Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more ➡
Download
Standard view
Full view
of .
Add note
Save to My Library
Sync to mobile
Look up keyword or section
Like this
101Activity
×
P. 1
Frei Luís de Sousa

Frei Luís de Sousa

Ratings: (0)|Views: 44,395|Likes:

More info:

categoriesTypes, School Work
Published by: Maria Filomena Ruivo Ferreira on Mar 07, 2011
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See More
See less

03/12/2013

pdf

text

original

 
Ler Frei Luís de Sousa
(apontamentos)
Almeida Garrett
(breve biografia)Almeida Garrett nasceu a 4 de Fevereiro de 1799 no Porto e, quando se deramas segundas Invasões Francesas, partiu com a sua família para os Açores,onde inicia a sua formação literária. Em 1816, ingressa na Universidade deCoimbra para seguir estudos de Leis. Começa a interessar-se pelos ideaispolíticos do liberalismo, quando surge a revolução de 24 de Agosto de 1820 e onovo regime instituído. Entrega-se fervorosamente aos ideais, mas é obrigadoa exilar-se em Inglaterra. Aí contactou com o romantismo inglês e escreveu os
poemas “Camões” e “Dona Branca” que se tornaram obras instauradoras do
Romantismo em Portugal. Em 1826, regressa a Portugal, mas sofre novasperseguições e volta ao exílio em Inglaterra e depois em França. Desembarcana praia do Mindelo em 1832, participando como soldado no Cerco do Porto. Avitória liberal de 1836 faz com que entre definitivamente na vida política,fundando um jornal e tornando-se parlamentar. Ficou a seu cargo aorganização de um Teatro Nacional, projecto que concretizou com grandesucesso. Contribuiu ainda para o espólio de peças teatrais portuguesas com assuas próprias obras: Um Auto de Gil Vicente, Dona Filipa de Vilhena, oAlfageme de Santarém, Frei Luís de Sousa. Garrett decidiu mais tarde dedicar-se inteiramente à criação literária. Morreu aos 55 anos com uma vida intensa,deixando um contributo inquestionável para o panorama da literatura e dacultura portuguesas.
Absolutismo
 O absolutismo régio estabeleceu-se na Europa a partir da segunda metade doséculo XV. Um pouco por toda a Europa Ocidental, as Coroas assumiram-secada vez mais como detentoras únicas do poder. (...) O absolutismo no nossopaís atingiu o auge no século XVIII. Com D. José, o intervencionismo da Coroaé total, levando o absolutismo às últimas consequências, raiando mesmo odespotismo integral e intolerante. O rei, cujo poder ilimitado se dizia provir deDeus, legislava como entendia. Esta prática fez-se sentir em todos os domíniosda vida política, desde problemas de grande importância nacional einternacional a problemas da vida quotidiana das populações.Nem a Igreja escapava às garras deste poder. Só no período das LutasLiberais (1820-1834) se iria pôr termo à monarquia absoluta em Portugal.
Liberalismo
 Doutrina segundo a qual convém dar aos cidadãos as melhores garantiascontra o arbítrio do governo, separando deste o poder legislativo e judiciário;
Dicionário de Língua Portuguesa, Porto Editora.
 
 
O liberalismo começou a ganhar terreno em Portugal quando o regimeabsolutista do antigo regime entrou em crise. Esta crise prendia-se com amanutenção da preponderância social da nobreza; o exacerbado protagonismoda colónia brasileira relativamente à metrópole; e o carácter "sagrado" darealeza portuguesa.
In Infopédia
 
