Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
12Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Uma vida de teoria e práxis: entrevista com Jacob Gorender

Uma vida de teoria e práxis: entrevista com Jacob Gorender

Ratings: (0)|Views: 689 |Likes:
Entrevista concedida no dia 7 de agosto de 1988 na cidade de São Paulo por Jacob Gorender. Participaram da entrevista Renato Rocha Pitzer e Ricardo Figueiredo de Castro
Entrevista concedida no dia 7 de agosto de 1988 na cidade de São Paulo por Jacob Gorender. Participaram da entrevista Renato Rocha Pitzer e Ricardo Figueiredo de Castro

More info:

Published by: Ricardo Figueiredo de Castro on Feb 04, 2011
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/12/2013

pdf

text

original

 
UMA
VIDA
DE
TEORIA
E
PRÁXIS
Uma
entrevista
com
Jacob
Gorender*
Entrevista concedida no dia 7 de agosto do corrente na cidade de São Paulo. A
versão
final
foi
gentilmente revista pelo entrevistado. Participaram da entrevista Renato Rocha
Pitzer
eRicardoFigueiredodeCastro.
Revista
Arrabaldes.
Ano
l,
n-2,
set/dez. 1988
135
 
APRESENTAÇÃO
Jacob
Gorender
nasceu em
1923
na cidade de Salvador. Apesar de sua vida modesta pôdeestudar e, em
1942,
ingressou na Faculdade de Direito de Salvador, abandonando-a no ano se-guinte. Ainda em
1942,
por intermédio de Mário Alves, entrou para o Partido Comunista, do qualsó sairia em
1967.
Em
1943
apresentou-se como voluntário à FEB (Força Expedicionária Brasilei-
ra),
sendo enviado
à
Itália
em
1944, combatendo
7
meses
na
linha
defrentee
retornando
ao
Brasil
em
1945.
Neste mesmo
ano,
foi para o Comitê
Municipal
e Estadual do PCB baiano. Em fins de1946, se transfere para o Rio de Janeiro, trabalhando na redação
da Voz
Operária.
Após 1951,
foi
para
o
Comitê Estadual
de São
Paulo,
aí
permanecendo
a
1953,
quando,
de
volta
ao Rio, foi
indicado professor dos cursos internos para dirigentes e quadros do Partido. Em 1954, foi eleito,
no IV
Congresso
do
PCB,
membro suplente
do
Comitê Central
e, em
1960,
eleito
membro
efetivo.
Em
1967,
discordando da política desenvolvida pelo 'Partidão', sai do PCB
para
fundar o PartidoComunista Brasileiro Revolucionário
(PCBR)
juntamente com outros ex-dirigentes do PCB, den-
tre
eles, Apolônio
de
Carvalho
e
Mário Alves. Neste período, sobreviveu,
já na
clandestinidade,como
tradutor,
não
cogitando
da
possibilidade
de ir
para
o
exílio.
Na
data
de seu
47
e
aniversário,em 20 de janeiro de 1970, foi preso pelo
DEOPS
(Departamento Estadual de Ordem Política e So-cial) onde foi torturado, sendo, depois de dois meses transferido dali para o Presídio Tiradentes eposto em liberdade em outubro de
1971.
De
1976
a
1984
trabalhou como
Editor
de Planejamentoda
Abril
S/A Cultural e Industrial, coordenando a coleção
'Os
Economistas'. Desde 84, desenvolve
as
atividades
de
editor, jornalista, conferencista
e
pesquisador.Preocupado
com os
problemas brasileiros, Gorender sempre
se
destacou como grandeconhecedor
da
história
do
país
e, por
volta
de
1967,
insatisfeito com as
soluções
teóricas
dadas
pelos pensadores brasileiros sobre a natureza do modo de produção que presidiu o Brasil Colônia
e
Império, propôs-se a estudar
este
período. Orientou-se pela hipótese de que
teria
existido noBrasil um modo de produção específico, que não se confundiria com o escravismo clássico, com
o
feudalismo
nem com
qualquer
outro
modo
de
produção. Tratar-se-ia
de um
Modo
de
Produção
Escravista
Colonial.Embora
a
produção
do
professor Gorender
se
realizou sempre
à
margem
dos
centrosacadêmicos, os frutos de seu autodidatismo acabaram penetrando nas universidades, devido àdensidade e erudição que lhe são característicos.
O escravismo
colonial
hoje é obra
indis-
pensávelaoestudiosodasociedade brasileira. Alémdeseus trabalhos voltados paraahistória,Gorendersempre desenvolveu a atividade de jornalista escrevendo artigos, em particular nos di-
versos
jornais da esquerda brasileira. Como intelectual marxista, soube equilibrar uma grande so-
lidez
teórica com a militância política.
.
A
entrevista
realizada porARRABALDES
respeitou
o
seguinte roteiro: procurou-se discutirmais detidamente
O
escravismo colonial,
as polêmicas que trava com a historiografia prece-
dente
e
aquelas
outras que a
obra
