Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Save to My Library
Look up keyword
Like this
3Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
A essência do pensamento Liberal e os dilemas da divisão de poderes do Estado

A essência do pensamento Liberal e os dilemas da divisão de poderes do Estado

Ratings: (0)|Views: 429 |Likes:
As idéias formuladas pelos filósofos europeus dos séculos XVII e XVIII, destacando-se Rousseau, Locke, Hobbes e Mostesquieu, constituem a base do pensamento liberal. Embora as reflexões e proposições apresentadas por esses filósofos não sejam extamente as mesmas, inclusive apresentando argumentos opostos em alguns pontos, constituem os elementos essenciais que fundamentaram o pensamento liberal e influenciaram decisivamente a dinâmica política das sociedades.
Antes do homem se organizar em uma sociedade, no estágio chamado estado de natureza, no qual não havia noções de leis, poder ou qualquer tipo de organização, as relações humanas eram regidas por alguns princípios que só podiam ser conhecidos a partir da razão. Neste estado, os seres humanos eram naturalmente iguais, livres e portadores dos mesmos direitos naturais. Dessa forma, sustentados por essa teoria do direito natural, os dois principais valores que fundamentam o pensamento liberal são o direito à liberdade e à propriedade.
Com base nesses príncípios, as proposições de Hobbes, Locke, Rousseau e Mostesquieu convergem para a formulação de que, em determinado momento, como forma de proteger e garantir esses direitos naturais, o homem decidiu viver em sociedade.
Para Hobbes, no estado de natureza, o homem se encontrava em uma condição miserável, apesar de gozar de liberdade e indepêndencia. Segundo o autor, não havia para o ser humano a condição de segurança, sendo que a única garantia de proteção à vida e aos bens que possuía era a própria força com a qual um indivíduo poderia combater outro. Dessa forma, Hobbes, ao contrário dos demais filósofos, defende que o estado de natureza corresponde ao estado de guerra.
Ainda segundo a concepção de Hobbes, a transição do estado de natureza para a vida em sociedade, em determinado momento da humanidade, se deu a partir da celebração de um contrato entre os homens, que em troca da proteção trasferiram ao Estado o direito de utilizar a força em defesa de seus interesses. Neste momento, com a celebração desse pacto, teria se originado a figura do Estado e os homens teriam trocado a liberdade natural pela liberdade civil, bem como a independência pela segurança.
Da mesma forma que Hobbes, encontra-se no pensamento de Montesquieu a transição do estado de natureza para a vida em sociedade, porém há algumas divergências. Segundo Motesquieu, o estado de guerra se estabelece na vida em sociedade, e que anteriormente, no estado de natureza, o homem vivia em condição de paz e igualdade. Também Rousseau A essência do pensamento Liberal e os dilemas da divisão de poderes do Estado EAD346/133 CIÊNCIA POLÍTICA 2
defende que a o homem no estado de naturez seria incapaz de fazer mal ao seu semelhante, e que o estado de guerra só é possível com o advento da sociedade.
Nota-se que as principais divergências entre os autores que fundamentam o pensamento liberal, referem-se principalmente às motivações que teriam levado o homem a
deixar o estado natural e passar ao convívio em sociedade e às relações entre o estado natural e o estado de guerra. Entretanto, apesar das divergências, encontra-se um elemento comum entre os pensamentos desses autores, que é a proposição de que independente da motivação que tenha levado o homem ao convívio civil, os direitos naturais são necessariamente invioláveis. Segundo Coelho (2010, p.55), “o liberalismo considera a liberdade e a propriedade individuais como direitos humanos inalienáveis”.
As idéias formuladas pelos filósofos europeus dos séculos XVII e XVIII, destacando-se Rousseau, Locke, Hobbes e Mostesquieu, constituem a base do pensamento liberal. Embora as reflexões e proposições apresentadas por esses filósofos não sejam extamente as mesmas, inclusive apresentando argumentos opostos em alguns pontos, constituem os elementos essenciais que fundamentaram o pensamento liberal e influenciaram decisivamente a dinâmica política das sociedades.
Antes do homem se organizar em uma sociedade, no estágio chamado estado de natureza, no qual não havia noções de leis, poder ou qualquer tipo de organização, as relações humanas eram regidas por alguns princípios que só podiam ser conhecidos a partir da razão. Neste estado, os seres humanos eram naturalmente iguais, livres e portadores dos mesmos direitos naturais. Dessa forma, sustentados por essa teoria do direito natural, os dois principais valores que fundamentam o pensamento liberal são o direito à liberdade e à propriedade.
Com base nesses príncípios, as proposições de Hobbes, Locke, Rousseau e Mostesquieu convergem para a formulação de que, em determinado momento, como forma de proteger e garantir esses direitos naturais, o homem decidiu viver em sociedade.
Para Hobbes, no estado de natureza, o homem se encontrava em uma condição miserável, apesar de gozar de liberdade e indepêndencia. Segundo o autor, não havia para o ser humano a condição de segurança, sendo que a única garantia de proteção à vida e aos bens que possuía era a própria força com a qual um indivíduo poderia combater outro. Dessa forma, Hobbes, ao contrário dos demais filósofos, defende que o estado de natureza corresponde ao estado de guerra.
Ainda segundo a concepção de Hobbes, a transição do estado de natureza para a vida em sociedade, em determinado momento da humanidade, se deu a partir da celebração de um contrato entre os homens, que em troca da proteção trasferiram ao Estado o direito de utilizar a força em defesa de seus interesses. Neste momento, com a celebração desse pacto, teria se originado a figura do Estado e os homens teriam trocado a liberdade natural pela liberdade civil, bem como a independência pela segurança.
Da mesma forma que Hobbes, encontra-se no pensamento de Montesquieu a transição do estado de natureza para a vida em sociedade, porém há algumas divergências. Segundo Motesquieu, o estado de guerra se estabelece na vida em sociedade, e que anteriormente, no estado de natureza, o homem vivia em condição de paz e igualdade. Também Rousseau A essência do pensamento Liberal e os dilemas da divisão de poderes do Estado EAD346/133 CIÊNCIA POLÍTICA 2
defende que a o homem no estado de naturez seria incapaz de fazer mal ao seu semelhante, e que o estado de guerra só é possível com o advento da sociedade.
Nota-se que as principais divergências entre os autores que fundamentam o pensamento liberal, referem-se principalmente às motivações que teriam levado o homem a
deixar o estado natural e passar ao convívio em sociedade e às relações entre o estado natural e o estado de guerra. Entretanto, apesar das divergências, encontra-se um elemento comum entre os pensamentos desses autores, que é a proposição de que independente da motivação que tenha levado o homem ao convívio civil, os direitos naturais são necessariamente invioláveis. Segundo Coelho (2010, p.55), “o liberalismo considera a liberdade e a propriedade individuais como direitos humanos inalienáveis”.

