Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Look up keyword
Like this
17Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
direito penal

direito penal

Ratings: (0)|Views: 538 |Likes:
Published by esley-79

More info:

Published by: esley-79 on Feb 11, 2011
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

03/25/2013

pdf

text

original

 
DIREITO PENALPARTE GERALMulher honesta só tem cabimento em posse sexual mediante fraude. Fontes materiais(produção) do direito penal União e Estados (Questões específicas). Formais imediatasé a lei e a mediata são os costumes e os princípios gerais do direito ANTES DA EC 45.Essa teoria está ultrapassada, Pelo fato de que após a EC 45 a teoria afirma que asfontes imediatas são as leis (única capaz de regular direito incriminador, CF, TIDH, JURISPRUDÊNCIAS. As fontes mediata é a doutrina. Os costumes são agora fontesinformais. Tratados internacionais de direitos humanos,
tem status constitucional
seaprovados com quorum de emendas constitucional. Uma lei ordinária que infrige umtratado internacional está sujeito a constrole de constitucionalidade. Porém os tratadosinternacionais tem status supralegais se aprovados com quorum comum. Supralegaissão os tratados que ficam abaixo da constituição e acima da lei ordinária. Os tratadosaprovados com quorum comum supralegais tem controle de constitucionalidade difuso.Princípios:
Princípios relacionados com a missão fundamental do direito penal
(proteção exclusiva de bens jurídicos). O direito penal deve proteger os bens jurídicosmais relevantes para o homem. Principio da intervenção mínima que afirma que odireito penal deve ser aplicado quando estritamente necessário, mantendo-sesubsidiário e fragmentário. O direito penal é seletivo se preocupa apenas com os fatoshumanos. Só interessa pro direito penal os fatos humanos indesejados, subsidiariedadequando todos os demais ramos do direito forem ineficazes (ultima ratio) intervêm noscasos em abstrato. Fragmentariedade O direito penal só intervêm no caso relevante eintolerável lesão ou perigo de lesão ao bem jurídico tutelado intervêm no caso concreto(principio da bagatela ou insignificância). O principio da insignificância tem comorequisitos do principio da insignificância como a mínima ofensividade da conduta,nenhuma periculosidade da ação, reduzido grau de reprovabilidade do comportamentoinexpressiva lesão jurídica. O stf entende ser cabível nos crimes contra a administraçãopública, verifica a realidade econômica do pais e não da insignificância para a lesão davítima que é posição do STJ. Em ambos os tribunais não se aplica o principio dainsignificância quando se tratar de crime contra a fé pública (Moeda Falsa).Principio relacionado com o fato do Agente, o estado só pode incriminar condutashumanas voluntárias, isto é, fatos. É o direito penal do Fato que é diferente do direitopenal do Autor que pune o indivíduo pelo modo de pensar pelo seu estilo de vida.Principio da ofensividade para que ocorra o delito é imprescindível que ocorra lesão ouperigo de leo ao bem judico tutelado. Com base nesse principio o STF oreconhece crime no
porte de arma desmuniciada
(sem munição e sem capacidadede pronto municiamento).Principio relacionado a responsabilidade pessoal. Não é possível a denúncia genéricapois não define a responsabilidade de cada agente. Principio da responsbilidadesubjetiva em que o agente só pode ser responsabilizado pelo fato: a) fato previsto maisquerido( dolo direto), previsto mais aceito (dolo eventual), previsto mais oaceito(culpa consciente) imprevisível (culpa inconsciente). Desta forma não responsabilidade penal objetiva sempre pressupõem dolo ou culpa.
Principio daCulpabilidade
para punição de alguém é exigido a agente capaz,potencialconsciência da ilicitude sendo dele exigível conduta diversa. O principio da igualdadematerial podendo ser tratado os desiguais na medida de suas desigualdades. A LEI10.259/01 (LJF) revogou a lei 9.099/95. Que trata das infrações penais de menorpotencial ofensivo com pena até 2 anos e com rito especial. Não existe presunção deinocência e sim de presunção de não culpabilidade de acordo com a Constituiçãofederal. Porém o Tratado internacional de direitos humanos tipifica a presunção deinocência. Princípios relacionados com a pena. Proibição da pena indigna, principio da
 
