser apropriado ou não falar de ciências humanas do mesmo modo como falamos de ciências naturais. Procuramos enfatizar que tal questão surge de uma concepção errônea (de cunho positivista) do que sej
Investigação Φ Filosófica: vol. 1, n. 1, artigo digital 4, 2010.

A Cientificidade das Explicações de Fenômenos Humanos

Tiago Luís Teixeira de Oliveira PPGF / Universidade Federal de Minas Gerais

Resumo: Este trabalho propõe, em caráter ensaístico, algumas possibilidades de resposta à questão sobre ser apropriado ou não falar de ciências humanas do mesmo modo como falamos de ciências naturais. Procuramos enfatizar que tal questão surge de uma concepção errônea (de cunho positivista) do que sej

More info:

Published by: Investigação Filosófica on Jan 22, 2011
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

07/11/2014

pdf

text

original

 
 Investigação
Φ
Filosófica
: vol. 1, n. 1, artigo digital 4, 2010.
 A Cientificidade das Explicações de Fenômenos Humanos
 Tiago Luís Teixeira de OliveiraPPGF / Universidade Federal de Minas Gerais
Resumo:
Este trabalho propõe, em caráter ensaístico, algumas possibilidades deresposta à questão sobre ser apropriado ou não falar de ciências humanas domesmo modo como falamos de ciências naturais. Procuramos enfatizar que talquestão surge de uma concepção errônea (de cunho positivista) do que sejaobjetividade das ciências naturais. Valemo-nos de algumas ideias de Karl Popperpara discutir e criticar o mito do cientificismo, apontamos para o caráter históricoe social da atividade científica e, com isso, tentamos diminuir uma pretensadistância entre a cientificidade das ciências naturais e das ciências humanas. Porúltimo tratamos brevemente de alguns padrões de explicação (compreensão) dosfenômenos humanos propostos por Granger e Domingues. Nosso texto visa ser umestímulo a uma futura discussão sobre a epistemologia das ciências humanas.
Palavras-Chave:
Epistemologia. Ciências Humanas. Objetividade. Cientificismo.
 Abstract:
This paper proposes, on an essay, some possible answers to the questionabout whether is appropriate or not to speak of human sciences in the same way aswe speak of natural sciences. We tried to emphasize that this question arises froma misconception (typical from positivism) about what is objectivity of naturalsciences. We have used some ideas of Karl Popper to discuss and criticize the mythof scientism, pointed as well to the historical and social nature of scientific activityand, thus, tried to reduce an alleged gap between the scientific natural sciences andthe humanities. Finally we treat briefly of some patterns of explanation(understanding) of human phenomena proposed by Granger and Domingues. Ourtext is intended to be a stimulus to further discussion on the epistemology of thehumanities
.
 
Key words:
Epistemology. Human Sciences. Objectivity. Scientism.
1
 
 Investigação
Φ
Filosófica
: vol. 1, n. 1, artigo digital 4, 2010.
 A inevitável comparação entre ciências humanas e ciências naturais
As ciências sociais nasceram da tentativa de aplicar o mesmo rigormetodológico e a mesma capacidade explicativa das ciências da natureza aosfenômenos humanos e sociais. Os fundadores das ciências humanas perseguiramum vel de objetividade mais próximo possível do que consideravam ser aobjetividade das ciências da natureza. Augusto Comte e Émile Durkheim, porexemplo, chegaram a propor que o estudo da sociedade deveria ser uma físicasocial. Para esses primeiros cientistas sociais, a objetividade e o rigor eram osresponsáveis pelos bons resultados da ciência moderna, rigor que queriamtranspor para o estudo do complexo mundo humano.O insucesso desse empreendimento fez com que muitos pensassem ser umafalácia falar de ciências humanas. Afinal, como sustentar que o próprio sujeito sejatambém objeto de um empreendimento científico, sem que o cientista se sintapessoalmente envolvido, sem que se posicione ou manifeste seu desejo nainterpretação dos fatos sociais? A interferência da subjetividade parece ser paramuitos pensadores da atividade científica, uma fraqueza das ciências do homem eda sociedade.Alguns obstáculos se colocam para o epistemólogo na tarefa justificar acientificidade do conhecimento humano e social. O professor Ivan Domingues,citando Granger em sua obra
Epistemologia das Ciências Humanas
(2004), apelapara uma série de questionamentos do estatuto de cientificidade atribuído aoestudo dos fenômenos humanos. Em primeiro lugar Domingues cita a próprianatureza desses fenômenos, que são carregados de significações subjetivas,resistem à objetivação e à redução a esquemas abstratos manipuláveis através dalógica e da matemática. De saída, o autor corrobora a constatação de que fatoshumanos são um objeto de natureza extremamente refratária e constantementemarcada pela imprevisibilidade e liberdade.
2
 
