Welcome to Scribd, the world's digital library. Read, publish, and share books and documents. See more
Download
Standard view
Full view
of .
Look up keyword
Like this
5Activity
0 of .
Results for:
No results containing your search query
P. 1
Noções de texto

Noções de texto

Ratings: (0)|Views: 1,658 |Likes:
Published by Irineu Cruzeiro

More info:

Published by: Irineu Cruzeiro on Mar 26, 2011
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

11/22/2012

pdf

text

original

 
Noções de texto:
(ELMC- 1)
-Halliday e Hasan (1976) Texto é uma unidade de língua em uso (p.1)  é melhorcompreendido como unidade semântica, não de forma, mas de significado (p.2)  serefere ao processo de compreensão do texto e não ao texto propriamente dito.- Um texto não tem o mesmo significado para todos e se ainda não transformado emsignificado não deixa de ser texto. Não faz sentido para uns, mas faz para outros nãodeixa de ser texto.- Propósito de comunicação entre falantes- seu contexto de produção facilita a compreensão deles- considerar a quem se destinam e o propósito. A identificação do GENERO textual éuma dica para isso- 7 princípios constituem a textualidade: postulados por (Beaugrande e Dressler(1981))) coesão, coerência, intencionalidade, aceitabilidade, situacionalidade,informatividade, intertextualidade  não são características, mas mas condições para asua produçãoe compreensão- a coerência e o sentido dependem da percepção do leitor (Costa Val, 1999)- pode não dizer nada de novo para alguns . não ter progressão- o leitor infere ou reconstrói as ralações entre as partes do texto (por exemplopronomes, conjunções , adverbios, etc  poesia)- o lugar original (ex. texto de esporte em jornal, de resumo de novela, ...) é o suporteoriginal(ELMC-2) - Texto Coscarelli- A internet gerou o surgimento de outros GENEROS textuais como chat (um diálogoon-line/ linguagem informal e cheia de particularidades), banners publicitários,... emuitos outros que ainda não somos capazes de citar.- Nos exemplos entre gêneros textuais que surgiram com a internet a autora afirmaser Hipertexto um GENERO textual, SERÁ???- Com o advento da internet , vários novos textos aparecem e tornam cada vez maiscomplexa a já considerada difícil tarefa de classificar os textos em GENEROS ecaracterizar cada GENERO textual. (Bronckart, 1999)  os critérios podem variar.
 
UAIS SÃO??? generos de texto são entidades profundamente vagas  bronckart p.73)- com esses novos textos é preciso repensar a palavra texto. Concepção diferente dastradicionais da linguistica- ao entrar na semiótica aceita-se a musica, o movimento e a imagem como parte dotexto (isso é necessário)
-
Do texto ao hipertextohttp://www.citi.pt/estudos_multi/rute_araujo/ O conceito de "hipertexto", teorizado nos anos 40 por Vannevar Bush, surgenos anos 60 pela mão de Ted Nelson e define-se como uma forma de escritanão linear em que a informação surge ligada dinamicamente em rede,permitindo uma leitura interactiva e multidireccional. Este novo modelo deescrita traz mudanças estruturais profundas e exige a reformulação do conceitode textualidade, bem como da relação sujeito-escrita, inserida agora num novoparadigma de comunicação..Como o prefixo sugere, a passagem do "texto" ao "hipertexto" pressupõe maisdo que uma evolução; é um extravasar de fronteiras, uma hiperbolização dapalavra e do texto, da sua forma, dos seus contornos e dos seus limites. Masse há mudança, há também continuidade. O sistema hipertextual tem tanto denovidade como de reformulação e só adquire sentido se analisado à luz datextualidade precedente, averiguando que características são conservadas,que limitações são superadas e que novos domínios são potencializados. (RuteF. Araujo)- existem diferenças macroscópicas entre o hipertexto eletrônico e o textoimpresso. (pode ser um exagero? Ela parece achar que sim)- a palavra hipertexto é também usada para tratar de documentos emhipermídia- hipertextos normalmente contam ou podem contar com a presença deimagens, ícones, outras marcas, como os
hiperlinks
, as barras de rolamento,diferentes formas de mostrar que um botão está ou não ativado, sons gráficos,animações, vídeos, entre muitos outros- no HIPERTEXTO, a idéia de unidade semântica parece ser constantementefeita, desfeita e refeita, dependendo dos caminhos que o leitor escolhe parapercorrer (uma superposição de textos que pode ser lida na direção doparadigma ou do sintagma MACHADO (1996:64)- uma das características essenciais para para qualquer GENERO é o caráter sócio-comunicativoe, decorrentes disso, os aspectos pragmáticos envolvidosno ato de comunicação. Todo texto é produzido ppara ser recebido ( não
 
