Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Look up keyword
Like this
1Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Gilles Deleuze = O ato de Criação

Gilles Deleuze = O ato de Criação

Ratings: (0)|Views: 3|Likes:
Published by eder_as188

More info:

Published by: eder_as188 on Mar 17, 2011
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

04/15/2014

pdf

text

original

 
Gilles Deleuze
O ato de criação
 
2
Eu gostaria também de formular algumas perguntas. Formulá-las avocês e formulá-las a mim mesmo. Seria algo como: o que exatamentevocês fazem, vocês, homens do cinema? E eu, o que exatamente eu faço,quando faço ou espero fazer filosofia?Poderia formular a pergunta de outra maneira: o que é ter uma idéiaem cinema? Se fazemos ou queremos fazer cinema, o que significa ter umaidéia? O que acontece quando dizemos: “Ei, tive uma idéia”? Porque, deum lado, todo mundo sabe muito bem que ter uma idéia é algo queacontece raramente, é uma espécie de festa, pouco corrente. E depois, deoutro lado, ter uma idéia não é algo genérico. Não temos uma idéia emgeral. Uma idéia, assim como aquele que tem a idéia, já está destinada aeste ou àquele domínio.Trata-se ou de uma idéia em pintura, ou de uma idéia em romance,ou de uma idéia em filosofia, ou de uma idéia em ciência. E obviamentenunca é a mesma pessoa que pode ter todas elas. As idéias, devemos tratá-las como potenciais já empenhados nesse ou naquele modo de expressão,de sorte que eu não posso dizer que tenho uma idéia em geral. Em funçãodas técnicas que conheço, posso ter uma idéia em tal ou tal domínio, umaidéia em cinema ou uma idéia em filosofia.O que é ter uma idéia em alguma coisa?Parto do princípio de que eu faço filosofia e vocês fazem cinema.Admitido isso, seria muito fácil dizer que a filosofia, estando pronta pararefletir sobre qualquer coisa, por que não refletiria sobre o cinema? Umverdadeiro absurdo. A filosofia não é feita para refletir sobre qualquercoisa. Ao tratar a filosofia como uma capacidade de “refletir-sobre”, pareceque lhe damos muito, mas na verdade lhe retiramos tudo. Isso porqueninguém precisa da filosofia para refletir. As únicas pessoas capazes derefletir efetivamente sobre o cinema são os cineastas, ou os críticos decinema, ou então aqueles que gostam de cinema. Essas pessoas não
 
3
precisam da filosofia para refletir sobre o cinema. A idéia de que osmatemáticos precisariam da filosofia para refletir sobre a matemática é umaidéia cômica. Se a filosofia deve servir para refletir sobre algo, ela não terianenhuma razão para existir. Se a filosofia existe, é porque ela tem seupróprio conteúdo.Qual é o conteúdo da filosofia?Muito simples: a filosofia é uma disciplina tão criativa, tãoinventiva quanto qualquer outra disciplina, e ela consiste em criar ouinventar conceitos. E os conceitos não existem prontos e acabados numaespécie de céu em que aguardariam que uma filosofia os apanhasse. Osconceitos, é preciso fabricá-los. É claro que os conceitos não se fabricamassim, num piscar de olhos. Não nos dizemos, um belo dia: “Ei, vouinventar um conceito!”, assim como um pintor não se diz: “Ei, vou pintarum quadro!”, ou um cineasta: “Ei, vou fazer um filme!”.É preciso que haja uma necessidade, tanto em filosofia quanto nasoutras áreas, do contrário não há nada. Um criador não é um ser quetrabalha pelo prazer. Um criador só faz aquilo de que tem absolutanecessidade. Essa necessidade — que é uma coisa bastante complexa, casoela exista — faz com que um filósofo (aqui pelo menos eu sei do que ele seocupa) se proponha a inventar, a criar conceitos, e não a ocupar-se emrefletir, mesmo sobre o cinema.Eu digo que faço filosofia, ou seja, que tento inventar conceitos. Evocês que fazem cinema, o que vocês fazem?O que vocês inventam não são conceitos — isso não é de sua alçada—, mas blocos de movimento/ duração. Se fabricamos um bloco demovimento/duração, é possível que façamos cinema. Não se trata deinvocar uma história ou de recusá-la. Tudo tem uma história. A filosofiatambém conta histórias. Histórias com conceitos. O cinema conta históriascom blocos de movimento/duração. A pintura inventa um tipo totalmente

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->