suscita.
Assim, procuramos debater
os
seus
principais críticos
e
adeptos. Posteriormente, entramos
na
discussão sobre
a
conformação
da
burguesia brasileira
e
os embates desenvolvidos pela esquerda nas décadas de 60 e 70 para derrubá-la. De qualquerforma, a entrevista é um saudável passeio por sua obra, tentando resgatar alguns artigos e en-
saios menosconhecidos
do
público
mais
amplo
e
algumas
questões
que não
encontram espaçoem livros. É indispensável grifar que o nosso entrevistado, pela sua amabilidade e solicitude, faci-litou muito o trabalho de
ARRABALDES.
ARRABALDES
-
Professor,
no
início
á'O
Escravismo colonial
1
,
o
senhor
faz
uma tipologia da produção intelectual das ciências humanas que o precedeu,
dividindo-a
em três grandes
tipos. Gostaríamos
que o
senhor
situasse
esta dis-cussão e desse, em linhas gerais, a caracterização do Modo de Produção Es-cravista Colonial.GORENDER
- Mas
isso
é
muito complicado para expor assim,
em
poucas
pa-
lavras (Risos). Eu acredito que nas "Reflexões
metodológicas",
que compõema introdução do meu
livro
O
Escravismo colonial,
esteja bastante claro o motivoda escolha do tema, decorrente da metodologia marxista, que coloca o modo de
produção como
o
sistema
básico da formação social. Pode existir mais de ummodo de produção numa formação social. No entanto, o modo de produção do-minante é o fundamental. Ele subordina os demais modos de produção etambém condiciona as características principais de todas as formas de vida so-
cial, institucional, ideológica,
etc.
ARRABALDES
- Mas
como surge
a
idéia
de um
modo
de
produção específico
-
escravista colonial
- na sua
formulação?
Em que
momento
da sua
produção?GORENDER
-
Isso
se
relaciona
a
aspectos
de
minha biografia,
de
como ela-borei este livro. A minha concepção de história é a de uma ciência que orienta aação revolucionária. Nunca tinha sido historiador profissional, mas fui
revolu-
cionário profissional e até
hoje
me dedico a trabalhar pela revolução no Brasil.
Consideroque a
história
é um
conhecimento
científico
indispensável
para
que
umaperspectiva revolucionária acertada seja estabelecida. Nas épocas passa-das, os revolucionários não precisavam conhecer teorias científicas. Não exis-tia nada que pudesse reivindicar o título de história científica. Apesar disso, re-voluções foram
feitas.
Para
isso,
os
revolucionários receberam orientação
de
certas ideologias, até mesmo religiosas. Mas, nos tempos atuais, as revo-luções, que possuem a perspectiva socialista, precisam da história como ciên-cia que forneça o fio do desenvolvimento da sociedade, de cada formação so-
cial.
O meu interesse pela história nasceu das perplexidades que as interpre-tações historiográficas correntes na esquerda brasileira ocasionavam, sobretu-do após a derrota de 1964. No meu último livro,
Combate nas
trevas
2
,
procurei
reproduzir
o
clima
de
indagações, perplexidades, inquietações
e
busca
de ca-
minhos
que
aquela derrota provocou.
E foi
nesse clima
-
principalmente após
o
livro
de Caio Prado Júnior,
A Revolução brasileira
3
,
um acicate, com notável re-percussão
- que me
propus
a
fazer
um
estudo sistemático
da
história
do
Brasil,
ainda
que em
condições
muito
acidentadas.
Considerava
que a produção
exis-
tente
-
tanto
por
parte
de
Caio Prado Júnior, historiador
de
grande envergadura,como
por
outros
do
mundo acadêmico
- não
respondia satisfatoriamente
às
questões então colocadas. Passei, então, a pesquisar ainda na clandestinidade.Depois sobreveio
a
prisão
-
enfim, dificuldades nada rotineiras. Apesar disso,consegui em 1976, já em liberdade, terminar a redação. Durante o processo depesquisa, compreendi que deveria limitar-me a definir o Modo de Produção Es-cravista Colonial. Esta idéia, ainda mal delineada, surge para mim por volta de1969, já, portanto, na primeira fase da pesquisa. Estava de inteiro acordo comCaio Prado sobre a questão de que não existira feudalismo no passado brasilei-ro. No entanto, Caio Prado não definiu nenhum modo de produção: esta catego-
ria não
existe
nos
seus
trabalhos.
O que ele
definiu
foi um
sistema
colonial.
ARRABALDES
- O
senhor
não
considera
que
Caio Prado
tem
sido utilizado
por
diferentes correntes historiográficas?
136
ArrabaldesArrabaldes
137
 
