Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
78Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
História dos Hinos: Cantor Cristão

História dos Hinos: Cantor Cristão

Ratings:

5.0

(1)
|Views: 18,457 |Likes:
Published by projetonur8507

More info:

Published by: projetonur8507 on Mar 18, 2011
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

12/02/2013

pdf

text

original

 
1. Oh, vinde adorar!
NESTE COMOVENTE convite, Henry Maxwell Wright nos chama à adoração ao Deus Criador, exaltando-o através de expressões como: excelso, bom, soberano, luz e poder. Esse Deus se manifesta não apenas nacriação, mas principalmente em seu Filho, Jesus Cristo, que é o ponto culminante da revelação (Hebreus1.1,2).A David William Hodges, membro do Grupo de Trabalho de Textos do HCC, foi dada por Joan LarieSutton, Coordenadora Geral, a tarefa de acrescentar uma terceira estrofe trinitária a este hino, em 1989.“O resultado, então, é um hino que começa e termina com a frase
Oh, vinde adorar! 
, sendo assim umexcelente hino número 1 do nosso
Hinário para o culto cristão
”.
1
Henry Maxwell Wright
nasceu em Lisboa, Portugal, em 7 de dezembro de 1849. De ascendência inglesa,mais tarde optou pela cidadania britânica. Associou-se aos Batistas Livres.Em visita à Inglaterra, durante as campanhas do evangelista Dwight L. Moody, Wright decidiu deixar aprofissão de bem sucedido comerciante e, em outubro de 1875, passou a dedicar-se à evangelização.Durante os seus três anos de treinamento bíblico ensinou os meninos de rua numa escola noturna e pregoutanto na Inglaterra como na Escócia.Em 1878, achou que Deus o queria na China e, antes de partir, passou por Portugal. Lá, impressionadocom a falta de obreiros, sentiu-se desafiado a trabalhar com os povos de língua portuguesa, o que fez por mais de 50 anos. Evangelizou extensivamente no Arquipélago dos Açores.Wright empreendeu quatro viagens ao Brasil, onde falava a grandes auditórios, percorrendo quase todo opaís. Em sua segunda viagem foi preso como “inimigo da religião oficial”.
2
Na terceira viagem, veioacompanhado de sua irmã Luiza Wright (evangelista e escritora de hinos).Contraiu impaludismo e voltou à Inglaterra para tratamento de saúde. Em 1897, já restabelecido, voltou aPortugal para continuar o seu ministério ali.Wright esteve duas vezes nos Estados Unidos, pregando aos povos de língua portuguesa ali residentes, e,na volta, pregou aos portugueses residentes nas Ilhas Bermudas. Em 1901, Wright casou-se com Ellen Della-force, filha de ingleses, e juntos construíram o salão evangélico da Associação Cristã de Moços (ACM) noPorto, inaugurado em 1905.A contribuição hinológica de Wright é muito significativa. Suas letras são de grande valor inspirativo. Elepossuía também uma bela voz e cantava solos em suas reuniões evangelísticas. Gostava de ensinar hinos ecânticos nestas ocasiões, que ele escolhia ou escrevia para reforçar a mensagem da noite.Wright foi autor ou tradutor de cerca de 200 hinos.
3
Há uma coletânea chamada
In Memoriam
(EmMemória), editada por J.P. da Conceição e publicada no Porto, em 1932, que contém 185 hinos dele. Os seushinos e cânticos aparecem em grande número na maior parte dos hinários evangélicos no Brasil.Na 36ª edição do
Cantor cristão
se encontram 61 hinos seus. No
Hinário para o culto cristão
, publicado 60anos depois da sua morte, ainda há 29 das letras e traduções deste servo de Deus.“Cristão consagrado para quem a comunhão com Cristo era estado habitual”,
4
 Wright foi o Moody-Sankey do povo de língua portuguesa, alcançando milhares de almas com sua vidadedicada, sua poderosa pregação e sábio uso da música no seu ministério.Em 23 de janeiro de 1931, Wright faleceu no Porto. Entre os presentes ao seu sepultamento achava-se onosso saudoso missionário Antônio Maurício, ainda jovem. Foram cantados os hinos
Com tua mão segurabem a minha; Doce, doce lar e Rocha eterna
, a pedido do próprio Wright antes de falecer.
David William Hodges
, autor da terceira estrofe, nasceu em Kansas City, Estado de Missouri, EUA, em22 de dezembro de 1942. Criado em lar cristão, foi batizado aos nove anos, e começou a trabalhar na músicada igreja. David começou a estudar canto, aos 16 anos, com a profª. Gladys Cranston.David casou-se em 4 de junho de 1966, com Ramona Gay Miller, que conhecera na universidade. O casaltem quatro filhos: Charles, Catherine, Elizabeth, e Robert, seu caçula brasileiro.Hodges adquiriu um treinamento aprimorado, com Bacharel e Mestrado em Artes (especialização emcanto), na Faculdade Central do Estado de Missouri; Mestrado em Educação Religiosa, no SeminárioTeológico Midwestern, também, no seu estado natal. No Seminário Teológico Southwestern, em Fort Worth,Estado de Texas, ainda fez dois anos em busca do Doutorado em Educação Religiosa. Ramona fez oBacharel e o Mestrado em inglês. Começou seus estudos de piano ainda criança e é a acompanhadorapredileta de seu marido, além de servir como organista da sua igreja. Foi no seminário que Deus tocou nocoração do casal, chamando-o para o trabalho missionário. O casal apresentou-se à Junta de Richmond, e foinomeado para o Brasil, chegando aqui em 31 de janeiro de 1980.O ministério de Hodges tem sido multifacetado e profícuo. No final dos seus estudos da língua portuguesa,já servia interinamente como Ministro de Música, na Igreja Batista da Liberdade, São Paulo, Capital, e em
 
