Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
58Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Sentença e Coisa Julgada

Sentença e Coisa Julgada

Ratings:

5.0

(6)
|Views: 9,724 |Likes:
Published by Thiago Graça Couto
Aula de 09/08/2008
Aula de 09/08/2008

More info:

Published by: Thiago Graça Couto on Aug 15, 2008
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/03/2013

pdf

text

original

 
 
P
ÓS
‐G
RADUAÇÃO EM
D
IREITO
P
ROCESSUAL
C
IVIL
 
S
ENTENÇA E
C
OISA
J
ULGADA
 
09/8/2008
Prof.
 
Ronaldo
 
Cramer
 
Thiago
 
Graça
 
Couto
 
thiagocouto@gmail.com
 
I
 
 –
 
Coisa
 
Julgada
 
Conforme
 
Liebman,
 
é
 
a
 
imutabilidade
 
dos
 
efeitos
 
da
 
sentença.
 
Entretanto,
 
é
 
fundamental
 
ressaltar
 
que
 
tal
 
assertiva
 
é
 
aplicável
 
ao
 
Judiciário.
 
Ou
 
seja,
 
as
 
partes,
 
se
 
estiverem
 
de
 
acordo,
 
e
 
o
 
direito
 
for
 
disponível,
 
poderão
 
modificar.
 
A
 
coisa
 
 julgada
 
não
 
repercute
 
no
 
plano
 
da
 
vida
 
(material),
 
mas
 
apenas
 
no
 
plano
 
processual.
 
I.1
 
 –
 
Natureza
 
Jurídica
 
Para
 
Liebman,
 
é
 
uma
 
qualidade
 
que
 
adere
 
aos
 
efeitos
 
da
 
sentença
 
transitada
 
em
 
 julgado.
 
I.2
 
 –
 
Pressuposto
 
Processual
 
Negativo
 
A
 
coisa
 
 julgada
 
é
 
funciona
 
como
 
um
 
pressuposto
 
processual
 
negativo,
 
eis
 
que
 
a
 
sua
 
existência
 
impede
 
a
 
evolução
 
do
 
processo
 
ao
 
mérito.
 
 Art.
 
267.
 
Extingue
se
 
o
 
 processo,
 
sem
 
resolução
 
de
 
mérito:
 
quando
 
o
 
 juiz
 
acolher 
 
a
 
alegação
 
de
 
 perempção,
 
litispendência
 
ou
 
de
 
coisa
 
 julgada;
 
I.3
 
 –
 
 
Fenômeno
 
de
 
Relevância
 
Processual
 
O
 
que
 
ocorre
 
no
 
plano
 
material
 
não
 
tem
 
relação
 
com
 
a
 
coisa
 
 julgada.
 
I.4
 
 –
 
Coisa
 
Julgada
 
Formal
 
e
 
Coisa
 
Julgada
 
Material
 
Coisa
 
Julgada
 
Formal
 
é
 
a
 
imutabilidade
 
da
 
sentença
 
no
 
próprio
 
processo
 
em
 
que
 
foi
 
proferida.
 
Os
 
efeitos
 
são
 
apenas
 
dentro
 
do
 
processo
 
(endoprocessuais
 
ou
 
intraprocessuais).
 
O
 
Código
 
de
 
Processo
 
Civil
 
não
 
faz
 
alusão
 
à
 
Coisa
 
Julgada
 
Formal.
 
Coisa
 
Julgada
 
Material
 
é
 
a
 
imutabilidade
 
dos
 
efeitos
 
da
 
sentença
 
em
 
qualquer
 
processo.
 
Os
 
efeitos
 
são
 
para
 
fora
 
do
 
processo
 
(panprocessuais
 
ou
 
extraprocessuais).
 
Toda
 
sentença
 
faz
 
coisa
 
 julgada
 
formal,
 
mas
 
apenas
 
a
 
definitiva
 
faz
 
coisa
 
 julgada
 
material.
 
A
 
sentença
 
terminativa
 
(Art.
 
267)
 
faz
 
apenas
 
coisa
 
 julgada
 
formal.
 