humanização das penas. Principio da proporcionalidade a pena deve ser proporcional agravidade da infração. A pena é intranscedente, porém os efeitos da condenação seestender aos seus sucessores.AULA 78- Relão de causalidade- pode ser absolutamente ou relativamenteindependente. As absolutamente a causa efetiva o se origina da outra. Erelativamente a causa efetiva se origina direta ou indiretamente da outra. Ambaspodem ser: Preexistente(causa efetiva é anterior a concorrente), concomitante(causaefetiva ocorrer ao mesmo tempo que a concorrente) ou superveniente(a causa efetivaé posterior a concorrente). Concausas o as diversas causa que levaram aoresultado. Se as concausas forem absolutamente independentes responde o agentepela tentativa. As causas relativamente independentes preexistente responde pelaconsumação se o agente conhecia a causa preexistente. As causas relativamenteindependentes concomitantes responde pela consumação. As concausas relativamenteindependentes supervenientes exclui a imputação quando por si produziu oresultado os fatos anteriores são imputados são as chamadas causas imprevisíveis. Ascausas por si só produz o resultado responde por tentativa e se não por si só produz oresultado responde por consumação. O por si só é imprevisível e o não por si só oresultado é previsível. A infecção hospitalar é similar ao erro médico respondendo oagente por consumão. No assunto concausas relativamente independentesuperviniente o mais se aplica causalidade simples, mas sim a causalidadeadequada. Entende-se por causalidade adequada somente haverá imputação doresultado ao agente se, no conjunto das causas, fosse sua conduta, consoante asregras de experiência comum, a mais adequada a provocão do resultadoconcorrente.Aula 78 1-23. PARTE ESPECIALCrimes contra a vida. Não é um direito absoluto. A vida intra-ulterina surge coma nidação. A vida extra-ulterina é a partir do início do parto. Na progressão criminosa oagente responde de fato com a consunção do crime mais grave. Concurso materialduais ou mais ações ou omissões com dois ou mais crimes. O critério em relação apena é o critério do cúmulo material em que as penas são somadas homogêneo osdelitos são da mesma espécie e heterogêneo os delitos são distintos. Concurso Formalmediante uma ação pratica dois ou mais crimes. Podendo ser próprio o critério para aaplicação da pena será o da exasperação de 1/6 até a ½. Concurso formal impróprio.No cuncurso formal impróprio o agente quer realizar ambos os delitos a pena é docúmulo material como se fosse o concurso material quando os crimes concorrentesresultam de desígnos autônomos. No formal próprio é o ação no antecedente e culpano conseqüente. Crime continuado é uma ficção jurídica criada em favor do acusadotendo como requisito duas ou mais ações ou omissões que pratique dois ou mais
crimes da mesma espécie
devendo ser do mesmo tipo penal. Homogeneidade decircunstâncias de tempo, lugar, modus operandi. O prazo para a reiteração decondutas deverá ser no prazo de 30 dias. O critério para aplicação da pena é o daexasperação da pena. A súmula 605 do STF está ultrapassada pelo artigo 71 é possívelcontinuidade delitiva contra a vida, podendo a pena ser aumentada até o triplo. Épossível a condenação de alguém sem o cadáver, porém quando desaparecerem osvestígios a prova testemunhal poderá suprir a ausência do corpo de delito direto, esseé o chamado exame de corpo de delito indireto. O exame pericial é realizado por 1
 