 Investigação
Φ
Filosófica
: vol. 1, n. 1, artigo digital 4, 2010.
Mesmo um olhar atentamente analítico teria dificuldades em separar oselementos descritivos (que razoavelmente são associados à cientificidade porserem essenciais nas investigações realizadas pelas ciências da natureza) e oselementos normativos (cujas valorações se apresentam como um fator subjetivoinalienável quando o assunto é o ser humano). Há, portanto, uma relação tãoíntima entre o realizado e o desejável, o descritivo e o normativo em ciênciashumanas que muitos autores, como sublinha Gilles-Gaston Granger (citado porDomingues, 2004, pp. 85-86), considerarão um abuso o termo “ciência” para oconhecimento dos fatos humanos.
1
Popper e as ciências sociais: o problema do método e da objetividade
Essa questão, que o parece ainda resolvida de uma vez por todas,encontra diferentes explicações por parte de filósofos da ciência contemporâneos.Para Thomas Kuhn, por exemplo, falta dentre as ciências humanas uma única quese constituísse padrão e modelo paras as demais áreas do conhecimento humano esocial. O autor (Kuhn, 2006) da
Estrutura das Revoluções Científicas
2
entende queas ciências humanas são pré-paradigmáticas, e que essa ausência de uma área quedesponte e oriente as demais faz com que ainda não tenhamos uma ciência dos
1
Cf. DOMINGUES,
op. cit.
 pp. 85-86. O professor Ivan Domingues levanta essas dificuldades em definir a cientificidade das ciências humanas no capítulo 3: “Padrões de cientificidade nas ciências humanas – formas de explicação (compreensão) da realidade humano-social”. Os questionamentos do estatutocientífico para as explicações de fenômenos humanos presentes nesse texto inspiraram de nossa parte umainvestigação sobre a lógica e a objetividade das ciências do homem e sua inevitável comparação com asciências da natureza. O autor ressalta outros obstáculos à investigação do ser humano, como questõesreligiosas e filosóficas. As questões religiosas, a título de exemplo, remetem à ideia de pecado original,que obscureceu a razão humana e marcou a humanidade com o signo do erro. Os filósofos citados, por sua vez, entendem que o ser humano é insondável, o que limita nosso empreendimento científico.
2
Sobre a visão deste autor a respeito das diferenças entre ciências naturais e ciências humanas, hátambém um breve texto recentemente traduzido no Brasil: KUHN, Thomas S.
O caminho desde aestrutura.
São Paulo: UNESP, 2006. O capítulo 10 é intitulado: “As ciências naturais e as ciênciashumanas”. Esse texto foi escrito para uma mesa redonda entre o autor e Charles Taylor. Kuhn discorda datese de que as ciências naturais gozam de uma neutralidade hermenêutica, apesar de conceder que taisciências não possuem função hermenêutica, fato que as distingue inegavelmente das ciências humanas.Para o filósofo, não há nada que impeça a emergência de um padrão nos conhecimentos humanos, pois ahistória de várias ciências naturais revela que estas também passaram por fases de não-reconhecimento deum método válido.
3

Activity (6)

You've already reviewed this. Edit your review.
PaulaLaterça liked this
1 thousand reads
1 hundred reads
Silvia Helena liked this
Jpscribd liked this
Douglas Dantas liked this

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->