Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
3Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA (Promulgação PR)

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA (Promulgação PR)

Ratings: (0)|Views: 2,131|Likes:
Procedimento legislativo parlamentar: maiorias de votação exigidas; votação na especialidade; situações de promulgação/veto obrigatória(o)/vedada(o); promulgação, veto político e envio de diploma para fiscalização preventiva da constitucionalidade; acórdãos de pronúncia, declaração e julgamento do TC.
Procedimento legislativo parlamentar: maiorias de votação exigidas; votação na especialidade; situações de promulgação/veto obrigatória(o)/vedada(o); promulgação, veto político e envio de diploma para fiscalização preventiva da constitucionalidade; acórdãos de pronúncia, declaração e julgamento do TC.

More info:

Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

01/29/2013

pdf

text

original

 
CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA
Nota:
os apontamentos apresentados foram recolhidos em aula práticade Direito Constitucional II, leccionada pela Exma. Professora DoutoraJuliana Coutinho.
 
Procedimento legislativo parlamentar (continuação)
o
 
M
aiorias de votação exigidas
(
em relação ao número dedeputados presentes)
 
 
M
aioria simples ou relativa
 
maioria-regra ao nível doprocedimento legislativo parlamentar
(
artigo 116.º,n.º3 CRP);
 
 
M
aioria absoluta
 
 
aprovação pela maioria de 230deputados, exigindo-se, pelo menos, 116 deputados
(
artigo 168.º, n.º5 CRP);
 
 
M
aioria qualificada de 2/3
y
 
A
rtigo 168.º, n.º6 CRP;
 
y
 
A
rtigo 293.º, n.º1 CRP
(
aprovação da lei-quadropor maioria de 2/3 dos deputados);
 
y
 
A
rtigo 286.º, n.º1 CRP
(
aprovação de revisãoconstitucional por maioria de 2/3 dosdeputados).
 
o
 
V
otação na especialidade
(
continuação)
 
 
N
a maior parte dos casos, em comissão, havendohipótese de avocação do texto, ou parte dele, paravotação na especialidade pelo Plenário;
 
 
A
rtigo 58.º Regimento
A
R
 
quóruns de funcionamentoe de deliberação nas comissões.
 
o
 
Situações de promulgação obrigatória
 
A
rtigo 286.º, n.º3 CRP
 
 
promulgação obrigatória
derevisão constitucional;
 
 
Decorrido o prazo de 20 dias para promulgação e nocaso de não se verificar a situação prevista no artigo279.º, n.º4 CRP, há lugar a
promulgação obrigatória
.
Oveto não pode ser tácito, tem de ser expresso
.
 
y
 
Excepção
:
quando existe uma confirmação dodiploma, nos termos do artigo 279.º, n.º4 CRP, oPresidente da República
(
PR) não é obrigado apromulgar, podendo vetar politicamente.Vetando politicamente, a
A
R confirma e o PRpromulga normas constitucionais. Isto fazsentido num Estado de Direito democrático
(
artigo 2.º CRP), o que já não acontece apósdeclaração de inconstitucionalidade,consequente veto jurídico e posterior vetopolítico, podendo o Presidente da República,
deacordo com a doutrina
 
, nomeadamente oProfessor Doutor Jorge Miranda, não promulgar,exercendo um veto tácito
(
veto de bolso),prática ortodoxa e discutível
(
recordar apolémica relativa à promulgação do EstatutoPolítico-
A
dministrativo da Região
A
utónoma dos
A
çores). O fim do decorrer do prazo de 20 diasconduz à caducidade do diploma, visando, comisto, um
equilíbrio do conflito entre o TribunalConstitucional e a Assembleia da República
 
,algo que, em termos práticos, nunca sucedeu.
 
 
o
 
Situações de promulgação vedada
 
A
rtigo 278.º, números 4 e 7 CRP
(
promulgação como leiorgânica)
 
o Primeiro-Ministro ou 1/5 dos deputados à
A
ssembleia da República podem requerer a fiscalizaçãopreventiva da constitucionalidade, num prazo de 8dias. Daí que o Presidente da República tenha deesperar 8 dias para dar hipótese de os referidos órgãosde soberania requererem a fiscalização, estando apromulgação vedada nesses 8 dias.
 
o
 
Situações de veto obrigatório
 
Veto jurídico é sempre obrigatório após declaração deinconstitucionalidade do Tribunal Constitucional
(
artigo279.º, n.º1 CRP)
 
o
 
Situações de veto vedado
 
A
rtigo 278.º, números 4 e 7 CRP
 
tal como sucede coma promulgação vedada, se pretender vetar, oPresidente da República tem de esperar 8 dias;
 
 
O PR não pode vetar uma lei de revisão constitucional.
 
o
 
S
e um diploma, em procedimento legislativo parlamentar, foraprovado em votação final global, temos um
decreto da AR
,posteriormente enviado para o
Presidente da República
, queo pode
:
 
y
 
Promulgar
 
(
artigo 134.º, alínea b) CRP + artigo136.º, n.º1 CRP + artigo 137.º, n.º1 CRP)
 
o
 
Posteriormente,
referenda ministerial
 
(
artigo 134.º, alínea b) CRP + artigo 140.ºCRP) e
publicação
 
(
artigo 119.º, números 1e 2 CRP).
 

Activity (3)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 hundred reads
1 thousand reads
carmixa liked this

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->