perito. Lei Maria da penha poderá ser comprovada a violência física por boletimmédico.DOLO- é a consciência e vontade de praticar a ação penal, dolo direto de 1 grau trata-se do fim desejado pelo agente, dolo de 2 grau é conhecido como dolo deconseqüências necessárias. Culpa é a inobservância do dever objetivo de cuidadocausadora de um resultado não desejado mas objetivamente previsível.FURTO QUALIFICADO- I-quando for praticado com destruição ou rompimento deobstáculo da coisa. Se a violência for exercida sobre o próprio objeto visado não incidea qualificadora. Para a jurisprudência a subtração de objetos que se encontram nointerior do veículo mediante rompimento de obstáculo faz incidir a qualificadora dofurto. Se houve rompimento há necessidade de exame pericial se perito oficial basta 1e não oficial basta 2.II- Com abuso de confiança ou mediante fraude, escalada ou destreza. Geralmente écometido pelo empregado doméstico é conhecido como famulato. a posse é vigiadaquando é desvigiada o delito é de apropriação indébita. Furto mediante fraude édiferente de estelionato. No furto qualificado pela fraude, o meio fraudulento servepara afastar a vigilância exercida sobre a coisa, a fim de que o agente possa subtraí-laa transferência da posse é unilateral. EX: se faz passar por funcionário de empresa eentra na residência e subtrai as coisas. Porém no estelionato a fraude é usada paraenganar a vítima fazendo com que essa entregue a coisa ao agente de maneiravoluntária o estelionato é bilateral. Entende a jurisprudência que o sujeito passivo é ainstituição bancária que tem o seu sistema de vigilância burlado pelo agente. O delitode furto consuma-se no local em que a coisa é retirada da esfera de disponibilidade davítima, leia-se onde está localizada a a agência da conta-corrente onde é efetuado osaque o prejudicado é a vítima. III- Escalada tem como pressuposto o ingresso doinfrator no local por meio anormal penetrando no local por um caminho anormal.Destreza é um meio de peculiar física ou manual o agente é extremamente habilidosocom as mãos ex: batedor de carteira. Deve a vítima trazer o bem junto ao corpo. III-Com emprego de chave falsa. a cópia da chave é fraudulenta qualificando como chavefalsa. IV- Mediante concurso de duas ou mais pessoas. Não é necessária a presença dedois executores, incidindo a qualificadora em qualquer hipótese de concurso depessoas, podendo ter um autor intelectual. O inimputável também qualifica o crime.formação de quadrilha é associação de mais de 3 pessoas para uma prática de umasérie indeterminada de crimes. Consuma-se este delito independentemente da práticados delitos para os quais os agente se associaram. Se porventura tais delitos forempraticados os agente deveram responder por esses crimes e pelo delito de quadrilhaem concurso material. Para os tribunais não confugura bis in idem não o crime deformão de quadrilha e roubo majorado pelo emprego de arma, em virtude daautonomia e independência do delito. Quadrilha para a prática de crimes hediondos eequiparados a pena é de 3 a 6 anos admitindo a delação premiada. O artigo 8 da leidos crimes hediondo não é crime autônomo mas uma majorante de pena desta forma ocrime é do art 288 com a pena do artigo 8°. V furto de veiculo que venha a sertransportado para outro estado.Roubo- é um crime complexo, sendo uma fusão de furto e de constrangimento ilegal. Oroubo próprio está previsto no art 157 a violência é exercida antes da subtração dacoisa caput e no roubo impróprio 157§ 1 que a grave ameaça é exercida depois dasubtração. Grave ameaça é a promessa de fazer mal a vítima (simulação do empregode arma) deve ser sob a perspectiva da vítima subjetivamente. A violência é umemprego de força física sob o corpo da vítima. A violência pode ser não apenas noemprego de força física mas porém pode ocorrer uma violência imprópria que secaracteriza por qualquer meio que retire ou afaste a possibilidade de resistência devítima. Se a própria vítima se coloca em condições de incapacidade de oferecerresistência, o crime será o de furto. No crime de roubo se a violência for imprópria

Activity (17)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 hundred reads
1 thousand reads
Carlos Diesson liked this
manicos liked this
Talita Hernandes liked this
Biana Magalhaes liked this
Fabinho Santos liked this

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->