O Romantismo
O termo romantismo é de origem inglesa seiscentista (romantic) e deriva dosubstantivo francês romaunt, que designava os romances medievais deaventuras.No final do século XVIII, Letourneur e Rousseau, filósofo da revolução
francesa, adoptaram este termo, fazendo a distinção entre “romantique”
(romântico) e
romanesque” (romance). A palavra rapidamente se difundiu pelas
restantes culturas europeias, originando a oposição entre romântico e clássico.O Romantismo é um movimento literário e artístico que surgiu na culturaeuropeia nos finais do século XVIII, num contexto de grande insegurança e denecessidade de exaltação dos valores nacionais, devido às InvasõesFrancesas. A tentativa de hegemonia do poder napoleónico fez a Europadespertar para os valores nacionais e procurar a liberdade plena: política,religiosa, cultural e literária.Em Inglaterra, este movimento literário difundiu-se através de nomes comoWilliam Blake, William Wordsworth, Lord Byron ou o escocês Walter Scott. EmFrança, o Romantismo impôs-se no final da década de 1820 com Victor Hugo,Chateaubriand e o importante contributo de Madame de Staël. Na Alemanha, apublicação da peça dramática Sturm und Drang de Klinger e a incontornávelobra de Goethe lançaram as bases deste movimento estético-literário.O ideário romântico teve expressão nas várias demonstrações artísticas, ondeimperavam temas dramático-sentimentais: na poesia, no teatro, no romancehistórico, na pintura (Delacroix, Goya e Constable), na escultura e na música(Shubert, Mendelssohn, Wagner e Chopin). Na arte romântica, a paisagem jánão era um cenário, mas um meio de expressão.O Romantismo manifestou-se também na sociedade civil, dando eco aos ideaisrevolucionários burgueses que advogavam uma maior intervenção do povo noplano político. Ao exaltarem os valores populares e a cultura de raízesnacionais, os românticos colocaram a burguesia num estatuto privilegiado.
O Romantismo em Portugal
Síntese dos principais acontecimentos
O contexto em que o Romantismo surgiu em Portugal foi marcado por umasucessão de acontecimentos muito importantes, que explicam o facto de estacorrente estético-literária ter chegado ao nosso país com cerca de 30 anos de
 
atraso.Esses acontecimentos podem ser resumidos na seguinte linha cronológica:
Em 1807, na sequência das Invasões Francesas, a família realportuguesa embarcou para o Brasil, deixando Portugal sob o domínio britânico.
Devido ao descontentamento geral que se fazia sentir na metrópole, em1820 ocorreu no Porto uma Revolta militar e civil, que tinha como objectivoexpulsar os oficiais britânicos de Portugal e proclamar uma Constituição.
No entanto, em 1821, D. Miguel, que liderava um movimentodenominado Vila-Francada, restaurou o governo absolutista e aboliu aConstituição. Em consequência, muitos liberais, como Garrett ou Herculano,foram obrigados a emigrar.Com a morte de D. João VI (em 1826), D. Miguel fez-se aclamar Rei segundo oantigo regime absolutista.
Entretanto, D. Pedro, que se opunha a seu irmão D. Miguel e defendia acausa liberal, regressou do Brasil e organizou nos Açores uma expediçãomilitar que desembarcou na praia do Mindelo, avançando sobre o Porto.
Assim, em Maio de 1834, na convenção de Évora-Monte, os absolutistasrenderam-se e D. Miguel partiu definitivamente para o exílio.No entanto, em 1842, um golpe de estado encabeçado por Costa Cabraldissolveu o governo, anulou a Constituição e restaurou a Carta. Instituiu-se umregime ditador, o Cabralismo.
A resposta não tardou e, em 1851, um golpe de estado liderado peloMarechal Duque de Saldanha deu origem a um movimento que se insurgiacontra a política cabralista: a Regeneração. Saldanha foi responsável por umpercurso de progresso económico, sustentado pela doutrina económica deFontes Pereira de Melo - o Fontismo - que apostava sobretudo na construçãode caminhos-de-ferro.
Os românticos portugueses
Os primeiros românticos portugueses, Almeida Garrett e AlexandreHerculano, foram exilados políticos que conviveram de perto com as novastendências europeias. Aliás, aquele que é considerado o poema introdutor doRomantismo em Portugal, o poema Camões de Almeida Garrett, reflecte essasituação de exílio, já que foi publicado em Paris, em 1825.No entanto, só após o regresso dos exilados a Portugal se verificaverdadeiramente o exercício de uma corrente estética diferente. Por isso,alguns estudiosos consideram que o Romantismo só se instituiu em Portugalem 1836, com a publicação de A Voz do Profeta de Alexandre Herculano.O Romantismo português atingiu a fase áurea entre 1840 e 1850, com apublicação de obras como Um Auto de Gil Vicente, O Alfageme de Santarém eFrei Luís de Sousa de Almeida Garrett ou Eurico, o Presbítero de AlexandreHerculano.A partir do Romantismo, assistiu-se a um considerável desenvolvimentocultural do povo português: a cultura estendeu-se a outras classes sociais,deixando de ser apanágio da aristocracia. Este novo público emergenteapreciava uma linguagem mais simples, clara e acessível e revelava interessepela paisagem, pelo pitoresco, pelo sentimentalismo.

Activity (101)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 hundred reads
1 thousand reads
Ana Rita Leitão liked this
Telma Graça liked this
Tex Marinho liked this
Camila Bento liked this
Vitor Simões liked this
ceciliaguise liked this
Vitor Simões liked this

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->