1981 se tornou professor da Faculdade Teológica Batista da mesma cidade, ensinando e regendo corais comgrande sensibilidade.Hodges, que ama as línguas, dedicou-se também à tradução, dando-nos assim um grande repertórioantes desconhecido dos evangélicos. A maior obra traduzida por ele e apresentada pelo Coro da FTBSP soba sua regência, foi o oratório
São Paulo,
de Mendelssohn. Ainda traduziu o
Te Deum
5
(Nós te louvamos, óSenhor), de G.F. Handel, para o Coro, no qual foi o tenor solista sob a regência do pr. Marcílio de OliveiraFilho.O pr. Marcílio, num artigo para
O Jornal Batista
, intitulado
Ele segurou as cordas! 
, falou do grande ímpetoque o projeto
Cantem, Batistas brasileiros! 
recebeu desse dedicado missionário, que se empenhou para que oprojeto tivesse sustento de sua missão, e se prontificou a tomar o lugar de Marcílio à frente do Coro da IgrejaBatista do Ipiranga e na FTBSP durante a ausência do casal Oliveira.
6
 Em 1987 a família Hodges se mudou para a cidade do Recife, PE, onde David assumiu o professorado demúsica sacra no Seminário Teológico Batista do Norte do Brasil. Hodges serviu também na Igreja Batista doForte, na cidade de Paulista, e na Igreja Batista da Capunga, na cidade de Recife, PE, como diretor interinode música.David é um tenor de voz pura e maviosa, sendo requisitado freqüentemente para solos e recitais por ondeanda. Nas chamadas “férias” nos Estados Unidos, tem prazer em divulgar, com a sua família, a música sacrabrasileira.No âmbito nacional, Hodges atuou incansavelmente no preparo do
Hinário para o culto cristão
,primeiramente, na pesquisa (computada com o auxílio do seu filho, Charles) dos hinos prediletos do povobatista em todo o Brasil. Hodges também preparou o livreto
Sete hinos congregacionais para a Igreja de hoje
,publicado pela JUERP em 1986. Ele continuou a dar de si eficientemente, sem medir esforços, ora naSubcomissão de Música, ora no GTT (Grupo de Trabalho de Textos, que trabalhava com os hinos maisproblemáticos), ora no Grupo de Verificação de Dados, em cooperação com a Subcomissão deDocumentação e Histórico, ora no preparo e computação dos índices. Sua capacidade de ver um problemacom clareza e achar uma resposta certa foi de grande auxílio para todos os seus colegas.Quando perguntado pelo pr. Marcílio quais eram as suas maiores alegrias no Brasil, David respondeu:“o país e o povo em geral, a aceitação de todos, o desenvolvimento da denominação, o trabalho emgeral, e principalmente, os grandes amigos brasileiros”
7
O
Hinário para o culto cristão