necessariamente compreendido) por alguém; é produzido com algumaintençãocomunicativa que o leitor tem o trabalho de recuperar.- A característica que se repete nas definições de texto não diz respeito aaspectos formais, mas ao caráter de mecanismo de interação ou produto deuma situação de comunicação. Tem que continuar a ser um MECANISMO DEINTERAÇÃO. O que muda são as formas de manifestação. O texto continua aser instancia enunciativa, contrato entre o autor e o leitor.- Nesse texto tem uma parte sobre chat onde Tb fala de e-mail.- Os e-mails (e chats) tem uma linguagem mais próxima da oralidade.- com as novas tecnologias as pessoas tem escrito muito.- o leitor do hipertexto também faz as suas exigências...- A grosso modo, o HIPERTEXTO é um texto que traz conexões, chamadas
links,
com outros textos que, por sua vez, se conectam a outros, e assim por diante, formando uma grande rede de textos.- HIPERTEXTO, um texto que remete a outros. (índice seria um exemplotambém, notas de rodapé...há um texto que remete a outros)- Linearidade do TEXTO : o leitor constrói* A leitura do HIPERTEXTO:- Um novo formato de texto-
Entre
 
essas
 
exigências,
pod
em
o
s
d
estacar 
 
algumas
d
as
q
ue
fo
ram
 
i
d
enti
ica
d
as
po
 MORK 
ES
 
e
NI
ELSE
N (1997).
Segun
do
eles,
o
s
 
leit
o
res
d
a
 
web
:
 
p
re
erem
 
a
 
escrita
 
sim
p
les
 
e
 
in
fo
rmal;
 
 
q
uerem
 
c
o
nseguir 
 
in
fo
rmaçã
o
ra
p
i
d
amente
:
sit 
e
s
b
em
o
rganiza
do
s;
 
p
i
do
s;
 
 
o
lêem,
µ
eles
 
escaneam
1
,
po
 
iss
o
g
o
stam
d
e
 
text
o µ
Escaneável
,
 
ist
o é
,
 
c
o
ncis
o
,
 
curt
o
e
d
iret
o
;
 
 
g
o
stam
d
e
 
resum
o
s
 
e
d
a
p
irâmi
d
e
d
e
 
estil
o
inverti
d
a,
o
u
 
seja,
 
a
q
uela
 
estrutura
do
text
o
em
q
ue
 
a
 
c
o
nclusã
o é
a
p
resenta
d
a
 
em
p
rimeir 
o
lugar;
 
 
b
uscam
q
uali
d
a
d
e
 
e
 
relevância
d
a
 
in
fo
rmaçã
o
,
o
c
o
nteú
do é o
mais
 
im
po
rtante
p
ara
o
s
 
usuári
o
s;
 
 
p
o
curam
 
cre
d
i
b
ili
d
a
d
e,
 
se
 
interessam
 
em
 
sa
b
er,
po
 
iss
o
,
q
uem
 
escreveu
o
text
o
;
 
 
c
o
n
iam
 
em
 
inks
p
ara
 
acessar 
 
in
fo
rmaçã
o
c
o
n
iável;
 
1
O
s
 
leit
o
res
 
a
p
enas
 
escaneiam
o
text
o
,
 
ist
o é
,
 
c
o
rrem
o
s
o
lh
o
s
p
ela
p
ágina,
 
tentan
do
enten
d
er 
 
algumas
p
alavras
o
u
 
rases
q
ue
o
s
 
levem
 
at
é
a
 
in
fo
rmaçã
o p
o
cura
d
a
.

Activity (5)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 hundred reads
1 thousand reads
Breno Belisario liked this
Tammy Carvalho liked this

You're Reading a Free Preview

Download
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->