Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
9Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
PROVA ufpa 2011

PROVA ufpa 2011

Ratings: (0)|Views: 1,538 |Likes:
Published by Cursinho Sotestes

More info:

Published by: Cursinho Sotestes on Feb 18, 2011
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/24/2013

pdf

text

original

 
 
SEUNIVCENTR
PROC19 d
EDITAL N.º 8/2010
Nome:
LEIA COM M
1
Este BOLETIM DE QUESTÕES contémde Geografia, 5 de Física, 5 de QuímiEstrangeira). Cada questão apresenta ciuma é correta.
2
Esta prova está redigida conforme o Acor
3
Confira se, além deste BOLETIM DE QUdas questões objetivas.
4
É necessário conferir se a prova está cocom os dados contidos no CARTÃO-RE
sala.
 
5
A marcação do CARTÃO-RESPOSTA de
6
O CARTÃO-RESPOSTA não pode ser ddestinados às respostas. Não é permiticontiver falha de impressão.
7
O CARTÃO-RESPOSTA é o único docucomo rascunho e não valerá, sob hipótes
8
Ao término da prova, devolva ao fiscal dA assinatura do seu nome deve correspo
9
O tempo disponível para a prova é de
q
Belém-PA. O candidato na condição detenha, previamente, solicitado esse temp
10
Reserve os 20 minutos finais destinados
R
 
VIÇO PÚBLICO FEDERALRSIDADE FEDERAL DO PARÁO DE PROCESSOS SELETIVOS
SSO SELETIVO 201dezembro de 2010 
OPERPS
  ⁄  
UFPA
(01
de setem
N.º de Inscr
 OLETIM DE QUESTÕES
UITA ATEO AS INSTRES SEGUINTE
5
QUESTÕES OBJETIVAS
(5 de Língua Portuguesa, 5a, 5 de Biologia, 5 de Literatura, 5 de Filosofia,co alternativas, identificadas com as letras
(A)
,
(B)
,do Ortográfico da Língua Portuguesa (1990).STES, você recebeu o CARTO-RESPOSTA destipleta e sem falhas, bem como se o seu nome e sePOSTA.
Caso exista algum problema, comuniqu
e ser feita com caneta esferográfica de
tinta preta (p
obrado, amassado, rasurado, manchado ou contera a utilização de qualquer espécie de corretivo. Oento considerado na avaliação. O BOLETIM DE QUalguma, para efeito da correção.sala todo o material relacionado no item 3 acima eder àquela que consta no seu documento de identific
uatro horas
, com início às 8 horas e término às 1cD tem direito a 1 (uma) hora além do tempo deteradicional ao CEPS.prova para a marcação do CARTO-RESPOSTA.
1
 
 
ro de 2010)
ção:
S.
de Matemática, 5 de História, 5de Sociologia e 5 de Língua
C)
,
(D)
e
(E)
, das quais apenasnado à marcação das respostasnúmero de inscrição conferem
-o imediatamente ao fiscal dereferencialmente) ou azul.
 ualquer registro fora dos locaisCartão só será substituído seSTES deve ser usado apenasssine a LISTA DE PRESENÇA.ação.horas, observado o horário deinado para a prova, desde que
PS 2011
Edital N.º 8/2010
 
 PROCESSO SELETIVO 2011
EDITAL N.º 8/2010 COPERPS
  ⁄  
UFPA
 
2
PS 2011
LÍNGUA PORTUGUESALeia o texto “A minha subida ao Everest”, de José Saramago, para responder às questões de 01 a 05.
A minha subida ao Everest010203040506070809101112131415161718192021222324252627282930313233343536Seja por causa da pressão atmosférica ou efeito de embaraço gástrico, há dias em que nos pomos aolhar o transcurso passado da nossa vida e o vemos vazio, inútil, assim como um deserto de esterilidadespor cima do qual brilha um grande sol autoritário que não nos atrevemos a olhar de frente. Qualquer recantonos serviria então para recolher a vergonha de não termos alcançado um simples patamar donde outrapaisagem mais fértil se mostrasse. Nunca como nessas ocasiões se toma maior consciência de quanto édifícil este aparentemente imediato ofício de viver, que não parece sequer requerer aprendizagem.É nesses momentos que fazemos decididos projectos de exaltação pessoal e nos dispomos a modificaro mundo. O espelho é de muito auxílio no dispor das feições adequadas ao modelo que vamos seguir.Mas sobe a pressão, o bicarbonato equilibrou a acidez – e a vida vai andando, cambaia como selevasse um prego no tacão e uma invencível preguiça de o arrancar. De modo que o mundo será de factotransformado mas não por nós.Não estarei, contudo, cometendo grave injustiça? Não haverá no deserto uma súbita ascensão que delonge ainda precipite a vertigem ímpar que é o lastro denso que nos justifica? Por outras palavras, e maissimples: não seremos todos nós transformadores do mundo? um certo e breve minuto da existência não seráa nossa prova, em vez de todos os sessenta ou setenta anos que nos couberam em quinhão?Mal é se vamos encontrar esse minuto num passado longe, ou no momento não temos olhos paraoutras ascensões mais próximas. Mas talvez haja aí uma escolha deliberada, consoante o lugar ondefalamos do nosso deserto pessoal ou os ouvidos que nos escutam.Hoje, por exemplo, seja qual for a razão, estou a ver, à distância de trinta e muitos, uma árvoregigantesca, toda projectada em altura, que parecia, na lezíria circular e lisa, a haste de um grande relógio desol. Era um freixo de couraça rugosa, toda fendida na base, e que desenvolvia ao longo do tronco umasucessão de tufos ramosos, como andares que prometiam uma escada fácil. Mas eram, pelo menos, trintametros de altura.Vejo um garoto descalço rodear a árvore pela centésima vez. Ouço o bater do seu coração e sinto-lheas palmas húmidas das mãos e um vago cheiro de seiva quente que sobe das ervas. O rapazinho levanta acabeça e vê lá no alto o topo da árvore que se agita lentamente como se estivesse caiando o céu de azul.Os dedos do pé descalço firmam-se na casca do freixo, enquanto o outro pé balouça o impulso quefará chegar a mão ansiosa ao primeiro ramo. Todo o corpo se cinge contra o corpo áspero e a árvore decertoouve as pancadas surdas do coração que se lhe entrega. Até o nível das outras árvores antes conquistadas,a agilidade e a segurança alimentam-se do hábito. Mas, a partir daí, o mundo alarga-se subitamente, e todasas coisas, até então familiares, se vão tornando estranhas, pequenas, é como um abandono de tudo – e tudoabandona o rapaz que sobe.Dez metros, quinze metros. O horizonte roda devagar e cambaleia quando o tronco, cada vez maisdelgado, oscila ao vento. E há uma vertigem que ameaça e não se decide nunca. Os pés arranhados sãocomo garras que se prendem nos ramos e não os querem largar, enquanto as mãos buscam frementes aaltura, e o corpo se contorce contra o corpo vertical da árvore. O suor escorre, e de repente um soluço seco
MARQUE A ÚNICA ALTERNATIVA CORRETA NAS QUESTÕES DE 01 A 55.
 