inclui 11 excelentes letras e traduções de Hodges, e 10 músicas,verdadeiras jóias que o povo aprenderá a amar.“Vamos todos cantar para o louvor e a glória de Deus”.
8
 Esta frase, ouvida dos lábios de
William Knapp
(1698-1768) em cada culto da sua igreja, caracterizou asua vida.Knapp, descendente de alemães, nasceu no condado de Dorsetshire, Inglaterra, em 26 de setembro de1698. Foi chamado “O salmista do campo”.
9
Tornou-se organista, compositor e compilador de coleções demelodias. Serviu por 39 anos como
precentor 
, uma função semelhante à de diretor de música, na Igreja deSaint James, em Poole, porto no seu condado natal no extremo sul do país.Knapp publicou duas coleções de salmos, antemas e hinos, em 1738 e 1753. Hoje cantamos somente asua melodia
WAREHAM
, que faz parte da primeira coleção. Uma das características distintas dessa melodiaé que, com duas pequenas exceções, ela se movimenta, do início ao fim, em graus conjuntos.
1. HODGES, David William. Carta à autora em 19912. ICHTER, Bill H.
Vultos da música evangélica no Brasil 
. 1ª ed. Rio de Janeiro: JUERP, 1967. p.90.3. Os hinos de H.M. Wright apareceram muitas vezes nas difundidas revistas
O Bíblia
e
O christão
, na coletânea da Igreja Evangélica Fluminense:
Nova collecção dehymnos evangélicos,
em 1882, e também nos seus próprios hinários:
Hymnos e coros
(1890 ou 1891)
e Hymnos
em 1892. A coletânea
In memoriam Henry Maxwell Wright 
, publicada por J.P. da Conceição em 1932, reunindo todo o seu acervo, incluía 151 hinos e 42 cânticos. Destas fontes foram difundidos para
Salmos e Hinos
,
Cantor cristão
, e todos os hinários evangélicos no Brasil. Ver BRAGA, Henriqueta Rosa Fernandes.
Música sacra evangélica no Brasil 
. Rio de Janeiro: LivrariaKosmos Editora, 1961, p.233,234.4. BRAGA, Ibid., p.233.5.
Te Deum
(Te Deum Laudamos)
(Nós te louvamos, ó Senhor)
, provém de um hino latino usado por muitas igrejas cristãs para expressar um momento supremo dejúbilo. O texto latino tem música tradicional em cantochão, mas também foi musicado com acompanhamento orquestral (por diversos músicos eruditos, inclusive por Handel, em inglês). HORTA, Luiz Paulo, ed., Dicionário de música, trad. Álvaro Cabral, Rio de Janeiro: Zahar Editores, p.379.6. OLIVEIRA FILHO, Marcílio de.
Ele segurou as cordas! 
Rio de Janeiro: O Jornal Batista, 5 de julho de 1987, p.5.7. Ibid. (grifo meu).8. REYNOLDS, William J.
Companion to Baptist Hymnal 
. Nashville: Broadman Press, 1976. p.354.9. MCCUTCHAN, Robert Guy.
Our hymnody 
. 2ª ed. Nashville: Abingdon Press, 1937. p.67.
 