More info:

Categories:Types, Research, Science
Published by: Glaucia Nalva B. Oliveira on Mar 20, 2011
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

11/12/2012

pdf

text

original

 
 UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO
Centro de educação aberta e à distância
Bacharelado em Administração Pública – Pólo São José dos CamposAluna:Gláucia Nalva B. OliveiraR.A.:
 
10.2.9949
A essência do pensamento Liberal e os dilemas da divisão depoderes do Estado
 
Disciplina: EAD346/133 – Ciência PolíticaProfessor: Prof. Antonio Marcelo Jackson2
o
sem./2010
 
 UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO
Centro de educação aberta e à distância
EAD346/133
 
CIÊNCIA POLÍTICA
 
Sumário
1.
 
Introdução ..................................................................................................................................... 1
 
2.
 
A essência do pensamento Liberal e os dilemas da divisão de poderes do Estado ...................... 2
 
3.
 
Referencias Bibliográficas ............................................................................................................ 4
 
 
A essência do pensamento Liberal e os dilemas da divisão de poderes do Estado
 
EAD346/133
 
CIÊNCIA POLÍTICA
 
1
 
1.
INTRODUÇÃO
As idéias formuladas pelos filósofos europeus dos séculos XVII e XVIII, destacando-se Rousseau, Locke, Hobbes e Mostesquieu, constituem a base do pensamento liberal.Embora as reflexões e proposições apresentadas por esses filósofos não sejam extamente asmesmas, inclusive apresentando argumentos opostos em alguns pontos, constituem oselementos essenciais que fundamentaram o pensamento liberal e influenciaram decisivamentea dinâmica política das sociedades.Antes do homem se organizar em uma sociedade, no estágio chamado estado denatureza, no qual não havia noções de leis, poder ou qualquer tipo de organização, as relaçõeshumanas eram regidas por alguns princípios que só podiam ser conhecidos a partir da razão.Neste estado, os seres humanos eram naturalmente iguais, livres e portadores dos mesmosdireitos naturais. Dessa forma, sustentados por essa teoria do direito natural, os dois principaisvalores que fundamentam o pensamento liberal são o direito à
liberdade
e à
propriedade
.Com base nesses príncípios, as proposições de Hobbes, Locke, Rousseau e Mostesquieuconvergem para a formulação de que, em determinado momento, como forma de proteger egarantir esses direitos naturais, o homem decidiu viver em sociedade.Para Hobbes, no estado de natureza, o homem se encontrava em uma condiçãomiserável, apesar de gozar de liberdade e indepêndencia. Segundo o autor, não havia para oser humano a condição de segurança, sendo que a única garantia de proteção à vida e aos bensque possuía era a própria força com a qual um indivíduo poderia combater outro. Dessaforma, Hobbes, ao contrário dos demais filósofos, defende que o estado de naturezacorresponde ao estado de guerra.Ainda segundo a concepção de Hobbes, a transição do estado de natureza para a vidaem sociedade, em determinado momento da humanidade, se deu a partir da celebração de umcontrato entre os homens, que em troca da proteção trasferiram ao Estado o direito de utilizara força em defesa de seus interesses. Neste momento, com a celebração desse pacto, teria seoriginado a figura do Estado e os homens teriam trocado a liberdade natural pela liberdadecivil, bem como a independência pela segurança.Da mesma forma que Hobbes, encontra-se no pensamento de Montesquieu a transiçãodo estado de natureza para a vida em sociedade, porém há algumas divergências. SegundoMotesquieu, o estado de guerra se estabelece na vida em sociedade, e que anteriormente, noestado de natureza, o homem vivia em condição de paz e igualdade. Também Rousseau

Activity (3)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 thousand reads
1 hundred reads
faltec7 liked this

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->