Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Look up keyword
Like this
1Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Conhecendo as constelações - Ariana França Clávia

Conhecendo as constelações - Ariana França Clávia

Ratings: (0)|Views: 153|Likes:
Published by Carlos Eduardo
Antes da década de 30, as constelações eram definidas como agrupamentos de estrelas na esfera celeste* que, imaginariamente, formavam figuras de personagens como pessoas, animais, objetos ou seres mitológicos. Este conceito passou a ser inconveniente para o progresso científico do século XX.
Antes da década de 30, as constelações eram definidas como agrupamentos de estrelas na esfera celeste* que, imaginariamente, formavam figuras de personagens como pessoas, animais, objetos ou seres mitológicos. Este conceito passou a ser inconveniente para o progresso científico do século XX.

More info:

Published by: Carlos Eduardo on Jan 25, 2011
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

01/25/2011

pdf

text

original

 
Conhecendo as constelações
 
 Ariana França Clávia (Monitora OAFR)
 
31/05/10
 
O QUE É CONSTELAÇÃO
 
Antes da década de 30, as constelações eram definidas como agrupamentosde estrelas na esfera celeste* que, imaginariamente, formavam figuras depersonagens como pessoas, animais, objetos ou seres mitológicos. Este conceitopassou a ser inconveniente para o progresso científico do século XX.Em 1930, Eugène J. Delporte propôs um novo conceito de constelação. Estefoi adotado pela IAU (
International Astronomical Union
- União AstronômicaInternacional) e continua em vigor até hoje, o qual determina que
constelação é adivisão da esfera celeste, geometricamente, em 88 regiões
 
ou partes.
De maneiraque, olhando para o céu de dentro da esfera celeste, qualquer objeto celeste queestiver na região de uma constelação, além das estrelas da mesma, é consideradoparte da constelação. Esse objeto pode não ter qualquer tipo de ligação astrofísicacom os outros objetos pertencentes à constelação.
N
a realidade, as estrelas e outros constituintes de uma constelaçãogeralmente não têm relação física entre si. Mas tendemos a pensar o contrário. Istoporque quando olhamos para o céu, não temos a percepção das distâncias reais dasestrelas a nós, mas apenas uma idéia da disposição delas em relação às outras naesfera celeste. Por isso, temos a impressão de que todas as estrelas, nebulosas,galáxias e outros objetos celestes, estão todas à mesma distância da Terra epróximos entre si.
N
a figura abaixo, temos um exemplo de constelação. A linha vermelha aoredor do desenho artístico de uma cruz indica a região que delimita a constelaçãodo Cruzeiro do Sul na esfera celeste. O desenho da cruz está sobre as linhasimaginárias que ligam as principais estrelas da constelação. A diferença no brilhoaparente das estrelas é representada no tamanho do desenho delas.
 
 
 
*
sfera Celeste: quando observamos o céu noturno em uma noite estrelada, temos a impressão deestarmos no meio de uma grande esfera ou abóbada (espécie de teto curvo) onde estariam incrustadasas estrelas. Isto inspirou os antigos a chamar o céu de esfera celeste. Hoje essa idéia é usada apenas para simplificar a compreensão do céu, suas regiões e mudança de posição aparente durante o decorrer da noite. Não fazem parte da esfera celeste os planetas, o Sol e a Lua por suas relações mais dinâmicasem relação à Terra.
 
ORIGEM DAS CONSTELAÇÕES
 
O ser humano desde a antiguidade possui curiosidade a respeito do céuestrelado. Isto é evidenciado em inscrições e construções antigas. O céu era vistocom certo espanto, receio, admiração e respeito. O desconhecimento das causascientíficas dos fenômenos astronômicos instigava o ser humano a destinar valoresdivinos aos astros celestes.
 
As constelações foram inventadas pelo ser humano. Cada povo e tribopossuíam suas próprias constelações. Às vezes, coincidia que quase o mesmoconjunto de estrelas tinha nome e significado diferentes para povos diferentes.Guardar a forma ou a localização dessas figuras no céu não era um trabalho fácil, eassim, criavam mitos e histórias sobre as constelações.Com o tempo, os povos perceberam que as constelações podiam ser úteis.Era possível identificar os períodos de caça, agricultura e pesca. Serviam paradeterminar a passagem do tempo, as estações do ano e o clima. Foram feitoscalendários inspirados nos fenômenos celestes (como os períodos lunares esolares). Demarcaram a trajetória do Sol durante o ano usando as constelações que
 
chamaram de Zodíaco (dependendo da posição do Sol no Zodíaco, sabiam-se ascondições do clima e as estações do ano).
 
Atualmente, as constelações não possuem a mesma importância daantiguidade. Mas ainda são úteis para os estudos astronômicos, como por exemplo,indicar direções no Universo e tornar mais fácil a identificação de astros no céu.Existem estrelas que são utilizadas para direcionar equipamentos de navegaçãoespacial, como a Canopus, da constelação Carina, a Formalhaut, do Peixe austral, eSírius, do Cão maior.
 
Algumas constelações só podem ser vistas completamente por alguém quese encontra num hemisfério terrestre. Por exemplo, a Ursa Menor, por quem estáno Hemisfério
N
orte, e o Octante, por quem está no Hemisfério Sul.
 
Das 88 constelações reconhecidas pela União Astronômica Internacionalhoje, mais da metade foram descritas primeiramente pelos gregos antigos. CláudioPtolomeu (127-145 d.C.), baseando-se provavelmente no catálogo de estrelas doastrônomo grego Hiparco (século II a.C.), atualizou o mesmo e organizou asestrelas em 48 constelações, registradas em seu sétimo e oitavo livro
 Almagesto.
 Entre o século XVI e XVII d.C., astrônomos europeus, navegantes e cartógrafoscelestes, adicionaram novas constelações às de Ptolomeu, principalmente feitaspelos europeus que primeiro exploraram o Hemisfério Sul: o astrônomo JohannesHevelius, os holandeses, Frederick de Houtman, Pieter Dirkszoon Keyser e GerardMercator, o astrônomo francês
N
icolas Louis de Lacaille, e outros.
 
As 88 constelações ocidentais
 
Segundo a União Astronômica Internacional, a esfera celeste está divididaem 88 partes. Abaixo, estão seus nomes em latim e sua tradução para oportuguês:
 
Andromeda, Andrômeda (mit.)
 
Antlia, Bomba de Ar
 
Apus, Ave do Paraíso
 
Aquarius, Aquário
 
Aquila, Águia
 
Ara, Altar
 
Aries, Áries (Carneiro)
 
Auriga, Cocheiro
 
Boötes, Pastor
 
Caelum, Buril de Escultor
 
Camelopardalis, Girafa
 
Cancer, Câncer (Caranguejo)
 
Canes Venatici, Cães de Caça
 
Canis Major, Cão Maior
 
Canis Minor, Cão Menor
 
Capricornus, Capricórnio
 
Carina, Quilha (do
N
avio)
 
Cassiopeia, Cassiopéia (mit.)
 
Cetus, Baleia
 
Chamaeleon, Camaleão
 
Circinus, Compasso
 
Columba, Pomba
 
Coma Berenices, CabeleiraCorona Australis, Coroa Austral

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->