Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
1Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
C. S. Lewis - Cristianismo Puro e Simples

C. S. Lewis - Cristianismo Puro e Simples

Ratings: (0)|Views: 14 |Likes:
Published by Elfa Negra

More info:

Published by: Elfa Negra on Jan 27, 2011
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

01/27/2011

pdf

text

original

 
C. S. L
EWIS
CRISTIANISMO PURO E SIMPLES
Livro I
O CERTO E O ERRADO COMO CHAVES PARA ACOMPREENSÃO DO SENTIDO DO UNIVERSO
Tradução: Álvaro Oppermann e Marcelo Brandão CipollaRevisão de tradução: Luiz Gonzaga de Carvalho Neto e Marcelo Brandão CipollaRevisão técnica: Omar de Souza
 
Martins Fontes
São Paulo 2005
Índice
PrefácioIntrodução
Livro I
- O certo e o errado como chaves para acompreensão do sentido do universo
1.
A lei da natureza humana................................
2.
Algumas objeções.............................................
3.
A realidade da lei..............................................
4.
O que existe por trás da lei.............................
5.
Temos motivos para nos sentir inquietos.......
 
Prefácio
O conteúdo deste livro foi originalmente divulgadona forma de programas de rádio antes de ser publicadoem três volumes separados
1
:
 Broadcast Talks
(1942),
Christian Behaviour 
(1943) e
 Beyond Personality
(1944). Nas versões impressas, fiz pequenos acréscimos àquiloque falei ao microfone; mas, em linhas gerais, mantive otexto tal como fora ao ar. Na minha opinião, uma "con-versa" pelo rádio deve manter-se o mais próxima possívelda linguagem oral e não deve soar como um ensaioacadêmico lido em voz alta. Em meus programas, por-tanto, empreguei todas as contrações e coloquialismosusados nas conversas cotidianas. Nas edições impressas,reproduzi este modo de falar, usando
don't 
e
we've
emvez de
do not 
e
we have
2
.
E toda vez que, nos colóquiosradiofônicos, eu sublinhara a importância de uma pa-lavra com o tom de voz, publiquei-a em itálico. Hoje,tendo a pensar que isso foi um erro — um híbrido in-desejável entre a arte da fala e a da escrita. Um palestrantedeve usar a variação da voz como instrumento deênfase, pois esse método é próprio ao meio de co-municação empregado. Já um escritor não deve utilizar os
1
Neste texto, encontra-se apenas o volume 1.
2
 
Em inglês, as formas verbais não abreviadas são mais formais, e poderiam soar pretensiosas ao público a que C. S. Lewis se dirigia. (N. do T.)

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->