I.5
 
.1
 
 –
 
Reproposição
 
de
 
Ações
 
Repetidas
 
onde
 
 já
 
foi
 
proferida
 
sentença
 
terminativa
 
A
 
doutrina
 
clássica
 
autoriza
 
a
 
repropositura
 
de
 
ação
 
idêntica.
 
 
Freddie
 
Didier,
 
entende
 
que
 
deverá
 
haver
 
uma
 
interpretação
 
do
 
Art.
 
268
 
do
 
CPC
 
no
 
sentido
 
de
 
que
 
a
 
ação
 
 
poderia
 
ser
 
reproposta
 
caso
 
tenha
 
sigo
 
corrigido
 
os
 
vícios
 
anteriores.
 
Para
 
Freddie,
 
por
 
ser
 
a
 
coisa
 
 julgada
 
formal
 
um
 
fenômeno
 
endoprocessual,
 
não
 
seria
 
ela
 
que
 
impediria
 
a
 
propositura
 
de
 
nova
 
ação
 
idêntica,
 
mas
 
sim
 
uma
 
imutabilidade
 
não
 
classificada
 
em
 
homenagem
 
ao
 
respeito
 
das
 
decisões
 
 judiciais.
 
Luiz
 
Eduardo
 
Ribeiro
 
Mourão
 
defende
 
que
 
a
 
coisa
 
 julgada,
 
tanto
 
formal,
 
quanto
 
material,
 
valem
 
para
 
todos
 
os
 
processos,
 
motivo
 
pelo
 
qual
 
a
 
nova
 
ação
 
seria
 
extinta
 
em
 
função
 
do
 
pressuposto
 
processual
 
 
Comment [T1]:
Barbosa
 
Moreira
 
entende
 
que
 
é
 
situação
 
 jurídica.
 
Comment [T2]:
Qualidade
 
de
 
imutabilidade
 
perante
 
o
 
Poder
 
Judiciário.
 
Comment [T3]:
Coisa
 
Julgada
 
e
 
Sua
 
Revisão
 
 –
 
Eduardo
 
Talamini.
 
Comment [T4]:
Art.
 
268.
 
Salvo
 
o
 
disposto
 
no
 
art.
 
267,
 
V,
 
a
 
extinção
 
do
 
processo
 
não
 
obsta
 
a
 
que
 
o
 
autor
 
intente
 
de
 
novo
 
a
 
ação.
 
A
 
petição
 
inicial,
 
todavia,
 
não
 
será
 
despachada
 
sem
 
a
 
prova
 
do
 
pagamento
 
ou
 
do
 
depósito
 
das
 
custas
 
e
 
dos
 
honorários
 
de
 
advogado.
 
 
 
P
ÓS
‐G
RADUAÇÃO EM
D
IREITO
P
ROCESSUAL
C
IVIL
 
S
ENTENÇA E
C
OISA
J
ULGADA
 
09/8/2008
Prof.
 
Ronaldo
 
Cramer
 
Thiago
 
Graça
 
Couto
 
thiagocouto@gmail.com
 
negativo
 
da
 
coisa
 
 julgada.
 
Em
 
outras
 
palavras,
 
a
 
maior
 
parte
 
das
 
sentenças
 
terminativas
 
faz
 
coisa
 
 julgada
 
formal
 
com
 
efeitos
 
extraprocessuais.
 
I.6
 
 –
 
Eficácia
 
da
 
Sentença
 
É
 
um
 
ato
 
do
 
Estado
 
que
 
tem
 
eficácia
 
perante
 
todos.
 
Toda
 
sentença
 
tem
 
eficácia
 
erga
 
omnes
.
 
I.7
 
 –
 
Limites
 
Objetivos
 
da
 
Coisa
 
Julgada
 
Os
 
perfis
 
de
 
limites
 
objetiso
 
e
 
subjetivos
 
da
 
coisa
 
 julgada
 
foram
 
criados
 
para
 
se
 
definir
 
quando
 
a
 
mesma
 
se
 
faz
 
presente.
 
Para
 
que
 
isso
 
ocorra,
 
é
 
preciso
 
que
 
existam
 
tantos
 
limites
 
objetivos
 
como
 
subjetivos.
 