GORENDER
- Ele se
tornou,
de
fato,
o
historiador marxista
de
maior influência
no
meio universitário.Ele é,digamos sim,uma dasfiguras germinativasdetodauma escola historiográfica que ainda possui grande força na Universidade deSão Paulo e em outras universidades brasileiras. (Teve grande influênciatambém
na
Unicamp
4
-
agora
na
Unicamp
a
moda
é
diferente, para pior!)(RISOS). Tal escola se manifesta na historiografia geral e na historiografiaeconômica. No entanto, como já mencionei, Caio não definiu um modo de pro-
dução.
Para mim,
havia um
modo
de produção, um escravismo no
Brasil
e nas
Américas,particularmente
no
Brasil
-
diferente
do
escravismo
da
Antigüidade
-
e
que definia um Modo de Produção Escravista Colonial. Não publiquei nada arespeito, pois não tinha condições de publicar e também não queria publicar na-
da
antes de dispor do trabalho inteiramente pronto. Mais tarde, acredito que porvolta de 1974, tomei conhecimento do trabalho de Ciro Cardoso, publicado emespanhol numa coletânea argentina
5
e que constitui a parte teórica de sua tesede doutoramento. Ele publicou este seu trabalho em
1973,
antes que eu tivessepublicado o meu. Reconheço o seu pioneirismo, não há disputas a respeito. Écoincidente minha opinião a propósito da existência do Modo de Produção Es-
cravista
Colonial com a posição de Ciro Cardoso.
ARRABALDES
- De
qualquer forma,
o
senhor
vai
discutir
-
desenvolvendo
e
respeitando
-
muito mais
as
posições
de
Caio Prado Júnior
do que a de
outrosautores como Nelson Werneck Sodré, Alberto Passos Guimarães e, até mes-mo, Ignácio Rangel. Por que essa escolha? Qual a postura desses autoresdentro desse universo?
GORENDER
- Na
ocasião, estava claro para
mim com que
concepções
me
defrontava
no
universo
da
esquerda
-
porque sempre tive isto
em
vista
- e
também no ambiente acadêmico, com o qual só tinha contato através de livros,já que naquela época quase não
possuía
nenhum contato pessoal nesse meio.
Mas
conheciaboaparte, certamenteamais relevante,daprodução universitá-ria.
Estava
claro para
mim que
deveria
enfrentar
as
teses
do
chamado
feuda-lismo no passado brasileiro, porque eram as teses do Partido Comunista Brasi-
leiro
-
cujos principais representantes
no
plano
da
historiografia eram NelsonW. Sodré
e
Alberto Passos Guimarães
- e, ao
mesmo tempo,
as
teses
de
maisprestígio no meio acadêmico, justamente aquelas emanadas de Caio Prado Jú-
nior
6
.
Na
época,
elas se impunham, em particular no
trabalho
de Fernando No-
vais,queveioaconstituirumcapítulode seulivro
Portugal e Brasil na crise do
antigo
sistema colonial
7
.
ARRABALDES
- Que foi
publicado
nos
Cadernos Cebrap
8
...GORENDER
-
Sim. Foram tiradas várias edições
e
causava
furor
no
começo
dos
anos setenta, tendo grande
influênciano meio
universitário.
Esse
trabalho
seinspiravanateoriadadependência
9
, tambémemvoganosanos60 e 70. Porconseguinte, isso
me
levou
a
enfrentar
as
teses
de
Caio Prado Júnior
e
lhes
dei
maior destaque.
Na
edição revista
e
ampliada
que fiz em 1985, dei
mais forçaainda à discussão da concepção capitalista do escravismo, visto que a con-cepção feudal está praticamente cadavérica, isto é, poucos a defendem.
ARRABALDES
- A
concepção capitalista ainda
tem
grande força, representadabasicamente por
Novais
10
.
GORENDER
- Em
parte
por
Novais
e
revitalizada,
nos
últimos anos, pela
es-
cola
americana chamada
New Economia History
(Nova História Econômica)deFogel
e
Engerman
11
,
que tem
influência atualmente
no
Brasil, principalmente
138
Arrabaldes
nas universidades aqui de São Paulo
e,
de certo modo, do Rio de Janeiro. Por
ser
esta concepção a que se apresenta com mais força, na edição revista