 
 PROCESSO SELETIVO 2011
EDITAL N.º 8/2010 COPERPS
  ⁄  
UFPA
 
3
PS 2011
37383940414243444546irrompe à altura dos ninhos e dos cantos das aves.É o soluço do medo de não ter coragem. Vinte metros. A terra está definitivamente longe. As casasrasteiras são insignificantes, e as pessoas é como se tivessem desaparecido, e de todas apenas restasse orapaz que sobe – precisamente porque sobe.Os braços já podem cingir o tronco, as mãos já se unem do outro lado. O topo está perto, oscilantecomo um pêndulo invertido. Todo o céu se adensa por cima da última folha. O silêncio cobre a respiraçãoarquejante e o sussurro do vento nos ramos. É este o grande dia da vitória.Não me lembro se o rapaz chegou ao cimo da árvore. Uma névoa persistente cobre essa memória.Mas talvez seja melhor assim: não ter alcançado o pináculo então, é uma boa razão para continuar subindo.Como um dever que nasce de dentro e porque o sol ainda vai alto.
José Saramago, A bagagem do viajante: crônicas.
 
01
Considerando-se que, segundo o texto, o ofício de viver não é simples, o dever que cabe a cada pessoa é
(A)
cuidar-se para viver até os sessenta ou setenta anos.
(B)
esforçar-se para alcançar seus objetivos na vida.
(C)
aventurar-se para ser reconhecido pelos outros.
(D)
rebelar-se para transformar o mundo.
(E)
proteger-se para não correr riscos.
02
Considerando-se o caráter metafórico do texto, ao tratar do comportamento humano, infere-se que o título “Aminha subida ao Everest” remete à ideia de
(A)
imprudência.
(B)
segurança.
(C)
desafio.
(D)
megalomania.
(E)
vaidade.
03
No trecho “De modo que o mundo será de facto transformado mas não por nós.” (
linhas 10 e 11
), a expressão“de facto” imprime ao enunciado a ideia de que o autor
(A)
teme a transformação do mundo.
(B)
 julga necessária a transformação do mundo.
(C)
torce por uma possível transformação do mundo.
(D)
se esforça para transformar o mundo.
(E)
tem certeza de que o mundo será transformado.
VOCABULÁRIO:
bicarbonato
– sal ou ânion derivado do ácido carbônico.
cambaia
– que tem dificuldade em andar ou manter-se de pé.
tacão
– parte da sola do calçado a que se prende o salto, na altura do calcanhar.
lastro
– base sólida que legitima ou autoriza alguma coisa; assento, fundamento.
quinhão
– o que cabe ou deveria caber a uma pessoa ou coisa.
leziria
– leito maior ou planície de inundação, junto a certos rios, onde há depressões que são invadidas pelas cheias.
freixo
– designação comum a diversas plantas do gênero
Fraxinus 
, da família das oleáceas, cuja madeira elástica temdiferentes empregos.
caiar
– pintar ou recobrir com qualquer produto ou substância branca.
balouçar
– fazer mover ou mover(-se); balançar(-se).
cingir
– estar à volta de; conter ou incluir em seu interior; fechar, rodear, circundar, cercar.
frementes
– agitado, trêmulo; (sentido figurado) apaixonado, vibrante.
cimo
– a parte superior de uma coisa que tem maior altura que comprimento ou largura; a parte de cima; alto, topo.
pináculo
– o ponto mais alto de um lugar.

Activity (9)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 hundred reads
1 thousand reads
Mandy Santos liked this
Nathália Couto liked this
Eron Costa liked this
Medicina - UFMA added this note
Vestibular UFPA 2011... gabarito no link : http://oficinadovestibulando.blogspot...

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->