O
 
limite
 
objetivo
 
consiste
 
NO
 
QUE
 
foi
 
atingido
 
pela
 
coisa
 
 julgada
 
e
 
não
 
pode
 
ser
 
mais
 
 julgado
 
em
 
nenhum
 
outro
 
processo.
 
Os
 
Art.s
 
468
 
e
 
469
 
do
 
CPC
 
definem
 
que
 
o
 
limite
 
objetivo
 
é
 
o
 
dispositivo
 
(conteúdo)
 
da
 
sentença.
 
 Art.
 
468.
 
 A
 
sentença,
 
que
 
 julgar 
 
total 
 
ou
 
 parcialmente
 
a
 
lide,
 
tem
 
 força
 
de
 
lei 
 
nos
 
limites
 
da
 
lide
 
e
 
das
 
questões
 
decididas.
 
 Art.
 
469.
 
Não
 
 fazem
 
coisa
 
 julgada:
 
I
os
 
motivos,
 
ainda
 
que
 
importantes
 
 para
 
determinar 
 
o
 
alcance
 
da
 
 parte
 
dispositiva
 
da
 
sentença;
 
Il 
a
 
verdade
 
dos
 
 fatos,
 
estabelecida
 
como
 
 fundamento
 
da
 
sentença;
 
III
a
 
apreciação
 
da
 
questão
 
 prejudicial,
 
decidida
 
incidentemente
 
no
 
 processo.
 
O
 
relatório
 
e
 
a
 
fundamentação
 
NÃO
 
fazem
 
coisa
 
 julgada.
 
Tal
 
medida
 
visa
 
evitar
 
o
 
conflito
 
práticos
 
entre
 
sentenças
 
e
 
não
 
teórios.
 
Em
 
outras
 
palavras,
 
não
 
gera
 
conflitos
 
na
 
vida
 
social
 
a
 
divergência
 
de
 
fundamentações
 
mas
 
convergência
 
de
 
disposições.
 
I.8
 
 –
 
Limites
 
Subjetivos
 
da
 
Coisa
 
Julgada
 
Saber
 
QUEM
 
foi
 
atingido
 
pela
 
coisa
 
 julgada
 
e
 
não
 
pode
 
mais
 
modificá
la
 
em
 
nenhum
 
outro
 
processo.
 
 Art.
 
472.
 
 A
 
sentença
 
 faz
 
coisa
 
 julgada
 
às
 
 partes
 
entre
 
as
 
quais
 
é
 
dada,
 
não
 
beneficiando,
 
nem
 
 prejudicando
 
terceiros.
 
Nas
 
causas
 
relativas
 
ao
 
estado
 
de
 
 pessoa,
 
se
 
houverem
 
sido
 
citados
 
no
 
 processo,
 
em
 
litisconsórcio
 
necessário,
 
todos
 
os
 
interessados,
 
a
 
sentença
 
 produz
 
coisa
 
 julgada
 
em
 
relação
 
a
 
terceiros.
 
1.9
 
 –
 
Princípio
 
do
 
Dedutível
 
e
 
do
 
Dedutivo
 
Art.
 
474
 
CPC.
 
É
 
um
 
dispositivo
 
redundante,
 
eis
 
que
 
apenas
 
reafirma
 
o
 
conceito
 
e
 
a
 
autoridade
 
da
 
coisa
 
 julgada.
 
Comment [T5]:
Incisos
 
II,
 
III
 
(após
 
a
 
perempção)
 
e
 
VIII
 
do
 
Art.
 
267.
 
 
 
P
ÓS
‐G
RADUAÇÃO EM
D
IREITO
P
ROCESSUAL
C
IVIL
 
S
ENTENÇA E
C
OISA
J
ULGADA
 
09/8/2008
Prof.
 
Ronaldo
 
Cramer
 
Thiago
 
Graça
 
Couto
 
thiagocouto@gmail.com
 
 Art.
 
474.
 
Passada
 
em
 
 julgado
 
a
 
sentença
 
de
 
mérito,
 
reputar 
se
ão
 
deduzidas
 
e
 
repelidas
 
todas
 
as
 
alegações
 
e
 
defesas,
 
que
 
a
 
 parte
 
 poderia
 
opor 
 
assim
 
ao
 
acolhimento
 
como
 
à
 
rejeição
 
do
 
 pedido.
 