d'
O
Escravismo
colonial^
2
ela
ganhou maior espaço
no meu
texto.
ARRABALDES
- Em
1978,
Ignácio Rangel
na
Revista Encontros
com a
Civili-
zação
Brasileira™,
publicou um artigo criticando a concepção de Modo de Pro-dução Escravista
Colonial
e
defendendo
sua
tese
da
dualidade básica
da
eco-nomia brasileira, acusando o senhor de dogmatismo e de inventor de modos de
produção.
Como
o
senhor enfrenta essa postura?GORENDER
-
Ignácio Rangel escreveu
um
artigo
-'estou
tentando reproduzir
de
cabeça, porque deixei
de
pensar nesse assunto
- que
era, inexplicavelmen-te, ofensivo até do ponto de vista pessoal, onde ele me citava como um aprovei-tador da
onda
de marxismo no Brasil, com aquela abertura, lenta, gradual e se-
gura.
Tive de responder e,
inclusive,
cheguei a
prometer
que
iria discutir
a sua
posição, acrescentando elementos ao que havia exposto no meu livro. Masnunca cheguei a
fazer
isso. Tinha
uma vida muito difícil, necessitava trabalharnaquela
época,
para ganhar
o pão de
cada dia. Trabalhava numa empresa
- em
regime
de
empresa,
o dia
inteiro
- e
outras preocupações intelectuais
me
pare-
ciam
mais proveitosas
do que me
meter numa
polêmica
sobre
a
dualidade bási-
ca
14
(Risos). Eu considerava que, no meu livro, o fundamental já havia sido dito.Rangel expôs novamente a questão da dualidade básica, porque ela estavaperdida num livro que não foi mais reeditado. Chegou mesmo a escrever que osseus amigos consideravam que,da suaprodução, estaé aparte menos impor-tante, mas ele não acha
assim.
Voltou ao assunto na
Revista de Economia
Polí-
í/ca
15
,
e recentemente
durante
uma homenagem a Caio Prado
Júnior
em
Marília,
na
"Jornada
de Ciências
Sociais"
que a Universidade
EstaduaJ
de São Paulo, a
UNESP,
promoveu. É uma teoria que eu não sei se tem mais de um adeptoalém do próprio Ignácio Rangel.
ARRABALDES
- Ela é
muito
inlestina
aos
economista...GORENDER
- Não
conheço
nenhum
historiador
ou
economista,
que
tenha
usado semelhante categoria para desenvolver qualquer tema. Nem o próprioRangel, na minha opinião, trabalhou com ela para desenvolver um tema espe-cial, além de uma teoria geral, a nível muito rarefeito de abstração. Rangel con-sidera que o Brasil sempre teve relações de
produção
internas de um
tipo,
aco-pladas a relações de produção externas de outro
tipo.
Há sempre essa dualida-de que atravessa os tempos. Ou seja, o Brasil, no passado, foi internamenteescravismo
e
externamente feudalismo; depois, feudalismo internamente, capi-talismo externamente e assim por diante.ARRABALDES
- As
combinações
binárias...
GORENDER
-
Combinações binárias interno-externas. Como era,
na
minhaopinião, uma teoria
estéril,
não vi motivos para respondê-la. Existem coisasmais interessantes a fazer, para quem tem tão pouco tempo como eu.ARRABALDES
- E
quanto
à
polêmica
com o
Fernando Novais?
O
senhor
a
considera suficientemente resolvida,
respondida,.
ríO
Escravismo Colonial
ou
acha
que ela
deva
ser
respondida
com
mais vigor ainda?
Por
exemplo:
a
polê-mica sobre a tese do
circulacionismo,
de se definir um modo de produção pelacirculação
e não
pela
produção...
GORENDER
- Não
sei. Creio que,
do
ponto
de
vista polêmico,
eu
disse
o
prin-cipal
que
tinha
a
dizer. Fernando Novais
- um
ntelectual simpático
do
ponto
de
vista pessoal
- não
rouxe novas contribuições
ao
assunto, depois
de seu
ivro.
Arrabaldes
139

Activity (12)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 thousand reads
1 hundred reads
dgpenna liked this
Felipe Ferreira liked this
Nelson Viana liked this
Juliano Medeiros liked this
PA Peá liked this
Carolina Peters liked this

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->