2. Santo! Santo! Santo!
ESTE HINO tem sido chamado“o melhor hino já escrito, considerando sua pureza de linguagem, sua devoção, sua espiritualidade, ea dificuldade de tratar poeticamente um tema abstrato como esse.”
 
1
 É cantado, domingo após domingo ao redor do mundo, quer em inglês, português, russo, chinês, e emcentenas de outras línguas. Paráfrase de Apocalipse 4.8-11, o hino realça o canto contínuo de adoração dosquatro seres viventes:
Santo, Santo, Santo é o Senhor Deus, o Todo-Poderoso, aquele que era, e que é, e que há de vir.
Reginald Heber 
(1783-1826) era filho de um abastado fazendeiro inglês no condado de Cheshire. Erauma pessoa por demais generosa, dando tudo o que ele tinha nos bolsos às pessoas necessitadas queencontrava. Quando ele viajava, sua mãe costumava costurar o seu dinheiro da passagem em sua roupa,para que ele não ficasse sem possibilidade de voltar para casa. Como jovem, Heber recebeu boa educação edurante os estudos tinha certa fama como poeta. Ordenado ao ministério anglicano, recusou boas posiçõesna capital, voltando à sua região natal para servir numa pequena igreja.Embora os anglicanos cantassem mais os salmos, Heber ficou muito impressionado pelos hinos de JohnNewton e William Cowper (ver HCC 226). Interessou-se, especialmente, por hinos de boa qualidade quefossem apropriados para o ano eclesiástico, seguindo os temas bíblicos para cada domingo. Começou apublicar seus hinos em 1811, mas não conseguiu permissão para publicar a sua coleção,
Hinos escritos eadotados ao serviço semanal do ano eclesiástico
, feita com a colaboração de outros bons hinistas.Depois de 16 anos no pastorado, Heber aceitou o bispado de Calcutá
2
, na Índia, dizendo que um pastor devia ser como um“soldado ou marinheiro, pronto a ir para qualquer serviço, tão remoto ou indesejável que fosse.”
 
3
 
Este campo enorme incluía não apenas a Índia, mas o então Ceilão (agora Sri Lanka), e Austrália. Heber se dedicou a este ministério com entusiasmo mas, depois de três anos de trabalho árduo, maltratado peloclima severo, faleceu repentinamente. Ele tinha ido numa viagem de aproximadamente 1.800 quilômetrospara a cidade de Trichinópoli, no extremo sul da Índia, para confirmar uma classe de 42 convertidos. O seuservo, achando que ele se demorava muito no banho, foi à sua procura, encontrando-o morto. Seu ministério,contudo, continuou pois a coleção dos seus hinos foi encontrada por sua mãe (depois da morte de Heber), namala dele que a ela foi enviada. E foi a pedido dela que a Igreja Anglicana deu permissão para publicá-la em1827, um ano após a sua morte.A obra de Reginald Heber ajudou a dissipar os preconceitos dos anglicanos contra os hinos e marcou umanova era na hinologia inglesa. A importância dos seus hinos é resultado, em parte, da sua expressão literáriae qualidade lírica. Mais importante ainda é o fato que as igrejas receberam dele hinos baseados no ensinobíblico de cada domingo, de acordo com o Evangelho ou a Epístola. Começaram a cantar o NovoTestamento!“Heber figura como um dos mais importantes hinistas ingleses do séc.19. Ao todo, escreveu 57hinos. Todos ainda estão em uso, um tributo raro ao gênio deste escritor consagrado”.
4
O tradutor do hino,
João Gomes da Rocha
, nasceu no Rio de Janeiro em 14 de março, de 1861, filho deAntônio Gomes da Rocha e D. Maria do Carmo, portugueses. Era filho adotivo do Dr. Robert Reid Kalley eSarah Poulton Kalley, missionários pioneiros no Brasil. Estudou medicina em Londres. Foi médico missionáriona Inglaterra, Madagascar e África. O Dr. Rocha aproveitou-se de uma viagem à América do Sul para visitar afamília no Brasil e tornou-se membro da Igreja Evangélica Fluminense, fundada pelo casal Kalley.O Dr. Rocha, que estudara música na Escócia, cooperou ativamente com D. Sarah após o falecimento doseu esposo, no preparo de algumas edições de
Salmos e Hinos
, o primeiro hinário evangélico brasileiro.Depois da morte de D. Sarah, continuou a obra. Preparou várias edições do hinário até 1919, quando dotoude valiosos índices a quarta edição com música. Ele também produziu numerosos hinos, entre traduções,adaptações e trabalhos originais, 62 dos quais se encontram em
Salmos e Hinos
de 1975 e 15 no
Cantor cristão
de 1971. No
Hinário para o culto cristão
encontram-se 11 das suas letras, metrificações e traduções. ODr. Rocha faleceu em 1947, na Escócia, onde morava, mas seu coração nunca saiu do Brasil, sua terra natal,e do ministério da hinódia aqui.O Dr.
John Bacchus Dykes
(1823-1876), nascido em Hull, Inglaterra, foi um compositor prolífico eespontâneo de melodias para hinos, considerados os melhores exemplos da época. Estas melodiasconseguiram imortalizar os hinos para os quais foram compostas. Constavam em grande número em todos os

Activity (78)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 hundred reads
1 thousand reads
filipelx liked this
filipelx liked this
coverguita liked this
Carlos Rodrigues liked this
cleiton0729 liked this

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->