1.10
 
 –
 
Sentenças
 
que
 
náo
 
fazem
 
coisa
 
 julgada
 
(material)
 
Toda
 
sentença
 
transita
 
em
 
 julgado,
 
mas
 
não
 
necessariamente
 
produzem
 
coisa
 
 julgada
 
(material).
 
Não
 
fazem:
 
a.
 
Sentença
 
nas
 
relações
 
continuativas,
 
como
 
ação
 
de
 
alimentos,
 
conforme
 
o
 
Art.
 
471
 
I
 
CPC;
 
b.
 
Sentença
 
terminativa;
 
c.
 
Sentença
 
no
 
processo
 
cautelar,
 
conforme
 
art.
 
810
 
CPC;
 
d.
 
Sentença
 
no
 
processo
 
de
 
 jurisdição
 
voluntária,
 
conforme
 
Art.
 
1111
 
do
 
CPC;
 
e.
 
Sentença
 
inexistente.
 
1.11
 
 –
 
Relativização
 
da
 
Coisa
 
Julgada
 
Sendo
 
a
 
coisa
 
 julgada
 
um
 
princípio
 
constitucional,
 
poderá
 
ser
 
relativizado
 
se
 
posto
 
em
 
conflito
 
com
 
outro
 
princípio
 
constitucional.
 
Ação
 
Rescisória
 
não
 
é
 
relativização
 
da
 
coisa
 
 julgada,
 
eis
 
que
 
relativização
 
consiste
 
em
 
afastar,
 
enquanto
 
a
 
rescisória,
 
como
 
o
 
próprio
 
nome
 
diz,
 
rescinde
 
a
 
coisa
 
 julgada
 
após
 
considerá
la.
 
1.12
 
 –
 
Coisa
 
Julgada
 
Coletiva
 
Coisa
 
 julgada
 
segundo
 
o
 
resultado
 
do
 
processo
 
(secundum
 
eventum
 
litis).
 
O
 
Art.
 
103
 
do
 
CDC
 
reproduz
 
essa
 
lógica.
 
 Art.
 
103.
 
Nas
 
ações
 
coletivas
 
de
 
que
 
trata
 
este
 
código,
 
a
 
sentença
 
 fará
 
coisa
 
 julgada:
 
I
erga
 
omnes,
 
exceto
 
se
 
o
 
 pedido
 
 for 
 
 julgado
 
improcedente
 
 por 
 
insuficiência
 
de
 
 provas,
 
hipótese
 
em
 
que
 
qualquer 
 
legitimado
 
 poderá
 
intentar 
 
outra
 
ação,
 
com
 
idêntico
 
 fundamento
 
valendo
se
 
de
 
nova
 
 prova,
 
na
 
hipótese
 
do
 
inciso
 
I
 
do
 
 parágrafo
 
único
 
do
 
art.
 
81;
 
II
ultra
 
 partes,
 
mas
 
limitadamente
 
ao
 
grupo,
 
categoria
 
ou
 
classe,
 
salvo
 
improcedência
 
 por 
 
insuficiência
 
de
 
 provas,
 
nos
 
termos
 
do
 
inciso
 
anterior,
 
quando
 
se
 
tratar 
 
da
 
hipótese
 
 prevista
 
no
 
inciso
 
II
 
do
 
 parágrafo
 
único
 
do
 
art.
 
81;
 
 
Comment [T6]:
Sentença
 
proferida
 
nos
 
processos
 
em
 
que
 
faltam
 
os
 
pressupostos
 
processuais
 
de
 
existência,
 
ou
 
as
 
que
 
não
 
contem
 
os
 
elementos
 
constitutivos
 
de
 
fato
 
ou
 
direito
 
para
 
existir.
 

Activity (58)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 hundred reads
1 thousand reads
Marilene Souza added this note
esclarecedor
Havenna Lira liked this
Raissa Ávila added this note
Gostei!
Tais Daiane liked this
Natielly Andrade liked this
Rubens Filho liked this
Marina Nunes liked this

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->